A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Veterinária Colapso Traqueal Liana Mesquita Vilela Aluna de Doutorado em Cirurgia de Pequenos Animais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal de Viçosa Departamento de Veterinária Colapso Traqueal Liana Mesquita Vilela Aluna de Doutorado em Cirurgia de Pequenos Animais."— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Veterinária Colapso Traqueal Liana Mesquita Vilela Aluna de Doutorado em Cirurgia de Pequenos Animais

2 IntroduçãoIntrodução - Definição (flacidez e achatamento) - Adquirida e Congênita - Etiologia - Tratamento - Definição (flacidez e achatamento) - Adquirida e Congênita - Etiologia - Tratamento

3 AnatomiaAnatomia Traquéia: É um órgão de tecido conjuntivo, tubular, flexível e semi- rígido. Possui de anéis C. Traquéia: Membrana traqueal dorsal

4 AnatomiaAnatomia A traquéia deve ser: - Circularmente rígida (anéis de cartilagem) - Capaz de expandir-se (alterações no volume de ar) - Flexível (formada anéis individuais) A traquéia deve ser: - Circularmente rígida (anéis de cartilagem) - Capaz de expandir-se (alterações no volume de ar) - Flexível (formada anéis individuais)

5 Considerações Gerais - Formas de colapso: - Dorsoventral* (membrana dorsal pendulosa) - Latero-lateral (rara, condrotomia) - Regiões colapsadas: - Cervical - Torácica - Carina e brônquios - Paresias, paralisias ou colabamentos laríngeos (30%) (BRAYLEY & ETTINGER, 1997; FOSSUM, 2002) - Colabamentos bronquiais (50%) (FOSSUM, 2002) - Formas de colapso: - Dorsoventral* (membrana dorsal pendulosa) - Latero-lateral (rara, condrotomia) - Regiões colapsadas: - Cervical - Torácica - Carina e brônquios - Paresias, paralisias ou colabamentos laríngeos (30%) (BRAYLEY & ETTINGER, 1997; FOSSUM, 2002) - Colabamentos bronquiais (50%) (FOSSUM, 2002)

6 EtiologiaEtiologia - Desconhecida e multifatorial - Fatores genéticos - Fatores nutricionais - Fatores alérgenos - Deficiência neurológica - Degeneração da matriz cartilaginosa - Obesidade - Desconhecida e multifatorial - Fatores genéticos - Fatores nutricionais - Fatores alérgenos - Deficiência neurológica - Degeneração da matriz cartilaginosa - Obesidade

7 OcorrênciaOcorrência - Cães de meia idade ou idosos (6-8 anos) - Toy e miniatura - Poodle toy - Yorkshire terrier - Lulu da Pomerânia - Maltês - Chihuahua - Cães de grande porte - Traumatismos - Deformidades - Massas intra ou extra-luminais - Cães de meia idade ou idosos (6-8 anos) - Toy e miniatura - Poodle toy - Yorkshire terrier - Lulu da Pomerânia - Maltês - Chihuahua - Cães de grande porte - Traumatismos - Deformidades - Massas intra ou extra-luminais

8 ClassificaçãoClassificação - Colabamento traqueal 25% do diâmetro luminal50% do diâmetro luminal 75% do diâmetro luminal>75% (lúmen obliterado) - Colabamento traqueal 25% do diâmetro luminal50% do diâmetro luminal 75% do diâmetro luminal>75% (lúmen obliterado)

9 FisiopatologiaFisiopatologia Cartilagens afetadas - hipocelularizadas - degeneração da matriz - sulfato de condroitina e cálcio Perda de rigidez e da capacidade de manter a conformação traqueal normal durante o ciclo respiratório Colapso dorsoventral (Reduzindo o lúmen e interferindo no fluxo aéreo) Cartilagens afetadas - hipocelularizadas - degeneração da matriz - sulfato de condroitina e cálcio Perda de rigidez e da capacidade de manter a conformação traqueal normal durante o ciclo respiratório Colapso dorsoventral (Reduzindo o lúmen e interferindo no fluxo aéreo)

