A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO À DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMCO BASEADO NA TEORIA DE OREM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO À DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMCO BASEADO NA TEORIA DE OREM."— Transcrição da apresentação:

1 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO À DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMCO BASEADO NA TEORIA DE OREM Jéssica Gouveia Pimentel 1 ; Josicrécia Cecília de Oliveira 2 ; Eliana Lessa de Cordeiro 3 ; Janaína Maria dos Santos 4 ; Murilo Duarte Costa 5 ; José Francisco de Albuquerque 6 ; Thaís Andréa de Oliveira Moura 6. 1 Aluna de graduação do curso de Enfermagem da faculdade Estácio do Recife; 2 Aluna de graduação do curso de Enfermagem da faculdade Estácio do Recife; 3 Universidade Federal do Piauí; 4 Universidade Federal de Pernambuco; 5 Universidade federal de Pernambuco; 6 Professora de graduação do curso de Enfermagem na faculdade Estácio do Recife. INTRODUÇÃO O presente trabalho visa apresentar nos transtornos mentais causados por uso e abuso de substâncias psicoativas, o levantamento diagnóstico de enfermagem que tem como referencial teórico a Teoria de Dorothea Elizabeth Orem e a taxonomia baseada no North American Nursing Diagnosis Association - NANDA. Entende-se por substância psicoativa, aquela que ao entrar em contato com o organismo, atua no sistema nervoso central produzindo alterações no comportamento, humor e cognição. Contudo é necessário o conhecimento da importância do uso dos diagnósticos de enfermagem como contribuição para o tratamento de pacientes portadores dessa variedade de transtorno mental, e é de suma importância para a boa evolução dos cuidados a serem prestados a este tipo de paciente. METODOLOGIA Inicialmente foi realizada uma revisão dos estudos relacionados à avaliação de usuários de álcool e outras SPA, identificados nas bases de dados internacionais. A partir de então foi criado o instrumento com 20 questões e acrescentado o Alcohol Smoking and Substance Involvement Screening Test – ASSIST 2.0 – Teste para triagem do envolvimento com fumo, álcool e outras drogas. O tipo de estudo utilizado foi o estudo transversal, focalizado no Núcleo Especializado em Dependência Química – NEDEQ do Hospital das Clínicas de Pernambuco na cidade do Recife-PE. A metodologia utilizada no estudo foi da construção de um instrumento de avaliação de pacientes em atendimento ambulatorial, com base nas teorias de necessidades humanas básicas e do autocuidado, e associado, a introdução do instrumento: Alcohol Smoking and Substance Involvement Screening Test – ASSIST 2.0 – Teste para triagem do envolvimento com fumo, álcool e outras drogas, com a finalidade de avaliar o nível de dependência dos indivíduos entrevistados. A amostra para a pesquisa é escolhida de forma aleatória em sala de espera para as consultas de psiquiatria e psicoterapia ambulatorial do NEDEQ. Como método estatístico, ver-se a analise dos resultados em gráficos e tabelas que serão desenvolvidos a partir da tabulação dos dados através dos programas estatísticos EPIinfo e SPSS. No entanto, observa-se que no que se refere à ocupação dos pacientes vê-se o seguinte resultado: 10% são servidores públicos, 30% empregados do setor privado, 30% aposentados, 10% desempregados, e 20% autônomos, os resultados discordam com o estudo de Neves e Miasso (2010), onde relatam que a maioria dos usuários de drogas são desempregados, onde neste estudo mostra que a maioria são empregados do setor privado e aposentados. De acordo com o estudo de Formigoni et Al (2004), vê-se a maior porcentagem de pacientes entrevistados é sugestivo para dependência de tabaco (100%), álcool (80%), maconha (50%) e alucinógenos (100%), confirmando a afirmação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), que as drogas de mais dependência no Mundo são álcool, tabaco e maconha, já no caso dos alucinógenos, se vê o uso indiscriminado de benzodiazepínicos. No caso do uso abusivo temos a maconha (50%), a cocaína (84%) e as anfetaminas (88%). Neste caso, o instrumento ASSIST 2.0 configura o crack na classe da cocaína e isso revela que o crack droga de abuso juntamente com as anfetaminas. CONCLUSÃO Vendo pelo modo de Wanda Horta e Orem, a sistematização do processo de enfermagem refere-se ao exercício da função administrativa centralizada na assistência ao paciente, implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem traz segurança ao paciente, qualidade na assistência prestada, e maior autonomia aos profissionais de enfermagem ( CARPENITO, 2010), os passos do planejamento em enfermagem são construídos ao redor da Família e a Comunidade, levando em conta o processo de enfermagem para o tratamento da dependência química, observa-se que é importante a construção de protocolo especifico para trabalhar este tipo de clientela, levando em conta sua fragilidade no autocuidado e de suas necessidades humanas básicas. Assim, é notória uma melhor visibilidade da enfermagem ao tratamento ao dependente químico, podendo sim focalizá-lo para o modelo de tratamento substitutivo de qualidade, e que também tem como foco de trabalho o indivíduo, a família e a comunidade. RESULTADOS O gráfico 1 relata as substancias consumidas pelos pacientes no período das entrevistas e como resultado obteve-se que as drogas mais utilizadas pelos pacientes foi o álcool (80%), o tabaco (80%), maconha (70%), cocaína (50%) e o crack (40%), é observado que os resultados obtidos são de acordo com o estudo de Pinho et al (2008) onde o mesmo relata que as drogas mais utilizadas no Brasil são o álcool, o tabaco, a maconha, e a cocaína, porém discorda em números com o estudo de Laranjeira(2003), que fala sobre o numero absoluto de usuários de crack no Brasil. Já quando se observa os motivos da procura ao tratamento, vê-se que é menor a porcentagem de pacientes que procuram o serviço por demanda espontânea, cerca de, 45% dos entrevistados, e que a maioria 55% são encaminhados por outros serviços o que configura a insistência dos familiares ao tratamento, este conceito é confirmado pelos estudos de Vargens et Al (2009) e Ventura et Al (2009). Gráfico 1 Gráfico 3 Gráfico 2 Tabela 1


Carregar ppt "DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO À DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CONSTRUÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMCO BASEADO NA TEORIA DE OREM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google