A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares FÍSICA II Aula 3 Impulso Prof. Cláudio Soares pitagoras.com.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares FÍSICA II Aula 3 Impulso Prof. Cláudio Soares pitagoras.com.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares FÍSICA II Aula 3 Impulso Prof. Cláudio Soares pitagoras.com.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

2 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Impulso Quantidade de Movimento Teorema do Impulso Sistema Isolado de Forças Princípio da Conservação da Quantidade de Movimento Colisões ASSUNTOS ABORDADOS

3 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Impulso É a grandeza física vetorial relacionada com a força aplicada em um corpo durante um intervalo de tempo. O impulso é dado pela expressão: I = impulso (N.s); F = força (N); t = tempo de atuação da força F (s).

4 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares O Impulso é uma grandeza vetorial que possui a mesma direção e sentido da força aplicada. Ao empurrarmos um carro, por exemplo, quanto maior a intensidade da força e o tempo de atuação dessa força, maior será o impulso aplicado no carro. Impulso

5 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Canhões de longo alcance possuem canos compridos. Quanto mais longo este for, maior a velocidade emergente da bala. Isso ocorre porque a força gerada pela explosão da pólvora atua no cano longo do canhão por um tempo mais prolongado. Isso aumenta o impulso aplicado na bala do canhão. O mesmo ocorre com os rifles em relação aos revólveres. Impulso

6 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Quando a força aplicada não for constante ao longo do tempo, a intensidade do impulso pode ser calculada através da Área do gráfico F x t com o eixo do tempo, conforme a seguir. Impulso

7 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Quantidade de Movimento Todos nós sabemos que é muito mais difícil parar um caminhão pesado do que um carro que esteja se movendo com a mesma rapidez. Isso se deve ao fato do caminhão ter mais inércia em movimento, ou seja, quantidade de movimento.

8 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Quantidade de Movimento É a grandeza física vetorial relacionada com a massa de um corpo e sua velocidade. A quantidade de movimento, ou momento linear, é dada pela expressão: Q = quantidade de movimento (kg.m/s); m = massa (kg); v = velocidade (m/s).

9 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares A quantidade de movimento é uma grandeza vetorial que possui a mesma direção e sentido da velocidade. As unidades (dimensões) de Impulso e Quantidade de Movimento são equivalentes: Quantidade de Movimento

10 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Teorema do Impulso Considere um corpo de massa m que se desloca em uma superfície horizontal com uma velocidade v o. Em um certo instante passa a atuar nele uma força resultante de intensidade F, durante um intervalo de tempo t. O impulso produzido pela força F é igual a:

11 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Para o mesmo intervalo de tempo, o impulso da força resultante é igual à variação da quantidade de movimento. Teorema do Impulso

12 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Sistema Isolado de Forças Considere um sistema formado por dois corpos A e B que se colidem. No sistema, as forças decorrentes de agentes externos ao sistema são chamadas de forças externas, como, por exemplo o peso P e a normal N. No sistema, a resultante dessas forças externas é nula.

13 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Durante a interação, o corpo A exerce uma força F no corpo B e este exerce no corpo B uma força -F, de mesmo módulo e sentido oposto. As forças F e -F correspondem ao par Ação e Reação. Denomina-se sistema isolado de forças externas o sistema cuja resultante dessas forças é nula, atuando nele somente as forças internas. Sistema Isolado de Forças

14 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Princípio da Conservação da Quantidade de Movimento Pelo Teorema do Impulso A quantidade de movimento de um sistema de corpos, isolado de forças externas, é constante. Como Considerando um sistema isolado de forças externas:

15 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares A quantidade de movimento pode permanecer constante ainda que a energia mecânica varie. Isto é, os princípios da conservação de energia e da quantidade de movimento são independentes. A quantidade de movimento dos corpos que constituem o sistema mecanicamente isolado não é necessariamente constante. O que permanece constante é a quantidade de movimento total dos sistema. Observações

16 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Durante uma desfragmentação ou explosão o centro de massa do sistema não altera o seu comportamento. Observações

17 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares As colisões podem ocorrer de duas maneiras distintas, dependendo do que ocorre com a energia cinética do sistema antes e depois da colisão. 1 - Colisão Elástica 2 - Colisão Inelástica Colisões

18 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Elástica Suponha que duas esferas, A e B, colidissem de tal modo que suas energias cinéticas, antes e depois da colisão, tivessem os valores mostrados na figura a seguir.

