A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nódulo da Tireóide Turma 1, Grupo D Ana Raquel Robles Gisela Ferreira Maria Helena Cabral Mariela Rodrigues.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nódulo da Tireóide Turma 1, Grupo D Ana Raquel Robles Gisela Ferreira Maria Helena Cabral Mariela Rodrigues."— Transcrição da apresentação:

1 Nódulo da Tireóide Turma 1, Grupo D Ana Raquel Robles Gisela Ferreira Maria Helena Cabral Mariela Rodrigues

2 ANATOMIA

3

4 EPIDEMIOLOGIA 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos A maioria são assintomáticos A maioria são assintomáticos > prevalência no sexo feminino > prevalência no sexo feminino? BENIGNO MALIGNO BENIGNO MALIGNO

5 EPIDEMIOLOGIA 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos A maioria são assintomático A maioria são assintomático? BENIGNO BENIGNO - A grande maioria são benignos

6 EPIDEMIOLOGIA 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. 3 a 7% dos adultos avaliados ao exame físico apresentam nódulos na tireóide. Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos Com o uso de ecografia a doença é detectada em mais de 25% dos casos A maioria são assintomáticos A maioria são assintomáticos? MALIGNO MALIGNO - 4/ novos casos por ano - 4/ novos casos por ano - 1% da totalidade dos cancros no humano - 1% da totalidade dos cancros no humano - < 0,5% da mortalidade por cancro - < 0,5% da mortalidade por cancro

7 AVALIAÇÃO CLINICA História clínica e exame físico História clínica e exame físico Exames complementares de diagnóstico Exames complementares de diagnóstico Exames complementares de diagnóstico

8 AVALIAÇÃO CLINICA História clínica: RISCO DE MALIGNIDADE RISCO DE MALIGNIDADE SEXO IDADE RESIDÊNCIA Regiões ricas em iodo: Ca. Papilar

9 AVALIAÇÃO CLINICA Antecedentes pessoais: RISCO DE MALIGNIDADE História prévia de neoplasia da tireóide. História prévia de neoplasia endócrina História prévia de irradiação cervical

10 AVALIAÇÃO CLINICA Antecedentes familiares: - História familiar de patologia da tireóide - História familiar de síndromes endócrinos MEN2A e MEN2B: Ca. Medular MEN2A e MEN2B: Ca. Medular

11 AVALIAÇÃO CLINICA Exame físico: Avaliar sintomas sistémicos de: Avaliar sintomas sistémicos de: - Hipertireoidismo: taquicardia, nervosismo, hipersudorese, emagrecimento com aumento do apetite, intolerância ao calor, irritabilidade, palpitações, fadiga, fraqueza, dejecções frequentes e oligomenorreia. - Hipotireoidismo: letargia, cabelo e pele secos, intolerância ao frio, queda de cabelo, dificuldade de concentração, memória deficiente, obstipação, ligeiro aumento de peso com falta de apetite, dispneia, voz rouca e menorragias. - Hipotireoidismo: letargia, cabelo e pele secos, intolerância ao frio, queda de cabelo, dificuldade de concentração, memória deficiente, obstipação, ligeiro aumento de peso com falta de apetite, dispneia, voz rouca e menorragias. Avaliar sinais de compressão: Avaliar sinais de compressão: - Esófago: disfagia - Traqueia: dispneia - Nervo laríngeo recorrente: alterações da voz

12 AVALIAÇÃO CLINICA Exame físico da tireóide: TamanhoAssimetrias Sinais inflamatórios INSPECÇÃO TumefacçõesMobilidade Sopro sistólico Sopro sistólico AUSCULTAÇÃO AUSCULTAÇÃO Tireóide hiperfuncionante Tireóide hiperfuncionante

13 AVALIAÇÃO CLINICA Exame físico da tireóide: Exame físico da tireóide:PALPAÇÃO: NÓDULO RISCO DE MALIGNIDADE Número Nódulo único = nódulo duma glândula multinodular Tamanho Quanto > ConsistênciaDura Mobilidade Aderência aos tecidos LimitesIrregulares ADENOMEGALIAS CERVICAIS

