A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gerência em Saúde Ambiental Diretoria de Vigilância Sanitária Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde de Populações.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gerência em Saúde Ambiental Diretoria de Vigilância Sanitária Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde de Populações."— Transcrição da apresentação:

1 Gerência em Saúde Ambiental Diretoria de Vigilância Sanitária Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos

2 Ações Realizadas Reunião em 25 de outubro de Setores: Diretoria de Vigilância Sanitária (Gerências de Saúde Ambiental, Saúde do Trabalhador, Monitoramento Pós-Comércio e Inspeção de Produtos e Serviços de Saúde), Vigilância Epidemiológica, LACEN, CIT/SC e CIDASC - Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina. Apresentação da proposta do Ministério da Saúde e do levantamento realizada pela Saúde Ambiental dos dados relacionados ao consumo de agrotóxicos, produção agrícola, cultivos, intoxicações, contaminação da água, levantados junto ao IBGE, CIT, SISÁGUA e aos órgãos ligados a Agricultura, visando a sensibilização dos gestores.

3 O Estado de Santa Catarina destaca-se no cenário nacional pela diversidade na produção agrícola, dentre as culturas destacam-se: soja, milho, arroz, trigo, feijão, tomate, maçã, hortifrutigranjeiros, uva, banana, fumo e cebola. Dentre os agrotóxicos mais utilizados destacam-se: glifosato, glifosato-sal de isopropilamina, glifosato-sal de potássio, óleo mineral e atrazina. Ações Realizadas Cenário Estadual

4 Levantamento de área plantada, quantidade produzida e rendimento médio por microrregião geográfica de NºNº Cultura Munic í pios/regiões maiores produtores 1º1º 2º2º 3º3º 1º1º SojaXanxerêCanoinhas Chapec ó 2º2º Milho Chapec ó Joa ç aba São Miguel do Oeste 3º3º Arroz Ararangu á Tubarão Crici ú ma 4º4º TrigoXanxerê Chapec ó Curitibanos 5º5º FeijãoCuritibanosCampos de LagesCanoinhas 6º6º Tomate Joa ç abaCa ç ador Campos de Lages 7º7º Ma ç a São JoaquimFraiburgoBom Jardim da Serra 8º8º Hortifrutigranjeiros Grande Florian ó polis Região Serrana Vale do Itaja í 9º9º UvaVideiraPinheiro Preto Tangar á 10°BananaJoinville Corup á Luiz Alves 11°FumoCanoinhas Ararangu á Rio do Sul 12°CebolaItuporangaTabuleiro Joa ç aba Fonte: EPAGRI/Cepa 2010/2011

5 Fonte: Site Secretaria de Desenvolvimento Sustentável – Recursos Hídricos Mapa das vertentes dos rios de Santa Catarina

6 Grupo Técnico permanente para elaboração e acompanhamento do Modelo Estadual Integrado de Vigilância que permita o monitoramento e o controle de situações de risco à saúde humana, relacionadas aos agrotóxicos, com as áreas: Diretoria de Vigilância Sanitária: Gerências de Saúde Ambiental, Saúde do Trabalhador, Monitoramento Pós- Comércio e Inspeção de Produtos e Serviços de Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Centro Informações Toxicológicas Laboratório Central de Saúde Pública Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – CIDASC. Ações Realizadas - Grupo Técnico

7 Levantamento das informações quanto as exposições e intoxicações por agrotóxicos Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINANNET/DIVE/SES/SC). Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina (CIT/SC).

8 Fonte : SINAN-NET/DIVE/SES Número de casos e incidência de intoxicações por agrotóxicos segundo ano da notificação. Santa Catarina, 2007 a No ano de 2008 foram realizadas capacitações relacionadas ao tema agrotóxicos pelo CIT/SC.

9 Casos de intoxicação notificados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação SINAN-NET em Santa Catarina, 2007 a 2011 No período de 2007 a 2011 foram registrados no sistema de informação casos de intoxicação, destes: –59,9% confirmados por critério clínico –29,1% por critério clínico-epidemiológico –8,10% por critério laboratorial

10 68% são masculino e 32% feminino. Mediana da idade das notificações de 33 anos. A atividade ocupacional dos registros que apresentaram maior freqüência são os trabalhadores agropecuários em geral (42%), dona de casa (10,8%) e estudante (10%). A escolaridade dos casos de intoxicação por agrotóxicos com maior freqüência, foram do ensino fundamental completo (61,3%). Casos de intoxicação notificados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação SINAN-NET em Santa Catarina, 2007 a 2011