19 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Observe que, se calcularmos a energia cinética total do sistema, encontraremos: Antes da Colisão:Ec A + Ec B = 8+4 = 12j Após a Colisão: Ec A + Ec B = 5+7 = 12j Neste caso, a energia cinética total dos corpos que colidiram se conservou. Esse tipo de colisão, na qual, além da conservação de movimento (que sempre ocorre), há também a conservação da energia cinética, é denominada colisão elástica. Colisão Elástica

20 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Elástica

21 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Inelástica (ou Plástica) É aquela onde a energia cinética não se conserva. Isso ocorre porque parte da energia cinética das partículas envolvidas no choque se transforma em energia térmica, sonora etc. Não se esqueça, mesmo a energia cinética não se conservando, a quantidade de movimento do sistema se conserva durante a colisão. A maioria das colisões que ocorrem na natureza é inelástica.

22 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Inelástica (ou Plástica)

23 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Perfeitamente Inelástica É aquela que, após o choque, os corpos passam a ter a mesma velocidade (movem-se juntos), tendo a maior perda possível de energia cinética do sistema. A figura a seguir exemplifica um colisão perfeitamente inelástica. Obs.: na colisão perfeitamente inelástica não se perde, necessariamente, toda a energia cinética.

24 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão Perfeitamente Inelástica

25 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares O coeficiente de restituição é definido como sendo a razão entre a velocidade de afastamento e a de aproximação. Se um corpo for abandonado de uma altura H e após o choque com o chão o corpo atingir a altura h, temos: Coeficiente de Restituição

26 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares O coeficiente de restituição é um número puro (grandeza adimensional), extremamente útil na classificação e equacionamento de uma colisão: Colisão Elástica v afast. = v aprox. e = 1 Colisão Inelástica v afast. < v aprox 0 < e < 1 Colisão Perf. Inelástica v afast. = 0e = 0 Coeficiente de Restituição

27 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares LEMBRE-SE QUE O impulso é uma grandeza vetorial relacionada com uma força e o tempo de atuação da mesma. Quantidade de movimento é uma grandeza vetorial que possui mesma direção e sentido do vetor velocidade. O impulso corresponde à variação da quantidade de movimento. Durante uma colisão (ou explosão) a quantidade de movimento do sistema permanece constante. A quantidade de movimento pode permanecer constante ainda que a energia mecânica varie. Após a colisão perfeitamente inelástica os corpos saem juntos.

28 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Exemplos

29 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares A figura mostra dois blocos, A e B, em repouso, encostados em uma mola comprimida, de massa desprezível. Os blocos estão apoiados em uma superfície sem atrito e sua massas são 5,0kg e 7,0kg, respectivamente. Supondo que o bloco B adquira uma velocidade de 2,0m/s, qual a velocidade adquirida pelo bloco A?

30 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Despreze todas as formas de atrito e considere que: a - inicialmente, o conjunto se encontra em repouso; b - m 2 = 4 m 1 ; c - o corpo de massa m 1 é lançado horizontalmente para a esquerda, com velocidade de 12m/s. Tendo em vista o que foi apresentado, qual será a velocidade de lançamento do bloco m 2 ?

31 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Um automóvel de 1,0 tonelada colidiu frontalmente com um caminhão de 9,0 toneladas. A velocidade do automóvel era de 80km/h para a direita e a do caminhão, de 40km/h para a esquerda. Após a colisão, os dois veículos permaneceram juntos. 1 - DETERMINE a velocidade do conjunto caminhão e automóvel logo após a colisão. 2 - RESPONDA se, em módulo, a força devido à colisão que atuou sobre o automóvel é maior, menor ou igual à aquela que atuou sobre o caminhão. JUSTIFIQUE sua resposta. V = 28 km/h, para a esquerda IGUAL Ação e Reação

32 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Uma bala de massa m e velocidade V o atravessa, quase instantaneamente, um bloco de massa M, que se encontrava em repouso, pendurado por um fio flexível, de massa desprezível. Nessa colisão a bala perde ¾ de sua energia cinética inicial. Determine a altura h, alcançada pelo pêndulo.

33 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares A B VMVM Considerando a bala: Conservação da Quantidade de Movimento: Conservação da Energia Mecânica do bloco M ao mover de A até B

34 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 01 - Um corpo de 80kg cai da altura de 80m e, após bater no solo, retorna, atingindo a altura máxima de 20m. Qual o valor do coeficiente de restituição entre o corpo e o solo? Exercícios

35 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 02 - Na figura representada, um homem de massa M está de pé sobre uma tábua de comprimento L, que se encontra em repouso numa superfície sem atrito. O homem caminha de um extremo a outro da tábua. Que distância percorreu a tábua em relação ao solo se sua massa é M/4 ?

