A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Energia, transportes e telecomunicações Indústria e produção do espaço geográfico Índice Índice Brasil: indústria, energia, transportes e telecomunicações.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Energia, transportes e telecomunicações Indústria e produção do espaço geográfico Índice Índice Brasil: indústria, energia, transportes e telecomunicações."— Transcrição da apresentação:

1 1 Energia, transportes e telecomunicações Indústria e produção do espaço geográfico Índice Índice Brasil: indústria, energia, transportes e telecomunicações Internet Fontes Energéticas Operários italianos em frente da fábrica de Fiação e Tecelagem Mariângela, em São Paulo (SP), em Os imigrantes foram os primeiros trabalhadores assalariados no Brasil e aumentaram o mercado consumidor do país. Família Matarazzo

2 2 Nascida com a Revolução Industrial nos séculos XVIII e XIX, a indústria moderna produz inúmeras modificações no espaço geográfico. Ela leva à mecanização do meio rural e provoca migrações do campo para a cidade, gerando intensa urbanização e mesmo o advento de grandes cidades. Indústria e produção do espaço geográfico. Indústria moderna - É uma forma de transformar matérias-primas em produtos elaborados; essa forma é diferente do artesanato e da manufatura, que também fazem isso, como podemos observar no quadro. DIFEREN Ç AS NA TRANSFORMA Ç ÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS EM PRODUTOS ELABORADOS IND Ú STRIA MANUFATURAARTESANATO Grande divisão do trabalho e, em consequência, especializa ç ão do trabalhador. Divisão primária do trabalho, muito simples. Nenhuma divisão do trabalho. Máquinas, em geral funcionando a partir de modernas fontes de energia (calor, eletricidade), ditam o ritmo de trabalho. Uso de máquinas simples e o ritmo do trabalho depende das mãos do artesão. Há apenas o uso de ferramentas. Fruto da Revolu ç ão Industrial e do desenvolvimento do capitalismo, a indústria moderna surgiu apenas em meados do século XVIII. A atividade manufatureira e, principalmente, o artesanato são conhecidos desde a Antiguidade e surgiram em sistemas socioeconômicos anteriores ao capitalismo. Bens produzidos em série, padronizados, todos iguais uns aos outros e em quantidade nunca atingida pelo artesanato nem pela manufatura. ____ ____

3 3 A industria moderna pode ser classificada de acordo com sua diversificação; com a tecnologia empregada; com a origem do capital; e com a concentração e a centralização do capital. Quanto à sua diversificação - a indústria pode ser dividida em três tipos principais: de transformação, extrativa e da construção. Quanto a tecnologia empregada – podem ser classificadas em dois tipos: tradicionais e modernas. Quanto a origem do capital – as indústrias brasileiras, em geral, dividem- -se em três tipos empresas privadas nacionais, empresas estrangeiras ou multinacionais e estatais. Indústria Moderna Royalty free

4 4 Todos os elementos indispensáveis para o processo de industrialização do Brasil estavam concentrados no Centro-Sul do país, principalmente em São Paulo. A partir do momento em que a indústria se converteu no setor-chave da economia do país, o que só ocorreu em meados do século XX, o espaço geográfico brasileiro tornou-se cada vez mais integrado, com maior interdependência entre todas as suas áreas. Concentração industrial Por volta de 1970, começou a ocorrer uma relativa desconcentração industrial no Brasil, com decréscimo relativo de São Paulo e crescimento maior em outras unidades da federação (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Bahia, Minas Gerais, Ceará, Goiás, Amazonas, Mato Grosso e outras). Também nesse caso o que houve não foi tanto uma regressão da atividade industrial em São Paulo, mas um maior ritmo de crescimento em outros estados.

5 Energia, transportes e telecomunicações. As fontes de energia, os transportes e as telecomunicações constituem três elementos básicos da infraestrutura econômica e, em particular, industrial de uma nação. São condições para a modernização de um país e, ao mesmo tempo, indicadores de desenvolvimento. Quanto mais moderno e desenvolvido for um país, maior será o seu consumo de energia elétrica per capita (por habitante), maior quantidade de transportes per capita ele terá (rodovias pavimentadas, ferrovias, movimento em aeroportos) e também maior quantidade de telecomunicações per capita, isto é, linhas telefônicas, telefones celulares, usuários da internet, etc.