14 RISCO DE MALIGNIDADE - Sexo (masculino) - Idade ( 70 anos) - História prévia de neoplasia da tireóide ou endócrina - História prévia de irradiação cervical - História familiar - Características do nódulo TamanhoConsistênciaFixação - Adenomegalias - Sintomas compressivos - Nódulo inactivo - Geografia : zonas ricas em iodo: Ca. Papilar zonas pobres em iodo: Ca. Folicular zonas pobres em iodo: Ca. Folicular

15 Perante um nódulo tireoideu, que meios complementares de diagnóstico devemos pedir?

16 Meios Complementares de Diagnóstico Análises sanguíneas Análises sanguíneas Níveis de TSH (screening) Níveis de TSH (screening) Níveis de T3 e T4 livres (quando há alterações da TSH) Níveis de T3 e T4 livres (quando há alterações da TSH) Níveis de anticorpos (anti-peroxidase, anti-tireoglobulina, TRAb) e de calcitonina sérica (carcinoma medular) Níveis de anticorpos (anti-peroxidase, anti-tireoglobulina, TRAb) e de calcitonina sérica (carcinoma medular)

17 Meios Complementares de Diagnóstico Ecografia Ecografia Método inócuo, barato, disponível Método inócuo, barato, disponível Distinção entre nódulos sólidos, císticos e complexos. Distinção entre nódulos sólidos, císticos e complexos. Monitorização da evolução de nódulos Monitorização da evolução de nódulos Orientação de biópsias aspirativas de agulha fina. Orientação de biópsias aspirativas de agulha fina. Não permite distinguir nódulos benignos de malignos. Para diagnósticos definitivos, tem de ser associada à biópsia aspirativa. Não permite distinguir nódulos benignos de malignos. Para diagnósticos definitivos, tem de ser associada à biópsia aspirativa. Dependente do operador Dependente do operador

18 Meios Complementares de Diagnóstico Biópsia Aspirativa com Agulha Fina e Citologia Biópsia Aspirativa com Agulha Fina e Citologia Determina o tipo de tratamento a seguir Determina o tipo de tratamento a seguir Conclusões mais definitivas, baixo custo, seguro Conclusões mais definitivas, baixo custo, seguro Resultados: benigno, maligno, suspeito ou inadequado Resultados: benigno, maligno, suspeito ou inadequado Apesar de raro, há uma pequena percentagem de falsos negativos. É importante o follow-up, mesmo em biópsias iniciais benignas. Apesar de raro, há uma pequena percentagem de falsos negativos. É importante o follow-up, mesmo em biópsias iniciais benignas. Não deve ser feita em doentes com história de irradiação do pescoço ou história de carcinoma familiar da tireóide. Não deve ser feita em doentes com história de irradiação do pescoço ou história de carcinoma familiar da tireóide. Não diagnostica adenoma/carcinoma folicular. Não diagnostica adenoma/carcinoma folicular.

19 TC e RMN TC e RMN Permitem uma avaliação tridimensional da tireóide Permitem uma avaliação tridimensional da tireóide Avaliação da extensão intratorácica de bócio (bócios grandes, invasivos ou mergulhantes) Avaliação da extensão intratorácica de bócio (bócios grandes, invasivos ou mergulhantes) Cintigrafia ( 123 I/ 99m Tc) Cintigrafia ( 123 I/ 99m Tc) Permite avaliar a função tireoideia, com iodo radioactivo Permite avaliar a função tireoideia, com iodo radioactivo Nódulo quente – funcionante, hipercaptante (pode causar hipertireoidismo, raramente é maligno) e nódulo frio – não funcionante, não captante (incidência de cancro 20%, remoção cirúrgica) Nódulo quente – funcionante, hipercaptante (pode causar hipertireoidismo, raramente é maligno) e nódulo frio – não funcionante, não captante (incidência de cancro 20%, remoção cirúrgica) Tem vindo a ser substituída pela Biópsia Aspirativa de Agulha Fina. Tem vindo a ser substituída pela Biópsia Aspirativa de Agulha Fina. Meios Complementares de Diagnóstico

