A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Transtornos de personalidade e criminalidade: Serial Killers Profa. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Transtornos de personalidade e criminalidade: Serial Killers Profa. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP."— Transcrição da apresentação:

1 Transtornos de personalidade e criminalidade: Serial Killers Profa. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

2 Introdução Doença mental: neuroses e psicoses Doença mental: neuroses e psicoses Deficiência mental Deficiência mental Transtornos de personalidade: psicopatias Transtornos de personalidade: psicopatias

3 Imputabilidade: Não-imputáveis (inimputáveis) Não-imputáveis (inimputáveis) Imputáveis Imputáveis Semi-imputáveis Semi-imputáveis

4 Transtorno de Personalidade Um padrão duradouro de comportamento e experiências internas que desviam de forma marcante das expectativas da cultura do indivíduo, é pervasivo e inflexível, tem início ainda na adolescência ou no adulto jovem, é estável no tempo, e leva ao desconforto ou prejuízo. Associação Psiquiátrica Americana, 1994

5 Diz a CID.10 que os transtornos de personalidade são estados e tipos de comportamentos característicos que expressam maneiras da pessoa viver e de estabelecer relações consigo mesma e com os outros. São distúrbios da constituição e das tendências comportamentais – continua dizendo a CID.10 – não diretamente relacionados a alguma doença, lesão, afecção cerebral ou a outro transtorno psiquiátrico. Isso tudo quer dizer que a pessoa simplesmente é desse jeito e será sempre assim.

6 Transtornos de personalidade Transtornos de personalidade Córtex pré frontal Córtex pré frontal Pessoas problemáticas e de difícil relacionamento interpessoal Pessoas problemáticas e de difícil relacionamento interpessoal Incidência global: 10 – 15% Incidência global: 10 – 15% EUA: 14,79% EUA: 14,79%

7 CID-10 classifica oito tipos de TP: CID-10 classifica oito tipos de TP: Transtorno paranóide Transtorno paranóide Transtorno esquizóide Transtorno esquizóide Transtorno anti-social Transtorno anti-social Transtorno emocionalmente instável: impulsivo e borderline Transtorno emocionalmente instável: impulsivo e borderline Transtorno histriônico Transtorno histriônico Transtorno narcisista e transtorno hipocondríaco Transtorno anancástico Transtorno anancástico Transtorno ansioso Transtorno ansioso Transtorno dependente Transtorno dependente

8 Transtorno paranóide Não suporta ser contrariada Não suporta ser contrariada Desconfia de tudo Desconfia de tudo Tende a distorcer os fatos Tende a distorcer os fatos Sentimento de estar sempre sendo prejudicado pelos outros Sentimento de estar sempre sendo prejudicado pelos outros

9

10 Transtorno esquizóide Prefere poucos contatos sociais ou afetivos Prefere poucos contatos sociais ou afetivos Rancoroso Rancoroso Vive isolado Vive isolado Se sentem rejeitados Se sentem rejeitados

11

12 Transtornos emocionalmente instável Transtorno emocionalmente instável: Transtorno emocionalmente instável: Impulsivo: instabilidade emocional e falta de controle dos impulsos Impulsivo: instabilidade emocional e falta de controle dos impulsos Borderline: age de modo imprevisível, tem acessos de ira, não admitem um não. Borderline: age de modo imprevisível, tem acessos de ira, não admitem um não.

13 Quadro 1 - Os cinco principais transtornos do controle dos impulsos Transtorno Explosivo Intermitente Episódios de fracasso em controlar impulsos agressivos, resultando em agressões ou destruição de propriedades. CleptomaniaFracassos recorrentes em resistir a impulsos de furtar objetos desnecessários para uso pessoal ou destituídos de valor monetário. PiromaniaFracasso em controlar o impulso incendiário, cujo comportamento de faz por prazer, gratificação ou alívio de ansiedade. Jogo PatológicoIncapacidade persistente e recorrente em resistir ao impulso para jogos de azar e apostas. TricotilomaniaImpossibilidade em controlar o impulso de arrancar os pelos do próprio corpo, ocasionando falhas perceptíveis.

14 Características do T. borderline Medo de ser abandonada Dificuldade de lidar com as emoções Muito impulsivas Instabilidade de humor com oscilações de minutos, horas, dias. Comportamento auto-destrutivo (se machucam, se cortam, se queimam)

15 Características do T. borderline Tentativas de suicídio, mais frequentemente as de impulso do que as planejadas. Baixa auto-estima Suscetíveis a qualquer sensação de rejeição. Os sintomas psicóticos são menos freqüentes.

