A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Como comunicar más noticias. A morte está perto e quero aproveitar ao máximo este momento para aprender com a própria vida e com a morte. Obs.: Dois meses.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Como comunicar más noticias. A morte está perto e quero aproveitar ao máximo este momento para aprender com a própria vida e com a morte. Obs.: Dois meses."— Transcrição da apresentação:

1 Como comunicar más noticias

2 A morte está perto e quero aproveitar ao máximo este momento para aprender com a própria vida e com a morte. Obs.: Dois meses antes de morrer.

3 ...esconda muitas coisas do paciente enquanto você o está atendendo. Dê ordens necessárias com alegria e serenidade...não revelando nada sobre a condição futura ou presente do paciente. Muitos pacientes deram a volta para o pior por antever o que está por vir. (Hippocrates in Vandekief, 2001; Muller, 2002)

4 Apesar dos avanços tecnológicos, a comunicação continua sendo a ferramenta primária e indispensável com a qual médico e paciente trocam informações.

5 Elementos como a empatia, compreensão, interesse, desejo de ajuda e bom humor são indispensáveis para conseguir um ambiente de conforto emocional,

6 Isso permite que o paciente tenha um conhecimento de sua doença e diagnóstico, e o médico aja segundo seus conhecimentos, experiência clínica e suas capacidades humanas

7 Neste sentido, o intercambio de informações engloba não apenas aquilo que o paciente necessita saber como também informá-lo apropriadamente e reassegurar de que ele tenha compreendido a informação;

8 Assim, é necessário que se trabalhe em dois pólos: verificar que a informação seja compreendida corretamente e se necessário corrigi-la (com ênfase na tarefa) e preocupar-se com a reação afetiva envolvida na passagem da informação.

9 Esta última implica em considerar os sentimentos e expectativas que o paciente tem em relação ao profissional de saúde (transferência), bem como com os sentimentos e expectativas que o profissional de saúde tem do paciente (contratransferência)

10 Mesmo frente a objetivos tão simples, a comunicação entre equipes de saúde e pacientes nem sempre ocorre de forma satisfatória, com pouca empatia e grande controle por parte dos profissionais, dificultando a detecção ou valoração correta da aflição dos pacientes e seus familiares

11 As dificuldades e impedimentos tornam-se ainda mais evidentes quando uma equipe deve comunicar más notícias a seus pacientes e/ou familiares.

12 Comunicar más notícias é, provavelmente, uma das tarefas mais difíceis que os profissionais de saúde têm que enfrentar, pois implica em um forte impacto psicológico do paciente e sua rede de apoio - quem recebe uma má notícia dificilmente esquece onde, como e quando ela foi comunicada

13 Dificuldade e freqüência com que ocorre este evento contrastam, contudo, com a deficiente preparação das equipes de saúde em termos de habilidades gerais de comunicação, principalmente na forma de comunicar informação de resultados negativos no curso da evolução de uma doença

14 O que são más notícias? Má notícia pode ser compreendida como aquela que altera drástica e negativamente a perspectiva do paciente em relação ao seu futuro;

15 Comunicação relacionada com o processo de atenção médica, que traz uma ameaça ao estado mental ou físico do paciente e um risco deste ver superado seu estilo de vida já estabelecido, pode ser considerada uma má notícia

16 Quais as dificuldades encontradas ao comunicar más notícias? O código de ética médica, desde 1847 já declarava: A vida de uma pessoa doente pode ser diminuída não apenas pelos atos, mas também pelas palavras ou maneiras do médico.

17 Isto é, portanto, uma obrigação sagrada a de guardá-lo cuidadosamente a este respeito e evitar todas as coisas que tenham a tendência de desencorajar o paciente e deprimir seu espírito;

18 compreensão dos pacientes sobre ela e o seu ajustamento à mesma, assim como a sua satisfação com seu médico.

19 Os fatores mais importantes para pacientes quando recebem más notícias são a competência do médico, sua honestidade e atenção, o tempo para permitir as perguntas, um diagnóstico direto e compreensível e o uso de um linguajar claro.