20 Nódulo solitário ou suspeito Níveis de TSH TSH diminuída Cintigrafia Nódulo quenteNódulo frio /indeterminado Cirurgia ou Tx médico BAAF Citopatologia <1cm ou houver dificuldade TSH normal Biópsia guiada por Eco Indeterminado Repetir BAAF BenignoCisto Suspeito ou Neoplasia folicular Maligno

21 Citologia benigna

22 Possíveis diagnósticos: Possíveis diagnósticos: 1. Bócio multinodular 2. Cisto 3. Colóide 4. Foco de tireoidite

23 Pode fazer-se supressão da TSH com levotiroxina Pode fazer-se supressão da TSH com levotiroxina Diminui o tamanho de 30% dos nódulos e impede novo crescimento Diminui o tamanho de 30% dos nódulos e impede novo crescimento Recomendado o follow-up ecográfico de 6 em 6 meses Recomendado o follow-up ecográfico de 6 em 6 meses Se o nódulo continua do mesmo tamanho, follow-up anualmente Se o nódulo continua do mesmo tamanho, follow-up anualmente Se o nódulo aumentou, nova Biópsia Aspirativa Se o nódulo aumentou, nova Biópsia Aspirativa Pode fazer-se cirurgia em determinadas situações Pode fazer-se cirurgia em determinadas situações Quando o nódulo é muito grande e há sintomas compressivos (esófago ou traqueia) Quando o nódulo é muito grande e há sintomas compressivos (esófago ou traqueia) Quando é hiperfuncionante Quando é hiperfuncionante Quando há preocupações estéticas significativas Quando há preocupações estéticas significativas Se o nódulo é benigno…

24 1. Bócio multinodular Ocorre em 12% da pop. adulta, mais frequente no sexo feminino e a prevalência aumenta com a idade Ocorre em 12% da pop. adulta, mais frequente no sexo feminino e a prevalência aumenta com a idade Nódulos variáveis (desde hipercelulares até colóides), de origem mono e policlonal, áreas de fibrose extensa Nódulos variáveis (desde hipercelulares até colóides), de origem mono e policlonal, áreas de fibrose extensa Doente geralmente assintomático, função tireoideia normal Doente geralmente assintomático, função tireoideia normal Se o bócio for significativo, pode haver sintomas por compressão (disfagia, dispneia, congestão venosa) Se o bócio for significativo, pode haver sintomas por compressão (disfagia, dispneia, congestão venosa) Não parece haver predisposição para carcinoma da tireóide Não parece haver predisposição para carcinoma da tireóide A biópsia é feita se houver suspeita de malignidade – nódulo dominante ou crescimento de um nódulo, rouquidão (atingimento do nervo laríngeo recorrente), dor súbita (hemorragia dentro de um nódulo) A biópsia é feita se houver suspeita de malignidade – nódulo dominante ou crescimento de um nódulo, rouquidão (atingimento do nervo laríngeo recorrente), dor súbita (hemorragia dentro de um nódulo)

25

26 2. Cisto Constitui um terço dos nódulos palpáveis. Constitui um terço dos nódulos palpáveis. Diagnóstico por ecografia ou aspiração de material do interior Diagnóstico por ecografia ou aspiração de material do interior Tratamento por aspiração (até 3x em cistos recorrentes) Tratamento por aspiração (até 3x em cistos recorrentes) Apenas se realiza cirurgia se houver aumento das dimensões, se a citologia for suspeita ou se houver recidiva após 3 aspirações Apenas se realiza cirurgia se houver aumento das dimensões, se a citologia for suspeita ou se houver recidiva após 3 aspirações 3. Nódulo colóide 60-70% das biópsias aspirativas de agulha fina revelam material colóide – resultado mais comum de benignidade 60-70% das biópsias aspirativas de agulha fina revelam material colóide – resultado mais comum de benignidade Risco de malignidade desprezível Risco de malignidade desprezível Nódulo colóide > 3cm Remover Nódulo colóide > 3cm Remover

27 Citologia suspeita

28 Possíveis diagnósticos: Possíveis diagnósticos: 1. Adenoma folicular 2. Carcinoma folicular A distinção é feita pela análise histológica da peça, após cirurgia.

