A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Técnicas de Apresentação Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Técnicas de Apresentação Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Universidade Federal do Rio Grande do Sul."— Transcrição da apresentação:

1 Técnicas de Apresentação Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Universidade Federal do Rio Grande do Sul

2 Comunicação... Como se efetiva uma comunicação? Através da utilização de recursos adequados.

3 Tipos Psicológicos (segundo JUNG) Emotivo Racional ExtrovertidoIntrovertido Sensitivo Energia Intuitivo Atenção Decisão Vivência Perceptivo Julgador

4 O processo de memorização - A memória do ser humano - O esquema da memória humana »memória de curto termo (ou rápida): retém informações por cerca de 10 segundos grava cerca de 7 ± 2 porções de informação »memória de trabalho: retém informações por um tempo maior é a memória intermediária entre a rápida e a permanente »memória de longo termo (permanente): retém informações por longos períodos tem tamanho quase ilimitado (teoricamente) Miller 56 Borges 95 Shneiderman 87

5 Processo de Memorização Memória de Longo Termo ou Permanente Memória de Trabalho Memória de Curto Termo Visão Audição Fala Movimento Ref.: [Borges 95], [Miller 56], [Card 80]

6 Memória do Ser Humano Memória de Longo Termo (Permanente) Armazenamento de Imagem Visual Armazenamento de Imagem Auditiva Memória de Trabalho Processador de Percepção Processador Motor Processador Cognitivo t=200 mseg p=17 letras m=Físico t=tempo acesso p=pedaço informação(chunk) m=modo acesso t=1500 mseg p=5 letras m=Físico t=73 seg (1 Chunk) =7 seg (3 Chunks) p=3 a 7 Chunks) m=Acústico ou visual Movimento do Olho=230 mseg t=100 mseg t=70 mseg m=Semânticop=?t=?

7 TempoAçãoMemória Teoria Segundos (unidade comum) 10 9 (décadas)TecnologiaCultura Social 10 8 (anos)SistemaDesenvolvimento e 10 7 (meses)ProjetoEducação Organizacional 10 6 (semanas)TarefaEducação 10 5 (dias)TarefaHabilidade 10 4 (horas)TarefaHabilidade Racionalidade 10 3 (dezenas minutos) TarefaLTM Limitada 10 2 (minutos)TarefaLTM 10 1 (segundos)Unidade TarefaLTM 10(segundo)OperadorSTM Psicologia (décimos segundos) Tempo cicloBuffers (centisegundos)SinalIntegração Neural e (milisegundos)PulsoAdição Bioquímica Escala de tempos da ação humana e respectivo envolvimento da memória

8 Geralmente lembramos: 10% do que lemos 20% do que ouvimos 30% do que vemos 50% do que vemos e ouvimos 70% do que dizemos quando falamos 90% do que dizemos quando fazemos algo TREICHER, D.G. Are You Missing the Boat in Training Aids? Film and AV Communications, 1, 14-16, 1967

9 Grau de eficiência dos mecanismos de memória humana Auditiva 9% Mecânica11% Visual75% Outras 5%

10 Pensamento e Inteligência Devemos nos exercitar a pensar em 3 dimensões: Vista Superior Vista Latera l Pensar em 3 dimensões

11 Como agem os neurônios Os neurônios do ser humano são os responsáveis pelo processo de raciocínio e inteligência. Os neurônios são ativados em cadeia, quando se começa a se concentrar. Para que o idéias e soluções aconteçam é preciso que o processo de concentração se inicie e permaneça ativo. Fatores que impedem ou cortam a concentração: –falar sobre outro assunto enquanto se escreve; –ouvir sobre outro assunto enquanto se escreve; –distrair-se com qualquer coisa; –alguma interrupção; –não ter vontade de raciocinar.

12 Exemplo de ativação dos neurônios A cada segundo cerca de 2 neurônios são ativados. Ao longo de 10 segundos tem-se cerca de neurônios ativados. Após 20 segundos, 1 milhão de neurônios.

