A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Administração de Pessoal. 2 Movimentos Flexibilizadores das Relações do Trabalho 2 A organização industrial do trabalho foi gerada a partir de conflitos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Administração de Pessoal. 2 Movimentos Flexibilizadores das Relações do Trabalho 2 A organização industrial do trabalho foi gerada a partir de conflitos."— Transcrição da apresentação:

1 1 Administração de Pessoal

2 2 Movimentos Flexibilizadores das Relações do Trabalho 2 A organização industrial do trabalho foi gerada a partir de conflitos entre trabalhadores e patrões. Desde a Revolução Industrial, a normalização do trabalho tem sido feita pelo Estado, visando um equilíbrio de poder entre patrões e empregados As relações do trabalho têm sofrido transformações ao longo do tempo, frutos de fatores como, crise econômica, globalização, desenvolvimento tecnológico, competição industrial, desemprego, etc. Ocorrem duas formas para a adaptação da legislação trabalhista às necessidades atuais de mercado: Desregulamentação: eliminar a maior parte das leis que regulamentam o trabalho, que passariam e conter apenas princípios fundamentais norteadores dessas relações; Flexibilização: adaptação das normas trabalhistas às realidades sociais.

3 3 Movimentos Flexibilizadores das Relações do Trabalho 33 No Brasil: Legislação trabalhista tradicional e rígida. Em 1998, primeiros passos para flexibilização, com a introdução dos seguintes institutos: Contrato por prazo determinado (Lei no /98) Banco de horas (Lei no /98 e Medida Provisória (MP) no /98) Contrato por tempo parcial (MP 1.709/98) e; Supressão do contrato de trabalho para participação do empregado em cursos ou programas de qualificação profissional (MP no /98)

4 4 A regulamentação do trabalho no Brasil 44 Década de 1930: Começa a normalização do trabalho por meio de decretos (Getulismo). Surge a figura do chefe de pessoal: criação do Depto. Nacional do Trabalho; férias; CTPS: Carteira de Trabalho e Previdência Social (Carteira Profissional) regulamentação dos horários de trabalho; comissões mistas de conciliação, precursoras das atuais Juntas de Conciliação e Julgamento (JCJ), da Justiça do Trabalho; regulamentação sobre o trabalho do menor; o Ministério do Trabalho.

5 5 A regulamentação do trabalho no Brasil 55 Década de 1940: Entra em vigor em 1943, o Decreto-Lei no , em vigor até hoje, que aprovou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que reuniu todas as normas trabalhistas até então existentes. Década de 1950: Surgem as primeiras tensões trabalhistas com a instalação do parque industrial brasileiro (governo de Juscelino Kubitschek). 1964: importação de técnicas de administração de Recursos Humanos (RH), como administração de pessoal, planos de treinamento e métodos para cálculo de remuneração : Crise do petróleo – maior especialização da mão-de-obra e descontentamento com as condições de trabalho. 1978: agravam-se os movimentos sindicais – até 6 greves por dia no ABC paulista. 1980: elevada recessão econômica. Preocupação com planos estratégicos em RH.

6 6 A regulamentação do trabalho no Brasil : Início de uma série de planos econômicos. Movimento das diretas já. Solidificou-se o anseio do povo pelas reivindicações de direitos. 1988: Nova Constituição Federal promulgada em 5 de outubro que consubstancia uma enormidade de direitos para os trabalhadores, oriundos de reivindicações. 1998: Promulgadas as primeiras leis e medidas provisórias para a flexibilização das leis trabalhistas

7 7 Legislação Trabalhista 77 Hierarquia das leis trabalhistas (da mais alta para a mais baixa): Constituição Federal; Consolidação das Leis do Trabalho - CLT; Jurisprudência (cjto. uniforme de sentenças proferidas por juízes); Doutrina (cjto. de pareceres de juízes); Norma ou Convenção Coletiva de Trabalho (resultante de negociações entre empregados e empregadores); Regimento interno da empresa; Contrato individual de trabalho.

8 8 A Relação de Emprego 88 A CLT foi criada com a intenção de proteger o emprego, seguem as definições: Empregador (art. 2º da CLT): Assume os riscos da atividade econômica; Admite; Assalaria; Dirige a prestação de serviços. Empregado (art. 3º da CLT), pessoa física que presta serviço ao empregador: de maneira não-eventual; sob dependência; mediante salário.