6 6 Como todos os recursos naturais que o ser humano utiliza, as fontes de energia podem ser renováveis e não renováveis. As fontes renováveis são as que não se esgotam e podem ser aproveitadas indefinidamente, como a biomassa, a energia hidráulica, a solar, a eólica (dos ventos), etc. E as fontes não renováveis são constituídas pelos recursos que existem em quantidade limitada no planeta, que tendem a se esgotar por completo daqui a algumas décadas ou séculos como: petróleo, carvão mineral, urânio e xisto betuminoso. Geralmente as fontes não renováveis poluem bem mais que as renováveis. As principais fontes de energia do Brasil são: petróleo – fornece gasolina, óleo diesel, querosene, e gera eletricidade nas usinas termelétricas; energia hidráulica – produz eletricidade por meio das usinas hidrelétricas; carvão mineral – fornece calor para os altos-fornos das indústrias siderúrgicas e gera eletricidade nas usinas termelétricas; biocombustíveis – o álcool, o principal deles, é usado como combustível para automóveis desde a década de 1970; Outras – o gás natural, o átomo (energia nuclear), o xisto betuminoso, a lenha, o carvão vegetal e a energia solar também podem ser considerados fontes de energia importantes para o país. Fontes de energia

7 7 A energia hidráulica, principal fonte de energia elétrica do país, representa quase 15% do consumo energético total. Sua utilização tem sido intensa, pois, em relação à produção de eletricidade, ela ganha das demais: cerca de 90% da energia elétrica do país provém de usinas hidrelétricas e apenas 10% são fornecidos por usinas termelétricas ou nucleares. Entretanto, pode-se dizer que ela ainda é subaproveitada: apenas cerca de 25% do potencial hidráulico brasileiro era utilizado em 2008 para a obtenção de energia elétrica. Restavam 75% desse potencial a serem aproveitados como fonte de energia. E as possibilidades de construção de novas usinas ainda são imensas no Brasil, cujo potencial hidráulico é considerado o terceiro do mundo, perdendo apenas para o da Rússia e o da China. Energia hidrelétrica

8 8 A mais importante fonte de energia para o Brasil ainda é o petróleo, responsável por cerca de 38% do consumo nacional de energia. O petróleo, que até recentemente era basicamente importado, hoje é quase todo produzido internamente. O consumo diário de petróleo no Brasil entre 2000 e 2008 foi, em média, de 2,1 milhões de barris por dia. E as importações, em 2007, foram de 370 mil barris por dia, o que equivale a pouco mais de 17% do total. Mas, ao mesmo tempo que o país importa parte (pequena) do petróleo que utiliza, também exporta quase a mesma quantidade. Porém, foram descobertas recentemente imensas reservas de petróleo na camada pré-sal no fundo do mar, a cerca de 800 km do litoral de Santos (SP) e do Espírito Santo. Petróleo Essas reservas vão fazer com que a partir de 2011 ou 2012, se tudo der certo – isto é, se houver os investimentos necessários –, o Brasil efetivamente passe a ser um exportador de petróleo..

9 Meios de transporte O principal meio de transporte no Brasil é o rodoviário, responsável por 62% dos deslocamentos de cargas. O transporte rodoviário é cerca de quatro vezes mais caro que o ferroviário e quase vinte vezes mais caro que o hidroviário. A enorme primazia do transporte rodoviário acarreta um excessivo gasto de energia,especialmente de petróleo. Além dos maiores custos, em comparação com o transporte ferroviário e com o hidroviário, o transporte rodoviário provoca mais poluição atmosférica e agrava os congestionamentos em algumas estradas e nas grandes metrópoles do país.

10 10 Ferrovias As ferrovias já tiveram maior importância no Brasil. De 1950 até 2008 houve um decréscimo de quase 10 mil quilômetros nas ferrovias brasileiras, ou seja, foi maior a desativação do que a construção de novas vias.

11 11 Apesar da riqueza das nossas bacias hidrográficas, que, em alguns casos, são navegáveis sem nenhuma obra de correção (como ocorre em grande parte das bacias Amazônica e do Paraguai), e que, em outros, poderiam ter as partes não navegáveis corrigidas com obras de eclusas, dragagem, aprofundamento de trechos do leito, etc., o transporte hidroviário é pouco importante. A maior parte dos 14% assinalados como transporte hidroviário no Brasil refere-se à navegação de cabotagem. Aliás, os portos, principal via para o comércio externo, geralmente têm custos por tonelada de carga (tanto no embarque quanto no desembarque) que chegam a ser cinco vezes maiores do que nos portos dos países desenvolvidos e mesmo de muitos países do Sul, como Cingapura e Hong Kong. Hidrovias

12 12 Telecomunicações Outra infraestrutura importante para a indústria e o desenvolvimento econômico atual são as telecomunicações: o telefone (fixo ou celular), principalmente, e os elementos a ele interligados (informática, satélites, cabos ou redes de comunicações). Com a revolução técnico-científica, as telecomunicações têm influência muito maior que os recursos naturais na localização das empresas. Ao contrário do que ocorria no passado, hoje nenhuma indústria importante irá ou deixará de ir para uma área por causa da existência ou da falta de carvão, de minérios ou de outras matérias-primas. Mas a presença de telecomunicações – além, logicamente, de energia (eletricidade), transportes e mão de obra – é fundamental. Telefones, computadores e Internet em diferentes países


Carregar ppt "1 Energia, transportes e telecomunicações Indústria e produção do espaço geográfico Índice Índice Brasil: indústria, energia, transportes e telecomunicações."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google