10 Sinais Clínicos - Síndrome da Angústia Respiratória - Tosse crônica (som de grasnido de ganso), engasgos - Ruídos respiratórios anormais - Dispnéia - Intolerância à exercícios - Cianose - Síncope - Síndrome da Angústia Respiratória - Tosse crônica (som de grasnido de ganso), engasgos - Ruídos respiratórios anormais - Dispnéia - Intolerância à exercícios - Cianose - Síncope

11 Sinais Clínicos - Fatores que desencadeiam ou exarcebam os sinais clínicos: - Doença subjacente ou em casos de: - Compressão traqueal - Compressão traqueal - Exercícios - Exercícios - Excitação - Excitação - Ingestão de alimentos - Ingestão de alimentos - Tempo úmido e quente - Tempo úmido e quente - Estímulos nocivos (fumaça) - Estímulos nocivos (fumaça) - Fatores que desencadeiam ou exarcebam os sinais clínicos: - Doença subjacente ou em casos de: - Compressão traqueal - Compressão traqueal - Exercícios - Exercícios - Excitação - Excitação - Ingestão de alimentos - Ingestão de alimentos - Tempo úmido e quente - Tempo úmido e quente - Estímulos nocivos (fumaça) - Estímulos nocivos (fumaça)

12 Exame Físico - Mucosas - Tosse do tipo grasnar de ganso - Cartilagens flácidas com bordas proeminentes - Ruídos respiratórios anormais - Mucosas - Tosse do tipo grasnar de ganso - Cartilagens flácidas com bordas proeminentes - Ruídos respiratórios anormais

13 DiagnósticoDiagnóstico - Sinais clínicos/Exame Físico - Radiografias - Dorsoventral - Lateral *Cervicais: traquéia extratorácica (inspiração) * Torácicas: traquéia intratorácica (expiração) - Diagnóstico em 60% (BRAYLEY & ETTINGER, 1997; FOSSUM, 2002) FOSSUM, 2002) - Articulação atlanto-occipital - Fluoroscopia (fases da respiração) - Traqueoscopia - Sinais clínicos/Exame Físico - Radiografias - Dorsoventral - Lateral *Cervicais: traquéia extratorácica (inspiração) * Torácicas: traquéia intratorácica (expiração) - Diagnóstico em 60% (BRAYLEY & ETTINGER, 1997; FOSSUM, 2002) FOSSUM, 2002) - Articulação atlanto-occipital - Fluoroscopia (fases da respiração) - Traqueoscopia

14 TraqueoscopiaTraqueoscopia - Redução do diâmetro e membrana traqueal dorsal pendulosa - Membranas mucosas traqueais - Hiperêmicas - Sem exsudato - Anestesia leve - Culturas de escovados traqueais - Redução do diâmetro e membrana traqueal dorsal pendulosa - Membranas mucosas traqueais - Hiperêmicas - Sem exsudato - Anestesia leve - Culturas de escovados traqueais

15

16 Tratamento Clínico - Antitussígenos - Tartarato de butorfanol (0,055mg/kg – SC h ou 0,55mg/kg – VO) - Bitartarato de hidrocodona (0,22mg/kg – VO – 4-8h) - Antibióticos - Ampicilina - Cefazolina - Clindamicina - Enrofloxacina - Broncodilatadores - Aminofilina (cães – 11mg/kg, VO, IM, IV, TID) - Oxtriptilina (15mg/kg, VO, TID) - Corticosteróides - Dexametasona (0,2mg/kg, IV, IM, SC, BID, até 6mg/kg) - Prednisona (1-2mg/kg, VO, SID ou BID) - Antitussígenos - Tartarato de butorfanol (0,055mg/kg – SC h ou 0,55mg/kg – VO) - Bitartarato de hidrocodona (0,22mg/kg – VO – 4-8h) - Antibióticos - Ampicilina - Cefazolina - Clindamicina - Enrofloxacina - Broncodilatadores - Aminofilina (cães – 11mg/kg, VO, IM, IV, TID) - Oxtriptilina (15mg/kg, VO, TID) - Corticosteróides - Dexametasona (0,2mg/kg, IV, IM, SC, BID, até 6mg/kg) - Prednisona (1-2mg/kg, VO, SID ou BID)

