A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Boro, zinco e manganês: mobilidade, funções e sintomatologia de desordens nutricionais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Boro, zinco e manganês: mobilidade, funções e sintomatologia de desordens nutricionais."— Transcrição da apresentação:

1 Boro, zinco e manganês: mobilidade, funções e sintomatologia de desordens nutricionais

2 Introdução A exigência das plantas? Resposta das culturas? MICRONUTRIENTES

3 Introdução A exigência das plantas? Resposta das culturas? MICRONUTRIENTES Cl > Fe > Mn > Zn > B > Cu > Mo

4 MICRONUTRIENTES

5 Boro Introdução Absorção, translocação e redistribuição Participação no metabolismo vegetal Exigências minerais das principais culturas Sintomatologia de deficiência e excessos nutricionais

6 IntroduçãoLocalDeficienteLocalDeficiente% Barretos51 Monte Azul 68 Bebedouro62Olímpia42 Colina62Pirangi34 Colômbia74Serverínia58 Itápolis61Taquaritinga69 Jaborandi55 Terra Roxa 54 Matão86Viradouro54 Tabela. Pomares deficientes em boro em SP. Média de 7 anos ( ) (Baumgartner & Cabrita, 2001)

7 Introdução

8 Fatores que afetam a disponibilidade no solo B Pobreza do solo; pH; M.O; Precipitação; Introdução

9 Fatores que afetam a disponibilidade no solo Introdução

10 Caminhamento da solução do solo para a superfície da raiz Absorção, transporte e redistribuição Pré-absorção de B

11 Elemento Quantidade necessária para uma colheita de 9 t ha -1 kg ha -1 fornecidos por Intercepta- ção Fluxo de massa Difusão B-H 3 BO 3 0,07 0,02 0,70 0 Absorção, transporte e redistribuição

12 Formas absorvidas: Boro: H 3 BO 3 Absorção, transporte e redistribuição

13 Absorção do B Na faixa de pH 4-8, o B é absorvido como H 3 BO 3 e H 2 BO 3 -. Há dados informando que absorção radicular independe da temperatura. Absorção, transporte e redistribuição

14 Transporte do B O B mostra um transporte unidirecional no xilema na corrente transpiratória. B (H 3 BO 3 ) no xilema: 60 a 75 µM Absorção, transporte e redistribuição

15 Redistribuição B: I móvel no floema. Forma e conc. : n.d. Absorção, transporte e redistribuição

16 Solução: 0,26 g de B L -1 Absorção, transporte e redistribuição Quanto será absorvido? Quanto do absorvido será translocado?

17 Solução: 0,26 g de B L -1 Absorção, transporte e redistribuição 25 % 75 % 5,5 % 94,5 % 10 B Não absorvido 10 B Absorvido 10 B Translocado 100 % Aplicado 1,4 % Translocado

18 Em planta que produzem polióis Estado nutricional adequado de B B é movel em algumas situações:

19 Boro é único nutriente que sua essencialidade foi determinada pelo método indireto (Marschner, 1997), entretanto, atualmente é aceito que o B satisfaz o critério direto.

20 Funções do Boro Síntese de parede celular Forma complexos ésteres cis-borato Compõem compostos da parede celular: pectina, hemicelulose, precursores da lignina, lamela média.

21 Função Processos Sintomas Síntese da parede celular Inib. da ATPase e absorção nutrientes; Aum. do fluxo p/ fora Inib. do crescimento Metabolismo de fenóis Lignificação Acúmulo Degradação IAA de fenóis Morte de pontos de crescimento Form. quinona tóxica Necrose Crescimento reprodutivo Inib. da inativ. Inib. crescto de calose tubo polínico Pequena produção semente Localização dos sintomas (alta % de B nas paredes) Folhas Novas Retranslocação limitada de B (exceto Rosales) Metabolismo

22 colapso do caule de seringueira - B Células do câmbio descola- das sem a presença de constituintes da lamela média Células do câmbio com a presença de constituintes da lamela média Metabolismo Síntese da parede celular + B

23 Metabolismo Sintese da uracil => RNA => Síntese protéica => meristemas (divisão e diferenciação) crescimento radicular B B alongamento celular

24 Metabolismo Figura. Relação do B na presença do Al e o crescimento de raiz da aboboreira B x estresse com Al x Crescimento do sistema radicular

25 tolerância a pragas + aminoácidos livres - Aminoácidos livres Metabolismo Integridade das membranas

26 Transporte de carboidratos Açúcar-B ionizável Tem efeito estrutura e funcionamento dos vasos condutores Calose evitando obstrução do floema Metabolismo

27 Crescimento reprodutivo Metabolismo Nível crítico de B para germinação do grão de polén é alto No tubo polínico o B é utilizado para inativar a calose e ainda a falta de B promove produção de fitoalexina que inibe o crescimento do tubo.

