A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ondas Jusciane da Costa e Silva Mossoró, Abril de 2010 Universidade Federal Rural do Semiarido - UFERSA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ondas Jusciane da Costa e Silva Mossoró, Abril de 2010 Universidade Federal Rural do Semiarido - UFERSA."— Transcrição da apresentação:

1 Ondas Jusciane da Costa e Silva Mossoró, Abril de 2010 Universidade Federal Rural do Semiarido - UFERSA

2 Sumário Introdução Classificação das ondas. Ondas em uma direção. A equação das cordas vibrantes. Interferência de ondas Intensidade de uma onda Reflexão de ondas Ondas estacionárias

3 Introdução Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro.

4 ondas é qualquer sinal (perturbação) que se transmite de um ponto a outro de um meio com velocidade definida. Em geral não há transporte direto de matéria, e sim energia e momento. Pulso – é uma perturbação que se propaga. Ondas

5 1 - Natureza das ondas: Mecânica, eletromagnética ou de matéria Ondas mecânicas é uma perturbação que se propaga através de um meio material. À medida que a onda se propaga através do meio, as partículas que constituem o meio sofrem deslocamentos de diversas espécies, dependendo da natureza da onda. Classificação

6 Ondas eletromagnéticas Resultam de vibrações de cargas elétricas, transportando energia sob a forma de quanta("pacotes" de energia). Por isso, as ondas eletromagnéticas propagam-se no vácuo e em alguns meios materiais. Classificação

7 Ondas de matéria associadas ao movimento das partículas elementares, elétrons, e até átomos e moléculas. Classificação

8 2- Direção de vibração: Longitudinal e Transversal Ondas longitudinais são aquelas em que a direção do movimento vibratório coincide com a direção de propagação. Exemplos: Onda sonora Onda mecânica em uma mola 3. Aspectos ondulatórios da luz Classificação

9 2- Direção de vibração: Longitudinal e Transversal Ondas transversais aquelas em que a direção do movimento vibratório é perpendicular à direção de propagação. Exemplos: Classificação

10 Longitudinal e Transversal: Exemplos possuem 3 coisas em comum. Primeiro: A velocidade de propagação é bem definida chamada de velocidade da onda. Ela é determinada pelas propriedades mecânicas do meio. Segundo: O próprio meio não se desloca no espaço, as partículas individuais do meio oscilam em torno das respectivas posições de equilíbrio. Terceiro: Para produzir o movimento de qualquer um desses sistemas é necessário fornecer energia mediante um trabalho realizado sobre o sistema.

11 -Unidimensionais a energia propaga-se linearmente, como na corda. -Bidimensionais a energia propaga-se superficialmente, como na superfície da água. - Tridimensionais a energia propaga-se no espaço, como as ondas sonoras e as luminosas 3- Direção de propagação das Ondas: Classificação

12 De modo bem simplificado, podemos dizer que, ao emitir um som (bater uma palma, por exemplo), você altera a pressão sobre as moléculas de ar próximas, que passam a se mover para frente e para trás em torno da posição de equilíbrio. Neste vaivém elas atingem outras moléculas de ar que estão próximas a elas e esta perturbação da pressão vai então se deslocando. Este pulso é transversal ou longitudinal? Nas últimas décadas, o cinema têm produzido inúmeros filmes de ficção científica com cenas de guerras espaciais, como Guerra nas Estrelas. Com exceção de 2001, Uma Odisséia no Espaço, essas cenas apresentam explosões com estrondos impressionantes, além de efeitos luminosos espetaculares, tudo isso no espaço interplanetário. a) Comparando Guerra nas Estrelas, que apresenta efeitos sonoros de explosão, com 2001, uma odisséia no Espaço, que não os apresenta, qual deles está de acordo com as leis da Física? Explique sua resposta. b) E quanto aos efeitos luminosos apresentados por ambos, estão de acordo com as leis Físicas? Justifique Bora Pensar!!!

13 Onda Periódicas cada partícula da corda executará movimento periódico à medida que a onda se propaga e o resultado é uma onda periódica. Uma onda periódica produzida por um MHS é chamada de onda senoidal.

14 Descrição do movimento Amplitude Descrição da Onda

15 Comprimento de onda Número de onda é o número de vezes que uma onda atinge a mesma fase em uma determinada distância de propagação.

16 Período, Freqüência angular e Freqüência e Unidade de Freqüência: rpm ou Hertz

17 Velocidade da Onda em Progressiva Encontrar a velocidade da onda em um intervalo de tempo Portanto a velocidade será Ou seja, a velocidade da onda é igual a um comprimento de onda por período. A onda desloca uma distância de um comprimento de onda em um período de oscilação.

18 Exemplo: Uma onda se propagando ao longo de uma corda é descrita por Na qual as constantes numéricas estão em rad/s. (a)Qual é a amplitude desta onda? (b) O comprimento de onda, a freqüência e o período desta onda? (c) Qual a velocidade desta onda?

