A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adriano Valenga Arruda As revoltas do período regencial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adriano Valenga Arruda As revoltas do período regencial."— Transcrição da apresentação:

1 Adriano Valenga Arruda As revoltas do período regencial

2 Adriano Valenga Arruda As revoltas do Período Regencial

3 Adriano Valenga Arruda NomeLíderesCausasFatos principais Cabanagem – PA Malcher, Vinagre, Angelim Revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial; situação de miséria dos cabanos. Domínio sobre Belém durante um ano e lutas no interior; morte de 40% da população da província. Sabinada - BA Dr. Sabino Álvares Insatisfação com as autoridades impostas pela Regência. Organização da República Bahiense Balaiada - MA Manuel "Balaio", Raimundo Gomes, Cosme Insatisfação com o presidente nomeado pela Regência e revolta de vaqueiros, fazedores de balaios e escravos fugidos. Conquista da Vila de Caxias; anistia. Guerra dos Farrapos - RS Bento Gonçalves, Giuseppe Garibaldi Altos impostos, exigência de protecionismo e de mudanças políticas, exemplo das repúblicas platinas. República de Piratini; República Juliana, anistia.

4 Adriano Valenga Arruda CABANAGEM - PARÁ ( ) Populares enfrentam policiais.

5 Adriano Valenga Arruda Isolamento da província; Discordância dos participantes com o governo de D. Pedro I. Insatisfação com a dominação oligárquica. Forte participação popular. Separatismo.

6 Adriano Valenga Arruda Lutavam contra as condições precárias que viviam A princípio tiveram apoio dos fazendeiros Tomaram o poder, porém não tiveram sucesso

7 Adriano Valenga Arruda OBJETIVOS: Independência da Província e Proclamação de uma república. LÍDER: Manuel Pedro Vinagre. TERMINOU: Reação violenta do governo: 30 ou 40 mil mortos.

8 Adriano Valenga Arruda BALAIADA – 1838/41

9 Adriano Valenga Arruda Revolta popular no Maranhão. Trabalhadores uniram-se para lutar conta a miséria, a fome, a escravidão e aos maus tratos. Conquistaram a cidade Caxias. Por não ter um projeto político definido os balaios perderam o conflito, cerca de 12 mil sertanejos morreram.

10 Adriano Valenga Arruda CAUSAS: crise econômica do algodão e divergências entre grupos locais OBJETIVO: Falta de propostas concretas.

11 Adriano Valenga Arruda LÍDERES: Balaios : Raimundo Gomes, Manuel Francisco dos Anjos, e o preto Cosme. Legalistas : Barão de Caxias. TERMINOU: prisão e condenação à morte. Estátua, em Caxias, de Manuel Francisco dos Anjos.

12 Adriano Valenga Arruda Batalha de Farrapos. José Wasth Rodrigues, PMSP. GUERRA DOS FARRAPOS RS:

13 Adriano Valenga Arruda A república de Piratini que ocupou o espaço geográfico dos atuais Estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul,contou com a participação dos escravos nesse movimento separatista proclamada por Bento Gonçalves.

14 Adriano Valenga Arruda Problemas econômicos dos produtores rurais gaúchos. Concorrência Argentina e Uruguai: charque. Dificuldade de importar sal. Maior liberdade administrativa para suas províncias. Fundação da república do Piratini e Juliana.

15 Adriano Valenga Arruda LÍDERES: Farrapos : Bento Gonçalves, Canabarro e Garibaldi Legalista : Duque de Caxias Bento Gonçalves

16 Adriano Valenga Arruda - CAUSAS: impostos exigidos pela produção de charque; discordância dos participantes com o centralismo administrativo e político. Anita Garibaldi

17 Adriano Valenga Arruda OBJETIVOS: Autonomia provincial; formação de uma República independente. TERMINOU: após 10 anos de guerra,assinada a Paz de Ponche Verde; anistia aos culpados e incorporação dos farrapos às tropas do governo. E AS PROMESSAS DE LIBERDADE PARA OS ESCRAVOS?

18 Adriano Valenga Arruda SABINADA BAHIA (1837/38)

19 Adriano Valenga Arruda Bahia ( ) Excesso de autonomia local, crise econômica. Descontentamento da classe média. Truculência do governo. Líder: Francisco Sabino Barroso.

20 Adriano Valenga Arruda CAUSAS: Oposição ao centralismo;renuncia de Feijó e eleição de Araújo Silva. OBJETIVO: Falta de propostas concretas.

21 Adriano Valenga Arruda LÍDER: Francisco Sabino Álvares da Rocha. TERMINOU: prisão ou morte.

22 Adriano Valenga Arruda REVOLTA DOS MALÊS BAHIA Rebelião de caráter racial, contra a escravidão e a imposição da religião católica, que ocorreu em Salvador.

23 Adriano Valenga Arruda CAUSAS: condição dos escravos urbanos e dos negros libertos. OBJETIVO: tomar o poder e matar brancos e mulatos. LÍDER:Manuel Calate. TERMINOU: dizimação dos negros e degredação dos sobreviventes.

24 Adriano Valenga Arruda

25 O Golpe da Maioridade

26 Adriano Valenga Arruda Desde 1835, a idéia de antecipar a maioridade já havia surgido no cenário político da Corte. Corte Proprietários de escravos e de terras estavam assustados com a experiência de descentralização ocorrida durante o Período Regencial, que resultara em tantas revoltas sociais. Período Regencial O restabelecimento da autoridade monárquica era visto como a solução para a crise política.

27 Adriano Valenga Arruda Queremos Pedro II, Ainda que não tenha idade. A nação dispensa a lei. Viva a Maioridade Por subir Pedrinho ao trono, Não fique o povo contente; Não pode ser coisa boa Servindo com a mesma gente.

28 Adriano Valenga Arruda

29 Esse golpe teve como principal objetivo dar o poder para Dom Pedro II para que esse, inexperiente (14 anos e 7 meses), atendesse aos interesses liberais. COMEÇA O 2º REINADO. COMEÇA O 2º REINADO.

30 Adriano Valenga Arruda A história dos grandes acontecimentos do mundo não é mais do que a história dos seus crimes. A história dos grandes acontecimentos do mundo não é mais do que a história dos seus crimes. Voltaire

31 Adriano Valenga Arruda


Carregar ppt "Adriano Valenga Arruda As revoltas do período regencial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google