A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente Trabalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente Trabalho."— Transcrição da apresentação:

1 Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente Trabalho Infantil Artístico Proibições, Limites e Possibilidades

2 Contextualização Projeto de Lei n. 83/2006: pretende prever algumas condições para o exercício de trabalho infantil artístico antes da idade mínima. Projeto de Lei n. 83/2006: pretende prever algumas condições para o exercício de trabalho infantil artístico antes da idade mínima. Participação de crianças e adolescentes menores de 16 anos em manifestações artísticas, não raro apropriadas economicamente por outrem Participação de crianças e adolescentes menores de 16 anos em manifestações artísticas, não raro apropriadas economicamente por outrem

3 Problematização Existe proibição ao trabalho artístico de crianças e adolescentes menores de 16 anos? Existe proibição ao trabalho artístico de crianças e adolescentes menores de 16 anos? Esta proibição é absoluta e irrestrita? Esta proibição é absoluta e irrestrita? Caso contrário, é possível relativizar aquela proibição? Caso contrário, é possível relativizar aquela proibição? Caso positivo, sob que circunstâncias admite-se a relativização? Caso positivo, sob que circunstâncias admite-se a relativização?

4 FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA Análise das Normas Constitucionais Análise das Normas Internacionais FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA Análise das Normas Constitucionais Análise das Normas Internacionais

5 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Fonte Normativa Nacional Eixo Central: Constituição Federal, Art. 7°, XXXIII: Proibição Geral ao Trabalho para menores de 16 anos.

6 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Fonte Normativa Internacional Eixo Central Convenção OIT n. 138/1978, sobre idade mínima de admissão ao trabalho e emprego

7 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Ratificada pelo Brasil em , por meio do Decreto Presidencial n Ratificada pelo Brasil em , por meio do Decreto Presidencial n Princípio de Direito Internacional Pacta Sunt Servanda, (Convenção de Viena, art. 26 também ratificada pelo Brasil): os tratados internacionais de direitos tornam-se exigíveis e aplicáveis tão logo sejam ratificados. Princípio de Direito Internacional Pacta Sunt Servanda, (Convenção de Viena, art. 26 também ratificada pelo Brasil): os tratados internacionais de direitos tornam-se exigíveis e aplicáveis tão logo sejam ratificados.

8 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Premissa Inicial: Obrigatoriedade de cumprimento da Convenção n.138. É Norma de Direitos Humanos, com status de norma constitucional.

9 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Conseqüências da Premissa 1) Proibição Geral ao Trabalho Infantil Artístico para menores de 16 anos, em consonância com norma de direito interno (art. 7, XXXIII CF 88) e norma de direito internacional (art. 2, item 1 da Convenção n. 138). Art. 2, item 1: O Estado signatário deve informar ao Secretariado da Organização Internacional do Trabalho, em instrumento anexo à ratificação, qual a idade mínima de admissão ao trabalho a viger sob seu território, observado um piso etário previsto naquele instrumento. Estado brasileiro: documento depositado previu a idade mínima de 16 anos, completando a força vinculante da norma

10 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Conseqüências da Premissa 2) Possibilidade de Permissão Excepcional, sob condições específicas, em consonância com a norma do art. 8, item 01 da Convenção n. 138 OIT A autoridade competente, após consulta com as organizações de empregadores e de trabalhadores interessadas, se as houver, podem, mediante licenças concedidas em casos individuais, permitir exceções à proibição de emprego ou trabalho disposto no artigo 2 desta Convenção, para fins tais como participação em representações artísticas

11 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Norma Específica de Exclusão (art. 8) Norma Específica de Exclusão (art. 8) A autoridade competente, em casos individuais, pode prever, mediante licenças específicas, exceções à regra de proibição ao trabalho, nos casos de manifestações artísticas. #Requisitos: A) Ato de Autoridade Competente (autoridade judiciária do trabalho) B) Existência de uma licença ou alvará Individual C) O labor deve envolver manifestação artística;. D) A licença ou alvará deverá definir em que atividades poderá haver labor, e quais as condições especiais de trabalho.

