A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIJU Í - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE SOCIOLOGIA - FACE – BA LINHA DE PESQUISA: A sociologia e a Economia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIJU Í - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE SOCIOLOGIA - FACE – BA LINHA DE PESQUISA: A sociologia e a Economia."— Transcrição da apresentação:

1 UNIJU Í - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE SOCIOLOGIA - FACE – BA LINHA DE PESQUISA: A sociologia e a Economia. ECONOMIA SOLIDARIA: Objeto de transformação Socioeconômico e cultural PER Í ODO DE EXECU Ç ÃO: PER Í ODO DE EXECU Ç ÃO: Abril de 2008 Elabora ç ão:Silvana Campoe da Silva VALEN Ç A – BAHIA- BRASIL

2 1. DELIMITAÇÃO DO TEMA Este projeto de pesquisa se propõe a discutir, a ligação da Sociologia e da Econômia nos dias atuais salientando a economia solidária como o ambiente ideal para esta relação. Este projeto de pesquisa se propõe a discutir, a ligação da Sociologia e da Econômia nos dias atuais salientando a economia solidária como o ambiente ideal para esta relação. 2. OBJETIVO GERAL Este projeto visa mostrar a importância da relação destas duas ciências, Como ferramenta para evidenciar dentre outros fatores o comportamento dos indivíduos em meio as alterações econômicas e como estas afeta diretamente a sua vida social como um todo.Este projeto visa mostrar a importância da relação destas duas ciências, Como ferramenta para evidenciar dentre outros fatores o comportamento dos indivíduos em meio as alterações econômicas e como estas afeta diretamente a sua vida social como um todo.

3 OBJETIVO ESPECIFICO Fazer um rápido levantamento histórico da importante relação Sociologia e Economia.Fazer um rápido levantamento histórico da importante relação Sociologia e Economia. Expor os importantes episódios que levaram ao cooperativismo que mais tarde dará origem ao termo economia solidária.Expor os importantes episódios que levaram ao cooperativismo que mais tarde dará origem ao termo economia solidária. Expor os dados do desemprego no Brasil,como um fator positivo para a economia solidária.Expor os dados do desemprego no Brasil,como um fator positivo para a economia solidária.

4 PROBLEMÁTICA Com altos índices de desemprego, fator que afeta diretamente a economia no Brasil e no mundo, percebe-se a necessidade de se buscar alternativas, para diminuir, essa lacuna que o Estado não tem mecanismos suficientes para preencher; alem do fator econômico o desemprego gera, desigualdade social, fome, aumentos índices de criminalidade e violências. A Economia solidária surge como a alternativa mais completa neste quadro socioeconômico. Inserindo o individuo, na sociedade de forma digna e democrática,alem de incentivar valores pertinentes a vida humana,destorcidos muitas vezes pelo sistema capitalista.Com altos índices de desemprego, fator que afeta diretamente a economia no Brasil e no mundo, percebe-se a necessidade de se buscar alternativas, para diminuir, essa lacuna que o Estado não tem mecanismos suficientes para preencher; alem do fator econômico o desemprego gera, desigualdade social, fome, aumentos índices de criminalidade e violências. A Economia solidária surge como a alternativa mais completa neste quadro socioeconômico. Inserindo o individuo, na sociedade de forma digna e democrática,alem de incentivar valores pertinentes a vida humana,destorcidos muitas vezes pelo sistema capitalista.

5 Hipóteses As crises obrigam o individuo a pensar, novos elementos, que podem revolucionar... (Marx)As crises obrigam o individuo a pensar, novos elementos, que podem revolucionar... (Marx) Os interesses coletivos, a igualdade e a identidade(o amor a pátria) como promotores da democracia. (Tocqueville)Os interesses coletivos, a igualdade e a identidade(o amor a pátria) como promotores da democracia. (Tocqueville) Há espaço para o capitalismo e para economia solidária? ( Paul Singer) Há espaço para o capitalismo e para economia solidária? ( Paul Singer)

