A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Raciocínio Lógico Parte 1 Fonte básica: Introdução à Filosofia - Jorge Manuel de Andrade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Raciocínio Lógico Parte 1 Fonte básica: Introdução à Filosofia - Jorge Manuel de Andrade."— Transcrição da apresentação:

1 Raciocínio Lógico Parte 1 Fonte básica: Introdução à Filosofia - Jorge Manuel de Andrade

2 Raciocínio Lógico Lógica – Ciência dos LOGOS (palavra, discurso, pensamento, razão) Estuda as leis e regras estruturadoras da coerência do pensamento e do discurso Faz com que nossas idéias se mantenham de pé Cola das idéias (Bateson)

3 Aristóteles Organon Instrumento do pensamento

4 Validade x Verdade Estrutura x Conteúdo Mulheres são mortais –Fátima é mulher Logo, Fátima é mortal Mulheres são roxas –Fátima é mulher Logo, Fátima é roxa

5 ValidadeVerdade Formal VerdadeVerdade Material Lógica material (metodologia) Lógica formal

6 Lógica e Linguagem Pragmática –Uso concreto da linguagem, sua relação com os sujeitos falantes e o contexto em que os signos são utilizados Semântica –Significado dos signos Sintaxe –Regras que regem as relações entre os signos

7 Semântica Letícia pegou a manga Márcio vai observar os cães esta noite Fernando saiu com uma rapariga

8 Significado e Referência Peixe Estrela da Manhã – Estrela da Tarde Pai Atual Rei da França

9 O Problema da Verdade Verdade é alguma forma de correspondência entre entre o que pensamos e a realidade. Chove Sou sempre mentiroso

10 Leis Lógicas Fundamentais Princípio da Identidade Princípio da não contradição Princípio do terceiro excluído

11 Conceito –Idéia ou noção comum Casa, branco, alto, morador Juízo –Relação entre conceitos A casa é branca Raciocínio (inferências) –Relação entre juízos Se Jõao mora naquela casa é um homem afortunado; ora, João não é um homem afortunado, logo não mora naquela casa.

12 Conceito x Termo Termo –Palavras e expressões, signo lingüístico Conceito –Sentido, ato mental –Conceito é a apreensão da essência, isto é, das características determinantes de um objeto.

13 Conceito Extensão (denotação) –Número de objetos compreendidos Compreensão (intenção) –Qualidades específicas

14 A proposição é a expressão verbal do juízo Categóricos –S é P S = sujeito ; p = predicado Hipotéticos –Se p então q p e q são juízos Disjuntivos –Ou p ou q

15 Quantidade e Qualidade das Proposições A – universais afirmativas Todo o S é P E – universais negativas Nenhum S é P I – particulares afirmativas Algum S é P O – particulares negativas Algum S não é P

16

17 Condição necessária e condição suficiente

18 Inferências No momento em que a mulher descobre marcas de baton desconhecido no colarinho do marido, produz-se (entre outras coisas) a inferência. Inferência é o movimento do pensamento que liga a(s) premissa(s) à conclusão

19 Inferência Todos os filósofos são sábios. (1.ª premissa) Alguns gregos são filósofos. (2.ª premissa) Portanto alguns gregos são sábios. (conclusão)

20 Inferência Todos os filósofos são verdes. (1.ª premissa) Alguns gregos são filósofos. (2.ª premissa) Portanto alguns gregos são verdes. (conclusão)

21 Inferência Todos os triângulos são triláteros. (premissa) Portanto, todos os triláteros são triângulos. (conclusão)

22 Inferência Todos os homens são mortais. (premissa) Portanto, todos os mortais são homens. (conclusão)

23 Inferência Uma inferência válida é aquela na qual sempre que as premissas sejam verdadeiras a conclusão também o é, necessariamente.

24 Inferência Válida

25 Oposição de proposições

26 Contrárias –são duas proposições universais que apenas diferem na qualidade: "Todos os homens são mortais" (A); "Nenhum homem é mortal" (E). Duas contrárias não podem ser verdadeiras simultaneamente, mas podem ser ambas falsas. –Todos os homens são chineses –Nenhum homem é chinês.

27 Oposição de proposições Subcontrárias –São duas proposições particulares que apenas diferem na qualidade: "Alguns animais aquáticos são mamíferos" (I); "Alguns animais aquáticos não são mamíferos" (O). Duas proposições subcontrárias podem ser verdadeiras simultaneamente; todavia, se uma é falsa, a outra é verdadeira.

28 Oposição de proposições Subalternas –São duas proposições que apenas diferem na quantidade: "Todos os homens são mortais" (A) e "Alguns homens são mortais" (I); ou "Nenhum homem é mortal" (E) e "Alguns homens não são mortais" (O). Sempre que a universal for verdadeira, a particular também o será; Se a universal for falsa, a particular pode ser verdadeira ou falsa. Quando a particular for falsa, a universal também será necessariamente falsa; Quando a particular for verdadeira, o valor da universal poderá ser verdadeiro ou falso.

