A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANTIBIOGRAMA HISTÓRICO e EVOLUÇÃO FLEMING 1928 CHAINS e COLS. 1940 (PN) KIRBY e BAUER 1966.

Cópias: 1
ANTIBIOGRAMA HISTÓRICO e EVOLUÇÃO FLEMING 1928 CHAINS e COLS (PN) KIRBY e BAUER 1966.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANTIBIOGRAMA HISTÓRICO e EVOLUÇÃO FLEMING 1928 CHAINS e COLS. 1940 (PN) KIRBY e BAUER 1966."— Transcrição da apresentação:

1 ANTIBIOGRAMA HISTÓRICO e EVOLUÇÃO FLEMING 1928 CHAINS e COLS (PN) KIRBY e BAUER 1966

2 ANTIBIOGRAMA ou TSA CONCEITO CONCEITO IMPORTÂNCIA IMPORTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DA RESISTÊNCIA

3 INTERPRETAÇÃO DO TSA ESCOLHA DO ANTIBIÓTICO SÍTIO INFECTADO SÍTIO INFECTADO PROPRIEDADE DE ALCANÇAR O SÍTIO PROPRIEDADE DE ALCANÇAR O SÍTIO POSOLOGIA POSOLOGIA RESPOSTA IMUNE RESPOSTA IMUNE DISPOSITIVOS DE LONGA PERMANÊNCIA DISPOSITIVOS DE LONGA PERMANÊNCIA

4 FINALIDADE DO TSA VERIFICAÇÃO DA SENSIBILIDADE E RESISTÊNCIA BACTERIANA VERIFICAÇÃO DA SENSIBILIDADE E RESISTÊNCIA BACTERIANA DETERMINAÇÃO DE MECANISMOS DE RESISTÊNCIA DETERMINAÇÃO DE MECANISMOS DE RESISTÊNCIA

5 MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DIFUSÃO DOS DISCOS (KIRBY- BAUER) DIFUSÃO DOS DISCOS (KIRBY- BAUER) DILUIÇÃO EM CALDO OU AGAR DILUIÇÃO EM CALDO OU AGAR E-TEST(MÉTODO EPSILOMÉTRICO) E-TEST(MÉTODO EPSILOMÉTRICO) AUTOMATIZADO AUTOMATIZADO

6 DIFUSÃO EM AGAR TÉCNICA QUALITATIVA TÉCNICA QUALITATIVA FUNDAMENTO FUNDAMENTO VANTAGENS VANTAGENS

7 DIFUSÃO DOS DISCOS VANTAGENS: VANTAGENS: FÁCIL EXECUÇÃO FÁCIL EXECUÇÃO GRANDE UTILIZAÇÃO GRANDE UTILIZAÇÃO ESCOLHA FLEXÍVEL DOS ANTIBIÓTICOS ESCOLHA FLEXÍVEL DOS ANTIBIÓTICOS CUSTO OPERACIONAL MENOR CUSTO OPERACIONAL MENOR

8 PADRONIZAÇÃO DE KIRBY e BAUER (DIFUSÃO) PREPARO DO INÓCULO PREPARO DO INÓCULO TURBIDIMETRIA TURBIDIMETRIA MEIO DE ESCOLHA MEIO DE ESCOLHA SEMEADURA SEMEADURA USO DE DISCOS USO DE DISCOS INCUBAÇÃO E LEITURA INCUBAÇÃO E LEITURA

9 INTERPRETAÇÃO DO ANTIBIOGRAMA SENSÍVEL SENSÍVEL POUCO SENSÍVEL ou INTERMEDIÁRIO POUCO SENSÍVEL ou INTERMEDIÁRIO RESISTENTE RESISTENTE

10 CAUSAS DE ERRO NO TSA MÉTODO DE DIFUSÃO PREPARO DO MEIO DE CULTURA PREPARO DO MEIO DE CULTURA INÓCULO NÃO PADRONIZADO INÓCULO NÃO PADRONIZADO DISCOS ESTOCADOS INADEQUDAMENTE DISCOS ESTOCADOS INADEQUDAMENTE DISCOS FORA DA VALIDADE DISCOS FORA DA VALIDADE MEDIÇÃO INCORRETA DOS HALOS MEDIÇÃO INCORRETA DOS HALOS

11 ESCOLHA DOS DISCOS P/MÉTODO DE DIFUSÃO ENTEROBACTÉRIAS ENTEROBACTÉRIAS NÃO-FERMENTADORAS NÃO-FERMENTADORAS ESTAFILOCOCOS ESTAFILOCOCOS ESTREPTOCOCOS (ENTEROCOCOS) ESTREPTOCOCOS (ENTEROCOCOS) CONSIDERAR O SÍTIO DE INFECÇÃO!! CONSIDERAR O SÍTIO DE INFECÇÃO!!