6 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Karl Marx e Friedrich Engels - em dezembro de janeiro de Karl Marx e Friedrich Engels - em dezembro de janeiro de Aléxis Tocqueville. (1835; 1840)Aléxis Tocqueville. (1835; 1840) Paul Singer (2004)Paul Singer (2004)

7 RÁPIDO LEVANTAMENTO HISTÓRICO A relação da Sociologia com a Economia.A relação da Sociologia com a Economia. 1. Na Grécia Antiga (os pensadores Clássicos). Fatores econômicos explicavam, processos sociais 2. Séc. XVIII. Especialismo Cientifico( fragmentação das ciências) 3. Séc. XIX. Maior intercomunicação entre as ciências. 5. Análise sociológica p/entender a realidade econômica. 6. Após a 2ª guerra surge a Sociologia Econômica. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

8 HERANÇAS DA SOCIOLOGIA QUE INTERESSA AS ANÁLISES ECONÔMICAS A interação social, o comportamento dos gruposA interação social, o comportamento dos grupos A mobilidade a estratificação as mudanças sociaisA mobilidade a estratificação as mudanças sociais A investigação das condições de vida das comunidades e o exame dos diferentes níveis da organização e da cultura da sociedade.A investigação das condições de vida das comunidades e o exame dos diferentes níveis da organização e da cultura da sociedade. Destaque para o fato social: O Desemprego.Destaque para o fato social: O Desemprego.

9 UM NOVO ELEMENTO TRANSFORMADOR Quando se fala de idéias que revolucionam uma sociedade inteira, isto quer dizer que, no seio da velha sociedade, se formaram os elementos de uma nova sociedade e que a dissolução das velhas idéias marcha de par com a dissolução das antigas condições de vida.Quando se fala de idéias que revolucionam uma sociedade inteira, isto quer dizer que, no seio da velha sociedade, se formaram os elementos de uma nova sociedade e que a dissolução das velhas idéias marcha de par com a dissolução das antigas condições de vida. Karl Marx e Friedrich Engels Karl Marx e Friedrich Engels Fonte:Manifesto do Partido Comunista Fonte:Manifesto do Partido Comunista

10 O QUE É A ECONOMIA SOLIDÁRIA Forma de produção,consumo e distribuição de riqueza (economia).Forma de produção,consumo e distribuição de riqueza (economia). Centrada na valorização do ser humano.Centrada na valorização do ser humano. O trabalho como meio de libertação do processo alienante e assalariado do capitalismo.O trabalho como meio de libertação do processo alienante e assalariado do capitalismo. Função multidimensional ( social,econômica,política,ecológica e cultural ).Função multidimensional ( social,econômica,política,ecológica e cultural ).

11 Espírito Público Devo dizer que muitas vezes vi americanos fazerem grandes e verdadeiros sacrifícios à coisa pública...quando necessário, quase nunca se furtam de prestar fiel apoio uns aos outrosDevo dizer que muitas vezes vi americanos fazerem grandes e verdadeiros sacrifícios à coisa pública...quando necessário, quase nunca se furtam de prestar fiel apoio uns aos outros Os americanos associam-se para dar festas, fundar seminários, construir hotéis, edifícios, igrejas... assim também criam hospitais, prisões, escolas (p ).Os americanos associam-se para dar festas, fundar seminários, construir hotéis, edifícios, igrejas... assim também criam hospitais, prisões, escolas (p ). Tocqueville. Tocqueville.

12 Economia solidária 1.Seu Modo é Autogerido. 2.Sua finalidade: é a produção ampliada da vida. Tipos de empreendimentos solidários: 1.De produção e de consumo. Administração de um empreendimento solidário: 1.Coletiva e democrática cada cabeça um voto (contraria o modo capitalista).

