A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM, FATORES QUE DETERMINAM O SEU COMPRIMENTO MÍNIMO Adriana Naomi Oshiro Beatriz Helene Xavier Bruna Pereira Prisco da Cunha Danielle.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM, FATORES QUE DETERMINAM O SEU COMPRIMENTO MÍNIMO Adriana Naomi Oshiro Beatriz Helene Xavier Bruna Pereira Prisco da Cunha Danielle."— Transcrição da apresentação:

1 PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM, FATORES QUE DETERMINAM O SEU COMPRIMENTO MÍNIMO Adriana Naomi Oshiro Beatriz Helene Xavier Bruna Pereira Prisco da Cunha Danielle Regiane Matheus Danilo Vieira Sampaio Maíra Cortez Galhardo Nathália Oliveira Loyola Souza

2 CONFIGURAÇÃO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM A capacidade de um aeroporto é determinada pela configuração do sistema de pistas, sendo um dos gargalos do sistema aeroportuário nos dias atuais. A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) segue os padrões e práticas recomendadas pela Convenção Internacional de Aviação Civil para configuração de pistas de pouso e decolagem. Ela utiliza método do Número de Classificação da Aeronave - Número de Classificação de Pavimento (ACN-PCN), método internacional de notificação de resistência de pavimentos de aeródromos. A configuração da pista sempre dependerá do tipo de aeronave que trafegará neste aeroporto.

3 MÉTODO ACN-PCN Devido à globalização da aviação foi necessário criar padrões internacionais em toda a matéria envolvendo a utilização do avião como transporte aéreo. Sendo assim, foram criados padrões para o uso das pistas, de comparação entre a aeronave e as mesmas e, nessa matéria, entre o peso do avião e a capacidade da pista em suportar esse peso. O sistema ACN-PCN é estruturado de maneira que um pavimento com um determinado valor de PCN seja capaz de suportar, sem restrições, uma aeronave que tenha um valor de ACN inferior ou igual ao valor do PCN do pavimento, obedecidas as limitações relativas à pressão dos pneus. Isto é possível pois os valores de ACN e de PCN são calculados usando-se a mesma base técnica.

4 ACN: O Número de Classificação da Aeronave, expressa o efeito relativo da massa da aeronave sobre um pavimento. 1 ACN representa uma massa de 500kg suportada por uma única roda com pressão do pneu de 1,25 Mpa (181,25psi). A seguir, temos uma tabela com os ACNs máximos e mínimos de diferentes aeronaves.

5

6 Escolhida a aeronave a se utilizar,siga em linha reta na tabela até o Tipo de Pavimento com a relativa Categoria da Camada de Sub-leito. Os dois números encontrados representam os ACNs da aeronave com peso máximo – MTWA [Maximum Total Weight Authorized, ou Peso Máximo Total Autorizado, normalmente o Peso Máximo de Rampa (MRW), que é o Peso Máximo de Decolagem (MTOW) somado com o Combustível para o Taxi (TXF)] – e mínimo [Peso Básico Operacional (BOW)].

7 O ACN Real da aeronave é obtido através da interpolação: ACN = ACN máx – (Peso Máximo – Peso Real)(ACNmáx – ACN mín)/ (Peso Máximo – Peso Mínimo) EXEMPLO: Qual é o ACN de um B com um peso de 48000kg e pressão de pneus de 164psi, utilizando a pista 09L/27R de Guarulhos (asfalto e categoria de resistência de sub-leito média)? ACN = 32 – (53977 – )(32 – 16)/(53977 – 30618) ACN = 32 – 4,09= 27,91 Agora, para saber se a aeronave é compatível ao pavimento, basta comparar o PCN da pista com o ACN na aeronave. Se o ACN for igual ou inferior ao PCN, é permitida a operação da aeronave na referida pista. Assim: PCN da pista 09L/27R: 85 ACN do B com um Peso de Decolagem de kg: 27,91 Como ACN

8 PCN: PCN (Número de Classificação do Pavimento) é um número que expressa a capacidade de resistência de um pavimento para operações sem restrição. O valor numérico do PCN de um pavimento pode ser determinado através de dois métodos, sendo um baseado na experiência com aeronaves que operam usualmente no pavimento e outro que se baseia em avaliação técnica.

9 O PCN de um pavimento é notificado através de um código que utiliza cinco elementos: a) Valor numérico do PCN: indicação de resistência do pavimento em termos de carga de roda; b) Tipo de pavimento: flexível (constituído por diversas camadas responsáveis por distribuir gradualmente as cargas no pavimento) ou rígido (constituído por uma única camada estrutural capaz de suportar as cargas no pavimento);

10 c) Resistência do subleito: Valores de resistência do sub-leito normalizados para pavimentos rígidos: Valores de resistência do sub-leito normalizados para pavimentos flexíveis:

11 d) Pressão de pneus; Código de pressão dos pneus:

12 e) Método de avaliação: O sistema PCN reconhece dois métodos de avaliação de pavimento. Se a avaliação representa o resultado de um estudo técnico, o método de avaliação deve ser codificado com a letra T. Se a avaliação é baseada na experiência com aeronaves que operam usualmente no pavimento, o método de avaliação deve ser codificado com a letra U. A avaliação técnica implica que algum cálculo ou estudo técnico foi aplicado na determinação do PCN. A avaliação baseada na experiência com aeronaves significa que o PCN foi determinado selecionando o maior valor de ACN dentre as aeronaves que usualmente utilizam o aeródromo sem danificar o pavimento.

13 Exemplo: O Aeroporto de Guarulhos possui o seguinte código PCN: PCN 85/F/B/W/T; a decodificação seria: Número de Classificação do Pavimento: 85; Pavimento do tipo flexível (asfalto); Resistência da Camada de Sub-leito: Média; Pressão de pneu ilimitada, sem restrições; As características do pavimento foram avaliadas tecnicamente.

14 FATORES QUE INFLUENCIAM O COMPRIMENTO DE PISTA DE POUSO E DECOLAGEM:

15 a) AVIÃO: Tipo de Avião que irá operar na pista; b) OPERAÇÃO: -Peso bruto de decolagem; -Condições operacionais específicas como tipo de pneu, posição dos flapes, etc;

16 exemplo de um Flap (fonte:

17 c) PISTA: -Declividade da pista: condições menos favoráveis = operação em subida; -Condições de atrito do pavimento; d) CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS: -Altitude (pressão) do aeródromo; -Temperatura do ar externo: considera-se a média mensal das temperaturas máximas diárias do mês mais quente do ano (aquele que tem a maior média mensal), feita para um período de vários anos.; -Vento: direção e intensidade: condições menos favoráveis que é o vento nulo

18 Bibliografia CV5160%20-%20Apostila%20de%20Aeroportos.pdf


Carregar ppt "PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM, FATORES QUE DETERMINAM O SEU COMPRIMENTO MÍNIMO Adriana Naomi Oshiro Beatriz Helene Xavier Bruna Pereira Prisco da Cunha Danielle."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google