A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Buenos Aires Modelo XXI, uma cidade sem projeto, entre a expansão econômica e a crise.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Buenos Aires Modelo XXI, uma cidade sem projeto, entre a expansão econômica e a crise."— Transcrição da apresentação:

1 Buenos Aires Modelo XXI, uma cidade sem projeto, entre a expansão econômica e a crise

2 Final do século XX: Cidade menos equitativa, urbanismo de frivolidade, megaprojetos, opulência e ampliação da geografia da pobreza; As reestruturações econômicas mundiais e a reforma do estado argentino no início da década de 90, fizeram com que o investimento direto fosse mais favorável visto que, o Estado, não controlava mais a economia; Consequentemente a cidade foi condicionada para atrair investimentos, os Planos Estratégicos e o Marketing Urbano foram os privilegiado;

3 A falta de instrumentos reguladores e de planejamento urbano colocou os governos locais em uma situação frágil diante da pressão dos agentes privados pelo uso dos espaços urbanos; A escolha dos melhores locais para investimento pelos agentes privados, acentuaram as desigualdades sócioterritoriais préexistentes; A modernização do capitalismo se concretiza fisicamento com configurações arquitetônicas e urbanísticas particulares, visando sempre manter a desigualdade sócioterritorial, o que transforma o espaço público em um lugar mais cenográfico do que democrático;

4 A crise econômica de 1999 até 2001 colocou em evidência que a modernização e a globalização de certos segmentos territoriais tendem a aprofundar a fragmentação do espaço metropolitano e exclusão social, em especial nesta época da crise do modelo econômico neoliberal.

5 Aproximações Teóricas: Tendências de reestruturação metropolitana Com o surgimento do capitalismo global a partir da década de 70, começou a ocorrer a chamada transição do processo de urbanização (TPU); A TPU consiste em novas formações territoriais, em particular nas regiões metropolitanas, como produto da alteração das condições espaciais e temporais de produção, circulação e consumo, derivados do processo de troca tecnológica que caracteriza o capitalismo global e seu modelo produtivo dominante;

6 Esses processos de reestruturação territorial ocorreram com maior força na década de 90, o que torna relevante o estudo dos processos recentes das alterações no padrão de metropolização, nos quais a globalização incidiu de maneira mais intensa, mas também se potencializaram os esforços por retenção e resgates de identidades; Começam a surgir espaços caracterizados como sistemas produtivos locais ou distritos industriais, esses espaços se desenvolvem vertiginosamente constituindo-se em si mesmos fatores de atração de grandes investimentos e de grandes empresas industriais, e em consequência, uma remetropolização;

7 O processo de dispersão urbana parece homogeinezar os processos de urbanização tanto nas cidades latinas quanto anglo- saxônicas; Nos últimos 30 anos estamos assistindo um período de transição econômica, social, política e territorial. Não parecem existir formas duradouras e esses sistemas parecem estar, de reestruturação em reestruturação, articulando apenas um extenso período de transição e vacilações, gerando tensões metropolitanas em direção à desconcentração-concentração.

8 Crise do planejamento físico e o debate sobre projeto urbano O processo de reestruturação de uma cidade sempre traz transformações. A desaceleração do crescimento, o aumento da dívida externa, a desregulamentação econômica, o enfraquecimento das fronteiras nacionais diante da organização dos países em blocos econômicos repercutirão nos modelos de desenvolvimento e nas políticas territoriais vigentes;

9 Muitas coisas vão mudando: A indústria deixa de ser o motor de desenvolvimento, surgem novos seviços, junto com a tecnologia surgem as cidades globais, sede de comando da economia mundial; O plano estratégico juntamente com um projeto, se tornam os instrumentos para que ocorra uma cooperação entre público e privado, gerando operações de revitalização urbana, com benefícios para todas as partes,; O projeto urbano já não é mais uma prerrogativa dos arquitetos. Essa prática profissional se situa atualmente, na intersecção de múltiplas disciplinas,com novos papéis e competências profissionais.

10 Mudanças na estrutura metropolitana de Buenos Aires Em Buenos Aires a noção de projeto urbano remete-nos ás idéias subjacentes nos planos pensados e ou implementados para a metrópole desde o seu início e sua vinculação com a construção da modernidade. Incorpora em seu debate os novos componentes sociais e culturais das metrópoles modernas, onde os excluídos, ou sem poder, começam a consolidar-se como protagonistas;

11 As mudanças implicavam em novas formas de suburbanização, novos padrões de crescimento da área central, aparecimento de novas subcentralidades, complexificação e fortalecimento dos subcentros existentes; Formação de uma nova paisagem e tecido residencial; Novos espaços de gestão empresarial e produção: A modernização do espaço de gestão empresarial, após a ampliação da oferta de edifícios inteligentes, de centros empresariais e de negócio ao lado da expansão da hotelaria internacional contribuem para o fortalecimento da centralidade antes descrita sobre o antigo distrito central de negócios.