20 Conhecer bem o médico e o uso do toque pelo médico (por exemplo, segurar a mão do paciente) são fatores que impactam menos. Já os familiares buscam privacidade, uma atitude positiva do médico, sua competência, clareza e tempo para perguntas;

21 Os medos dos próprios médicos podem interferir no momento de comunicar as más notícias;

22 Estes estariam relacionados ao receio de causar dor ao paciente, de sentir incômodo no momento de comunicar uma má notícia, de ser culpado pelo paciente e familiares (culpar o mensageiro), de falha terapêutica, de problema judicial, do desconhecido, de dizer não sei, de expressar as emoções e, por fim, da própria morte.

23 O modelo paternalista do cuidado ao paciente vem sendo substituído por um que enfatiza a autonomia do paciente e a revelação completa;

24 A mesma permite aos pacientes a tomada de decisões baseadas em melhores informações, consistentes com seus objetivos e valores e a manutenção da confiança do paciente na equipe que o está cuidando;

25 Como comunicar más notícias A função de comunicar más notícias ao paciente e seus familiares é umas das tarefas mais difíceis relacionadas à assistência e, por essa razão, muitos autores procuraram resumir as principais recomendações para esse momento

26 Estabelecer uma relação médico, equipe de saúde e paciente adequada: A construção de uma interação apropriada, desde o primeiro contato, implica por em prática a capacidade de empatia, compreensão e desejo de ajuda;

27 Este tipo de abordagem na comunicação da má notícia pode melhorar o relacionamento do médico (equipe de saúde)-paciente e reduzir a ansiedade deste último; Importante demonstrar interesse e respeito

28 A conduta e o comportamento profissional são essenciais para o paciente sentir-se bem.

29 Conhecer cuidadosamente a história médica: Isto dará consistência às decisões clinicas e permitirá uma comunicação mais clara e fluída. Neste sentido, quem irá revelar as más notícias deverá ser preferencialmente o médico responsável pelo caso.

30 Ver o paciente como pessoa: É importante que se vá além do conhecimento formal e saber quem é a pessoa a quem se oferece os cuidados.

31 Nesses momentos questões como: de onde vem esse paciente? Quais são suas motivações? Seus medos? Projetos? – são importantes para que se possa lidar com outras dificuldades que não somente aquelas impostas pelo adoecimento.

32 A cuidadosa e respeitosa exploração do paciente em termos de crenças religiosas e sistema de valores ajudarão a considerar a dimensão global do paciente e proporcionarão outra via de expressão de aspectos psicopatológicos.

33 Assim, é importante que se tenha alguma idéia das circunstâncias sociais do paciente antes de comunicar notícia má, de modo que o médico poderá apropriar- se da situação e comunicar o apoio necessário.

34 Preparar o setting:Deve se buscar um lugar com privacidade e conforto, onde não haja possibilidade de interrupção - e evitar comunicar uma má notícia no corredor. Uma outra informação importante é saber se o paciente deseja a presença de outras pessoas durante a entrevista;

35 Por parte da equipe médica, é recomendável a presença de outro membro da equipe (outro médico ou enfermeiro familiarizado com o caso) durante a comunicação. A pessoa que for comunicar a má noticia deverá manter contato visual com o paciente e usar o toque apropriadamente.

36 Organizar o tempo: É necessário que se garanta um tempo razoável para preparar o paciente, comunicar a informação, permitir um breve espaço para reflexão e possibilitar um intercambio entre perguntas e respostas programando, apropriadamente, o seguimento e abordando os procedimentos terapêuticos por fazer, antes de concluir a entrevista.

37 Aspectos específicos da comunicação: É muito importante compreender o paciente, ter uma expressão neutra e, em seguida, informar as más notícias de maneira clara e direta. Usar um tom de voz suave, pausado e usar uma linguagem sincera.

38 O profissional deverá assegurar-se que o paciente tenha compreendido a mensagem com clareza. A maioria dos autores sugere o uso de uma linguagem simples, sem muitos termos médicos.

39 Isso não significa, no entanto, que o uso de terminologia específica e adequada não seja também importante para que o paciente possa, por conta própria, encontrar informações sobre sua doença.

