A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adriana Regina de Jesus Ângela Maria S. Lima Ângela Maria S. LimaESTÁGIO FORMAÇÃO DE DOCENTES NÍVEL MÉDIO - PR.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adriana Regina de Jesus Ângela Maria S. Lima Ângela Maria S. LimaESTÁGIO FORMAÇÃO DE DOCENTES NÍVEL MÉDIO - PR."— Transcrição da apresentação:

1 Adriana Regina de Jesus Ângela Maria S. Lima Ângela Maria S. LimaESTÁGIO FORMAÇÃO DE DOCENTES NÍVEL MÉDIO - PR

2 ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO: concepções e imperativos legais, administrativos e pedagógicos

3 ESTÁGIO = APRENDIZADO

4 CONCEPÇÕES DE ESTÁGIO Estágio [...] é o tempo de aprendizagem que, através de um período de permanência, alguém se demora em algum lugar para aprender a prática do mesmo e depois poder exercer uma profissão. (Parecer CNE/CP 009/2001, 21/2001, 27/2001 e 28/2001) Atividade de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionada ao estudante pela participação em situações reais de vida e trabalho de seu meio, [...], sob a responsabilidade e coordenação da instituição de ensino, para propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem. (Legislação Nacional de Estágio)

5 MODALIDADES DE ESTÁGIO Estágio: Sempre Curricular e Supervisionado Assim sendo, é... Elemento constitutivo do processo de formação profissional. Atividade curricular fundamental no processo de formação acadêmica que ocupa posição estratégica na formação profissional compreendida como uma totalidade. Atividade integrante do processo de ensino- aprendizagem que se configura a partir da inserção do aluno em situações reais de trabalho relativas ao exercício profissional. Situação de aprendizagem.

6 E deve... Colocar o aluno em contato com o ambiente real de trabalho da profissão. Criar oportunidade de confrontos e sínteses. Estimular e favorecer a elaboração crítica e reflexiva do exercício profissional. ser planejado, executado, acompanhado e avaliado em conformidade com os currículos, programas e calendários escolares. Ser avaliado em seu processo sendo os resultados verificados, interpretados e avaliados para que o estagiário esteja consciente do seu atual perfil.

7 Possibilitando... a ampliação do espaço pedagógico na formação acadêmico-profissional dos alunos. a inserção do aluno na vida econômica, política e sociocultural. a práxis no processo ensino-aprendizagem, mediante a inserção do aluno no mundo laboral. a interação da Instituição de Ensino com outros segmentos sociais.

8 O BOM ESTÁGIO Respeito à condição de estagiário Progressão do aprendizado Acompanhamento de um profissional de sua área de formação no campo de estágio e na Universidade para orientar e supervisionar das atividades

9 QUALIDADES DE UM BOM ESTAGIÁRIO AssíduoAtualizadoComunicativoDisciplinadoDiscretoOrganizadoParticipativoPontual ( Palestra Estágio e o Profissional do Século XXI, de Ricardo Romeiro – Coordenador de Estágios)

10 O QUE SE ESPERA DO ESTAGIÁRIO Dinamismo Facilidade no relacionamento Bom desempenho no curso Conhecimento em informática Conhecimento em novos modelos de gestão Cultura geral Boa aparência Conhecimento de línguas (Palestra Estágio e o Profissional do Século XXI, de Ricardo Romeiro – Coordenador de Estágios)

11 ESTÁGIO/PESQUISA O que é uma pesquisa? Ponto de vista filosófico: Atividade básica das ciências na sua indagação e descoberta da realidade. É uma atitude e uma prática teórica que nunca se esgota. Ponto de vista político: Atividade cotidiana, um questionamento crítico e criativo e uma intervenção competente na realidade no sentido teórico e prático. Ponto de vista metodológico: Possui um caráter pragmático, é um processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico.

12 Do ponto de vista da forma de abordagem do problema Quantitativa Traduz em números opiniões e informações, uso da estatística Qualitativa Valoriza a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números, é descritiva, o processo é o foco de análise.

13 Do ponto de vista dos objetivos Exploratória Levantamento bibliográfico, entrevistas, experiências práticas e estudo de caso. Descritiva Questionário, observação sistemática Explicativa Pergunta sobre a razão e o porquê da ocorrência dos fenômenos. Nas ciências naturais: método experimental; nas ciências sociais: método observacional, característica ex-post-facto.