13 Comunicação pelos Sentidos Humanos: Visão Audição Tato Olfato Gosto

14 Mecanismos de Memória Memória Visual Memória Auditiva Memória Mecânica Memória Táctil Memória Olfativa Memória Degustativa

15 1 - Comunicação pelo Gosto ou Degustativa (Memória Degustativa) É a comunicação que vem do gosto, pelo toque da língua, bem como pela ação de beber ou comer. O índice de eficiência é cerca de 1%.

16 2 - Comunicação pelo Tato ou Táctil (Memória Táctil) É a comunicação que vem pelo tato, tanto das mãos (mais sensível) como por outras partes do corpo. Isoladamente o grau de eficiência é de 1,5%

17 3 - Comunicação pelo Olfato ou Olfativa (Memória Olfativa) É a comunicação que vem pelo olfato, ou seja, o nariz sente um cheiro e levado ao cérebro. O índice de eficiência é da ordem de 2,5%.

18 4 - Comunicação pela Audição ou Auditiva (Memória Auditiva) É a comunicação que vem pelo que se ouve, ou seja, os ouvidos transmitem ao cérebro o que ouvem, levando ao cérebro as informações captadas. O índice de eficiência é da ordem de 9%.

19 5 - Comunicação Táctil pela Escrita (Memória Mecânica) É a comunicação que vem pela caligrafia quando se copia ou se registra idéias e fatos que se vê ou imagina, ou seja, o ato de escrever de próprio punho, ativa um mecanismo chamado "memória mecânica". Esta memória combina a memória visual com a do tato, tendo um índice de eficiência da ordem de 11%.

20 6 - Comunicação pela Visão (Memória Visual) É a comunicação que vem pelos olhos e é responsável por cerca de 75% do que se grava na memória. A comunicação através da memória visual pode ser captada por 4 formas diferentes: Comunicação Escrita (Memória Visual) Comunicação Gráfica (Memória Visual) Comunicação Visual (Memória Visual) Comunicação Áudio-Visual (Memória Visual e Auditiva)

21 6.1 - Comunicação Escrita (Memória Visual) É a comunicação que vem através de um documento escrito, em papel ou numa tela. O índice de eficiência da leitura de textos em papel é maior do que em tela.

22 6.2 - Comunicação Gráfica (Memória Visual) É a comunicação que vem através de símbolos, desenhos, plantas, diagramas, ícones, fotos ou outros recursos gráficos isoladamente. É o caso da maioria das placas de trânsito, onde um único símbolo tenta traduzir o que a placa representa, de forma rápida e eficaz. sabe-se que 80% das coisas que se vê são captadas por símbolos, desenhos, etc., ou seja, do total, 60% de eficiência (80% de 75% = 60%).

23 6.3 - Comunicação Visual (Memória Visual) É a comunicação que vem da junção da comunicação gráfica com a escrita, onde um símbolo, desenho, etc., vem acompanhado de palavras-chave ou textos que complementam o símbolo, desenho, etc. Usando o mesmo exemplo de placas de trânsito, há uma placa que significa "cuidado, pista derrapante" mas que pode vir acompanhado da expressão "Em dias de chuva". Bibliografia Curva Fechada à Direita

24 6.4 - Comunicação Áudio-Visual (Memória Visual e Auditiva) É a comunicação que junta a comunicação Visual, com a auditiva. É considerada a mais eficiente de todas. O dispositivo cognitivo do cérebro ativa os dois principais sentidos, chegando-se a um índice de cerca de 84% de eficiência Atenção Bombeiros

25 Hemisférios do Cérebro Esquerdo –Linguagem –Leitura –Ritmo –Cálculos –Contagem –Dependência do tempo –Subdivisão do ambiente –Pensamento Digital –Análise –Inteligência –Consciente –Lado Direito do corpo –Mão Direita Direito –Totalidade –Forma –Música –Melodia –Olfato –Padrão total –Atemporalidade –Visão abrangente –Pensamento Analógico –Holismo –Intuição –Inconsciente –Lado esquerdo do corpo –Mão Esquerda

