A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AFÉRESES TERAPÊUTICAS - REVISÃO Reunião Científica-Hemoterapia CHSP 28/09/2005.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AFÉRESES TERAPÊUTICAS - REVISÃO Reunião Científica-Hemoterapia CHSP 28/09/2005."— Transcrição da apresentação:

1 AFÉRESES TERAPÊUTICAS - REVISÃO Reunião Científica-Hemoterapia CHSP 28/09/2005

2 Aférese Definição Definição História: EUA - primeira plasmaférese manual História: EUA - primeira plasmaférese manual II Guerra Mundial - Cohn e colaboradores - método de preparo e estoque das proteínas plasmáticas II Guerra Mundial - Cohn e colaboradores - método de preparo e estoque das proteínas plasmáticas Fracionador de Cohn - inviável Fracionador de Cohn - inviável

3 Plasmaférese Terapêutica Skoog e Adams - tratamento eficaz com plasmaférese terapêutica manual de paciente com Macroglobulinemia de Waldenström Skoog e Adams - tratamento eficaz com plasmaférese terapêutica manual de paciente com Macroglobulinemia de Waldenström Início dos Separadores Celulares Automatizados Início dos Separadores Celulares Automatizados

4 Guidelines ASFA-AABB I - Considerada como terapia standard ou primária, geralmente baseada em estudos controlados; I - Considerada como terapia standard ou primária, geralmente baseada em estudos controlados; II - Evidências suficientes de eficácia, geralmente como terapia adjuvante; II - Evidências suficientes de eficácia, geralmente como terapia adjuvante; III - Dados insuficientes para comprovar a efetividade, mas pode ser utilizada como último recurso; III - Dados insuficientes para comprovar a efetividade, mas pode ser utilizada como último recurso;

5 Guidelines ASFA-AABB IV - Doença sem resposta à Aférese Terapêutica, geralmente comprovado por estudos controlados. IV - Doença sem resposta à Aférese Terapêutica, geralmente comprovado por estudos controlados.

6 ERITROCITAFÉRESE Malária com parasitemia intensa; Malária com parasitemia intensa; Reações transfusionais hemolíticas severas; Reações transfusionais hemolíticas severas; Policitemia Vera ou eritrocitose secundária; Policitemia Vera ou eritrocitose secundária; Anemia Falciforme : - Síndrome torácica aguda e AVC. Anemia Falciforme : - Síndrome torácica aguda e AVC.

7 Leucaférese terapêutica Indicações: 1) Hiperleucocitose: - LMA, LMMA, LMoA, fase blástica ou acelerada de LMC = Leucoestase + contagem de leucócitos > ; LLC = leucoestase + contagem de leucócitos > Indicações: 1) Hiperleucocitose: - LMA, LMMA, LMoA, fase blástica ou acelerada de LMC = Leucoestase + contagem de leucócitos > ; LLC = leucoestase + contagem de leucócitos > Giles e col. - leucaférese reduz risco de morte precoce (1ª 4 semanas de tratamento) em pacientes com LMA e hiperleucocitose - Giles e col. - leucaférese reduz risco de morte precoce (1ª 4 semanas de tratamento) em pacientes com LMA e hiperleucocitose -

8 Leucaférese Terapêutica Análise estatística de 482 pacientes > leucócitos: Análise estatística de 482 pacientes > leucócitos: Leucaférese _ CR = 63% ; morte precoce = 26%; Leucaférese _ CR = 63% ; morte precoce = 26%; Sem leucaférese _ CR = 36% ; morte precoce = 64% ( p=0,03) Sem leucaférese _ CR = 36% ; morte precoce = 64% ( p=0,03)

9 Leucaférese Terapêutica Momento ideal : 1 a 3 dias do diagnóstico, antes de QT sistêmica; Momento ideal : 1 a 3 dias do diagnóstico, antes de QT sistêmica; Outras indicações: LMC em gestantes, Síndrome de lise tumoral e coagulopatias trombóticas da Leucemia Prolinfocítica. Outras indicações: LMC em gestantes, Síndrome de lise tumoral e coagulopatias trombóticas da Leucemia Prolinfocítica.

10 Plaquetaférese Terapêutica Indicações: Trombocitose sintomática ( Trombocitemia Essencial, Policitemia Vera, Leucemia Mielóide Crônica, Mielofibrose Secundária) Indicações: Trombocitose sintomática ( Trombocitemia Essencial, Policitemia Vera, Leucemia Mielóide Crônica, Mielofibrose Secundária) Escolha como tratamento primário ou adjuvante de primeira linha com outra terapia inicial. Escolha como tratamento primário ou adjuvante de primeira linha com outra terapia inicial.

11 Plasmaférese Terapêutica Doenças Hematológicas e Disproteinemias Doenças Hematológicas e Disproteinemias Doenças Neurológicas; Doenças Neurológicas; Doenças Reumatológicas; Doenças Reumatológicas; Doenças Renais; Doenças Renais; Outras. Outras.

