A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts (amnésia) e acidentes 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts (amnésia) e acidentes 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts."— Transcrição da apresentação:

1 0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts (amnésia) e acidentes 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts (amnésia) e acidentes Mais que 0,35% Perda da consciência Paralisia Mais que 0,35% Perda da consciência Paralisia EFEITOS DO NÍVEL DE ÁLCOOL NO SANGUE - (NAS ) EFEITOS DO NÍVEL DE ÁLCOOL NO SANGUE - (NAS ) Ligeiramente alto Risco de morte Sente-se péssimo 0,10 % - 0,15% Embriagado Andarcambaleante 0,10 % - 0,15% Embriagado Andarcambaleante Sente-se pesadão 0,06 % Julgamento prejudicado Cabeça leve Rosto vermelho Legalmente intoxicado

2 1,029,021,016,012,009,006 2,074,059,048,040,034,029 3,119,096,080,068,059,051 4,112,096,084,074 5,096 Peso (kg) NÍVEL DE ÁLCOOL NO SANGUE Kerr-Corrêa et al., 2003 Homens - Ingestão de drinques no período de uma hora Mulheres - Ingestão de drinques no período de uma hora

3 Álcool e mortalidade entre Homens Jovens Adaptado de: Andreasson, S.; Allebeck, P.; e Romelsjö, A. Alcohol e mortalidade entre homens jovens: estudo longitudinal de suecos. British Medical Journal 296: , Mortalidade por > Consumo semanal de álcool (g) Risco relativo Morte violenta Outras causas Mortalidade total

4 Incidência de cirrose hepática/ morte Fonte: Anderson, P. Álcool e risco de lesão física. In: Holder, H.D., e Edwards, G., eds. Alcohol and Public Policy: Evidence and Issues. New York: Oxford University Press, p. 88. Consumo de álcool (g/dia) Coates et al. (1986) (m) Tuyns & Péquinot(1984) (m) Coates et al. (1986) (w) Tuyns & Péquinot(1984) (w) Risco relativo

5 Mortalidade por AVC entre homens ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3, Risco relativo g álcool/dia Mortalidade por AVC entre homens: consumo de álcool e risco relativo. 7 estudos. O relatório de Kono et al. (1986) sobre incidência de AVC e mortalidade. Donahue et al. (1986), ; Gill et al. (1986), ; Kono et al. (1986), ; Semenciw et al. (1988), ; Shaper et al. (1991), ; Bem-Shlomo et al. (1992), ; Boffeta e Garfinkel (1990),. + Fonte: Edwards, G.; Anderson, P.; Babor, T.F.; et al. Alcohol Policy and the Public Good. New York: Oxford University Press, p. 56. By permission of Oxford University Press.

6 Effects of Chronic Heavy Drinking CNS Neuropathies Cerebellar degeneration Dementia Wernicke-Korsakoffs syndrome

7 Alcohol Prevalence 490% Ever drank 460% Current drinkers 4>40% Temporary problems % Abuse 43-10% Dependence

8 Alcoholism Natural History Event Age 1st drink 13 1st drunk 15 1st problem 18 1st dependence25-40 Death 60

9 Dual Diagnosis 2/3 Have Psych. Dx 1/3 Axis I Most are Substance Induced Disorders Schiz., MDD, ASPD Risk Use a Timeline

10 State Markers GGT > 30 MCV > 91 CDT < 20 Questionnaires: AUDIT MAST CAGE

11 Farmacologia do álcool Ingestão Aguda Rápida absorção e fixação em membranas celulares. Passagem ao SNC. Metabolização – acetaldeído Intoxicação aguda grave: coma e depressão respiratória

12 Farmacologia do álcool Ingestão Crônica Ação sobre: Opióides endógenos euforia, reforço GABA ansiolítico, sedativo, incoordenação motora Obs.: Neuroadaptação leva à redução da atividade GABA tolerância e sintomas de abstinência (efeitos inversos) Glutamato prejuízos cognitivos e memória, excitotoxicidade e apoptose neuronal (Korsakoff, dano cerebelar Serotonina e Dopamina reforço condicionante

13 Alcohol and Neuroadaptation

14 Evolução Conceitual 1791 – Benjamin Rush Drinking began as na act of free will, descended into a habit and finally sank to a necessity 1804 – Thomas Trotter However seducing the love of inordinate drinking may be, like other bad habits, men seldom get into it at once. There is a gradation in the vice

15 Evolução Conceitual 1976 – Edwards & Gross - SDA Estreitamento do Repertório do beber Saliência do comportamento de busca Aumento da tolerância Sintomas de abstinência Alívio e evitação dos sintomas de abstinência Sensação subjetiva de compulsão para o beber Reinstalação após período de abstinência

16 CID-10 Diagnósticos – Álcool F10 Intoxicação Aguda – F10.0 Uso Nocivo – F10.1 Dependência – F10.2 Síndrome de Abstinência – F10.3 Delirium Tremens – F10.4 Transtorno Psicótico – F10.5 Síndrome Amnésica – F10.6 Psicose Residual ou Início Tardio – F10.7

