A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Dinâmica espacial contemporânea Profa. Dra. Rita de Cássia Ariza da Cruz.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Dinâmica espacial contemporânea Profa. Dra. Rita de Cássia Ariza da Cruz."— Transcrição da apresentação:

1 Dinâmica espacial contemporânea Profa. Dra. Rita de Cássia Ariza da Cruz

2 O território brasileiro: do passado ao presente As diferenciações no território contemporâneo Urbanização: cidades médias e grandes Modernização da agricultura/Mudanças nas relações campo-cidade Fluxos de cooperação produtiva no território Instrumentos reguladores do uso do território

3 As diferenciações no território contemporâneo Zonas de densidade e de rarefação Fluidez e viscosidade Espaços da rapidez e da lentidão Espaços luminosos, espaços opacos Espaços que mandam, espaços que obedecem Novas lógicas centro-periferia

4 As zonas de densidade e as de rarefação o território mostra diferenças de densidades quanto às coisas, aos objetos, aos homens, ao movimento das coisas, dos homens, das informações, do dinheiro e, também, quanto às ações; Vistas como números, as densidades não são mais que indicadores (o que vale são os processos evolutivos).

5 Brasil – densidade demográfica (2000)

6

7 Brasil, malha ferroviária Fonte: CNT (s/d). Disponível em

8 Fluidez e viscosidade Característica do presente momento histórico: necessidade de criar condições de fluidez (circulação); Processo é seletivo e não-igualitário (sobretudo em países de maior extensão territorial); Fluidez virtual/fluidez efetiva.

9 Espaços da rapidez e da lentidão Espaços da rapidez, da lentidão e espaços intermediários; Espaços da rapidez: dotados de maior número de vias, de mais veículos privados, de mais transportes públicos; são também aqueles que têm maior vida de relações e maior divisão do trabalho.

10 Espaços luminosos, espaços opacos - espaços luminosos: acumulam densidades técnicas e informacionais; mais aptos a atrair atividades com maior conteúdo em capital, tecnologia e organização; - espaços opacos: onde tais características estão ausentes; - Entre esses extremos deve haver uma enorme gama de situações intermediárias.

11 Espaços que mandam, espaços que obedecem - Há espaços que comandam e espaços que obedecem, mas o comando e a obediência resultam de um conjunto de condições, e não de uma delas isoladamente; - O exercício do poder regulatório por empresas e pelo poder público não é independente dos sistemas de engenharia e dos sistemas normativos presentes em cada lugar, mas este, em si mesmo, não dispõe de nenhuma força de comando.

12 Síntese da proposta de Santos e Silveira

13 Novas lógicas centro-periferia Três momentos da história territorial do Brasil: 1. Brasil arquipélago; 2. Advento da ferrovia (emergência de SP e RJ como um pólo com relações ainda incompletas com o restante do país) – indústria = motor do desenvolvimento; 3. Novo motor = informação; principais atividades econômicas moldam-se a forças centrífugas; - Centralidade política se fortalece em Brasília; centralidade econômica se afirma em São Paulo.

14 Urbanização hoje Êxodo rural + êxodo urbano - Cidades nascidas das novas lógicas territoriais são maiores; - Facilidades de transporte e novas formas de organização do trabalho agrícola permitem que um grande número de trabalhadores na agricultura viva na cidade.

15 As cidades médias e grandes - Cidades: pontos de interseção e superposição entre horizontalidades e verticalidades; - A demanda cumprida pelas cidades hoje é majoritariamente reclamada pelas empresas; daí constituírem-se, cada vez mais, como pontes entre o local e o global (o conceito de território-rede); - Uma das tarefas da cidade no campo modernizado é a oferta de informação; - As cidades médias comandam o essencial dos aspectos técnicos da produção; o essencial dos aspectos políticos é delegado às cidades grandes.

16 Cidades médias e grandes as cidades médias e pequenas são mais sujeitas a oscilações sazonais (geralmente relacionadas a calendários agrícolas); As grandes cidades são lugares ideais para a localização de serviços, distribuição de bens e como repositórios de mão-de-obra mais especializada, devido à amplificação, diversificação e aprofundamento das diversas modalidades de consumo.

17 As metrópoles no século XXI há um aumento importante do número de grandes cidades; Paradoxo: reforço da metropolização x desmetropolização; A metrópole é o lugar em que se dão sucessivas adaptações ao moderno sem atenção ao preexistente.