12 Doenças Hematológicas PTT (I) (I); PTT (I) (I); Transplante de órgãos ABO incompatíveis (II) (II); Transplante de órgãos ABO incompatíveis (II) (II); Anemia Aplástica e Aplasia Pura de Série Vermelha (III) (III); Anemia Aplástica e Aplasia Pura de Série Vermelha (III) (III); Inibidores de Fatores da Coagulação (II) (II); Inibidores de Fatores da Coagulação (II) (II);

13 Doenças Hematológicas Púrpura Pós-transfusional (I) (I); Púrpura Pós-transfusional (I) (I); Anemia Hemolítica Auto-imune (III) (III); Anemia Hemolítica Auto-imune (III) (III); Aloimunização plaquetária e Refratariedade (III) (III). Aloimunização plaquetária e Refratariedade (III) (III).

14 Disproteinemias Mieloma Múltiplo (II) (II); Mieloma Múltiplo (II) (II); Macroglobulinemia de Waldentröm (II) (II); Macroglobulinemia de Waldentröm (II) (II); Gamopatia Monoclonal de Significado Desconhecido; Gamopatia Monoclonal de Significado Desconhecido; Crioglobulinemia (II) (II). Crioglobulinemia (II) (II).

15 Doenças Neurológicas Síndrome de Guillian Barrè (I); Síndrome de Guillian Barrè (I); Miastenia Gravis (I); Miastenia Gravis (I); Polineuropatia Desmielinizante Inflamatória Crônica (I); Polineuropatia Desmielinizante Inflamatória Crônica (I); Outras. Outras.

16 Doenças Renais Glomerulonefrite Rapidamente Progressiva (II) (II); Glomerulonefrite Rapidamente Progressiva (II) (II); Síndrome Hemolítica Urêmica (III) (III); Síndrome Hemolítica Urêmica (III) (III); Glomeruloesclerose Segmental e Focal Recorrente (III) (III); Glomeruloesclerose Segmental e Focal Recorrente (III) (III); Nefrite Lúpica (IV) (IV). Nefrite Lúpica (IV) (IV).

17 Doenças Reumatológicas Vasculite Sistêmica (III) (III); Vasculite Sistêmica (III) (III); Esclerose Sistêmica Progressiva (III) (III); Esclerose Sistêmica Progressiva (III) (III); Artrite Reumatóide (IV); Artrite Reumatóide (IV); Lúpus Eritematoso Sistêmico (III). Lúpus Eritematoso Sistêmico (III).

18 Doenças Metabólicas Insuficiência Hepática Aguda (III); Insuficiência Hepática Aguda (III); Intoxicação Exógena e Envenenamento (III). Intoxicação Exógena e Envenenamento (III).

19 Crioglobulinemias Definição: imunoglobulinas ou complexos de proteínas que se precipitam com o frio. Definição: imunoglobulinas ou complexos de proteínas que se precipitam com o frio. 3 Tipos principais: - Tipo I : proteína monoclonal única, IgG ou IgM (MM, Macr.Waldenström, Dçs. Linfoproliferativas); 3 Tipos principais: - Tipo I : proteína monoclonal única, IgG ou IgM (MM, Macr.Waldenström, Dçs. Linfoproliferativas); -Tipo II : imunoglobulina monoclonal (IgM), com atividade de fator reumatóide e IgG policlonal; -Tipo II : imunoglobulina monoclonal (IgM), com atividade de fator reumatóide e IgG policlonal;

20 Crioglobulinemias Tipo III : imunoglobulinas policlonais (IgG ou IgM) e ocasionalmente outras substâncias como complemento ou antígenos virais. Tipo III : imunoglobulinas policlonais (IgG ou IgM) e ocasionalmente outras substâncias como complemento ou antígenos virais.

21 Crioglobulinemias Manifestações Clínicas: Manifestações Clínicas: Tríade de Meltzer = púrpura,artralgia e fraqueza; Tríade de Meltzer = púrpura,artralgia e fraqueza; Neuropatia Periférica; Neuropatia Periférica; Serosites; Serosites; Alterações Renais (variáveis). Alterações Renais (variáveis).

22 Crioglobulinemias Hepatite Crônica por vírus C = infecção linfócito B pelo vírus - translocação gene bcl-2 e rearranjo Ig - linfoproliferação clonal - síntese de IgM monoclonal com atividade de fator reumatóide - formação de imunoclompexos com IgG ao frio - vasculites. Hepatite Crônica por vírus C = infecção linfócito B pelo vírus - translocação gene bcl-2 e rearranjo Ig - linfoproliferação clonal - síntese de IgM monoclonal com atividade de fator reumatóide - formação de imunoclompexos com IgG ao frio - vasculites.