29 1. Adenoma folicular Neoplasia benigna derivada do epitélio folicular Neoplasia benigna derivada do epitélio folicular Lesão geralmente solitária, esférica, indolor Lesão geralmente solitária, esférica, indolor Cápsula bem delimitada Cápsula bem delimitada Pode comprimir a restante glândula, dando origem a sintomas locais tais como disfagia e dispneia. Pode comprimir a restante glândula, dando origem a sintomas locais tais como disfagia e dispneia. Uma pequena percentagem produz hormonas tireoideias (nódulos autónomos), causando tireotoxicose. Esta produção é independente da TSH. Uma pequena percentagem produz hormonas tireoideias (nódulos autónomos), causando tireotoxicose. Esta produção é independente da TSH. Não ocorre transformação maligna. Não ocorre transformação maligna.

30 Ao microscópio óptico, podem observar-se folículos uniformes com colóide e células uniformes, de bordos bem definidos. Ao microscópio óptico, podem observar-se folículos uniformes com colóide e células uniformes, de bordos bem definidos. Diagnóstico diferencial difícil com nódulos hiperplásicos (não têm cápsula bem delimitada) e com carcinoma folicular (perda de integridade capsular e invasão de vasos sanguíneos) Diagnóstico diferencial difícil com nódulos hiperplásicos (não têm cápsula bem delimitada) e com carcinoma folicular (perda de integridade capsular e invasão de vasos sanguíneos)

31 2. Carcinoma Folicular 2. Carcinoma Folicular Representam 10% dos carcinomas da tireóide Representam 10% dos carcinomas da tireóide Surge em pessoas idosas Surge em pessoas idosas São mais prevalentes em zonas com dieta pobre em iodo São mais prevalentes em zonas com dieta pobre em iodo São nódulos frios São nódulos frios

32 Células uniformes que formam folículos Células uniformes que formam folículos A invasão capsular e vascular permite o diagnóstico diferencial entre este tipo de carcinoma e o adenoma folicular A invasão capsular e vascular permite o diagnóstico diferencial entre este tipo de carcinoma e o adenoma folicular Metastizam sobretudo por via hematogénea para pulmões, esqueleto e fígado Metastizam sobretudo por via hematogénea para pulmões, esqueleto e fígado MICROSCOPIA

33 Citologia maligna

34 Possíveis diagnósticos Possíveis diagnósticos 1. Carcinoma papilar 2. Carcinoma medular 3. Carcinoma anaplástico

35 1. Carcinoma Papilar São o tipo mais comum – 85% - e surge sobretudo em jovens São o tipo mais comum – 85% - e surge sobretudo em jovens Surgem como uma massa cervical única e indolor Surgem como uma massa cervical única e indolor São tumores não funcionantes, de crescimento lento e estimulados pela TSH São tumores não funcionantes, de crescimento lento e estimulados pela TSH A via principal de metastização é a linfática – ao exame objectivo é mandatório a pesquisa de gânglios. Podem também metastizar por via hematogénea e quando tal acontece o local mais frequente de metástases são os pulmões A via principal de metastização é a linfática – ao exame objectivo é mandatório a pesquisa de gânglios. Podem também metastizar por via hematogénea e quando tal acontece o local mais frequente de metástases são os pulmões

36 Projecções papilares do epitélio colunar Projecções papilares do epitélio colunar Corpos Psammomatosos (60%) – estruturas calcificadas concêntricas Corpos Psammomatosos (60%) – estruturas calcificadas concêntricas MICROSCOPIA MACROSCOPIA Aspecto em citologia do carcinoma papilar

37 PROGNÓSTICO PROGNÓSTICO Geralmente bom sendo reservado em doentes mais idosos ou cujo tumor já invadiu estruturas extratireoideias Geralmente bom sendo reservado em doentes mais idosos ou cujo tumor já invadiu estruturas extratireoideias TRATAMENTO As lesões bem diferenciadas respondem à TSH. Como tal os doentes são tratados com hormona tireoideia após a cirurgia para supressão da TSH endógena Tratamento com Iodo radioactivo e tiroxina Cerca de 1 ano após a cirurgia faz-se o doseamento da Tireoglobulina e uma ecografia (cintigrafia opcional). Se ambas estiverem normais/sem alterações pode considerar-se o doente curado.

