A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Encefalites virais-raiva José Eduardo Ungar de Sá Médico Veterinário: LACEN-Ba/ CITVET2/UNEB 3356-1582.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Encefalites virais-raiva José Eduardo Ungar de Sá Médico Veterinário: LACEN-Ba/ CITVET2/UNEB 3356-1582."— Transcrição da apresentação:

1

2 Encefalites virais-raiva José Eduardo Ungar de Sá Médico Veterinário: LACEN-Ba/ CITVET2/UNEB

3 Etiologia Fam: Rhabdoviridae Gênero: Lyssavírus Espécie: Rabies vírus Genotipo 1 / Sorotipo 1 - Rabies virus (RABV) Genotipo 2 / Sorotipo 2 - Lagos bat virus(LBV) Genotipo 3 / Sorotipo 3 - Mokola virus(MOKV) Genotipo 4 / Sorotipo 4 – Duvenhage virus (DUVV) Genotipo 5 / Sorotipo 5 - European bat lyssavirus 1 (EBL-1) Genotipo 6 - European bat lyssavirus 2 (EBL-2) Genotipo 7 - Australian bat lyssavirus (ABLV) Genotipo 8 ? – Aravan virus Genotipo 9 ?- Khujand virus Genotipo 10 ?- Irkut virus Genotipo 11 ?-West caucasian bat virus

4 CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES DO VÍRUS O vírus da raiva é sensível a: solventes de lipídeos (sabão, éter, clorofórmio e acetona) etanol 45-70% agentes físicos e químicos: são inativados em poucos minutos pela ação de ácidos e bases fortes, luz solar, luz ultravioleta e temperatura (60°C por 35s) O vírus da raiva é estável a: dessecação, pH entre 5-10 congelamentos e descongelamentos sucessivos temperaturas baixas (4°C se mantém infectivo por dias; a - 70°C ou liofilizado (4°C), se mantém durante anos)

5

6 Raiva- patogenia 1- Inoculação periférica do vírus 2- Migração centrípeta intra-axonal 25 a 50mm 3- Período de incubação não induz imunidade 4- Replicação no SNC 5- Distribuição do vírus em espécies diferentes 6- Migração centrífuga do vírus (glândulas) 7- Eliminação do vírus na saliva, até 5 dias antes do sintomas (período de observação)

7 Raiva- período de incubação Depende de: 1- Extensão e número de ferimentos 2- Profundidade da lesão 3- Inervação do local 4- Distância do SNC 5- Carga viral 6- Cepa viral Duração de 10 dias até 6 meses

8 Sintomas Período prodrômico- anorexia, febre, disfagia, mudança de comportamento, irritação no local da agressão Fase de estado Salivação intensa (dificuldade de deglutição) Agitação e excitação Agressividade (auto mutilação) Tremores, convulsões Paresia e paralisia Óbito

9 Sintomas A raiva muda é caracterizada pela predominância dos sintomas paralíticos. A fase de excitação é curta ou ausente. Animal fica engasgado

10 Eliminação do vírus RAIVA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS DE ESTIMAÇÃO É frequente o isolamento de vírus da raiva em glândulas salivares de animais doentes, diferentemente de outras espécies. Em muitas ocasiões o título viral em glândulas salivares é maior do que no SNC.

11 Tipificação antigênica Objetivo: Identificar a variante antigênica do vírus da raiva Risco da transmissão de morcegos não hematófagos aos cães e principalmente gatos. Risco ao homem. Dificuldade de diagnóstico clínico e laboratorial Introdução de novas variantes

12 Novas perspectivas sobre o vírus rábico Variantes antigênicas Variante 2 (Cão) Variante 3 (Desmodus) Variante 4 (Tadarida) Variante 6 (Lasiurus) Variante de raposas e saguis Determinação por Ac. monoclonais

13 Cachorro do mato/raposa/sagui

14 Os morcegos e a raiva Importância ecológica 1- Controle de insetos e pragas 2- Controle da população de pequenos vertebrados 3- Controle populacional de espécies silvestres 4- Formação e expansão de florestas, através da dispersão de sementes

15 Morcêgos-Hábitos alimentares

16 Nectarívoro

17 Hematófagos

18 Hematófago-Diphyla ecaudata/ Desmodus rotundus

19 Piscívoros

20 Frugívoros

21 Diagnóstico laboratorial da raiva Qual amostra deve ser encaminhada? 1- Sistema Nervoso Central das diversas esp é cies animais 2- Cães e gatos: agressores com sintomatologia nervosa 3- atropelados com ó bito a esclarecer 4- Herb í voros: com sintomatologia nervosa 5- Silvestres: animais encontrados mortos (atropelados) 6- animais encontrados em locais e hor á rio não habituais (morcegos hemat ó fagos e não hemat ó fagos)

22 Prevenção 1- Vacinação (a partir de 40 dias). 2 doses na primo vacinação 2- Conscientização e conhecimento 3- Controle populacional 4- Bloqueios vacinais 5- Isolamento e observação dos suspeitos (10 dias)

23 Tratamento da raiva humana Critérios de inclusão e exclusão Este protocolo de tratamento está recomendado para todo paciente com suspeita clínica de raiva, que tenha vínculo epidemiológico e profilaxia antirrábica inadequada. É importante que seja aplicado um termo de consentimento livre e esclarecido para a sua utilização. Profilaxia antirrábica inadequada Paciente que não recebeu o esquema de pós-exposição antirrábico; OU que recebeu o esquema de pós-exposição incompleto, conforme as normas técnicas de profilaxia da raiva humana OU paciente que não recebeu o esquema de pós-exposição em tempo oportuno.

24 Tratamento da raiva humana Conduta após confirmação laboratorial da Raiva - Manter todas as condutas acima descritas e mais as abaixo relacionadas. - Amantadina – 100mg via enteral de 12/12h; NÃO usar Ribavirina. - Biopterina – 2mg/kg via enteral de 8/8h (disponível no Ministério da Saúde). - Sedação profunda: Midazolan (1 a 2mg/kg/h) associado a Ketamina (2mg/kg/h) – suspender Fentanil se estiver em uso; as doses acima não devem ser muito aumentadas; se necessário para otimizar a sedação, associar Fentanil; evitar uso de barbitúricos e propofol e monitorar com escala de sedação (Ramsey VI), BIS ou EEG.

25 Diagnóstico diferencial Raiva ou cinomose? Enfermidades simultâneas Cinomose com quadros clínicos atípicos (sialorréia, trismo dentário, disfagia, agressividade e mudança de comportamento, paralisia, paresia) Animais vacinados: contra raiva. Contra raiva e cinomose


Carregar ppt "Encefalites virais-raiva José Eduardo Ungar de Sá Médico Veterinário: LACEN-Ba/ CITVET2/UNEB 3356-1582."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google