26 Encontre o homem na figura

27 Música acorda lado direito do cérebro Descoberta do Búlgaro Georgi Lozanov Tipo de música: Barroca Compositores: –Johann Sebastian Bach ( ) –Georg Friedrich Händel ( ) –Johann Pachelbel ( ) –Tomaso Albinoni ( ) –Antonio Vivaldi ( ) –Georg Philipp Telemann ( ) Freqüência: entre e Hertz

28

29 O que você vê? Apenas um vaso ou duas pessoas se olhando?

30 O que você vê nesta foto? Um careca com a mão no peito ou um casal de camponeses e um cachorro deitado?

31 Tente encontrar 9 pessoas

32 Você vê um cubo flutuando ou um canto da sala?

33 O que você vê? Setas amarelas ou setas verdes?

34 Uma caveira ou um casal?

35 Você vê uma senhora ou uma moça?

36 Os círculos vermelhos têm mesmo tamanho?

37 Você vê uma moça lendo ou o perfil de um senhor?

38 O ponto amarelo está mais próximo do vértice superior ou da base?

39

40

41

42

43

44

45

46 O cérebro interpreta corretamente o que conhece De aorcdo com uma pqsieusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lrteas de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia lrteas etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma ttaol bçguana que vcoê pdoe anida ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa lrtea isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo

47 Feedback ou Realimentação Feedback informa ao apresentador se houve aprendizado ou não Dois tipos de Feedback aberto velado

48 Técnicas de Realimentação Feedback Aberto é direto através de perguntas o instrutor sabe se o conteúdo foi captado Feedback Velado somente através da prática observa-se as reações dos alunos

49 O bom apresentador... Busca os dois tipos de feedback: » perguntando e » observando reações

50 Métodos de Realimentação Pergunta direta do apresentador Contato visual Qualquer exercício Perguntas dos ouvintes

51 Métodos de Realimentação Pergunta direta do apresentador Informa sobre os efeitos da apresentação Perguntas diretas forçam a participação e estimulam o raciocínio. Podem ser preparadas ou espontâneas

52 1. Pergunta direta do apresentador Características que devem acompanhar uma pergunta Cada pergunta deve ter uma razão intencionalmente planejada. O conteúdo, que virá como resposta, deve valer Saber perguntar é uma arte... Se a resposta for errada, o ouvinte pode estar respondendo a outra pergunta (não entendeu)

53 Tipos de perguntas OFENSIVA Tipo granada (feita a todos) =>estimular Tipo tiro-ao-alvo (feita p/ 1 pessoa com ou sem aviso prévio) DEFENSIVA Culatra (devolvida a quem fez) Ricochete (devolvida a outro participante) explora potenciais no grupo

54 2. Contato Visual Olhar como se você estivesse falando a cada pessoa do auditório em particular (olhar nos olhos) e perguntar A resposta prova o contato entre o apresentador e o público A avaliação da resposta é altamente subjetiva, mas a existência da resposta prova a sintonia apresentador-público

55 Regras de eficiência no contato Visual O apresentador não deve se esconder atrás de alguma coisa (mesa, estante, etc.) Varredura do contato - olhar a todos Uma aproximação com o público pode tornar mais eficiente em termos de contato para obtenção da resposta.