28 Figura 70. Efeito do boro (via foliar) no número de frutos por panícula e na matéria seca de frutos (Singh & Dhillon, 1987). Metabolismo

29 Exigências de boro das principais culturas (Malavolta et al., 1997). Exigências nutricionais

30 Relação entre o teor de B nas folhas e a produção do algodoeiro, em solo intensamente cultivado e corrigido (média de seis anos) (Adaptado de Silva et al., 1995). Exigências nutricionais

31 Marcha de absorção (cumulativa) de boro em soja, cultivada em solução nutritiva (Bataglia & Mascarenhas, 1977) Exigências nutricionais

32 Sensibilidade relativa de culturas a deficiência de Boro (Martens & Westermann, 1991) Sensibilidade ALTA Sensibilidade BAIXA AlfafaAveiaMilho BeterrabaBatataSorgo Couve-florCapimTrigo NaboFeijãoSoja Forrageiras leguminosas; Brássicas; Algodão, soja e amendoim (Gupta, 1993)

33 Como o B é imóvel no floema, os sintomas de deficiência ocorrem nos órgãos novos, folhas ou raízes. Os papéis do B na vida das plantas ajudam explicar sintomas de deficiências: _ principal sintoma é a inibição do crescimento da parte aérea e das raízes e até morte das gemas terminais (podendo estimular brotações laterais); _ encurtamento dos internódios, folhas/frutos pequenas e deformadas; _ folhas engrossadas (acúmulo de carboidratos) duras e até quebradiças; Sintomatologia Sintomas de deficiências

34 _ pequena produção de sementes; _ folhas necrosadas: acúmulo excessivo de fenóis e de AIA (inibição da AIA oxidase) (Coke & Whittington, 1968). _ caule fica enrugado, rachado; muitas vezes, com manchas ou estrias de cortiça. Sintomatologia Sintomas de deficiências

35 Deficiência de boro em Sorgo Sintomatologia

36 Deficiência de boro em Milho Sintomatologia

37 Deficiência de boro em Milho Sintomatologia

38 Deficiência de boro em Milho Sintomatologia

39 Deficiência de boro em Trigo Sintomatologia

40 Deficiência de boro em Sintomatologia

41 Deficiência de B em Pereira Sintomatologia

42 Deficiência de boro em citros Sintomatologia

43 Deficiência de boro em citros Sintomatologia

44 Deficiência de B em frutíferas Sintomatologia

45 Deficiência de Boro em couve flor Sintomatologia

46 Deficiência de Boro em couve flor Sintomatologia

47 Deficiência de B em soja cultivada c/ excessiva calagem Sintomatologia

48 Deficiência de B em tabaco Sintomatologia

49 Deficiência de B, em cafeeiro Sintomatologia

50 Deficiência de B, em cafeeiro Sintomatologia

51 Deficiência de B em cana-de-açúcar Sintomatologia

52 Deficiência de B em cana-de-açúcar Sintomatologia Lesões translúcidas

53 Deficiência de B no feijão Sintomatologia Secamento dos pontos de crescimento

54 Deficiência de B no feijão Sintomatologia Folhas verde +escuro e pequenas e senescência precoce

55 Deficiência de B, em algodão Sintomatologia

56 Rachadura no tronco causado por deficiência de B no Eucalipto Deficiência de B em eucalipto Sintomatologia

57 Deficiência de B em eucalipto Bifurcação e perda da dominância apical Sintomatologia

58 Deficiência de B em eucalipto Sintomatologia Seca dos ponteiros

59 Deficiência de B em seringueira Sintomatologia

60 Folhas mais novas estreitas e encurvadas para baixo e morte dos pontos vegetativos Deficiência de B em goiaba Sintomatologia

61 Deficiência de B em Alfafa Sintomatologia

62 Toxidez: clorose malhada (200 mg kg -1 ) e depois manchas necróticas (>1500 mg kg -1 ) nos bordos das folhas mais velhas (regiões de acúmulo de B), devido à maior taxa de transpiração nestes locais. Sintomatologia Sintomas de excesso

63 Toxidez de B, em cafeeiro Amarelecimento e secamento das margens das folhas Sintomatologia

64 Toxidez de B em soja Sintomatologia

65 Toxidez de B em girassol Sintomatologia

66 Toxidez de B em milho Sintomatologia

67 Toxidez de B no citrus Sintomatologia

68 Toxidez de B em cana-de-açúcar Sintomatologia

69 Toxicidade de B em roseira nas folhas velhas (Furlani) Sintomatologia

70 QUESTÕES

71 1- Quais fatores que afetam a disponibilidade de Zn e B do solo? 2- Quais processos mais importantes no contato do Zn e B com as raízes? E qual a mobilidades destes nutrientes no solo? 3- No processo de absorção qual o pH da solução ideal para máxima absorção do Zn e B? 4-Qual a mobilidade de B e Zn no floema? 5- Porque a carência de Zn provoca sintomas característicos roseta e folhas pequenas? 6- Na carência de B ocorre redução da síntese da parede celular e isto levaria a qual sintomatologia na planta? 7- Porque o B poderia reduzir a incidência de pragas nas plantas?


Carregar ppt "Boro, zinco e manganês: mobilidade, funções e sintomatologia de desordens nutricionais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google