A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Ementa: Ferramentas para Identificação, Analise do Problema e Tomada de Decisão ciclo PDCA, brainstorming, diagrama de ishikawa (causa e efeito), lista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Ementa: Ferramentas para Identificação, Analise do Problema e Tomada de Decisão ciclo PDCA, brainstorming, diagrama de ishikawa (causa e efeito), lista."— Transcrição da apresentação:

1 1 Ementa: Ferramentas para Identificação, Analise do Problema e Tomada de Decisão ciclo PDCA, brainstorming, diagrama de ishikawa (causa e efeito), lista de verificação, diagrama de pareto, Matriz GUT, 5W e 1H, fluxograma, Critérios do PNQ. FERRAMENTAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PDCA 5W 1 H PNQ

2 2 os 4 consumidores da empresa são: O cliente deseja qualidade, atendimento, segurança e preços baixos. Os acionistas desejam taxa de retorno do capital, receita, custos baixos e produtividade. Os funcionários desejam crescimento pessoal e profissional, educação, treinamento, empregabilidade. A sociedade deseja, antes de tudo, segurança quanto aos produtos e serviços produzidos.

3 o que é MÉTODO ? METODO é o caminho para se atingir um objetivo ou meta. O método é montado a partir de ações muito claras e bem definidas, passíveis de serem monitoradas. A- B-

4 4 BRAINSTORMING Tempestade de idéias Objetiva gerar idéias de forma a romper com eventuais paradigmas Forma estruturada e não estruturada Estas reuniões não devem passar de 15 minutos. Ferramentas da Qualidade

5 5 BRAINSTORMING CUIDADOS A SEREM TOMADOS Ter um problema claramente definido. Ter um número razoável de pessoas no grupo. Um facilitador que estimule e reforce positivamente a participação dos participantes.

6 6 DIAGRAMA DE ISHIKAWA (Causa e Efeito) Mostra as causas, as origens do problema apontado É composto por uma linha principal horizontal e linhas secundárias que levam às causas. É comum seu uso com cinco categorias, chamadas de 5 M's, ou seja, Máquina, Método, Mão de obra, Material e Meio Ambiente

7 7 DIAGRAMA DE ISHIKAWA (Causa e Efeito)

8 8 MATÉRIA-PRIMAMÁQUINAMEDIDA MEIO AMBIENTEMÃO-DE-OBRAMÉTODO O CARRO CHEGOU ATRASADO EFEITO COMBUSTÍVEL CARRO RELÓGIO MARCADOR DE COMBUSTÍVEL CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS MOTORISTA TRAJETO PLANEJADO MECÂNICO DE MANUTENÇÃO ESTRADAS ACESSOS PNEUS SUSPENSÃO MOTOR TÚNEIS PONTES PROVÁVEIS CAUSAS

9 9 FOLHAS DE VERIFICAÇÃO Permite coletar dados para identificar ou analisar um problema. É o início lógico de quase todos os processos de solução de problemas. Mostra claramente com que freqüência um evento ocorre (gestão baseada em fatos). São de fácil compreensão

10 10 EXEMPLO : Não-Conformidades de Montagem

11 11 FOLHA DE VERIFICAÇÃO PROBLEMAMês 01Mês 02Mês 03 A B C

12 12 DIAGRAMA DE PARETO Serve para classificar os problemas de acordo com a causa e o fenômeno Identifica os problemas mais importantes Os problemas mais freqüentes nem sempre são os de maiores custos também é conhecido como diagrama Para construir é só ordenar o gráfico de barras em ordem decrescente de ocorrência.

13 13 DIAGRAMA DE PARETO Fazer Pareto para o exemplo das NC na montagem.

14 14 DIAGRAMA DE PARETO PERDA POR PROBLEMAS MECÂNICOS (t/mês) MANCAIS MOTORES CILINDROS PERDA POR PARADA NÃO PROGRAMADA (t/mês) MECÂNICA ELETRÔNICA ELÉTRICA PERDA DE PRODUÇÃO (t/mês) PARADAS QUALIDADE RITMO PERDA POR PARADA (t/mês) NÃO PROGRAMADAS OUTROS PROGRAMADAS

15 15 Gravidade, Urgência e Tendência Ferramenta de Priorização de Soluções MATRIZ GUT

16 16 GRAVIDADE: 1) Qual a gravidade do desvio? Indagação que exige outras explicações. Que efeitos surgirão a longo prazo, caso o Problema não seja corrigido? Qual o impacto do Problema sobre coisas, pessoas, resultados?