11 Percentual de casos notificados de intoxicação por agrotóxico, segundo faixa etária. Santa Catarina, 2007 a O maior número de casos ocorreu na população economicamente ativa (20 a 49 anos, 62%). Fonte: SINAN-NET/DIVE/SES

12 Deve-se considerar que o local de trabalho de alguns indivíduos são a própria residência, portanto, o percentual do ambiente de trabalho poderia ser maior. Percentual de casos notificados de intoxicação por agrotóxico segundo local da exposição. Santa Catarina, 2007 a Fonte: SINAN-NET/DIVE/SES

13 O produto químico mais utilizado foi o herbicida (47%), muito comum o seu uso em plantações para o controle de ervas classificadas com daninhas no cultivo de grãos e oleaginosas porém ocasiona contaminação ambiental e toxicidade para o ser humano. O inseticida, segundo produto mais utilizado (31,2%) é um pesticida para exterminar insetos, destruindo ovos e larvas na agricultura e nas casas. Casos de intoxicação notificados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação SINAN-NET em Santa Catarina, 2007 a 2011

14 As vias de exposições mais freqüentes são a digestiva (39,6%), respiratória (32,2%) e a cutânea (17,9%). A atividade exercida na exposição foi a pulverização (27,3%). A circunstância da exposição mais freqüente em que ocorreram as contaminações são: acidental (39,9%), tentativa de suicídio (26,6%) e uso habitual (15,6%). Casos de intoxicação notificados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação SINAN-NET em Santa Catarina, 2007 a 2011

15 Dados do Centro de Informações Toxicológicas (CIT) Santa Catarina. Incidência de intoxicações por agrotóxicos de uso agrícola, doméstico e total (p/100 mil hab.), segundo ano de atendimento. Santa Catarina, 2007 a 2011.

16 CIRCUNSTÂNCIAS AGROTÓXICO AGRÍCOLAAGROTÓXICO USO DOMÉSTICOTOTAL N°% % % Não Intencional243450, , ,9 Intencional223846,558232, ,6 Outra220,5130,7350,5 Desconhecida1162,4120,71281,9 TOTAL , , ,0 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico), registrados no CIT/SC, no período de 2003 a 2011, segundo circunstâncias agrupadas.

17 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico), segundo circunstância. CIT/SC, 2003 a 2011.

18 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico) segundo faixa etária. CIT/SC, 2003 a 2011.

19 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico) segundo gênero. CIT/SC, 2003 a 2011.

20 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico) segundo zona de ocorrência. CIT/SC, 2003 a 2011.

21 Intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico) segundo evolução. CIT/SC, 2003 a 2011.

22 Óbitos por intoxicações humanas por agrotóxicos (agrícolas e de uso doméstico), segundo circunstância. CIT/SC, 2003 a 2011.

23 Distribuição espacial dos municípios que realizaram, em 2011, o monitoramento de agrotóxicos na água para consumo humano: Vigilância. Fonte: SISÁGUA/2011

24 Distribuição espacial dos municípios que realizaram, em 2011, o monitoramento de agrotóxicos na água para consumo humano: Controle (Prestadoras de Serviços). Fonte: SISÁGUA/2011

25 Desafios Constituição de Grupo Técnico permanente, intra e intersetorial, para elaboração e acompanhamento de um Modelo Estadual Integrado de Vigilância que permita o monitoramento e o controle de situações de risco à saúde humana, relacionado à agrotóxico. Sensibilização da sociedade e as demais áreas afins sobre a importância do programa. Mapeamento das fontes produtivas de contaminação por uso de agrotóxico em todo o estado através de dados quantitativos e qualitativos levantados no decorrer do programa.

26 Implementação da capacidade laboratorial instalada (LACEN/SC) para suporte analítico às análises toxicológicas de Água e Alimentos. Para as análises toxicológicas, no campo ambiental e ocupacional, tendo como sugestão convênio com a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Desafios Capacidade Laboratorial

27 Perspectivas Discussão e construção do Modelo de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos em Santa Catarina, no prazo estabelecido na Portaria. Levantamento dos municípios prioritários com base nos dados disponíveis até a publicação da Portaria.

28 Obrigada!! Marli Teresinha Netto Gerente em Saúde Ambiental Santa Catarina (48)


Carregar ppt "Gerência em Saúde Ambiental Diretoria de Vigilância Sanitária Secretaria de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde de Populações."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google