36 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares L ANTES DEPOIS D L - D Ex. 02

37 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 03 - No esquema a seguir, m A =1,0kg e m B =2,0kg. Não há atrito entre os corpos e o plano de apoio. A mola tem massa desprezível. Estando a mola comprimida entre os blocos, o sistema é abandonado em repouso. A mola distende-se e cai por não estar presa a nenhum deles. O corpo B adquire velocidade de 0,5m/s. Determine a energia potencial da mola no instante em que o sistema é abandonado livremente.

38 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 04 - Um móvel A de massa M move-se com velocidade constante V ao longo de um plano horizontal sem atrito. Quando o corpo B, de massa M/3, é solto, este se encaixa perfeitamente na abertura do móvel A. Qual será a nova velocidade do conjunto após as duas massas se encaixarem perfeitamente?

39 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 05 - Um trenó, com massa total de 250kg, desliza no gelo à velocidade de 10m/s. Se o seu condutor atirar para trás 50kg de carga à velocidade de 10m/s, qual será a nova velocidade do trenó?

40 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 06 - Um bloco, viajando com uma determinada velocidade, choca-se plasticamente com outro bloco de mesma massa, inicialmente em repouso. Determine a razão entre a energia cinética do sistema antes e depois do choque. A ANTES B DEPOIS BA

41 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 07 - O bloco I, de massa m e velocidade Vo, choca-se elasticamente com o bloco II, de mesma massa. Sendo g a gravidade local e desprezando-se os atritos, determine, em função de Vo e g, a altura h atingida pelo bloco II.

42 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Conservação da Energia Mecânica do bloco II ao mover de A até B Para esse caso, a velocidade do bloco II após a colisão será a mesma do bloco I antes da colisão. A colisão foi elástica, havendo troca de velocidades. A B Ex. 07

43 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 08 - Um pequeno vagão, de massa 90kg, rola à velocidade de 10m/s, sobre um trilho horizontal. Num determinado instante cai verticalmente, de uma correia transportadora, sobre o vagão, um saco de areia de 60kg. Determine a velocidade do vagão carregado.

44 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 09 - A quantidade de movimento de uma partícula de massa 0,4kg tem módulo 1,2kg.m/s. Neste instante, qual a energia cinética da partícula é, em joules?

45 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 10 - Um carro de corrida de massa 800kg entra numa curva com velocidade 30m/s e sai com velocidade de igual módulo, porém numa direção perpendicular à inicial, tendo sua velocidade sofrido uma rotação de 90°. Determine a intensidade do impulso recebido pelo carro.

46 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 11 - Uma esfera de massa m e velocidade v colidiu frontalmente com um obstáculo fixo, retornando com a mesma velocidade em módulo. Qual foi a variação da quantidade de movimento da esfera? m ANTES m DEPOIS

47 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 12 - Uma bala de 0,20kg tem velocidade horizontal de 300m/s; bate e fica presa num bloco de madeira de massa 1,0kg, que estão em repouso num plano horizontal, sem atrito. Determine a velocidade com que o conjunto (bloco e bala) começa a deslocar-se.

48 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 13 - Em um plano horizontal sem atrito, duas partículas, A e B, realizam uma colisão unidimensional. Não considere o efeito do ar. A partícula A tem massa m e a partícula B tem massa M. Antes da colisão a partícula B estava em repouso e após a colisão a partícula A fica em repouso. Qual o coeficiente de restituição nesta colisão?

49 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares 14 - Um pêndulo balístico de massa 2kg, atingido por um projétil de massa 10g com velocidade 402m/s, colide frontal e elasticamente com um bloco de massa 2,01kg. Após a colisão, o bloco desliza, sobre uma mesa, parando em 1,0s. Considerando g = 10m/s², determine o coeficiente de atrito entre a mesa e o bloco. Considere que o projétil se aloja no pêndulo.

50 Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares Colisão entre a bala e o bloco No choque frontal e elástico entre corpos de mesma massa há troca de velocidades. Logo a velocidade inicial do bloco que se encontra sobre a mesa é: Ex. 14


Carregar ppt "Física Geral e Experimental II Prof. Cláudio Soares FÍSICA II Aula 3 Impulso Prof. Cláudio Soares pitagoras.com.br ENGENHARIA DE PRODUÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google