17 17 URGÊNCIA: 2) Qual a urgência de se eliminar o problema? A resposta está relacionada com o tempo disponível para resolvê-lo.

18 18 TENDÊNCIA: 3) Qual a tendência do desvio e seu potencial de crescimento? Será que o problema se tornará progressivamente maior? Será que tenderá a diminuir e desaparecer por si só?

19 19 APRENDA A APLICAR O GUT 1. Listados os problemas, faça uma avaliação da Gravidade, Urgência e Tendência de cada um deles, usando a Tabela GUT. 2. Ao terminar avaliação de todos os problemas, faça a multiplicação das notas dadas e anote na coluna total.

20 20 ValorGravidadeUrgênciaTendênciaGxUxT 5 Os prejuízos as dificuldades são extremamente graves É necessária uma ação imediata Se nada for feito a situação irá piorar rapidamente 125 4Muito graveCom alguma urgência Vai piorar em pouco tempo 64 3GraveO mais cedo possível Vai piorar a médio prazo 27 2Pouco gravePode esperar um pouco Vai piorar a longo prazo 8 1Sem gravidadeNão tem pressa Não vai piorar e pode melhorar 1 Critério de Avaliação

21 21 Matriz GUT AspectosGUTGxUxT

22 22 Plano de Ação: 5W 1H Uma vez que a situação já analisada, deve montar um plano de ação para corrigir os problemas e/ou possibilidades de melhoria levantadas. What? O que será feito? Descrição da atividade como o detalhamento necessário. When? Quando será feito? Prazos e datas críticas para a atividade. Where? Onde será feito? Localização, setor, unidade ou região onde se dará tal atividade. Why? Por que será feito? Motivos que levam a realização da atividade. Who?Quem o fará? Responsável ou responsáveis pela(s) atividade(s). How? Como será feito? Descrição dos métodos, instrumentos, técnicas, ferramentas, procedimentos e outros que serão utilizados para realizar a atividade. Geralmente monitora-se o planejamento através de uma planilha onde cada item desse é acompanhado.

23 23 PLANO DE AÇÃO: 5W 1H O QUÊ?COMO?POR QUÊ?QUEM?ONDE?QUANDO? PROGRAMAR CURSOS PROGRAMAR PESSOAL AVALIAR TREINAMENTO TREINAR PESSOAS WHAT?HOW?WHY?WHO?WHERE?WHEN? SUPERVISOR CONTRATAR ENTIDADE SETOR DE TREINAMENTO MARÇO SUPERVISOR FORMAR TURMAS SECRETARIAABRIL SUPERVISOR + CHEFIA ENTREVISTA QUESTIONÁRIO ESCRITÓRIOMAIO

24 24 FLUXOGRAMA O fluxograma é uma representação gráfica mostrando todos os passos de um processo. Objetivo: Descrever, estudar ou planejar um processo (ou etapas) atual ou um novo.

25 25 COMO USAR? Reunir grupo de pessoas que conhecem e convivem com o processo; Desenhar o fluxograma do processo como ele ocorre; Desenhar o fluxograma do processo ideal / símbolos.

26 26 SIMBOLOGIA D D Operação Inspeção Armazenamento Decisão Transporte Espera

27 27 LIGAR A TV ASSISTIR O PROGRAMA IMAGEM APARECE? A IMAGEM É BOA? O FIO ESTÁ CONECTADO À TOMADA IMAGEM APARECE? OPERAR AJUSTES CONECTAR O FIO A IMAGEM É BOA? CHAMAR O TÉCNICO NÃO SIM NÃO

28 28 Vantagens do fluxograma Define claramente os limites do processo. Útil no treinamento de novos funcionários. Visão global do processo. Assegura solução para todas as alternativas. Identifica ciclos de retrabalho. Facilita a identificação de clientes e fornecedores.

29 29 RESUMO DAS FERRAMENTAS APRESENTADAS Brainstorming Diagrama de Causa e Efeito Lista de Verificação Diagrama de Pareto Matriz GUT Plano de Ação: 5W e 1H Fluxograma Problema Definido Identificação das Causas Analise das Causas Priorização das Causa Ação de Melhoria Padronização Objetivo Atendido

30 30 Meta para Manter: Método SDCA – Gerência Confiável Análise Ex.: Queima do motor do ar condicionado Queima do Motor do ar condicionado PoeiraOperados sem treinamento Desnivelado Fraco Variação da voltagem Curto Ferramentas da Qualidade: Diagrama de Causa e Efeito Umidade Porque? Por que não tem padrão, Porque? Porque o gerente diz que não precisa. Porque esta molhado? Por que a torneira quebrou, Porque? Por que o caminhão bateu, Porque? Por que a torneira estava no caminho. 1º) Reprojetar local da torneira 2º) Trocar Torneira 3º) Secar o chão 4º) Treinar gerente 5º) Padronizar e treinar operador