29 Oposição de proposições Contraditórias –São proposições que diferem simultaneamente em qualidade e em quantidade: "Todos os homens são mortais" (A) "Alguns homens não são mortais" (O); "Nenhum filósofo é louco" (E) "Alguns filósofos são loucos" (I) Duas proposições contraditórias não podem ser simultaneamente verdadeiras ou falsas; se uma é verdadeira, a outra é falsa, e vice-versa.

30

31 Conversão de Proposições* Conversão é uma operação lógica que sonsiste em fazer do predicado da antiga preposição o sujeito da nova, sem que a nova proposição tenha um significado diferente da antiga.

32 Conversão de Proposições* Os homens são mortais –Os mortais são homens (errado) –Alguns mortais são homens (certo)

33 Conversão de Proposições* Alguns homens não são dentistas –(proposição a converter) –Alguns não-homens não são não-dentistas (contraposição) –Alguns não-dentistas não são não-homens (conversão) –Alguns não-dentistas são homens (conclusão)

34 Conversão de Proposições* Conversão simples Procede-se à troca dos termos sem alterar a quantidade ou a qualidade da proposição inicial. Este tipo de conversão aplica-se às proposições E (universal negativa) e I (particular afirmativa), e ainda às proposições universais afirmativas (tipo A) que são definições. Conversão por limitação Mantém-se a qualidade da proposição inicial, mas altera-se a quantidade. Aplica-se às proposições tipo A (universais afirmativas), que se convertem em proposições tipo I (particulares afirmativas). Conversão por contraposição, ou por negação Altera- se a qualidade da proposição inicial. Aplica-se às proposições tipo O (particulares negativas), que se convertem em proposições tipo I (particulares afirmativas).

35 Conversão de Proposições*

36 Inferência Imediata Analogia Indução Dedução

37 Analogia A analogia é o raciocínio que de certas semelhanças infere novas semelhanças. A analogia é a forma de inferência mais rica e criativa, tão ilimitada como a imaginação do homem, mas por isso mesmo a menos susceptível de um tratamento rigoroso, que nos permita definir-lhe as leis e as regras. É uma forma de pensamento que tanto nos pode levar, nas asas do gênio, à descoberta de aspectos fundamentais da realidade, como nos pode fazer mergulhar numa visão distorcida e simplista daquilo que nos cerca.

38 Indução A indução é raciocínio que nos permite passar do particular para o geral; isto é, partir da observação de um número limitado de casos particulares para a formulação de uma lei geral. Enuncia, no melhor dos casos, uma boa probabilidade, não uma certeza. Falseabilidade das Hipóteses (Pooper )

39 Dedução O raciocínio dedutivo vai do geral para o geral, ou do geral para o particular; é a inferência na qual, dadas certas coisas, outra diferente se lhes segue necessariamente, só pelo fato de serem dadas. A dedução é a forma mais rigorosa de raciocínio. –Os carbonos são condutores elétricos. –Os carbonos são corpos simples. –Logo alguns corpos simples são condutores elétricos.

40 Silogismo Categórico –"Todos os homens são mortais" –"Todos os franceses são homens" –"Todos os franceses são mortais" Hipotético –Se João estuda então passa no exame; –João estuda, –Portanto passa no exame.

41 Silogismo Categórico

42 Regras dos termos (4) Regras das premissas (4)

43 Regras dos termos 1. Apenas existem três termos num silogismo: maior, médio e menor. – Esta regra pode ser violada facilmente quando se usa um termo com mais de um significado: – "Se o cão é pai e o cão é teu, então é teu pai. Aqui o termo "teu" tem dois significados, posse na segunda premissa e parentesco na conclusão, o que faz com que este silogismo apresente na realidade quatro termos.

44 Regras dos termos 2. Nenhum termo deve ter maior extensão na conclusão do que nas premissas: – Se as orcas são ferozes e algumas baleias são orcas, então as baleias são ferozes. O termo "baleias" é particular na premissa e universal na conclusão, o que invalida o raciocínio, pois nada é dito nas premissas acerca das baleias que não são orcas, e que podem muito bem não ser ferozes.

45 Regras dos termos 3. O termo médio não pode entrar na conclusão.

46 Regras dos termos 4. Pelo menos uma vez o termo médio deve possuir uma extensão universal: –Se os britânicos são homens e alguns homens são sábios, então os britânicos são sábios. Como é que podemos saber se todos os britânicos pertencem à mesma sub-classe que os homens sábios? É preciso notar que na primeira premissa "homens" é predicado e tem uma extensão particular.

47 Regras dos termos 1. Apenas existem três termos num silogismo: maior, médio e menor. 2. Nenhum termo deve ter maior extensão na conclusão do que nas premissas. 3. O termo médio não pode entrar na conclusão. 4. Pelo menos uma vez o termo médio deve possuir uma extensão universal.