12 ESCOLHA DOS DISCOS EM TODOS OS EXAMES: EM TODOS OS EXAMES: BETA-LACTÂMICOS e AMG BETA-LACTÂMICOS e AMG PARA GRAM POSITIVAS: PARA GRAM POSITIVAS: PN, AP, MACROLÍDEOS PN, AP, MACROLÍDEOS PARA ITU: PARA ITU: QUINOLONAS e DROGAS de excreção renal QUINOLONAS e DROGAS de excreção renal ANTIMICROBIANOS DE RESERVA ANTIMICROBIANOS DE RESERVA

13 ANTIMICROBIANOS NO TSA DE ROTINA CEFALOSPORINAS: CEFALOSPORINAS: (CF e CZ),(CFO,CFL),(CRO, CAZ),(CPR,CPM) (CF e CZ),(CFO,CFL),(CRO, CAZ),(CPR,CPM) AMG: AMG: AM e GN AM e GN MACROLÍDEOS: MACROLÍDEOS: EI, AZI,CLA EI, AZI,CLA QUINOLONAS: NOR, CIP,PEF,LOM,OFL QUINOLONAS: NOR, CIP,PEF,LOM,OFL

14 DILUIÇÃO EM CALDO DETERMINAÇÃO DA CIM DILUIÇÃO SERIADA DO ANTIMICROBIANO DILUIÇÃO SERIADA DO ANTIMICROBIANO TESTE EPSILOMÉTRICO- E TEST TESTE EPSILOMÉTRICO- E TEST SISTEMA AUTOMATIZADO SISTEMA AUTOMATIZADO

15 MÉTODOS AUTOMATIZADOS VITEK (BECTON e DICKINSON) VITEK (BECTON e DICKINSON) DADE (MICROSCAN) DADE (MICROSCAN) AUTOSCAN (ROCHE) AUTOSCAN (ROCHE)

16 AUTOMAÇÃO DO TSA DESVANTAGENS: DESVANTAGENS: CUSTO ALTO CUSTO ALTO NÚMERO DE DILUIÇÕES PEQUENO NÚMERO DE DILUIÇÕES PEQUENO BAIXA FLEXIBILIDADE NA ESCOLHA DOS ANTIBIÓTICOS BAIXA FLEXIBILIDADE NA ESCOLHA DOS ANTIBIÓTICOS

17 RESISTÊNCIA INTRÍNSECA AOS ANTIMICROBIANOS AMPICILINA: AMPICILINA: Citrobacter spp. Citrobacter spp. Enterobacter spp. Enterobacter spp. Serratia spp. Serratia spp. Klebsiella spp. Klebsiella spp. Providencia spp. Providencia spp. Proteus vulgaris Proteus vulgaris Proteus penneri Proteus penneri CEFALOTINA: CEFALOTINA: C.freundi C.freundi Enterobacter spp. Enterobacter spp. Serratia spp. Serratia spp. Providencia spp. Providencia spp. P.vulgaris P.vulgaris P.penneri P.penneri M.morganii M.morganii

18 RESISTÊNCIA INTRÍNSECA CEFOXITINA: CEFOXITINA: C.freundi C.freundi Enterobacter spp. Enterobacter spp. Serratia spp. Serratia spp.NITROFURANTOÍNA: Proteus spp.

19 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES EM RELAÇÃO AO TSA AMOSTRAS DE Staphylococcus spp.RESISTENTES à OXACILINA AMOSTRAS DE Staphylococcus spp.RESISTENTES à OXACILINA RESISTÊNCIA OU SENSIBILIDADE INTERMEDIÁRIA às CFS de TERCEIRA GERAÇÃO COM SENSIBILIDADE às CFS de SEGUNDA GERAÇÃO (ESBL) RESISTÊNCIA OU SENSIBILIDADE INTERMEDIÁRIA às CFS de TERCEIRA GERAÇÃO COM SENSIBILIDADE às CFS de SEGUNDA GERAÇÃO (ESBL)


Carregar ppt "ANTIBIOGRAMA HISTÓRICO e EVOLUÇÃO FLEMING 1928 CHAINS e COLS. 1940 (PN) KIRBY e BAUER 1966."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google