12 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 # Caso Brasileiro: Como a norma não necessita de ato complementar, valendo por si mesma, é aplicável, no Brasil, pelo tão simples ato da ratificação #Conclusão: A) Em paralelo à norma geral de proibição, existe permissão excepcional para o trabalho infantil artístico, em casos individuais, mediante autorização da autoridade competente, que fixará os tipos de trabalho e suas condições especiais.

13 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Esquema Normativo da Convenção n. 138 Pressupostos justificadores da Permissão Excepcional: Pressupostos justificadores da Permissão Excepcional: A) Excluir para proteger a criança e o adolescente. B) Princípio Constitucional da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta. C) Evitar a Exploração no trabalho. D) Cautela na autorização, mediante parâmetros mínimos de proteção. Requisitos para a Permissão (art.8) A) Excepcionalidade B) Situações Individuais e Específicas C) Ato de Permissão da Autoridade Competente D) Fixação das Atividades Artísticas onde poderá ser ativado o labor E) Fixação de condições especiais de trabalho. (art.8, item 2 da Conv. 138 OIT

14 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Esquema Normativo da Convenção n. 138 Parâmetros Mínimos de Proteção: Parâmetros Mínimos de Proteção: A) Imprescindibilidade de Contratação B) Prévia autorização de seus representantes legais e concessão de alvará judicial, para cada novo trabalho realizado; D) Impossibilidade de trabalho em caso de prejuízos ao desenvolvimento biopsicosocial da criança e do adolescente, devidamente aferido em laudo médico-psicológico. D) Matrícula, freqüência e bom aproveitamento escolares, além de reforço escolar, em caso de mau desempenho.

15 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Esquema Normativo da Convenção n. 138 Parâmetros Mínimos de Proteção: Parâmetros Mínimos de Proteção: E) Compatibilidade entre o horário escolar e atividade de trabalho, resguardos dos direitos de repouso, lazer e alimentação, dentre outros. F) Assistência médica, odontológica e psicológica. G) Proibição de labor a menores de 18 anos em locais e serviços perigosos, noturnos, insalubres, penosos, prejudiciais à moralidade e em lugares e horários que inviabilizem ou dificultem a freqüência à escola. H) Depósito, em caderneta de poupança, de percentual mínimo incidente sobre a remuneração devida

16 Proibição Absoluta x Permissão Excepcional Análise da Convenção OIT n. 138/1978 Esquema Normativo da Convenção n. 138 Parâmetros Mínimos de Proteção: Parâmetros Mínimos de Proteção: I) Jornada e carga horária semanal máximas de trabalho, intervalos de descanso e alimentação J) Acompanhamento do responsável legal do artista, ou quem o represente, durante a prestação do serviço. L) Garantia dos direitos trabalhistas e previdenciários quando presentes, na relação de trabalho, os requisitos do arts. 2° e 3° da Consolidação das Leis do Trabalho.

17 Conclusões 01) Existe proibição ao trabalho artístico de crianças e adolescentes menores de 16 anos? Sim, A proibição contida no art. 7º, XXXIII da Constituição é ampla, alçando todas as formas de trabalho a menores de 16 anos, abarcando, inclusive, a prática do trabalho infantil artístico. Sim, A proibição contida no art. 7º, XXXIII da Constituição é ampla, alçando todas as formas de trabalho a menores de 16 anos, abarcando, inclusive, a prática do trabalho infantil artístico. 02) Esta proibição é absoluta e irrestrita? Não. 03) Caso contrário, é possível relativizar aquela proibição? Sob que fundamentos? 3.1) Admite-se um especial tempero da regra de defeso constitucional, para, excepcionalmente e em casos individuais, permitir-se aquela espécie de trabalho, desde que devidamente autorizado pela autoridade judiciária, em alvará onde se fixem as garantias de um trabalho protegido e consectâneo à proteção integral; tudo com base na Convenção 138 da OIT, que detém força vinculante na Ordem Interna (Convenção de Viena) e apanágio de norma constitucional. 3.1) Admite-se um especial tempero da regra de defeso constitucional, para, excepcionalmente e em casos individuais, permitir-se aquela espécie de trabalho, desde que devidamente autorizado pela autoridade judiciária, em alvará onde se fixem as garantias de um trabalho protegido e consectâneo à proteção integral; tudo com base na Convenção 138 da OIT, que detém força vinculante na Ordem Interna (Convenção de Viena) e apanágio de norma constitucional.