31 31 Meta para Manter: Método PDCA – Gerência Competitiva P D C A Como a empresa esta perdendo todo este tempo? Processo de Planejamento (P) Identificado as Causas dos Problemas, É necessário elaborar o Plano de Ação: Ação 1-Estabelecer um Programa de Manutenção 2-Redimensionar o estoque de peças 3-Estabelecer um Programa de Socorro para os finais de semana Responsável Manuel Joaquim Pedro Prazo 6 meses 2 meses 1mês Após este diagnóstico, implementaremos mudanças nos processos (meios). Processos (meios) Produtos (fins) Partes Interessadas (METAS)

32 32 Histórico Em meados dos anos 1980, diante da necessidade de se melhorar a qualidade dos produtos e de se aumentar a produtividade das empresas americanas, um grupo de especialistas analisou uma série de organizações bem sucedidas.

33 33 No ano de 1989, foi constituído um Grupo de Estudos, pela Câmara Americana de Comércio no Brasil, com a finalidade de pesquisar as diversas modalidades de premiações existentes. Em 1990, foi constituído o Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade. Histórico - Brasil

34 34 Premio Nacional da Qualidade Objetivo: Mobilizar toda a sociedade, promovendo ações integradas, sistemáticas e descentralizadas, dirigidas à conscientização e motivação dos empresários, trabalhadores e clientes, visando a melhoria da qualidade de vida.

35 35 Premio Nacional da Qualidade Relevância: Consiste numa metodologia para diagnosticar o estagio atual de desenvolvimento gerencial, permitindo estabelecer planos de melhoria continua do desempenho organizacional de acordo com os conceitos e princípios da Gestão pela Qualidade Total.

36 36 Critérios de Excelência Editados anualmente pela FPNQ, desde Baseiam-se em 12 FUNDAMENTOS. Representam o estado da arte da gestão para a excelência do desempenho organizacional. e Constituem um modelo de característica sistêmica. Apresentação

37 37 Fundamentos da Excelência 1. Liderança e constância de propósitos 2. Visão de futuro 3. Foco no cliente e no mercado 4. Responsabilidade social e ética 5. Decisões baseadas em fatos 6. Valorização das pessoas 7. Abordagem por processos 8. Foco nos resultados 9. Inovação 10. Agilidade 11. Aprendizado organizacional 12. Visão sistêmica

38 38 Modelo de Excelência do PNQ Uma visão Sistêmica da Organização Fonte:

39 39 Prêmio Nacional da Qualidade Benefícios: Identificar o alinhamento do sistema de gestão aos princípios das empresas bem sucedidas; Submeter o sistema de gestão a uma avaliação independente, que utiliza Critérios reconhecidos internacionalmente; As pessoas passam a falar a mesma linguagem; As pessoas discutem e aprendem sobre gestão; Integração entre os setores; Deflagra ações de melhoria, aumentando a sinergia e o envolvimento das pessoas.

40 40 Elaboração do Relatório de Gestão 8 Critério, 27 Itens e 91 Requisitos da Gestão Práticas de Gestão:Práticas de Gestão: Procedimento, Instrumento: Ex.: Formulários, reuniões, etc. Padrões de Trabalho:Padrões de Trabalho: Qualquer meio que permita orientar a execução e verificação das práticas: Ex.: Periodicidade, responsável, áreas envolvidas, método.

41 41 Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Excelência é uma habilidade que se conquista com treinamento e prática. Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato, mas um hábito. Aristóteles a.C.

42 42 - Definir o objetivo social, exemplos: - implementar a SA 8000; - implementar educação ambiental em escolas publicas; - melhorar os processos de comunicação interna; - melhorar os processos de captação de recursos para projetos sociais. - Dividir a turma em grupos; - Identificar práticas de gestão e padrões de trabalho referentes ao objetivo social definido e aos criterios de excelencia do PNQ; ( vide modelo anexo)

43 43 Modelo de Planilha

44 Universidade Federal Fluminense MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos Gestão de Pessoas Turma 3 44


Carregar ppt "1 Ementa: Ferramentas para Identificação, Analise do Problema e Tomada de Decisão ciclo PDCA, brainstorming, diagrama de ishikawa (causa e efeito), lista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google