13 SEU SURGIMENTO. Na segunda metade do séc XIX as cooperativas difundiram-se e adquiriram considerável poderio econômico.Na segunda metade do séc XIX as cooperativas difundiram-se e adquiriram considerável poderio econômico. Métodos capitalistas de gestão foram inseridos devido a disputa de mercado( passando a adm. Assalariada)Métodos capitalistas de gestão foram inseridos devido a disputa de mercado( passando a adm. Assalariada) Terceira Revol. Industrial 1980Terceira Revol. Industrial 1980

14 SEU SURGIMENTO Terceira Revol. Industrial 1980Terceira Revol. Industrial Exclusão de grande numero de trabalhadores do mercado se repete. 2.Auto índices de desemprego. 3.Surge um novo cooperativismo próximo das origens históricas a econômica solidária.

15 As condições adversas da economia do País presentes no início da década, aliadas a uma legislação trabalhista rígida, levaram os trabalhadores a aceitar empregos de baixa qualidade, ou a buscar a sua subsistência como autônomos ou assalariados sem carteira A Economia Brasileira a partir dos anos 80 NOTA: O grau de informalização corresponde ao quociente entre a soma do ocupados sem carteira e conta própria sobre o total dos ocupados FONTE-IBGE.

16 Economia solidária no Brasil No Brasil a economia solidária cresceu de maneira rápida e isso se deu por inúmeros fatores, onde destaca-se as causas:No Brasil a economia solidária cresceu de maneira rápida e isso se deu por inúmeros fatores, onde destaca-se as causas: 1) A resistência dos trabalhadores (as) à crescente exclusão, demonstrados : - Na luta pela sobrevivência e a constatação de um mercado informal crescente. Economia Capitalista de Poucos Desigualdade social. Excluídos sociais. Economia informal de muitos.

17 Economia solidária no Brasil (continuação) Outras causas que contribuíram: -Economia Popular (Camelôs,Flanelinhas, ambulantes,artesãos,pescadores etc.) -Economia Popular (Camelôs,Flanelinhas, ambulantes,artesãos,pescadores etc.) De Caráter individual e familiar. De Caráter individual e familiar. De Alternativas estruturais de organização da economia: *Baseado em Valores ( ética, a eqüidade, solidariedade etc. que substituem e o acumulo indiscriminado) Mulheres Artesãs, que teciam,de forma individual sua arte secular, uniram-se e formaram a associação das artesãs de Porto de Sauípe no, litoral norte da Bahia, a dez anos. Mantendo viva sua cultura e valores e subsistência..

18 Economia solidária no Brasil (continuação ) Outras causas que contribuíram: Outras causas que contribuíram: 2)Desemprego urbano. 3) A desocupação rural resultantes da expansão agressiva de uma globalização que torna mais e mais pessoas totalmente descartáveis para o funcionamento da máquina de produção e consumo. Confecção de peças artesanais(palhas extraídas de planta nativa a piaçava) para exportação destinada a Europa. Porto de Sauípe Bahia Brasil.

19 A informalidade Crescente Fonte: IBGE

20 Dois modos de produção, é possível? A economia brasileira não é capitalista por inteiro. Menos da metade da população economicamente ativa vive na lógica capitalista, basta olhar as estatísticas. Uma enorme quantidade trabalha por conta própria o outros em produção de mercadorias – camponeses, pescadores, artesãos, donos de bar, feirantes. A economia brasileira não é capitalista por inteiro. Menos da metade da população economicamente ativa vive na lógica capitalista, basta olhar as estatísticas. Uma enorme quantidade trabalha por conta própria o outros em produção de mercadorias – camponeses, pescadores, artesãos, donos de bar, feirantes. Paul Singer Paul Singer Revista Fórum out.2004

21 ANÁLISES CONCLUSIVAS. O sist.capitalista tem permitido, crises sociais a grande massaque viu-se forçada a criar novas alternativas(válvulas de escape). Nos últimos anos, tais práticas tem sido incentivas e organizadas, por parte de instituições governamentais ou não. Esses modo de produção segundo Paul Singer pode perfeitamente conviver com a economia solidária. Será? Ou teremos uma nova economia?


Carregar ppt "UNIJU Í - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE SOCIOLOGIA - FACE – BA LINHA DE PESQUISA: A sociologia e a Economia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google