18 Conclusões 04) Caso positivo, sob que circunstâncias admite-se a relativização? 04) Caso positivo, sob que circunstâncias admite-se a relativização? Sob os influxos das cláusulas da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta, por força da qual a autoridade judicial deverá, ao analisar o pedido de alvará, definir se dará a permissão, dependendo do tipo de trabalho artístico, e, acaso lhe seja conferida, determinar a forma de execução da atividade (duração da jornada; condições ambientais; horário em que o trabalho pode ser exercido pela criança ou adolescentes; e outras questões relacionadas ao trabalho que estejam presentes no caso concreto), sempre com a manifestação do Ministério Público do Trabalho, que deverá atuar como fiscal da lei para evitar eventuais irregularidades. Sob os influxos das cláusulas da Proteção Integral e da Prioridade Absoluta, por força da qual a autoridade judicial deverá, ao analisar o pedido de alvará, definir se dará a permissão, dependendo do tipo de trabalho artístico, e, acaso lhe seja conferida, determinar a forma de execução da atividade (duração da jornada; condições ambientais; horário em que o trabalho pode ser exercido pela criança ou adolescentes; e outras questões relacionadas ao trabalho que estejam presentes no caso concreto), sempre com a manifestação do Ministério Público do Trabalho, que deverá atuar como fiscal da lei para evitar eventuais irregularidades.

19 Aplicação das Premissas Jurídicas ao Projeto de Lei n. 83/2006

20 Dois Caminhos 01) Rejeição do Projeto de Lei: da forma como posta, contravém às normas constitucionais referidas anteriormente. A regra geral é a da proibição ao trabalho infantil artístico, havendo, apenas excepcionalmente, em casos individuais, permissão para participações artísticas, desde que previstas condições especiais de trabalho, seara a que o projeto não avança. 02) Emenda adicionando parâmetros protetivos mínimos e reforçando o caráter da excepcionalidade. Urgência em se evitar abusos (Caso Maísa). Danos físicos e psicológicos. O momento é agora!

21 Reflexão Final (Herbert de Souza) A criança é o princípio sem fim. O fim da criança é o princípio do fim. Quando a sociedade deixa matar as crianças é porque começou seu suicídio como sociedade. Quando não as ama é porque deixou de se reconhecer como humanidade.Afinal, a criança é o que fui em mim e em meus filhos, enquanto eu e humanidade; ela como princípio é a promessa de tudo. É minha obra livre de mim. A criança é o princípio sem fim. O fim da criança é o princípio do fim. Quando a sociedade deixa matar as crianças é porque começou seu suicídio como sociedade. Quando não as ama é porque deixou de se reconhecer como humanidade.Afinal, a criança é o que fui em mim e em meus filhos, enquanto eu e humanidade; ela como princípio é a promessa de tudo. É minha obra livre de mim. Se não vejo na criança uma criança, é porque alguém a violentou antes e o que vejo é o que sobrou de tudo que lhe foi tirado. Mas essa que vejo na rua sem pai, sem mãe, sem casa, cama e comida, essa que vive a solidão das noites sem gente por perto, é um grito, é um espanto. Diante dela, o mundo deveria parar para começar um novo encontro, porque a criança é o princípio sem fim e o seu fim é fim de todos nós Se não vejo na criança uma criança, é porque alguém a violentou antes e o que vejo é o que sobrou de tudo que lhe foi tirado. Mas essa que vejo na rua sem pai, sem mãe, sem casa, cama e comida, essa que vive a solidão das noites sem gente por perto, é um grito, é um espanto. Diante dela, o mundo deveria parar para começar um novo encontro, porque a criança é o princípio sem fim e o seu fim é fim de todos nós


Carregar ppt "Ministério Público da União Ministério Público do Trabalho Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente Trabalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google