17 Tratamento Clínico - Acepromazina (0,05 a 0,2mg/kg – IV, IM ou SC – TID) - Diazepam (0,2mg/kg – IV – BID) - Oxigênio - Redução de peso - Restrição à exercícios - Ambiente - Acepromazina (0,05 a 0,2mg/kg – IV, IM ou SC – TID) - Diazepam (0,2mg/kg – IV – BID) - Oxigênio - Redução de peso - Restrição à exercícios - Ambiente

18 Tratamento Cirúrgico - Colapsos graus II, III e IV - Dispnéicos, cianóticos ou sincopados imediato - Objetivo: - Sustentar cartilagens e músculos traqueais, restaurando a luz - Preservar o suprimento sangüíneo e nervoso - Colapsos graus II, III e IV - Dispnéicos, cianóticos ou sincopados imediato - Objetivo: - Sustentar cartilagens e músculos traqueais, restaurando a luz - Preservar o suprimento sangüíneo e nervoso

19 Tratamento Cirúrgico - Técnicas - Ressecção traqueal e anastomose - Ressecção traqueal e anastomose - Plicadura da membrana traqueal dorsal - Plicadura da membrana traqueal dorsal - Uso de dispositivos extraluminais (anéis ou espirais) - Uso de dispositivos extraluminais (anéis ou espirais) - Uso de Stents intraluminais - Uso de Stents intraluminais - Técnicas - Ressecção traqueal e anastomose - Ressecção traqueal e anastomose - Plicadura da membrana traqueal dorsal - Plicadura da membrana traqueal dorsal - Uso de dispositivos extraluminais (anéis ou espirais) - Uso de dispositivos extraluminais (anéis ou espirais) - Uso de Stents intraluminais - Uso de Stents intraluminais

20 - Ressecção Traqueal e Anastomose - Porção curta da traquéia - Ressecção Traqueal e Anastomose - Porção curta da traquéia

21 - Plicatura da membrana dorsal (músculo traqueal) - Fixar a membrana dorsal redundante de modo que não caia para o lúmen traqueal e provoque obstrução do fluxo do ar Membrana traqueal larga e frouxa Pregueamento (colchoeiro horizontal interrompido) - Plicatura da membrana dorsal (músculo traqueal) - Fixar a membrana dorsal redundante de modo que não caia para o lúmen traqueal e provoque obstrução do fluxo do ar Membrana traqueal larga e frouxa Pregueamento (colchoeiro horizontal interrompido)

22 - Plicatura da membrana dorsal - Objetivo: Uma traquéia mais circular e rígida - Efetiva *Cães que apresentam, anéis cartilaginosos rígidos e membrana dorsal frouxa e distendida (Grau I E II) membrana dorsal frouxa e distendida (Grau I E II) - Contra-indicado - Colabamento moderado a severo (resulta em redução do diâmetro) - Plicatura da membrana dorsal - Objetivo: Uma traquéia mais circular e rígida - Efetiva *Cães que apresentam, anéis cartilaginosos rígidos e membrana dorsal frouxa e distendida (Grau I E II) membrana dorsal frouxa e distendida (Grau I E II) - Contra-indicado - Colabamento moderado a severo (resulta em redução do diâmetro)

23 - Suportes externos (anéis ou espirais de polipropileno) - Corpos de seringa de polipropileno de 3ml - Cinco ou mais orifícios escalonados em cada anel e dividir ventralmente (cilindros de 5 a 8mm) - Bordas ásperas alisadas - Autoclavados - Divisão (face ventral) - Suportes externos (anéis ou espirais de polipropileno) - Corpos de seringa de polipropileno de 3ml - Cinco ou mais orifícios escalonados em cada anel e dividir ventralmente (cilindros de 5 a 8mm) - Bordas ásperas alisadas - Autoclavados - Divisão (face ventral)

24

25

26 - Suportes externos - Complicações - Infecção - Interrupção da inervação ou fornecimento de sangue paralisia laríngea, necrose da traquéia e tosse crônica - Restrita a traquéia extratorácica e porções limitadas da traquéia intratorácicaX Stents - Suportes externos - Complicações - Infecção - Interrupção da inervação ou fornecimento de sangue paralisia laríngea, necrose da traquéia e tosse crônica - Restrita a traquéia extratorácica e porções limitadas da traquéia intratorácicaX Stents