38 Multifocal com nódulos frios Multifocal com nódulos frios Produtos de Tireoglobulina Produtos de Tireoglobulina Envolvimento nodular linfático Envolvimento nodular linfático Associação familiar Associação familiar Prognóstico mais reservado Prognóstico mais reservado Carcinoma de Células de Hürthle ou Oxifílicas

39 2. Carcinoma Medular Representam 7% dos carcinomas da tireóide Representam 7% dos carcinomas da tireóide Surgem de forma esporádica ou familiar Surgem de forma esporádica ou familiar O epitélio tumoral tem origem nas células C/parafoliculares da tiróide O epitélio tumoral tem origem nas células C/parafoliculares da tiróide São nódulos frios e funcionais, secretores de calcitonina, antigénio carcinoembrionário, somatostatina, serotonina e VIP São nódulos frios e funcionais, secretores de calcitonina, antigénio carcinoembrionário, somatostatina, serotonina e VIP Clinicamente surgem como uma massa cervical associada a sintomas decorrentes da compressão de estruturas adjacentes pela massa tumoral – disfagia, rouquidão, dispneia Clinicamente surgem como uma massa cervical associada a sintomas decorrentes da compressão de estruturas adjacentes pela massa tumoral – disfagia, rouquidão, dispneia Em alguns casos as queixas iniciais advém dos efeitos produzidos pelos peptídeos secretados (VIP – diarreia) Em alguns casos as queixas iniciais advém dos efeitos produzidos pelos peptídeos secretados (VIP – diarreia) Apesar de ocorrer um aumento na concentração de calcitonina a hipocalcemia não é característica Apesar de ocorrer um aumento na concentração de calcitonina a hipocalcemia não é característica

40 MICROSCOPIA MICROSCOPIA Depósitos de substância amilóide Depósitos de substância amilóide Hiperplasia das células C Hiperplasia das células C Aspecto em citologia do carcinoma medular

41 GENÉTICA Existe associação a mutações no proto-oncogene RET 20% dos doentes têm mutações de novo; os restantes 80% têm história familiar (tireoidectomia profiláctica) Casos EsporádicosMEN 2 Idade Após 50 anos de idadeJovens Centralidade Unicêntricos/SolitáriosMulticêntricos/Bilaterais Hiperplasia Células C AusenteQuase sempre presente Comportamento Pouco AgressivosAgressivos, sobretudo MEN 2b

42 Tumores Associados MEN 2a MEN 2b Feocromocitoma Hiperparatireoidismo Feocromocitoma Neuromas múltiplos Ganglioneuromatose

43 3. Carcinoma Anaplástico/Indiferenciado São os mais raros (1%) mas também os mais agressivos e surgem sobretudo em mulheres idosas São os mais raros (1%) mas também os mais agressivos e surgem sobretudo em mulheres idosas Apresentam-se como massas cervicais sólidas e irregulares que envolvem de forma difusa toda a glândula, invadindo as estruturas adjacentes – sintomas obstrutivos Apresentam-se como massas cervicais sólidas e irregulares que envolvem de forma difusa toda a glândula, invadindo as estruturas adjacentes – sintomas obstrutivos Têm um crescimento rápido Têm um crescimento rápido Podem ser dolorosos, fixos aos planos profundos Podem ser dolorosos, fixos aos planos profundos As linfadenopatias e metástases pulmonares são comuns As linfadenopatias e metástases pulmonares são comuns

44 MICROSCOPIA MICROSCOPIA Células muito anaplásticas Células muito anaplásticas Tipos Histológicos Células Gigantes Células Pequenas Células Espiculadas GENÉTICA Mutações TP 53