48 Regras das Premissas 5. De duas premissas negativas, nada se pode concluir: –"Se o homem não é réptil e o réptil não é peixe, então... Que conclusão se pode tirar daqui acerca do "homem" e do "peixe"?

49 Regras das Premissas 6. De duas premissas afirmativas não se pode tirar conclusão negativa.

50 Regras das Premissas 7. A conclusão segue sempre a premissa mais fraca. –A particular é mais fraca do que a universal. –A negativa é mais fraca do que a afirmativa. –"Se os europeus não são brasileiros e os franceses são europeus, então os franceses não são brasileiros." Que outra conclusão se poderia tirar?

51 Regras das Premissas 8. Nada se pode concluir de duas premissas particulares. De "Alguns homens são ricos" e "Alguns homens são sábios" nada se pode concluir, pois não se sabe que relação existe entre os dois grupos de homens considerados. Aliás, um silogismo com estas premissas violaria também a regra 4. –(pelo menos uma vez o termo médio deve possuir uma extenção universal)

52 Regras das Premissas 5. De duas premissas negativas, nada se pode concluir. 6. De duas premissas afirmativas não se pode tirar conclusão negativa. 7. A conclusão segue sempre a premissa mais fraca. 8. Nada se pode concluir de duas premissas particulares.

53 Modo e figura do Silogismo Modo –(A,A,A)(A,A,E)(A,A,I)… (n=64) Figura –Papel do termo médio 1ª (sujeito, predicado) 2ª (predicado, predicado) 3ª (sujeito, sujeito) 4ª (predicado, sujeito)

54 Modo e figura do Silogismo Existem 256 tipos de silogismos –Alguns repetidos –Alguns inválidos –Somente 19 são concludentes (válidos)

55 Silogismos Válidos 1ª figura – AAA, EAE, AII, EIO 2ª figura – EAE, AEE, EIO, AOO 3ª figura – AAI, EAO, IAI, EIO 4ª figura - AAI, AEE, IAI, EIO

56 Silogismos Válidos 1ª figura – AAA, EAE, AII, EIO 2ª figura – EAE, AEE, EIO, AOO 3ª figura – AAI, EAO, IAI, EIO 4ª figura - AAI, AEE, IAI, EIO 1ªBarbara, Celarent, Darii, Ferio 2ªCesare, Camestres, Festino, Baroco 3ªDarapti, Felapton, Disamis, Bocardo, Ferison 4ªBamalip, Calemes, Dimatis, Fesapo, Fresison

57 Conversão de uma figura em outra Nenhum ladrão é sábio. Alguns políticos são sábios. Portanto alguns políticos não são ladrões. Festino (2ª figura – P,P) Nenhum sábio é ladrão. Alguns políticos são sábios. Portanto alguns políticos não são ladrões. Ferio (1ª figura – S,P)

58 Silogismo Hipotético Se p, então q; ora p; logo q.

59 Silogismo Hipotético Modus ponens se p, então q ora p; logo q. A afirmação do antecedente obriga à afirmação do conseqüente. Da afirmação do conseqüente nada se pode concluir.

60 Silogismo Hipotético Modus tollens se p, então q ora não q; logo não p. A negação do conseqüente torna necessária a negação do antecedente. Da negação do antecedente nada se pode concluir.

61 Silogismo Hipotético Falácias

62 Exercícios Alguns homens são ricos. Os padres são homens. Logo os padres são ricos.

63 Exercícios Alguns estudantes são preguiçosos. Muitos mecânicos não são preguiçosos. Portanto muitos mecânicos não são estudantes.

64 Exercícios Os lagartos são répteis. Os répteis são animais. Logo alguns animais são lagartos.

65 Exercícios Se Roberto tomasse veneno, ficaria doente. Ora Roberto não tomou veneno; Logo não ficou doente.

66 Exercícios A presença de aminoácidos implica a existência de vida. Existe vida em Marte. Portanto também lá existem aminoácidos.

67 Exercícios Se este metal fosse ouro, então brilharia. Este metal não brilha, logo não é ouro.

68 Paradoxos de Zenão "É impossível atravessar o estádio; porque, antes de se atingir a meta, deve primeiro alcançar-se o ponto intermédio da distância a percorrer; antes de atingir esse ponto, deve atingir-se o ponto que está a meio caminho desse ponto; e assim ad infinitum".

69 Paradoxos de Zenão "Um objecto está em repouso quando ocupa um lugar igual às suas próprias dimensões. Uma seta em voo ocupa, em qualquer momento dado, um espaço igual às suas próprias dimensões. Por conseguinte, uma seta em voo está em repouso".

70 Paradoxos de Zenão "Aquiles nunca pode alcançar a tartaruga; porque na altura em que atinge o ponto donde a tartaruga partiu, ela ter-se-á deslocado para outro ponto; na altura em que alcança esse segundo ponto, ela ter-se- á deslocado de novo; e assim sucessivamente, ad infinitum" (...)


Carregar ppt "Raciocínio Lógico Parte 1 Fonte básica: Introdução à Filosofia - Jorge Manuel de Andrade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google