56 Regras de eficiência no contato Visual Certas coisas podem diminuir o contato visual Concentrar atenção sempre numa direção Olhar mais para quem já conhecemos Olhar mais para quem não nos pode perturbar com perguntas Não olhar em direções incômodas, como para janelas claras por trás Olhar demais para pessoas bonitas Não olhar para quem sabemos discordar de nossa posição

57 O que se procura com o Contato Visual A mera resposta ao contato Reação a apresentação dúvidas não compreensão desejo de participação fadiga/cansaço/chateação falta de interesse concordância/oposição confusão

58 3. Exercícios Solução adequada para ensino de assuntos considerados chatos questionários resumos feitos com as palavras do ouvinte artifícios como: peguem o lápis e... exercícios usando materiais didáticos do tipo protótipo

59 4. Perguntas dos Ouvintes Ótima forma de feedback Quando feita uma pergunta ao apresentador responder corretamente a pergunta analisar o porquê da pergunta, determinando se ela está atrasada, sintonizada ou adiantada

60 Perguntas dos Ouvintes Atrasada significa que a pessoa, ou o grupo, não entendeu o ponto anterior. Buscar qual é a extensão da dúvida, então responda. Sintonizada caso mais comum. Responda claramente. Adiantada evitar o veremos mais adiante, resumir uma resposta.

61 Pergunte antes de designar alguém para responder. Caso isto não seja feito obteremos dois efeitos adversos: perturba o indivíduo, fazendo-o apreensivo com o que se espera dele; libera a todos os outros até da necessidade de ouvir a pergunta. Técnicas de Perguntas e Respostas

62 Dê pausa suficiente para que todos pensem na resposta. Chame NOMINALMENTE alguém para responder. Procure fazer com que todos respondam. Realce muito a resposta certa e certifique- se de que ninguém ficou com dúvidas. Não fazer perguntas: capciosas, sim/não, ou que já contenham a resposta. Técnicas de Perguntas e Respostas

63 A resposta para um aluno ou para uma turma pode não servir para outro aluno ou outra turma

64 1. De memória: Qual o maior rio do mundo? 2. De organização: Como conduzir a política econômica? 3. De interpretação: Para que serve um recenseamento? 4. De poder criador: Como poderíamos aperfeiçoar o automóvel à álcool? Técnicas de Perguntas e Respostas

65 5. De raciocínio causal: Por que não se deve deixar esfriar um alto-forno? 6. De Julgamento: Esta história é verdadeira? 7. De Inferência: Gostaria de passar as férias na Europa? 8. De Informação: Por que o céu é azul? Técnicas de Perguntas e Respostas

66 9. De Comparação: Quem foi melhor presidente, Itamar Franco ou Fernando Henrique? 10. De Análise: Por que as flores são belas? 11. De Critério: Quem inventou o telégrafo, pelo critério de registro e pelo critério da autoria pioneira? 12. De Classificação/Hierarquia: Qual a espécie e gênero do ortitorrinco? Técnicas de Perguntas e Respostas

67 13. De Justificativa de Critérios: O Guaíba é um rio, um lago, um estuário ou um delta? 14. De Organização Lógica em Seqüência: Qual o método para se re-instalar o pacote Office? 15. De Hipóteses e Conseqüências: O que aconteceria se o primeiro nível de segurança falhar? 16. De Comparação de Diferenças: Qual a diferenca entre o protocolo http e https? Técnicas de Perguntas e Respostas

68 Avaliação de alunos, professores e conteúdo das apresentações Muitos instrutores acreditam que a avaliação do que os alunos aprenderam é o mais importante. Nem sempre isso é o mais importante. Importante também é avaliar o instrutor e a forma de ensinar. A avaliação do instrutor, é particularmente importante, na medida em que para a organização estas informações visam melhorar e padronizar a forma de ensino dos professores.

69 5. Processos de Ensino e Avaliação Aprendizagem, para o programa de treinamento, é a mudança de comportamento. A mudança ocorre por 3 fatores básicos conhecimento (o que e como fazer) atitude (vontade de por em prática o que se aprende) habilidade (capacidade de aplicar no trabalho o conhecimento adquirido)

70 5.1 Fatores que influenciam na Aprendizagem Motivação Concentração Reação Organização Compreensão Repetição

71 Motivação entendimento do que está por ser aprendido + das razões para a necessidade do aprendizado Concentração focalizar esforços em prestar atenção no aprendizado a aprendizagem acelera quando se intensifica a concentração 5.1 Fatores que influenciam na Aprendizagem