40 È importante lembrar que o paciente não irá reter muito do que foi dito depois da má notícia inicial; isso é esperado e deve ser retomado em outro momento, podendo assim individualizar a maneira de comunicar uma má notícia e o conteúdo transmitido, de acordo com as necessidades ou desejos do paciente.

41 Ouvir a má notícia deve ser contrabalançado, contudo, com a evidência de que alguma coisa pode ser feita. Mesmo que uma cura não seja realista, oferecer esperança e encorajamento sobre quais opções estão disponíveis é necessário.

42 Discutir as opções de tratamento no início e marcar consultas de seguimento para a tomada de decisão deverá estar no planejamento do médico no momento de comunicar a má noticia.

43 Reconhecer o que e quanto o paciente quer saber: Existe discordância entre o que o profissional quer dizer e o que o paciente quer saber; Perguntar ao paciente o que ele quer saber dará a oportunidade deste colocar sua vontade.

44 Se o paciente mostrar que não quer falar sobre a informação, devemos deixar a porta aberta para falar em outra hora.

45 Há duas perguntas importantes a serem feitas: 1) O que o doente sabe sobre sua situação médica? 2) Quais informações que ele deseja receber?

46 As respostas permitirão avaliar a percepção do paciente e saber o que informar e a melhor maneira de comunicar a informação dentro do nível de compreensão do paciente.

47 Encorajar e validar as emoções:Mesmo que se possa identificar algumas expressões emocionais é importante que o profissional verifique continuamente com o paciente como ele se sente, não antecipando a reação emocional do mesmo.

48 Oferecer períodos de silêncio permite que os pacientes processem a má notícia e ventilem emoções.

49 É importante também questionar sobre as necessidades emocionais e espirituais do paciente e quais os sistemas de suporte que ele tem. Se precisar, oferecer referências se utilizando dos serviços interdisciplinares para aumentar o cuidado ao paciente.

50 Atenção e cuidado com a família: Face à comunicação de uma má noticia o profissional deverá ficar atento à situação familiar do paciente e levar em conta as necessidades particulares da família em função de seus antecedentes culturais e religiosos.

51 A presença de um membro da família geralmente serve de apoio e suporte para o paciente; No caso de más notícias previstas (antecipadas), pergunte antes quem ele quer que esteja presente e o quanto ele gostaria que os outros fossem envolvidos.

52 Planejar o futuro e o seguimento: Após ter recebido a má notícia, um paciente pode experimentar sentimentos de isolamento e incerteza;

53 O profissional pode minimizar a ansiedade do paciente resumindo as áreas discutidas, verificando se houve a compreensão e formulando um planejamento ou próximos passos com o paciente;

54 Trabalhar os próprios sentimentos: Estar consciente das próprias reações, preocupações e sentimentos é extremamente importante para que o profissional possa manter uma boa relação com o paciente, quando se comunica más notícias.

55 Por essa razão é recomendável que depois da comunicação de uma má noticia, o profissional reserve um tempo para revisar as próprias reações - reconhecê-las permitirá uma sensibilidade maior e melhor habilidade clinica de comunicação.

56 O eficiente treinamento de habilidades de comunicação pode evitar a construção de uma barreira que evita uma comunicação subseqüente. Assim, a comunicação deve permitir a passagem de mensagens de maneira firme, porém com prudência e esperança.

57 As evidencias mostram que a atitude do profissional e a capacidade de comunicação desempenham um papel fundamental e decisivo no modo que o paciente enfrentará seu problema.

58 O uso de técnicas psicológicas (como o role-playing, por exemplo) ou a supervisão de um profissional de saúde mental, podem proporcionar o desenvolvimento dessas habilidades e melhor conhecimento sobre as próprias dificuldades relacionais;

59 Viver é uma dádiva fatal. No fim das contas, ninguém sai vivo daqui....e quando chegar a noite, cada estrela parecerá uma lágrima......quando tudo está perdido não quero mais ser quem eu sou... (Renato Russo)

60 VICTORINO, AB et al. Como comunicar más noticias: revisão bibliográfica. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, jun


Carregar ppt "Como comunicar más noticias. A morte está perto e quero aproveitar ao máximo este momento para aprender com a própria vida e com a morte. Obs.: Dois meses."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google