23 Crioglobulinemias Ann Ital Med Int 2005, April-June Hepatitis C virus-related Cryoglobulinemia and glomerulonephritis: pathogenesis and therapeutic strategies Ann Ital Med Int 2005, April-June Hepatitis C virus-related Cryoglobulinemia and glomerulonephritis: pathogenesis and therapeutic strategies Interferon-alfa e Ribavirina; Interferon-alfa e Ribavirina; Corticosteróides, drogas imunossupressoras e plasmaférese. Corticosteróides, drogas imunossupressoras e plasmaférese.

24 Síndrome de Guillain Barré Fraqueza progressiva, início súbito, progressão de dias a semanas, comprometimento motor >> sensorial, hiporreflexia; Fraqueza progressiva, início súbito, progressão de dias a semanas, comprometimento motor >> sensorial, hiporreflexia; Frequentemente sucede uma doença inflamatória ou infecciosa; Frequentemente sucede uma doença inflamatória ou infecciosa; Pacientes geralmente se recuperam, mas pode levar meses. Pacientes geralmente se recuperam, mas pode levar meses.

25 Síndrome de Guillain Barré Líquor: glicose normal, proteína elevada (geralmente >100), e às vezes discreto aumento celular ( 100), e às vezes discreto aumento celular (< 10); Estudo eletroneurológico = velocidade de condução lenta, compatível com desmielinização. Estudo eletroneurológico = velocidade de condução lenta, compatível com desmielinização.

26 Síndrome de Guillain Barré Plasmaférese - 1º tratamento que alterou curso natural da doença; Plasmaférese - 1º tratamento que alterou curso natural da doença; Vários protocolos de tratamento; Vários protocolos de tratamento; Reposição com solução de albumina; Reposição com solução de albumina; Plasmaférese ou imunoglobulina IV????? Plasmaférese ou imunoglobulina IV?????

27 Síndrome de Guillain Barré Pontos favoráveis IgIV: menos efeitos adversos; maior facilidade de administração; respostas semelhantes às da plasmaférese terapêutica. Pontos favoráveis IgIV: menos efeitos adversos; maior facilidade de administração; respostas semelhantes às da plasmaférese terapêutica. Desfavorável: custo. Desfavorável: custo.

28 Síndrome de Guillain Barré Pres. Int.,2000 October. - Human immunoglobulin and GBS: new indication.An alternative to plasmapheresis. Pres. Int.,2000 October. - Human immunoglobulin and GBS: new indication.An alternative to plasmapheresis. Efeitos equivalentes; efeitos colaterais incomuns; administração mais segura que plasmaférese; combinação dos tratamentos não traz benefícios. Efeitos equivalentes; efeitos colaterais incomuns; administração mais segura que plasmaférese; combinação dos tratamentos não traz benefícios.

29 Síndrome de Guillain Barré Ther. Apher., 2002, April - Plasma Exchange versus double filtration plasmapheresis in the treatment of GBS, Chang Gung Memorial Hospital, National Taiwan University College of Medicine, Taipei, Taiwan. Ther. Apher., 2002, April - Plasma Exchange versus double filtration plasmapheresis in the treatment of GBS, Chang Gung Memorial Hospital, National Taiwan University College of Medicine, Taipei, Taiwan. 2 tratamentos são eficazes,mas PE é superior em resposta a curto prazo. 2 tratamentos são eficazes,mas PE é superior em resposta a curto prazo.

30 Síndrome de Guillain Barré 2 Subtipos da SGB - eletroneuromiografia: 2 Subtipos da SGB - eletroneuromiografia: AMAN - Neuropatia Axonal Motora Severa Aguda; AMAN - Neuropatia Axonal Motora Severa Aguda; AIDP - Neuropatia Desmielinizante Inflamatória Aguda. AIDP - Neuropatia Desmielinizante Inflamatória Aguda.

31 Síndrome de Guillain Barré Ther. Apher. Dial, 2004, October; Plasmapheresis treatment in GBS : potential benefit plasmapheresis over IVIg in patients with axonal involvement, University of Connecticut Health Center. Ther. Apher. Dial, 2004, October; Plasmapheresis treatment in GBS : potential benefit plasmapheresis over IVIg in patients with axonal involvement, University of Connecticut Health Center. Conclusão: plasmaférese é mais efetiva em SGB com envolvimento axonal ao estudo eletroneuromiográfico. Conclusão: plasmaférese é mais efetiva em SGB com envolvimento axonal ao estudo eletroneuromiográfico.

32 Síndrome de Guillain Barré Neurology,2003, August, Differences in pathern of progression in demyelinating and axonal GBS, Chiba University School of Medicine, Japan Neurology,2003, August, Differences in pathern of progression in demyelinating and axonal GBS, Chiba University School of Medicine, Japan Conclusão: AMAN = progressão mais rápida e nadir precoce; AIDP = progressão longa, necessitando de monitorização cuidadosa. Conclusão: AMAN = progressão mais rápida e nadir precoce; AIDP = progressão longa, necessitando de monitorização cuidadosa.


Carregar ppt "AFÉRESES TERAPÊUTICAS - REVISÃO Reunião Científica-Hemoterapia CHSP 28/09/2005."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google