9 9 A Relação de Emprego 99 Portanto, para que ocorra a relação de emprego, é preciso a ocorrência simultânea das três condições seguintes; habitualidade; subordinação; trabalho e salário.

10 10 Outras formas de contratação: Autônomo 10 A prestação de serviço é regida pelo Código Civil Brasileiro (não pela CLT). Principais características: Autonomia: o prestador não está subordinado à qualquer norma do contratante do serviço, técnica ou disciplinar. Eventualidade: os serviços prestados não devem ser habituais Os riscos da atividade são assumidos pelo prestador. Atendimento a prazos e padrões de qualidade são as únicas exigências que podem ser cobradas pelo contratante. Pagamento ao prestador: feito mediante recibo. O contratante arca com recolhimento 20% de INSS sobre o valor do serviço e deve descontar do prestador 11% referente a ISS. O prestador deve recolher também 20% de INSS

11 11 Outras formas de contratação: Estagiário 11 É aluno que, comprovadamente freqüenta curso de educação superior, de ensino médio, de educação profissional de nível médio, ou escolas de educação especial. O estagiário não é considerado empregado. A escola determina a carga horária mínima, requisitos e áreas de atuação (estágio obrigatório) mediante assinatura de convênio e termo de compromisso. empresa determina a localidade do estágio, o horário, as atividades e o valor da bolsa-auxílio. É regido pela Lei no /77 e Decreto no /82 Vide novo projeto de Lei no. 473/03: Para os alunos de nível superior, jornada máxima de 6 h/dia e férias remuneradas de 30 dias.

12 12 Outras formas de contratação: Temporário 12 É uma forma de flexibilização na contratação (atende à necessidade transitória de serviços) cujo contrato possui prazo determinado(não se tratando de terceirização) O trabalhador presta serviço a determinada empresa, estando a ela subordinada, mas vinculada profissionalmente a outra empresa. Os direitos são previstos pela CLT (administrados e pagos pela empresa contratante – agências de trabalho temporário) Regido pela Lei no /74 e Decreto no /74.

13 13 Outras formas de contratação: Doméstico 13 Características que definem o empregado doméstico (art. 7º alínea a): a natureza do trabalho é não-econômica (sem finalidade de lucro); os serviços estão relacionados com a vida do lar/ família e no âmbito do lar. De acordo com a Constituição Federal (CF – art. 7º), são assegurados os direitos dos demais empregados; O doméstico é segurado obrigatório da Previdência Social e deve contribuir assim como o seu empregador. O recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e o direito ao seguro desemprego são facultativos (Lei no /01 e Lei no /01)

14 14 Outras formas de contratação: Rural 14 É toda pessoa que presta serviço de natureza não-eventual (Lei no /73 e Decreto no /74), de prestação de serviço no campo, em atividade de lavoura ou pecuária; a empregador rural (pessoa jurídica que explore atividade agro econômica, Lei no /73); sob dependência deste; mediante salário.

15 15 Outras formas de contratação: Avulso e Terceirização 15 Avulso: Presta serviço sem vínculo de emprego com o tomador de serviço, sob intermediação do sindicato da categoria (estivadores e capatazes nos portos). Terceirizado: transfere a outros a administração de atividades que demandam tempo e desgaste e elevam os níveis hierárquicos da empresa. Procura a qualidade final do produto ou serviço, mantendo a empresa, o foco em seu negócio principal. O trabalhador é empregado de um prestador de serviços, mas subordinado funcionalmente ao tomador de serviços, ao qual o primeiro presta serviços.

16 16 Outras formas de contratação: Resumo 16

17 17 Admissão de Empregados 17 Contrato de Trabalho: é o acordo tácito ou expresso onde há trabalho e salário, subordinação e habitualidade, que gera vínculo empregatício, mesmo quando não expresso (formal, escrito). É regido pela CLT art a 454. Suspensão e interrupção do contrato de trabalho: é quando o empregado permanece afastado do trabalho (art a 476 da CLT). interrupção: o empregado é remunerado normalmente (férias, tratamento de saúde, etc.) Suspensão: o empregado é afastado e fica sem receber salário, não há contagem do tempo de trabalho (serviço militar, suspensão disciplinar, participação em curso ou programa de qualificação – MP /01 que introduziu o art. 476ª na CLT.)