18 Brasil – Regionalização a partir do urbano

19 Modernização da agricultura - Mudança da base técnica: maciça substituição dos insumos naturais por insumos produzidos em escala industrial; - Dinâmica determinada pelo padrão de acumulação industrial, centrado no desenvolvimento de complexos agroindustriais – CAIs (desarticulação do chamado complexo rural); - Cada vez maior conteúdo em ciência, técnica e informação.

20 Fases da modernização - 1. Inovações químicas (déc. 50); - 2. Inovações mecânicas (déc. 60); - 3. Inovações biotecnológicas (déc. 70; engenharia genética – afeta a velocidade de rotação do capital adiantado no processo produtivo). - Surgimento dos fronts agrícolas, que nascem tecnificados, cientificizados, informacionalizados.

21 Rumo a uma agropecuária científica A re-estruturação produtiva significa: - Dispersão espacial da produção - Especialização regional - Concentração espacial dos setores de ponta Palavra de ordem: competitividade (K, tecnologia, informação)

22 A reestruturação produtiva da agropecuária socialmente seletiva e espacialmente concentrada (modernização em manchas); Mantém intocável algumas estruturas sociais, territoriais e políticas incompatíveis com os fundamentos do crescimento econômico com equidade social e territorial; Meio técnico-científico-informacional: aparece como contigüidade nos espaços agrícolas da Região Concentrada e como manchas e pontos nos outros subespaços.

23 Alguns resultados desse processo Modernização conservadora: socialmente seletiva e espacialmente concentrada Preços comandados por bolsas de mercadorias pelo mundo Criação de subespaços dinâmicos Discurso conveniente sobre regiões economicamente deprimidas (ex: semi-árido nordestino)

24 Semi-árido: mais que um desafio, um espaço para bons negócios e investimentos.

25 Fluxos de cooperação produtiva no território - divisão territorial do trabalho (repartição das atividades entre lugares) + movimento (fluxos)= funcionamento do território; - A crescente segmentação territorial das etapas do trabalho intensifica as trocas e as relações entre as regiões (que não são, necessariamente, áreas contíguas); - Inteligência do capital: reúne o que o processo direto da produção separou (por meio de verdadeiros círculos de cooperação – fluxos).

26 O novo papel da circulação Produção (DIT e especialização produtiva) Circulação Produção

27 Características desse momento histórico o gigantismo dos navios a especialização/racionalização do transporte a multilocalização a hegemonia dos armadores a hegemonia dos portos da Ásia de Sudeste

28 Porta-contêiner Fonte:

29 Multilocalização – nova face da circulação de mercadorias tradução territorial do fenômeno da globalização diz respeito à produção espalhada pelo território, viabilizada, principalmente, pelo aparecimento do contêiner principais ramos de atividade envolvidos: automobilístico, químico e eletrônico.

30 Novos países industrializados

31 Maiores portos do mundo em movimentação geral de carga e de carga conteinerizada (2003).

32 O Sistema Portuário Brasileiro Atual

33 Hinterlândia do Porto de Santos

34 Instrumentos reguladores do uso do território - Zoneamento econômico-ecológico - ZEE - EIA-RIMA - Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro - Planos Diretores - Planos Diretores Municipais - Superposição, concorrência e complementaridade dos instrumentos reguladores do uso do território

35 Sobre a natureza desses instrumentos - não há instrumento de ordenamento territorial que não seja imbuído de intencionalidades e, portanto, de ideologias; - Nossa legislação recente incentiva e incorpora o diálogo entre saberes técnicos e científicos e os saberes da prática. Daí, todos esses instrumentos preverem, de algum modo, a participação da sociedade civil. - Um pressuposto importante é reconhecer que não há uma metodologia hegemônica a ser adotada por todos esses instrumentos.

36 Sobre espaço, território e planejamento - todo planejamento territorial não se dá sobre um espaço plano, vazio, um receptáculo puro e simples de nossas ações; - Ao contrário, ele se dá sobre um espaço concreto, híbrido, herdado, histórica e socialmente construído (constrangimentos objetivos às propostas de ordenamento). - Diante do exposto, há que se reconhecer, conforme Lipietz (1988), não existem regiões pobres, mas regiões de pobres.

37 A economia política do território - As divisões do trabalho superpostas - A privatização do território (uso corporativo) - A ampliação dos contextos (uso diferencial=uso hierárquico) - A guerra global entre os lugares - A circulação desnecessária - A instabilidade do território - Especializações alienígenas e alienadas


Carregar ppt "Dinâmica espacial contemporânea Profa. Dra. Rita de Cássia Ariza da Cruz."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google