A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Paulo Freire e Infância: amorosidade e construção da Paz Franciele Clara Peloso

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Paulo Freire e Infância: amorosidade e construção da Paz Franciele Clara Peloso"— Transcrição da apresentação:

1 Paulo Freire e Infância: amorosidade e construção da Paz Franciele Clara Peloso

2 Paulo Freire

3 A antropologia freiriana Inacabamento, inconclusão do humano; Historicidade: se constrói na história, que é aberta; Curiosidade que pode se fazer epistemológica; Nasce, vive e desenvolve-se na diferença (o outro); Capaz de ler, pensar e dizer o mundo; Capaz de humanização e desumanização; Capaz de autonomia e autoria; Ser político e produtor de cultura; Permanentemente provocado para SER MAIS; Dialogicidade.

4 A dialogicidade Amor (compromisso com os homens); Humildade; Fé nos homens; Esperança (fruto do inacabamento); Pensar crítico.

5 O desafio da amorosidade: Porque é um ato de coragem, nunca de medo, o amor é compromisso com os homens. Onde quer que estejam estes, oprimidos, o ato de amor está em comprometer-se com sua causa (...) Como ato de valentia, não pode ser piegas: como ato de libertação, não pode ser pretexto para a manipulação, senão gerador de outros atos de liberdade. A não ser assim, não é amor. (Paulo Freire em Pedagogia do Oprimido)

6 O amor é uma tarefa do sujeito (...). O amor é uma intercomunicação íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tem o outro, como sujeito do seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro. Nesta sociedade há uma ânsia de impor-se aos demais numa espécie de chantagem de amor. Isto é uma distorção do amor (...). Ama-se na medida em que se busca comunicação, integração a partir da comunicação com os demais. Não há educação sem amor. O amor implica luta contra o egoísmo. Quem não é capaz de amar os seres inacabados não pode educar. Não há educação imposta, como não há amor imposto. Quem não ama não compreende o próximo, não o respeita. Não há educação do medo. Nada se pode temer da educação quando se ama. (Paulo Freire em Educação e Mudança)

7 Educação da Infância Implicações da antropologia freiriana na

8 Paulo Freire não elaborou uma teoria específica sobre infância: elaborou sim uma teoria revolucionária sobre educação, sobre pedagogia. Evidentemente nesta concepção de educação está a criança e a infância contextualizadas. Educar exige dialogo com o mundo e com os outros, quaisquer que sejam, onde nos pomos, nos contrapomos e nos libertamos de qualquer forma de opressão. Esta perspectiva de educação na relação com o mundo e os outros exige consciência do inacabamento. O reconhecimento de sermos historicamente condicionados a busca de autonomia, o sentir-se existencialmente solidário, a humildade, tolerância e a não desistência da luta pelos direitos das pessoas, a apreensão da realidade desvelando suas contradições exige alegria, esperança e amorosidade. Exige a convicção de que esta realidade poderá ser diferente no limite de nossa força e de nosso comprometimento, contribuindo para a construção da Paz.

9 Concepção de infância (como condição da experiência humana); Entendimento de criança como alguém que é está sendo (o ser humano como uma inteireza, que faz a História e ao mesmo tempo se refaz, assim o que ocorre é a superação de uma fase geracional por outra, o que não elimina a continuidade da História no interior da mudança); Nessa direção é possível afirmar que a infância institui, juntamente com o ser criança, a base de um projeto de constituição da humanidade do ser humano.

10 O projeto educativo proposto por Freire é anunciador do ser humano plural. Nesse sentido, seus pressupostos podem ser utilizados em diversos contextos educativos, principalmente naqueles onde os mecanismos de opressão, de exclusão, de preconceito, de subordinação, de miséria, dentre outros, se fazem presentes e impedem a vocação de ser mais dos seres humanos: a humanização. Nesse entender as crianças, inseridas em um projeto educativo freiriano, poderiam constituir e ser constituídas por meio de suas subjetividades. A partir dessa compreensão seriam autoras de suas histórias, fundadas na autonomia, na amorosidade e na esperança, seriam anunciadoras da construção da paz e da possibilidade de transformação do mundo.


Carregar ppt "Paulo Freire e Infância: amorosidade e construção da Paz Franciele Clara Peloso"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google