18 18 Tipos de Contrato 18 Por prazo indeterminado Por prazo determinado: para atividades de caráter transitório (ex.: substituição de empregado por motivo de férias, doença, trabalho eventual, etc.). Vide casos específicos na Lei no /98. Só pode ser prorrogado uma única vez Não pode ter duração superior a dois anos. Contrato de experiência: semelhante ao de prazo determinado, porém possui a finalidade de experiência recíproca entre empregado e empregador. Não pode ultrapassar 90 dias de duração total (art. 445 da CLT). O ônus da rescisão não é o mesmo do contrato por prazo indeterminado.

19 19 Itens do Contrato de Trabalho Expresso 19 Normas adotadas em relação ao emprego (art. 447 da CLT) identificação; cargo e função; Local de trabalho; Valor do salário; Formas de pagamento (R$/ hora; R$/dia; R$/mês; etc.) Carga horária semanal (limite normal de 8 h/dia e de 44 h/semana; vide art. 7º Inciso XIII da CF e art. 58 da CLT) Período de experiência (data de início e de término e no. de dias de duração); Local e data e assinaturas; Outras cláusulas (autorização de descontos em folha de pagto.;etc.)

20 20 Remuneração: principais parcelas 20 Salário: importância fixa efetivamente paga ($/dia, $/h, $/mês) Adicionais: integram, férias, 13º salário, horas extras e adicional noturno, sofrendo incidências tributárias, previdenciárias e de FGTS (art.. 457, §1º da CLT) Hora extra: valor da hora normal mais 50% em dias normais de trabalho e mais 100% nos domingos e feriados. Horário noturno: equivale a 52 min e 30 segundos e ocorre das 22:00 h às 5:00 h (7 horas noturnas equivalem a 8 diurnas). É acrescida de adicional mínimo de 20%. Adicional de insalubridade: pago qdo. as condições de trabalho podem causar danos à saúde. Valores de 10% (mínima), 20% (média) e 40% (máxima), sobre o valor do salário mínimo. Adicional de periculosidade: pago para o trabalho em condições perigosas (por ex. com produtos inflamáveis ou explosivos). Corresponde a 30% do salário nominal do empregado, não incidindo sobre gratificações, prêmios ou comissões

21 21 Remuneração: principais parcelas 21 Abonos: Importâncias pagas para suprir determinadas necessidades de serviço. Integram o salário desde que pagos com habitualidade. Gratificações: pagamentos cuja natureza é mais esporádica. Prêmios ou comissões: quando há participação do empregado no alcance dos objetivos de lucro da empresa. Salário-utilidade, in natura ou espécie: consiste na concessão de um dos seguintes itens: habitação, alimentação, vestuário, transporte, outros. Qdo. A empresa efetua desconto do valor da utilidade, esta não faz caracteriza a remuneração. Gorjetas: são valores recebidos dos clientes do empregador, pelo empregado. Não servem para base de cálculo de outros valores, como adicionais, etc. Para efeito de anotação em carteira, é considerado um valor presumido de gorjeta. Diárias de viagem: integram o salário, as diárias de viagem que ultrapassam 50% do salário.

22 22 Descontos que podem constar na folha: INSS 22 Desconto de INSS: é o desconto para Instituto Nacional de Seguro Social (Ministério da Previdência Social). Obedece à tabela seguinte. Para o empregador a contribuição é de 20% sobre o total da remuneração do empregado. Desconto de INSS sobre 13º salário: o desconto ocorre no mês de dezembro, separado do salário mensal ou na rescisão de contrato, em separado dos outros vencimentos.

23 23 Descontos: IR 23 Desconto de IR (Imposto de renda): tributo que incide sobre o rendimento do trabalho (imposto federal ) 1. Apura-se o rendimento bruto (salário, horas extras, comissões). 2. Determina-se as deduções segundo a lei (R$ 126,36 do valor mensal, por dependente, e valor judicial pago por pensão alimentícia). 3. Apura-se o rendimento líquido e aplica-se a tabela. Desconto de IR sobre o 13º salário e sobre as férias: o desconto para o recolhimento é calculado em separado Calcula-se sobre a remuneração dos dias de férias, abonos de férias, terço de férias e as demais parcelas

24 24 Descontos: sindicatos, faltas e atrasos 24 Descontos para o Sindicato (órgão representativo da categoria profissional) Contribuição sindical (ocorre no mês de março e equivale a 1 dia de salário: 1/30 do salário pago no mês); Contribuição assistencial (conquistas auferidas em negociações coletivas) mensalidade sindical Descontos para faltas: Mensalistas: salário /30 dias = salário-dia; salário/dia x no. de faltas = Valor a ser desconto; Horistas: salário-hora x no. de horas de atraso = Valor a ser desconto. Descontos para atrasos: Mensalistas: salário-dia / no. de horas-dia = salário-hora; salário-hora x no. de horas de atraso = Valor do desconto.