19 A VELOCIDADE da onda: Velocidade e Aceleração de uma partícula em uma onda senoidal a grandeza A é chamada de AMPLITUDE DE VELOCIDADE (V m ). A velocidade da partícula oscila de A até – A. A ACELERAÇÃO a grandeza A é chamada de AMPLITUDE DA ACELERAÇÃO (a m ). A velocidade da partícula oscila de A até – A.

20 Gráfico da função da onda

21 Velocidade da Onda em uma Corda Esticada A velocidade da onda é determinada pelas propriedades do meio. A velocidade de uma onda ao longo de uma corda ideal esticada depende apenas da tensão e da densidade linear da corda e não da freqüência da onda.

22 Equação da onda Equação que governa a propagação de ondas de todos os tipos. Quando uma onda passa através de qualquer elemento de uma corda esticada, o elemento se move perpendicular à direção de propagação da onda. Aplicando a 2ª lei de Newton encontramos a Equação de Onda.

23 Energia e Potência Quando produzimos uma onda numa corda esticada, fornecemos energia para o movimento da corda. A corda transporta energia nas formas de energia cinética e de energia potencial elástica. Energia Cinética y = 0, E c é máxima; y = y m, E c é nula.

24 Energia Potencial Elástica y = 0, E c é nula; y = y m, E c é máxima. Taxa de transmissão de energia Potência média – que é a taxa média com que a energia em ambas as formas é transmitida pela onda é

25 Princípio da superposição Em uma superposição, as ondas não alteram de modo algum a propagação uma da outra. Ondas superpostas se adicionam algebricamente para produzir uma onda resultante.

26 x Elas estão em fase Interferência construtiva Cristas vales Interferência de Ondas Considere duas ondas senoidais do mesmo comprimento de onda e mesma amplitude se deslocando no mesmo sentido ao longo de uma corda. Que onda resultante teremos? O fenômeno de combinação de ondas chamamos de INTERFERÊNCIA.

27 Elas são fora de fase Interferência destrutiva Crista Vale /2 m Interferência de Ondas Este tipo de fenômeno se referem apenas aos deslocamento das ondas, a propagação das ondas não são alteradas.

28 Interferência de Ondas Equação da onda que sofre interferência A interferência pode ser: Completamente construtiva Completamente destrutiva Intermediária

29 Podemos estender o conceito de interferência para dimensões maiores, como na interferência de duas ondas circulares em lago. Nesse caso o padrão de interferência resulta da superposição dos máximos e mínimos da onda em determinados pontos, como mostra a figura abaixo. Interferência

30 Uma onda estacionária numa corda é a combinação de duas ondas em direções opostas devido a reflexões nas extremidades fixas. Onda Progressiva nesta Direção. onda estacionária Onda Progressiva nesta Direção. Ondas Estacionárias Os nós ficam parados (não se propagam). Não transportam energia de um lugar para outro

31 Ondas Estacionárias Se duas ondas senoidais de uma mesma amplitude e o mesmo comprimento de onda se propagam em sentidos opostos ao longo de uma corda esticada, sua interferência mútua produz uma onda estacionária. Consideremos duas ondas de mesmo comprimento de onda e mesma amplitude se propagando em sentidos opostos. Equação da onda estacionária

32 Ondas Estacionárias Onda progressiva a amplitude é a mesma, já em uma onda estacionária a amplitude varia. A onda é nula quando: esses valores são: Sabendo que k=2 temos que são os nós da minha onda estacionária e portanto a amplitude é nula.

33 Ondas Estacionárias A amplitude da onda estacionária é máxima quando esses valores são: Sabendo que k=2 temos que são os antinós da onda estacionária e portanto a amplitude é máxima.

34 Ondas Estacionárias

35 Ondas Estacionárias e Ressonância Ondas se refletem sucessivamente nas duas extremidades, produzindo- se uma onda estacionária. Essa onda estacionária dá origem a uma onda sonora que se propaga no ar, com freqüência determinada pelas propriedades da corda. Vimos que a distância entre dois nós é tal ondas estacionárias produz uma ressonância, e a corda ressoa em determinadas freqüências de ressonâncias ressonância é a tendência de um sistema a oscilar em máxima amplitude em certas frequências, conhecido como 'frequências ressonantes'

36 Ondas Estacionárias e Ressonância Para cada valores de comprimento de onda, temos uma freqüência de ressonância equivalente para n = 1 que é a freqüência fundamental. O conjunto de todas as freqüências são chamadas de Série Harmônica, ou sobretom.

37 Ondas Estacionárias e Ressonância

38 1° Avaliação dia 10/05


Carregar ppt "Ondas Jusciane da Costa e Silva Mossoró, Abril de 2010 Universidade Federal Rural do Semiarido - UFERSA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google