12 Revitalização e consolidação de parques industriais e logísticos também constitui um dos eixos de investimento e modernização metropolitana; Foram realizados investimentos no setor de infra-estrutura do transporte e circulação. Foram construídas novas estradas, e as existentes foram melhoradas.

13 As políticas urbanísticas e de ordenamento territorial na RMBA A Região Metropolitana de Buenos Aires é um espaço de complexa gestão e administração, com grande extensão territorial e multifuncionalidade; A promulgação em 1989 das leia de Reforma do Estado e Emergência Econômica, inicia outra fase de modernização na Argentina. Que segundo a ideologia hegemônica, é apresentada como a revalorização do interesse econômico individual e o jogo livre de forças do mercado, demonstrando que esses requisitos foram à alavanca dos demais paises centrais. Porem em nosso ponto de vista latino-americano, tal colocação, não ocupa lugar determinante.

14 A remodelação do Estado argentino gerou: A redução dos gastos social e dos mecanismos distributivos próprios do Estado de bem estar Adequação das novas lógicas de acumulação (mercado interno ao internacional). Porem, toda essa remodelação trouxe um Estado do mal-estar, segundo Bestulo, A modernização desencadeou políticas de descentralização e privatização de empresas e serviços públicos. Tais medidas junto à desregularização e abertura da economia permitiram a transferência de mais-valias para o setor privado, por meio da privatização de serviços públicos para grandes empreendimentos urbanísticos.

15 Houve mudanças nas modalidades de gestão e de intervenção territorial, a venda / privatização de terras, imóveis ou empresas qualificadas como bens imobiliários desnecessários pelo Estado, foi uma das primeiras mudanças em matéria de desenvolvimento urbano e regional, cujo impacto será de primeiro plano em Buenos Aires. Entre 1990 a 1996, transformações urbanas vindas da CBA deram avanço no setor privado e a retirada do Estado do planejamento urbano. A CBA, o governo nacional atua como promotor de obras de recuperação e reconversão sobre terras públicas com desenvolvimento privado, a obra de Puerto Madero se transforma na operação urbana da década.

16

17 A sanção da Constituição da Cidade Autônoma de Buenos Aires como estatuto organizativo (1996) inicia uma nova etapa no governo, consagrando o ambiente. Artigo 27 diz: A cidade deve desenvolver de forma indelegável uma política de planejamento e gestão do ambiente urbano integrada às políticas de desenvolvimento econômico, social e cultural, que complete sai inserção na área metropolitana.

18 No artigo 29, A cidade define um Plano Urbano Ambiental elaborado com a participação transdisciplinar das entidades acadêmicas, profissionais e comunicativas aprovado pela maioria prevista no Art. 81, que constitui a Lei marco a qual se ajusta o resto da normativa urbanística e as obras públicas, e no artigo 19 descreve a criação de um Conselho de Planejamento Estratégico de caráter consultivo. Em 1996, com o primeiro governo eleito para a cidade, deu inicio uma serie de estudos para a formulação do Plano Urbano Ambiental (PUA). Deixando de lado o fato do PUA ser a cidade de Buenos Aires, sua condição obriga, transcender os limites jurisdicionais de seu território e avançar para uma Agenda Metropolitana. Salientando que o PUA propõe o aperfeiçoamento de instrumentos vigentes e a criar novos instrumentos de promoção e econômico para facilitar as operações urbanas e desenvolvimento, tais:

19 Criação Banco de Terras, concebido como instrumento ágil de aquisição de imóveis e não de reservas fundiárias. Generalização da transferência do direito de construir. Criação do Direito Preferencial de Compra para o GCBA. Imposto para o maior nível de construção Impostos para valorização imobiliária em decorrência da realização de obras publicam. Outros itens que também precisam se aperfeiçoar são os, impostos sobre a terra subutilizada e revisão de cálculos da contribuição territorial.

20 Se desde o inicio a Constituição previa uma formulação hierárquica dos instrumentos de planejamento e a promoção de um processo participativo, a realidade nos mostra o lado inverso. Começando pelas atualizações no Código de Uso de Solo (Código de Planejamento Urbano) em 2000, ainda não se tem o Plano Estratégico e a proposta do PUA apresentada em 2000 ainda não foi tratada pelo legislativo. Nos dias de hoje, metrópole ainda se faz carente de uma estratégia urbana correta, pois sua situação metropolitana é vista como uma metrópole com múltiplos projetos.

21 Obrigado pela atenção!!! André Michel Torrisso Éverton Silva Marília Piai Salvi Tayrine Delgado


Carregar ppt "Buenos Aires Modelo XXI, uma cidade sem projeto, entre a expansão econômica e a crise."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google