72 Reação ficar alerta e pensar sobre o aprendizado Organização colocar os pedaços juntos (mosaico significativo de conhecimento) 5.1 Fatores que influenciam na Aprendizagem

73 Compreensão último passo do processo de aprendizagem percepção de significados o aluno deve estudar para compreender Repetição é o método mais antigo de aprendizagem, porém sempre funciona! é o antídoto para o esquecimento 5.1 Fatores que influenciam na Aprendizagem

74 5.2 Objetivos do Ensino Quando do início de cada disciplina devem ficar extremamente claros os seus objetivos O aprendizado só é válido quando tiver um fim ou significado real. Os objetivos finais apresentam o que o aluno tem que ser capaz de fazer. Também deve ficar claro o que é apenas conhecimento, e que portanto ele não precisa ser capaz de saber fazer.

75 Objetivos finais para o ALUNO Focalizam sua atenção nos aspectos importantes do curso Fornecem a ele uma base para uma atitude inquisitória com relação ao método e material de instrução. Dão a ele um meio de avaliar continuamente seu progresso.

76 Escolha objetivos significativos e específicos para seu público Qual é o meu?

77 Objetivos finais para o INSTRUTOR Fornecem a ele metas de ensino inequívocas e claramente definidas Permitem que o instrutor divida adequadamente o tempo que será gasto nos tópicos importantes, essenciais e os tópicos irrelevantes, casuais Dão a ele os meios de avaliar sua apresentação em termos de necessidades realistas do aluno

78 Objetivos finais para a EDUCAÇÃO Fornecem um padrão uniforme para avaliação da eficiência do curso, onde ele for Minimizam as variações em qualidade de treinamento entre apresentadores e/ou locais Fornecem uma base sólida para selecionar os materiais adequados, o conteúdo e os métodos de instrução. Permitem que os usuários do material educacional concordem antecipadamente com os requisitos do curso e do modo como será ministrado.

79 Na definição de objetivos, sempre ouça o mercado

80 Objetivos finais Devido a importância dos objetivos finais na educação, cada apresentador deve saber como escrevê-los e como usá-los Para isso ele monta um Plano de curso para todo o curso e Plano de Aula, para cada aula

81 Plano de Curso O plano de curso deve conter, entre outros tópicos, pelo menos: –1. Objetivos –2. Pré-requisitos –3. Aptidões Pretendidas –4. Requisitos Necessários –5. Conhecimentos Desejáveis –6. Programa (súmula) –7. Cronograma –8. Avaliação –9. Metodologias e formas de trabalho –10. Bibliografia

82 Plano de Aula O Plano deverá conter título resumo introdução objetivos conteúdo programático referências bibliográficas

83 6. Análise das habilidades individuais de cada apresentador Tipos de Instrutores Orador Comodista Simpático Pensador Exibicionista Falso O professor de verdade

84 Características de um bom instrutor Personalidade Conhecimento do assunto Jeito para ensinar Sociabilidade Liderança 6. Análise das habilidades individuais de cada apresentador

85 Um bom apresentador deve Ter bom conhecimento dos assuntos que apresenta Ter boa cultura geral Ter escrita e fala correta da(s) lingua(s) que necessita Ter bom acervo bibliográfico de sua área Estar sempre atualizado Estar sempre pesquisando novos métodos, novos exemplos, novas tecnologias Possuir materiais didáticos próprios e de boa qualidade

86 A cultura pressupõe outras áreas, outras eras e a atual

87 Um bom instrutor deve ser: Um bom ouvinte Um bom vendedor Um bom conselheiro Um sujeito progressista Um amigo de verdade

88 Nem toda apresentação será um sucesso

89 Criatividade e novas Tentativas, sempre é válido! Come on! It cant go wrong every time... Vamos lá, não podemos errar todas...


Carregar ppt "Técnicas de Apresentação Prof. Roberto Cabral de Mello Borges Universidade Federal do Rio Grande do Sul."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google