A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

diário [djáriu]. S. m. (Do lat. diarius). 1. Registo, relação que acontece em cada dia. Escrever um diário. 2. Livro ou caderno onde se registam, diariamente,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "diário [djáriu]. S. m. (Do lat. diarius). 1. Registo, relação que acontece em cada dia. Escrever um diário. 2. Livro ou caderno onde se registam, diariamente,"— Transcrição da apresentação:

1

2 diário [djáriu]. S. m. (Do lat. diarius). 1. Registo, relação que acontece em cada dia. Escrever um diário. 2. Livro ou caderno onde se registam, diariamente, acontecimentos, dados de interesse e também por vezes impressões, emoções… (…) 3. Literat. Género literário no qual o fio narrativo se assemelha aos registos pessoais feitos diariamente num livro ou caderno. Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, Academia das Ciências de Lisboa, Editorial Verbo

3 EU Suporte de escrita (papel…) Criação de um confidente inanimado Por escrito comunicação unilateral DIÁRIO

4 EU retrato de interioridade Discurso da primeira pessoa. sentimentos. vivências. experiências. projectos de vida. anseios. dúvidas. ambições. fracassos. vitórias. considerações críticas sobre a realidade quotidiana Elevada subjetividade

5 No universo literário português, muitos escritores se dedicaram ao discurso diarístico: * Florbela Espanca * Miguel Torga * Vergílio Ferreira * Jorge Saramago * Luísa Dacosta * …

6 Nome – Adolfo Correia da Rocha (Miguel Torga). Local e data de nascimento – São Martinho de Anta, Vila Real (Trás-os-Montes), a 12 de Agosto de Família – Filho de camponeses transmontanos sem posses. Infância – Passou pelo Seminário, mas não se adaptou. Adolescência - Com treze anos, partiu para o Brasil (1920 – 1925), para trabalhar na Fazenda da Cruz, Minas Gerais, propriedade de um tio paterno.

7 Estudos – Tirou o curso de Medicina (1933), graças às mesadas enviadas pelo tio. Profissão / atividade - Médico e escritor. Cargo desempenhado – Foi diretor da revista Sinal. Intervenção social – Lutou contra a ditadura que caracterizava o Estado Novo, razão pela qual esteve preso.

8 Data e local de falecimento – 17 de Janeiro de 1995, em Coimbra. Nota - A sua campa rasa em São Martinho de Anta tem uma torga plantada a seu lado, em honra ao poeta. Lugar que merece na literatura – É uma das vozes mais universais da Literatura Portuguesa do século XX. Foi diversas vezes nomeado para o Prémio Nobel da Literatura, mas não lhe foi atribuído.

9 Em 1934, Adolfo Correia Rocha autodefine-se pelo pseudónimo "Miguel" e "Torga". * Miguel, em homenagem a dois grandes vultos da cultura ibérica (Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno) * Torga é uma planta brava da montanha, que deita raízes fortes sob a aridez da rocha, de flor branca, arroxeada ou cor de vinho, com um caule incrivelmente retilíneo.

10 Características gerais da sua obra – Integrou a Presença, foi associado ao «iberismo» e identificado como «telúrico», mas foi fiel à sua terra e à sua origem. Adolfo Correia Rocha autodefine-se pelo pseudónimo "Miguel" e "Torga (1934): * Miguel, em homenagem a dois grandes vultos da cultura ibérica (Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno); * Torga é uma planta brava da montanha, que deita raízes fortes sob a aridez da rocha, de flor branca, arroxeada ou cor de vinho, com um caule incrivelmente retilíneo.

11 Poesia Ansiedade (1928), Rampa (1930), Tributo (1931), Abismo (1932), O outro Livro de Job (1936), Lamentação (1943), Libertação (1944), Odes (1946), Nihil Sibi 948), Cântico do Homem (1950), Alguns Poemas Ibéricos (1952), Penas do Purgatório (1954), Orfeu Rebelde (1958), Câmara Ardente (1962), Poemas Ibéricos (1965).

12 Ficção: Pão Ázimo (1931), A Terceira Voz (1934), A Criação do Mundo (5 volumes, ), Bichos (contos, 1940), Contos da Montanha (1941), Rua (1942), O Senhor Ventura (1943), Novos Contos da Montanha (1944), Vindima (romance, 1945), Pedras Lavradas (contos, 1951), Traço de União (1955), Fogo Preso (1976).

13 Teatro: Terra Firme, Mar (1941), O Paraíso (1949), Sinfonia (poema dramático)(1947). Literatura autobiográfica: Diário (16 volumes, ), Portugal (1950).

14 Prémios recebidos * Prémio da Associação Internacional de Críticos Literários (1994) * Prémio do Diário de Notícias (1969) * Prémio de Poesia da XII Bienal de Internacional de Poesia de Knokke-Heist (Bélgica, 1976) * Prémio Morgado de Mateus (1980) * Prémio Montaigne da Fundação Alemã F.V.S. (1981) * Prémio Luso-Brasileiro Luís de Camões (1989) * Prémio Personalidade do Ano (1991) * Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992) * Prémio da Crítica, consagrando a sua obra (1993).

15 Agora, o remédio é partir discretamente, sem palavras, sem lágrimas, sem gestos. De que servem lamentos e protestos, contra o destino? Miguel Torga


Carregar ppt "diário [djáriu]. S. m. (Do lat. diarius). 1. Registo, relação que acontece em cada dia. Escrever um diário. 2. Livro ou caderno onde se registam, diariamente,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google