16 Transtorno histriônico Histérico ou psicoinfantil Histérico ou psicoinfantil Dramático, teatraliza situações Dramático, teatraliza situações Manipulador, egocêntrico, Manipulador, egocêntrico, Superficial Superficial Inconstante sentimentalmente Inconstante sentimentalmente

17

18 Transtorno anancástico ou obssessivo-compulsivo Diferente da enfermidade TOC, Diferente da enfermidade TOC, Preocupação com detalhes, Preocupação com detalhes, Teimoso, rigído, perfeccionista ao extremo Teimoso, rigído, perfeccionista ao extremo Pensamentos repetitivos e intrusivos Pensamentos repetitivos e intrusivos

19

20 Transtorno ansioso Pessoa tensa e insegura Pessoa tensa e insegura Sentimento de inferioridade Sentimento de inferioridade Faz tudo para ser aceita Faz tudo para ser aceita Sensibilidade excessiva a críticas Sensibilidade excessiva a críticas

21

22 Transtorno dependente Submisso, Submisso, Tem medo de ser abandonado, Tem medo de ser abandonado, Se vê como fraco e incompetente Se vê como fraco e incompetente Carência de determinação e iniciativa Carência de determinação e iniciativa

23 Transtorno anti-social ou psicopatia Mais comum em homens Mais comum em homens Satisfação em cometer atos cruéis Satisfação em cometer atos cruéis Ser amoral Ser amoral Baixa tolerância a frustrações Baixa tolerância a frustrações Insensibilidade aos sentimentos alheios Insensibilidade aos sentimentos alheios

24 Parece estar associado a baixa situação sócio-econômica. Parece estar associado a baixa situação sócio-econômica. É muito mais comum em homens (3%) do que em mulheres (1%). É muito mais comum em homens (3%) do que em mulheres (1%). Taxa de prevalência maiores estão associadas aos contextos de tratamento de substâncias, forenses ou penitenciários. Taxa de prevalência maiores estão associadas aos contextos de tratamento de substâncias, forenses ou penitenciários. É mais comum entre os parentes biológicos em primeiro grau de indivíduos com transtorno do que na população em geral. É mais comum entre os parentes biológicos em primeiro grau de indivíduos com transtorno do que na população em geral. O risco dos parentes biológicos de mulheres é maior do que para os parentes biológicos de homens. O risco dos parentes biológicos de mulheres é maior do que para os parentes biológicos de homens. Estudos indicam que fatores genéticos e ambientais contribuem para o risco deste transtorno. Estudos indicam que fatores genéticos e ambientais contribuem para o risco deste transtorno. Transtorno anti-social

25 Diagnóstico: Diagnóstico: Exame clínico (entrevista) ou Exame clínico (entrevista) ou Escalas Escalas Transtorno anti-social

26 Tratamento Tratamento Controvérsia sobre a eficácia do tratamento Controvérsia sobre a eficácia do tratamento Fatores para checar a viabilidade do tratamento: Fatores para checar a viabilidade do tratamento: Transtorno anti-social

27 Natureza e gravidade da patologia Natureza e gravidade da patologia Grau de invasao do transtorno em outras esferas psicológicas e sociais Grau de invasao do transtorno em outras esferas psicológicas e sociais Saúde prévia do paciente e comorbidades e fatores de risco Saúde prévia do paciente e comorbidades e fatores de risco Momento da intervenção Momento da intervenção Experiência e disponibilidade da equipe Experiência e disponibilidade da equipe Disponibilidade de unidades especializadas no atendimento Disponibilidade de unidades especializadas no atendimento Conhecimento científico sobre esse assunto Conhecimento científico sobre esse assunto Transtorno anti-social

28 Psicopatas: não tratáveis Psicopatas: não tratáveis Transtorno anti-social não psicopata: geralmente responde a psicoterapia Transtorno anti-social não psicopata: geralmente responde a psicoterapia Transtorno anti-social

29 Casos de psicopatia na mídia Silvia Calabrese Lima: mantinha uma menina de 12 anos acorrentada. Ela torturava a menina e a ameçava de morte. Suzane Von Richthofen: matou os pais e foi para o motel. Guilherme de Pádua: ambição, megalomania, sede poder e sucesso.

30 Artigo: Crime, diagnóstico psiquiátrico e perfil da vítima: um estudo com a população de uma casa de custódia do estado de SP. Teixeira, EH. & Dalgalarrondo, P. 269 indivíduos 269 indivíduos 58% transtornos psicoticos 58% transtornos psicoticos crime mais frequente: homicídio (52,8%) crime mais frequente: homicídio (52,8%) 34,5% a vítima era um parente próximo 34,5% a vítima era um parente próximo

31 Crime e doença psiquiátrica – perfil da população de um hospital de custódia do Rio de Janeiro. Garbayo, J. & Argôlo, MJR. 177 indivíduos 177 indivíduos 80% homens 80% homens 72% solteiros 72% solteiros 34% 30 a 39 anos 34% 30 a 39 anos 69% baixa escolaridade 69% baixa escolaridade 56% inativa 56% inativa

32 67% transtornos psicóticos 67% transtornos psicóticos 15,2% retardo mental 15,2% retardo mental 4,5% TP 4,5% TP Homicídio (44%) Homicídio (44%) Crimes contra patrimônio (26%) Crimes contra patrimônio (26%) Crimes sexuais (11%) Crimes sexuais (11%)

33 Tratamento medicamentoso dos TP Lítio Lítio Topiramato e outros anticonvulsivantes Topiramato e outros anticonvulsivantes ISRS e antipsicóticos: borderline ISRS e antipsicóticos: borderline BZD: paranóide e histriônico BZD: paranóide e histriônico Evitar em TP anti-social Evitar em TP anti-social

34 Leitura recomendada: Mentes perigosas: o psicopata mora ao lado. Ana Beatriz Barros.


Carregar ppt "Transtornos de personalidade e criminalidade: Serial Killers Profa. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google