A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão de Capacidade Tecnológica e Competitividade Paulo N. Figueiredo Professor Titular da Fundação Getulio Vargas (FGV) Pesquisador-Chefe, Programa de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão de Capacidade Tecnológica e Competitividade Paulo N. Figueiredo Professor Titular da Fundação Getulio Vargas (FGV) Pesquisador-Chefe, Programa de."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão de Capacidade Tecnológica e Competitividade Paulo N. Figueiredo Professor Titular da Fundação Getulio Vargas (FGV) Pesquisador-Chefe, Programa de Pesquisa em Aprendizagem Tecnológica e Inovação Industrial da FGV

2 Gestão Tecnológica O que é tecnologia?

3 O que não é tecnologia Tecnologia não é ciência aplicada. Tecnologia não é informação ou bem público. Tecnologia não é meramente produto. Tecnologia não é somente maquinaria ou equipamentos. Tecnologia não é apenas a chamada alta tecnologia (ou high tech). Tecnologia não é técnica.

4 O que é conhecimento tácito?

5 Dimensões da Capacidade Tecnológica

6

7 Gestão da Tecnologia e Inovação O que é inovação?

8 Descobrimos aquilo que já existia antes, porém ainda desconhecido para nós. Inventamos aquilo que não existia antes. De fato, invenção e descobrimento são resultado do Processo criativo – Processo inovador - que são sempre difícil de predizer ou planejar. Invenção, Descobrimento e Inovação

9 Espectro de atividades inovadoras Cópia e Imitação Adaptação de produtos e serviços Aprimoramento continuo Experimentação Novos arranjos organizacionais Desenvolvimento de produtos (bens) e serviços Projeto/desenho – produtos e processos de produção (bens e serviços) P&D produtos, serviços, processos e equipamentos. Inovação envolve atividades:

10 Espectro de atividades inovadoras

11 Tipos e Nìveis de Inovação Tipos/Níveis de InovaçãoDefinições Inovação RadicalEstabelece um conceito novo para o mercado mundial, em que novos componentes e elementos são combinados de uma forma diferente formando uma arquitetura nova. Trata-se de novidade para o mundo. Inovação ArquiteturalCompreendem as alterações nas relações entre os elementos da tecnologia, seja em produtos ou sistemas, sem que os componentes individuais sejam modificados. Trata-se de novidade para o mercado onde a empresa opera. Inovação Incremental AvançadaIntroduz novos produtos, processos e/ou sistemas de equipamentos para o mercado local, sem alterar as relações entre os elementos da tecnologia. Trata-se de novidade para o mercado onde a empresa opera. Inovação Incremental IntermediáriaCorresponde a pequenas melhorias nos componentes e elementos individuais da tecnologia existente, mas as relações entre os componentes permanecem inalterada. Trata-se de novidade para a empresa. Inovação BásicaPequenas alterações em processos de produção, produtos e/ou equipamentos com base em imitação ou cópia de tecnologias existentes. Trata-se de novidade para a empresa.

12 Inovação apenas como…... e o resultado pode ser... Província de apenas grandes empresas. Apenas inovações radicais (breakthrough) Associada apenas a certos indivíduos Apenas gerada internamente Enfraquece as pequenas empresas que dependem fortemente grandes empresas Negligencia o potencial de inovações incrementais. Falha em reconhecer a capacidade criativa do restante das pessoas na organização. Síndrome do não inventado aqui Perspectivas limitadas sobre inovação

13 Inovação apenas como…... e o resultado pode ser... Perspectivas limitadas sobre inovação Forte capacidade em P&D Província de especialistas de certas áreas da empresa Avanços tecnológicos Produto ou serviço que falha em atender às necessidade do usuário. Baixo envolvimento das áreas não consideradas inovadoras falta de insumo a partir de outras perspectivas. Produzir e oferecer bens e serviços que o mercado não quer; projetar novos serviços ou produtos que não agradam aos usuários.

14 Inovação Radical Telefone celular como uma central de comunicação O Walkman da Sony Interface Windows Post-it Sistema de produção Just-in-Time Exploração de petróleo em águas profundas

15 Inovação Arquitetural Motor de automóveis bi-combustível (?) Netbooks Impressora multi-funcional Fast-food Internet banking (?)

16 Inovação Incremental Avançada Televisão Digital (?) Lâmpadas do tipo LED Post-it para computadores Serviços aéreos da GOL Melancia quadrada Helleva [melhoria sobre o Sildenafil (Viagra)]

17 Inovação Incremental Intermediária Embalagens de papel para alimentos frios ou congelados Prestação de serviços adicionais para telefonia celular Bioetanol(?) Tinta para impressoras a prova dágua

18 Trajetória de acumulação de capacidade tecnológica em empresas de economias emergentes: um modelo ilustrativo

19

20 Capacidade Tecnológica Inovadora e Fatores Influentes Velocidade de aprimoramento da performance técnico-econômica ao longo do tempo TEMPO DE VIDA DA EMPRESA Trajetórias de acumulação de competência tecnológica nas corporações Processos internos de aprendizagem Comportamento da liderança corporativa Normas, valores e crenças da corporação Sistema de inovação (nacional e regional) Política macro-econômica governamental

21 Capacidades tecnológicas em organizações: modelo de medição

22

23 Processos de aprendizagem em empresas de economias emergentes: um modelo ilustrativo

24

25 Processos de aquisição externa de conhecimento Contratação de especialistas de fora da organização; Recrutamento de indivíduos para atividades de linha de frente; Importação de expertise para liderar treinamento interno; Canalização de conhecimento externo (codificado); Programas de treinamento avançado com universidades; Participação em conferência e eventos relacionados; Uso ativo de assistência técnica e/ou organizacional; Interações com organizações fornecedores e usuárias; Pesquisa conjunto com universidades e institutos de pesquisa local e/ou internacional.

26 Processos de aquisição interna de conhecimento Envolvimento em projetos; Aprender fazendo e Aprender usando; Treinamento on-the-job baseado em equipes, solução de problemas por times de trabalho multi-disciplinares ou força tarefa; Comitês de inovação em produto e processo; Projetos e/ou processos de certificação e re-certificação; Criação de procedimentos e rotinas técnicas e organizacionais.

27 Processos de compartilhamento de conhecimento Treinamento interno: básico; Treinamento interno – baseado em cursos, aulas; Treinamento no trabalho (on-the-job); Encontros para solução de problemas; Disseminação de práticas interativas para solução de problemas; Pontes de conhecimento entre áreas funcionais; Times de trabalho (formais e informais); Disseminação de líderes de atividades.

28 Processos de codificação de conhecimento Práticas de padronização; Documentação de aprimoramento técnicos e organizacionais; Codificação através de sistemas de informação; Descrição de treinamento externo; Elaboração interna de módulos de treinamento; Seminários internos; Reintegração de indivíduos após treinamento externo; Disseminação do conhecimento codificado proprietário na organização; Frases e símbolos de aprendizagem.

29


Carregar ppt "Gestão de Capacidade Tecnológica e Competitividade Paulo N. Figueiredo Professor Titular da Fundação Getulio Vargas (FGV) Pesquisador-Chefe, Programa de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google