45 Tratamento CIRURGIA Carcinoma Papilar Adenoma/Carcinoma Folicular Carcinoma Medular

46 Que Cirurgia? Ressecções Parciais Estão contra – indicadas porque a incidência de recorrência é elevada e a sobrevida curta. Além disso, após a cirurgia desenvolve-se tecido fibroso no local o que dificulta outra intervenção cirúrgica no mesmo doente. Lobectomia parcial do lobo esquerdo e istmoLobectomia Parcial

47 A cirurgia da tireóide acarreta alguns riscos sobretudo a lesão do ramo externo do nervo laríngeo superior, nervo laríngeo recorrente e glândulas paratireóides A cirurgia da tireóide acarreta alguns riscos sobretudo a lesão do ramo externo do nervo laríngeo superior, nervo laríngeo recorrente e glândulas paratireóides É preferível pois a maioria dos tumores tireoideus é multifocal e se tiver ocorrido disseminação prévia há grande probabilidade do lobo contra-lateral estar atingido Tireoidectomia Total

48 Esvaziamento ganglionar Esvaziamento ganglionar Carcinoma Diferenciado Adenopatias Cervicais (Palpáveis ou Ecográficas) +- BAAF + Compartimento Central Esvaziamento Central Compartimento Lateral Esvaziamento cervical radical modificado Intraoperatoriamente + Citologia/ Histologia Extemporânea Positiva Compartimento Central Compartimento Lateral Esvaziamento Central Esvaziamento cervical radical modificado

49 Esvaziamento Ganglionar Esvaziamento Ganglionar Carcinoma Medular Adenopatias Cervicais (Palpáveis ou Ecográficas) + - BAAF +Intraoperatoriamente + + Tireoidectomia total e esvaziamento cervical radical modificado Citologia/ Histologia Extemporânea Positiva +- Tireoidectomia total e esvaziamento cervical radical modificado Tireoidectomia total e esvaziamento do compartimento central

50 Gânglios linfáticos cervicais - o compartimento central engloba os níveis VI e VII; o compartimento lateral inclui os níveis II – V.

51 Follow -Up Carcinoma Diferenciado Iodo radioactivo como tratamento pós – cirúrgico Doses supressivas de hormona tireoideia permanentemente Doseamento de níveis séricos de tireoglobulina Carcinoma Indiferenciado Radioterapia e quimioterapia pós - cirurgia Carcinoma Medular Doseamento da calcitonina Ecografia

52 HISTÓRIA CLÍNICA Nome: IFLRM Idade: 22 anos Sexo: Feminino Raça: Caucasiana Estado Civil: Solteira Naturalidade: Guimarães Residência: Guimarães Profissão: Estudante

53 HISTÓRIA CLÍNICA Queixa Principal: Disfagia para sólidos e dispneia. História da doença actual: Assintomática até há 3 anos, altura que inicia um quadro caracterizado por disfagia para sólidos e dispneia. Assintomática até há 3 anos, altura que inicia um quadro caracterizado por disfagia para sólidos e dispneia. Refere hipersudorese e intolerância ao calor desde sempre. Refere hipersudorese e intolerância ao calor desde sempre. Nega alterações da voz, tosse, palpitações, alterações do apetite, alterações dos hábitos intestinais, tremores, alterações da pele. Nega exposição a radiação. Nega alterações da voz, tosse, palpitações, alterações do apetite, alterações dos hábitos intestinais, tremores, alterações da pele. Nega exposição a radiação. Começou a ser seguida pelo médico de família, tendo realizado várias análises, (função tireoideia inclusive), que não revelaram qualquer alteração. Começou a ser seguida pelo médico de família, tendo realizado várias análises, (função tireoideia inclusive), que não revelaram qualquer alteração. Por agravamento da sintomatologia foi encaminhada para a consulta de endocrinologia, onde realizou novamente análises sem alterações, ecografia e biópsia. Por agravamento da sintomatologia foi encaminhada para a consulta de endocrinologia, onde realizou novamente análises sem alterações, ecografia e biópsia.