27 - Stents - Órteses intraluminais utilizadas para manter a morfologia de estruturas tubulares. - Estabilidade às cartilagens traqueais e aumento do diâmetro do lúmen - Stents - Órteses intraluminais utilizadas para manter a morfologia de estruturas tubulares. - Estabilidade às cartilagens traqueais e aumento do diâmetro do lúmen

28

29 - Stents (alívio a curto prazo) - Complicações - Migração do Stent - Erosão da parede traqueal ou bronquial - Colapso do Stent - Abcesso e granuloma - Acúmulo de secreção - Traqueíte - Tosse crônica - Expectoração do Stent *Material: flexível e prevenir migração - Stents (alívio a curto prazo) - Complicações - Migração do Stent - Erosão da parede traqueal ou bronquial - Colapso do Stent - Abcesso e granuloma - Acúmulo de secreção - Traqueíte - Tosse crônica - Expectoração do Stent *Material: flexível e prevenir migração

30 *Stent de nitinol - Nitinol: liga metálica de níquel-titânio, flexível e com propriedades semelhantes à das cartilagens traqueais propriedades semelhantes à das cartilagens traqueais - Variedade de tamanhos (traquéias e brônquios) - Complicações mínimas *Stent de nitinol - Nitinol: liga metálica de níquel-titânio, flexível e com propriedades semelhantes à das cartilagens traqueais propriedades semelhantes à das cartilagens traqueais - Variedade de tamanhos (traquéias e brônquios) - Complicações mínimas

31

32

33

34

35 Pré-operatório e Anestesia - Pré-oxigenação, indução e intubação rápidas - Antibióticos profiláticos - Corticosteróides (2-4kg) - Pré-oxigenação, indução e intubação rápidas - Antibióticos profiláticos - Corticosteróides (2-4kg)

36 Pós-operatórioPós-operatório - Monitoração contínua - Sonda endotraqueal - Desconforto respiratório agudo (inflamação, edema, paresia ou paralisia laríngea) Alargar a glote (lateralização aritenóidea) * Colabamento laríngeo: traqueostomia permanente (24h) - Antibioticoterapia (7-10 dias) - Antitussígeno - Broncodilatadores - Analgésicos e sedativos - Corticosteróides - Monitoração contínua - Sonda endotraqueal - Desconforto respiratório agudo (inflamação, edema, paresia ou paralisia laríngea) Alargar a glote (lateralização aritenóidea) * Colabamento laríngeo: traqueostomia permanente (24h) - Antibioticoterapia (7-10 dias) - Antitussígeno - Broncodilatadores - Analgésicos e sedativos - Corticosteróides

37 Pós-operatórioPós-operatório * Melhoria da qualidade de vida - Restrição à exercícios (repouso de 3 a 7 dias) - Redução de peso - Traqueoscopia (1 a 2 meses pós) - Pode ocorrer: - Equimoses e inchaço cervical leve - Infecção - Necrose traqueal - Morte (inflamação, infecção ou necrose) * Melhoria da qualidade de vida - Restrição à exercícios (repouso de 3 a 7 dias) - Redução de peso - Traqueoscopia (1 a 2 meses pós) - Pode ocorrer: - Equimoses e inchaço cervical leve - Infecção - Necrose traqueal - Morte (inflamação, infecção ou necrose)

38 PrognósticoPrognóstico - Controlar sinais clínicos - Colapso não intenso - Pacientes não obesos - Vida sedentária - Depende - Problemas respiratórios intercorrentes X - Localização ou gravidade do colabamento - Controlar sinais clínicos - Colapso não intenso - Pacientes não obesos - Vida sedentária - Depende - Problemas respiratórios intercorrentes X - Localização ou gravidade do colabamento

39 Dúvidas?Dúvidas?


Carregar ppt "Universidade Federal de Viçosa Departamento de Veterinária Colapso Traqueal Liana Mesquita Vilela Aluna de Doutorado em Cirurgia de Pequenos Animais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google