A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Suporte nutricional: seguimos as recomenda ç ões? Prof. Fernando Ramos Gonçalves – Msc Enfermeiro Intensivista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Suporte nutricional: seguimos as recomenda ç ões? Prof. Fernando Ramos Gonçalves – Msc Enfermeiro Intensivista."— Transcrição da apresentação:

1 Suporte nutricional: seguimos as recomenda ç ões? Prof. Fernando Ramos Gonçalves – Msc Enfermeiro Intensivista

2 Necessidade de Terapia Nutricional em UTI Freqüente depleção Nutricional em pacientes internados em UTI; Intenso catabolismo e mobilização de proteínas para reparo de tecidos lesados; Paciente apresentam risco nutricional independente do estado nutricional prévio; Idade avançada, desnutrição prévia, gravidade, pioram o risco nutricicional dos pacientes gravemente enfermos;

3 Conseqüências para os pacientes Resposta Imunológica deprimida; Comprometimento do processo de cicatrização; Alterações na composição corporal: hidro-eletrolítica; Alterações funcionais nos órgãos; Ocorrência de úlceras de Pressão, infecções, fraturas,etc. Aumento da Morbi-mortalidade; Prolongamento do tempo de internação; Aumento das re-internações.

4 Impacto da Desnutrição no Custo e Permanência Hospitalar Robinson, 1987*p<0,05

5 Nutrição Enteral em Terapia Intensiva Aplicada a todos os pacientes com impossibilidade de alimentação por Via Oral, com o TGI funcionante; Uso de sondas para sua efetivação; Supressão das etapas orais e esofagianas da digestão;

6 Indicações Ingestão oral insuficiente RISCO DE DESNUTRIÇÃO; Não pode alimentar-se VO: Estenose ou obstruções de esôfago, Mucosite severa, lesões orais, Inconsciência, Ventilação mecânica, AVC com seqüelas importantes na função motora, Fístulas digestivas altas; Estados hipermetabólicos (sepsis, traumatismos, queimaduras extensas, transplante de órgaos);

7 3 Recusa em alimentar-se VO: Anorexia nervosa, Dor, Medo de vomitar Falta de apetite Sonolência

8 Vias de Acesso Posição oral Posição nasal Ostomia

9 Formas de Administração Bolo: injeção da dieta por meio de seringa, 100 a 350ml de dieta no estômago a cada 2 ou 6hs. Contínuo: gotejamento contínuo por 24 ou 18horas pelo sistema gravitacional ou bomba de infusão. Intermitente: repouso gástrico em horários regulares pelo sistema gravitacional ou bomba de infusão.

10 Complicações Distensão Abdominal; Aumento do resíduo Gástrico; Vômito e Regurgitação da Dieta; Diarréia; Complicações Respiratórias; Complicações Metabólicas: o Hiperglicemia; o Hiperidratação; o Hipernatremia; o Desidratação hipertônica; o Hipercalemia/hipocalêmia

11 Conselhos Práticos Evitar parar a dieta devido a vômitos/Diarréia; Elevar cabeceira a 30/45 graus; Diminuir a velocidade de infusão. 100ml/h 50ml/h observar o paciente, aumentando-se gradualmente até o valor desejado; Considerar dieta contínua com baixa vazão. Exame do abdome: Inspeção, Ausculta, Palpação e percussão; Permeabilidade e posicionamento da sonda; Pacientes com TGI sem refluxo Sonda Gástrica.

12 Nutrição Parenteral em UTI A nutrição parenteral é a forma intravenosa de oferecer um suporte alimentar aos pacientes desnutridos em UTI. O objetivo é melhorar o estado nutricional do enfermo. Seu uso é indicado apenas quado existe um estado hipercatabólico com parada de funcionamento do aparelho digestivo.

13 Indicações 1-Ressecção Intestinal Maciça. (> 70 %). 2-Pacientes desnutridos ou subnutriidos,ou ainda aqueles que pode se prever desnutrição. Principalmente em pacietes agudos que não recuperam sua atividade intestinal de 5 a 7 dias. 3-Pacientes con trasplante de médula ósea. 4-Enteritis necrotizante. 5-Desnutrição severa preoperatoria 6-Grandes cirurgias gastrinteistinais; politraumatizados, grandes queimados.

14 Hiperemese gravídica evoluindo com náuseas e vômitos por mais de 7 semanas. A NPT nestes casos é utilizada para assegurar o crescimento e desenvolvimento fetal; Candidiasis intestinal grave nos doentes com SIDA. Anorexia severa, indicando-se a combinação de NE e NPT; Outras Situações que pode justificar o uso da NPT: quimetaria severa, desnutrição crônica, etc.

15 Complicações da NPT Complicações inerentes a técnica de colocação do cateter central: hemotórax, pneumotórax, lesão de plexo braquial; Embolia gasosa: desconexão acidental com pressão intratorácica negativa; Complicações metabólicas e nutricionais: Sobrecarga hídrica, hiperglicemia, hipoglicemia por intolerância a glicose ou interrupção rápida da nutrição; Complicações Tardias: Infecções catéter e solução ideal para proliferação de microorganismos.

16 Conselhos Práticos Técnica Asséptica na manipulação; Troca de equipo a cada 24 horas no máximo; Via única de infusão Cateter Duplo Lúmen Via Distal; Infusão sempre por bomba infusora; Monitorização hemodinâmica e glicemias constantes. Atenção a infecção do cateter.

17 Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional Instituída pela portaria 272/98, tornando obrigatória a criação da equipe multidisciplinar de Terapia Nutricional, composta minimamente por: o Médico; o Enfermeiro; o Nutricionista; o Farmacêutico

18 Importância Melhor assistência nutricional com menor custo do procedimento; Capacitação de uma equipe Multiprofissional; Redução dos Gastos Hospitalares, racionalização e padronização dos nutrientes administrados; Manipulação dos Nutrientes; Controle de qualidade.

19 OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!!!


Carregar ppt "Suporte nutricional: seguimos as recomenda ç ões? Prof. Fernando Ramos Gonçalves – Msc Enfermeiro Intensivista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google