17 Uso Nocivo Houve dano físico ou psicológico relacionado ao uso de substância psicoativa (lesão/prejuízo nas relações interpessoais) Padrão de uso contínuo ao longo de um mês ou em episódios repetidos ao longo de 12 meses

18 Dependência Três ou mais dos seguintes itens, ocorrendo juntos, por um mês ou repetidamente por doze meses Forte desejo ou compulsão Dificuldade de controle no uso Síndrome de Abstinência Evidência de tolerância Envolvimento com a droga levando a mudança de hábitos Uso continuado apesar da presença de efeitos nocivos

19 Tratamento do Alcoolismo

20 Rastreamento e Intervenção Breve para o Beber Problemático

21 Sra. Maria da Silva, 38 anos, professora do ensino médio Dores abdominais recorrentes Estresse e ansiedade relacionados ao trabalho Insônia Intermitente Irritabilidade Gastrite – diagn. sob gastroscopia Hipertensão intermitente

22 Beber – Saudável ou Nocivo? Álcool em baixas doses pode ser benéfico. Em doses elevadas, coloca os indivíduos em grande risco para acidentes, traumatismos e outros problemas médicos. Estima-se que 20% dos pacientes em atendimento em consultório médico geral estão atualmente bebendo em um padrão considerado como nocivo.

23 Dependência ao Álcool Dependência ao Álcool é uma síndrome clínica, na qual identificamos um conjunto de sintomas relacionados ao consumo de álcool. A Dependência ao Álcool tem os sintomas chave: tolerância, reação de abstinência e uso compulsivo ou sem controle. A despeito da presença de problemas, clínicos ou sociais, o dependente continua a fazer uso do álcool.

24 Beber de Risco Beber de Risco é um padrão de consumo de álcool que é diretamente prejudicial, ou está relacionado com um maior risco de problemas de saúde. Homens: > 14 drinks por semana 5 ou mais drinks por ocasião Mulheres: > 7 drinks por semana 4 ou mais drinks por ocasião

25 Avaliação Todos pacientes em atendimento médico necessitam ser avaliados quanto ao consumo de álcool. Quantidade, freqüência devem ser avalidas. Existem muitos instrumentos de rastreamento para detectar casos suspeitos de problemas relacionados ao álcool (CAGE, AUDIT, T-ACE, etc.).

26 Avaliação para Beber de Risco e Dependência ao Álcool Com que freqüência você bebe bebidas alcoólicas (chope, cerveja, ice, vodka, pinga, licores, batidas, etc.)? Quantos drinks contendo álcool você ingere em um dia normal em que você sai para beber? Com que freqüência você ingere seis ou mais drinks em uma única ocasião ?

27 Intervenção Breve Mais frequentemente utilizada em pacientes sem dependência Geralmente 4 sessões ou menos A sessão dura entre poucos minutos a uma hora de duração Conduzida por profissionais de saúde não-especialistas em farmacodependências

28 Objetivos da Intervenção Breve Objetivo principal é atingir um padrão de consumo moderado de álcool, ou de baixo risco, para os pacientes não- dependentes

29 Elementos da Intervenção Breve Resposta orientada às queixas do paciente (Feedback) Aconselhamento para mudança de padrão de beber Compromisso – elevar o nível de habilidade de auto-cuidado do paciente Monitoramento do caso

30 Stages of Treatment F Identification F Detoxification 4 Physical exam and history 4 Vitamins 4 Reassurance 4 + Benzodiazepines F Rehabilitation 4 Enhance motivation 4 Help readjust to life 4 Relapse Prevention 4 + Medications F Aftercare 30

31 Síndrome de Abstinência Objetivos do Tratamento 1 Objetivos para os quais existem evidências significativas de eficácia Tratamento dos sintomas de abstinência Profilaxia das convulsões iniciais e recidivantes Profilaxia e tratamento do delirium tremens

32 Síndrome de Abstinência Objetivos do Tratamento 2 Outros Objetivos Profilaxia das complicações clínicas e psiquiátricas Profilaxia da psicose de Korsakoff Motivação e preparação do paciente para o tratamento ambulatorial da dependência Maior período sem álcool entre crises

33 Treatment of Withdrawal 4Use of CIWA-Ar 4Physical examination 4Supports 4Vitamins – Thiamine 4Minerals - Magnesium 4CNS depressants

34 Rehabilitation Increase motivation Help rebuild life Relapse Prevention +/- medications

35 Alcohol Rehab ? Naltrexone – Revia 50 mg/dia ? Acamprosate ? Disulfiram ? SSRI ? Buspirone Not: LI, Anti-depressants, Other

36 Contra-indicações da Naltrexona Absolutas Hepatite aguda ou insuficiência hepática Dependência a opiáceos Necessidade de medicação opiácea (analgésicos opiáceos) Relativas Gravidez Adolescência


Carregar ppt "0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,04 % Hálito alcoólico Calmo 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts (amnésia) e acidentes 0,20 % - 0,25% Alto risco de blackouts."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google