14 Pesquisa/aprendizagem A aprendizagem é uma pesquisa, em que o aluno passa de uma visão sincrética ou global do problema a uma visão analítica do mesmo, chegando à uma síntese provisória, que equivale à compreensão. Esta síntese tem continuidade na práxis, isto é, na atividade transformadora da realidade. (BERBEL, 1999: 33)

15 Estágio/pesquisa participante PROBLEMA DE PESQUISA Problematizar: maior desafio O que é um problema? É uma questão para a qual não se encontra resposta pronta (BERBEL, 2005:126)

16 Uma questão em si não se caracteriza um problema [...]; mas uma questão cuja resposta se desconhece e se necessita conhecer, eis aí um problema. Algo que eu não sei não é um problema; mas quando eu ignoro uma coisa que eu preciso saber, eis-me então diante de um problema...

17 Da mesma forma, um obstáculo que é necessário transpor, uma dificuldade que necessita ser superada, uma dúvida que não pode deixar de ser dissipada são situações que se nos configuram como verdadeiramente problemáticas. SAVIANI (Apud BERBEL, 2005:126)

18 Para dar uma resposta, precisamos reunir uma série de elementos. Através da Metodologia da problematização, o problema não é algo abstrato, é algo extraído da realidade observada. (BERBEL, 2005:126)

19 Pedagogia problematizadora: Uma pessoa só pode conhecer bem algo quando o transforma e transforma- se a si mesmo no processo de conhecimento; a solução de problemas implica a participação ativa e o diálogo constante entre alunos e professores. A aprendizagem é concebida como uma resposta natural do aluno ao desafio de uma situação-problema. (BERBEL, 1999: 33)

20 Metodologia da problematização Voltada para a transformação social, para conscientização de direitos e deveres do cidadão, dentro de uma visão de educação libertadora. Trata-se de uma concepção que acredita na educação como uma prática social. [...] seus fundamentos estão em Paulo freire, Dermeval Saviani e outros educadores brasileiros, inspirados nas teorias histórico-críticas (BERBEL, 1999: 35)

21 Metodologia da problematização Os protagonistas da aprendizagem, são os próprios aprendentes. Por isso, acentua-se a descoberta, a participação na ação grupal, a autonomia e a iniciativa; Desenvolve-se a capacidade de perguntar, consultar, experimentar, avaliar, características da consciência crítica.

22 - Estudo de diferentes aspectos conjugados, nos permitirão elaborar as hipóteses de solução. Problematizar a realidade implica uma situação de envolvimento com ela desde o início; Para responder ao problema: conjugar dados da literatura com novos elementos extraídos desta mesma parcela da realidade; (BERBEL, 2005:127)

23 MODOS DE FORMULAR O PROBLEMA Através de uma pergunta; Através de afirmações; Através de uma negação; Mais importante que o modo como se formula a questão é que o conteúdo esteja explícito nela. O problema levantado vai conduzir/orientar todas as demais etapas do estudo, até se completar o Arco de Maguerez.

24 (BERBEL, 2005:128) Os conhecimentos anteriores dos participantes e sua observação atenta da realidade contribuirão para distinguirem quando estarão diante de um verdadeiro problema para se resolver; O desenvolvimento do processo de estudo sinalizará se ainda há algo a corrigir na formulação; A sensibilidade e o compromisso com a realidade se encarregarão de completar essa clareza.

25 Fontes: -BERBEL, Neusi Ap. Navas; GOMES, Daniel Fernando Matheus. Orgs Exercitando a reflexão com conversas de professores. Londrina. GRAFCEL, 2005.ISBN BERBEL, Neusi Ap. Navas (org). Metodologia da problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: UEL, MULLER, Maria Stela; CORNELSEN, J. Normas e padrões pata teses, dissertações e monografias. Londrina: Editora da UEL, GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, Parecer CNE/CP 009/2001, 21/2001, 27/2001 e 28/ Legislação Nacional de Estágio - Palestra Estágio e o Profissional do Século XXI, de - Ricardo Romeiro – Coordenador de Estágios


Carregar ppt "Adriana Regina de Jesus Ângela Maria S. Lima Ângela Maria S. LimaESTÁGIO FORMAÇÃO DE DOCENTES NÍVEL MÉDIO - PR."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google