25 25 Outros descontos em folha 25 S uspensão do empregado; Descanso semanal remunerado; Pensão alimentícia; Adiantamento de salário; Seguro de vida; Vale-refeição; Vale transporte; Vale compra em supermercados ou cesta básica; Descontos de empréstimos e financiamentos Etc.

26 26 Rescisão do contrato de trabalho 26 É o término do contrato. O empregador deve comunicar por carta, em duas vias a dispensa. Tipos de dispensa: Dispensa sem justa causa ou por justa causa (quando cometida falta grave. Ex. o trab. deixou de usar o EPI). Os tipos de dispensa possuem diferenças nos direitos disponíveis ao trabalhador e, se esta ocorre, antes de um ano de trabalho ou após um ano de trabalho. Homologação: tendo mais de 1 ano de registro, o empregado dispensado deverá ir até a Delegacia Regional do Trabalho, pois ele deve tomar ciência das verbas rescisórias a que tem direito no Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho.

27 27 Direitos decorrentes da Rescisão de contrato 27 Saldo de salário (valor correspondente aos dias trabalhados durante o mês da rescisão. Se houver discussão, o empregador poderá ser obrigado a pagar em dobro o valor do saldo) Salário-família (valor-dia do sal. família x no. de dias trabalhados no mês da rescisão); Aviso prévio (aviso antecipado de 30 dias, da data da demissão), pode ser: indenizado (indenização sem obrigatoriedade de trabalho durante os 30 dias); trabalhado (os 30 dias de trabalho são lançados como saldo de salário e o trab. continua trabalhando durante este prazo; é permitido faltar 7 dias corridos, sem prejuízo do salário; a jornada diária pode ser reduzida em 2 horas); especial (estabelecido em norma e somente aplicado à categoria específica)

28 28 Direitos decorrentes da Rescisão de contrato 28 13º salário proporcional (corresponde à proporcionalidade de 1/12 da remuneração mensal) Férias vencidas indenizadas (quando tiver o período aquisitivo completo). Férias proporcionais (proporcional a 1/12 da remuneração devida na data de rescisão, por mês de serviço posterior ao vencimento do período aquisitivo) Terço constitucional de férias (determinação da CF. No período de férias, o empregado faz jus, a 1/3 a mais do valor da remuneração) Horas extras (devem ser pagas as horas trabalhadas ainda não pagas. Deve-se considerar um adicional de 50% sobre o valor da hora normal) Adicional noturno (Valor hora x 20% = valor do adicional noturno. Valor do adicional noturno x no. de horas noturnas = Valor a ser pago.

29 29 Direitos decorrentes da rescisão de contrato 29 FGTS, 8% sobre o mês anterior (depositada em conta vinculada ao FGTS – demonstrativo GRFP) FGTS, 8% sobre a rescisão (somam-se as verbas* e sobre o resultado aplica-se 8%). *Vide tabela específica dos benefícios que têm incidência ou não do FGTS. Multa rescisória do FGTS, 40% (a lei prevê multa para a empresa, na rescisão, devendo esta, depositar 40% do valor total do FGTS para os dois itens anteriores). Há também alguns tipos de indenizações, quando por ex. em caso de contrato por prazo determinado, o contrato é rescindido antes do término ou da experiência.

30 30 Seguro Desemprego 30 Terá direito, o trabalhador dispensado sem justa causa que comprove: Ter recebido salário de pessoa física ou jurídica, nos últimos 6 meses anteriores à data da dispensa; Ter trabalhado para pessoa jurídica ou como autônomo, por pelo menos 6 meses ininterruptos, nos últimos 36 meses; Não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário (exceto auxílio acidente; auxílio suplementar e pensão por morte); Ainda não possuir renda própria de qualquer natureza, suficiente para a manutenção de si e de sua família.

31 31 Referências Bibliográficas 31 IORIO,C. F.. Manual de administração de pessoal.São Paulo: Editora Senac São Paulo, CLT Saraiva. São Paulo: Saraiva, 2004.


Carregar ppt "1 Administração de Pessoal. 2 Movimentos Flexibilizadores das Relações do Trabalho 2 A organização industrial do trabalho foi gerada a partir de conflitos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google