54 HISTÓRIA MÉDICA PRÉVIA Diabética tipo 1 desde um ano e meio de idade. Medicada com insulina de acção intermédia (Insulatard®), insulina de acção lenta (Actaprid®) e metformina (Risidon®); Diabética tipo 1 desde um ano e meio de idade. Medicada com insulina de acção intermédia (Insulatard®), insulina de acção lenta (Actaprid®) e metformina (Risidon®); Terá tido as doenças habituais da infância (varicela, parotidite). Terá tido as doenças habituais da infância (varicela, parotidite). Remoção de um lipoma abdominal na infância; Remoção de um lipoma abdominal na infância; Apendicectomia há 3 anos; Apendicectomia há 3 anos; Medicada com lisinopril e omeprazol. Medicada com lisinopril e omeprazol. Sem alergias conhecidas. Sem alergias conhecidas. Historia ginecológica: menarca aos 12 anos, interlúnios regulares, cataménios com duração de quatro a sete dias, por vezes dolorosos. Historia ginecológica: menarca aos 12 anos, interlúnios regulares, cataménios com duração de quatro a sete dias, por vezes dolorosos.

55 HISTÓRIA MÉDICA FAMILIAR Desconhece história médica da mãe Desconhece história médica da mãe Pai, 45 anos, com história de bócio multinodular (tratamento cirúrgico) Pai, 45 anos, com história de bócio multinodular (tratamento cirúrgico) Tia paterna, 47 anos, com história de bócio multinodular (tratamento cirúrgico) Tia paterna, 47 anos, com história de bócio multinodular (tratamento cirúrgico) Avô paterno com história de diabetes Avô paterno com história de diabetes

56 EXAME OBJECTIVO INSPECÇÃO: A doente apresentava-se com hipersudorese, sem outros sintomas de disfunção tireoideia. A doente apresentava-se com hipersudorese, sem outros sintomas de disfunção tireoideia. Era visível uma tumefacção do triângulo anterior do pescoço. Era visível uma tumefacção do triângulo anterior do pescoço. Não eram visíveis assimetrias e sinais inflamatórios. Não eram visíveis assimetrias e sinais inflamatórios.AUSCULTAÇÃO: Normal (não era audível nenhum sopro). Normal (não era audível nenhum sopro).

57 EXAME OBJECTIVO PALPAÇÃO: Tireóide indolor à palpação Tireóide indolor à palpação Tireóide aumentada difusamente Tireóide aumentada difusamente Sem adenomegalias, dor ou fixação às estruturas adjacentes Sem adenomegalias, dor ou fixação às estruturas adjacentes

58 EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO Avaliação da função tireoideia: T3 livre 3.14 pg/ml ( ) T4 livre 1.16 ng/dl ( ) TSH 1.42 ui/ml ( )

59 EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO Ecografia da tireóide: Ecografia da tireóide: Ambos os lados aumentados de tamanho, forma globosa e textura difusamente heterogénea multinodular, os nódulos são sólidos e incontáveis. Destaca-se o de maiores dimensões na hemi-tireóide à esquerda com 2,9 cm de diâmetro máximo o lobo mede 6,8 cm diâmetro antero-posterior e 3,6 cm de diâmetro transversal e o esquerdo mede 7,8 cm de diâmetro crânio-caudal, 3,2 cm diâmetro antero-posterior e 3,4cm diâmetro transversal. O istmo encontra-se aumentado de tamanho. No compartimento anterior do pescoço não se visualizaram lesões ocupacionais nomeadamente adenomegalias. Conclusão: Marcada hipertrofia da tireóide de aspecto multinodular (volumosos nódulos), a valorizar clínico-analiticamente e num provável quadro de bócio multinodular difuso.

60 Diagnóstico pré-cirúrgico: bócio multinodular Tratamento: tireoidectomia total 22/05/2006, sem esvaziamento cervical e sem medicação pré-operatória


Carregar ppt "Nódulo da Tireóide Turma 1, Grupo D Ana Raquel Robles Gisela Ferreira Maria Helena Cabral Mariela Rodrigues."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google