A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MOÇAMBIQUE Arte e História Iniciativa OSCIP Imagem da Vida Curadoria Dirce Carrion e Nilson Moulin.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MOÇAMBIQUE Arte e História Iniciativa OSCIP Imagem da Vida Curadoria Dirce Carrion e Nilson Moulin."— Transcrição da apresentação:

1 MOÇAMBIQUE Arte e História Iniciativa OSCIP Imagem da Vida Curadoria Dirce Carrion e Nilson Moulin

2 Síntese do projeto Moçambique Arte e História Realização de evento sobre Moçambique, envolvendo exposição de artes plásticas (cerâmica, xilogravura, artesanato e fotografia), mostra de cinema e um ciclo de debates sobre variados aspectos da cultura do país e das suas relações com o Brasil através dos tempos.

3 Objetivos do projeto O projeto Moçambique – 35 anos depois é uma iniciativa da OSCIP Imagem da Vida que vem promovendo várias formas de intercâmbio entre o Brasil e vários países africanos. Muito embora já sejam visíveis alguns avanços, ainda podemos observar a dimensão dos equívocos que cercam o conhecimento do continente africano entre nós. Muito freqüentemente, nos deparamos com visões ancoradas num passado distante, que refletem imagens estereotipadas dos países africanos. Entre eles, aparece Moçambique, visto predominantemente num contexto de carência, limitado por sua pobreza e seu atraso, observado por um olhar redutor, incapaz de considerar a força que pôde colocar fim à exploração colonial, a sua capacidade de recuperação econômica, depois de anos e anos de guerra, e a vitalidade de sua população que reinventa formas de resistência e exercita sua criatividade.

4 Com base na multiplicidade de enfoques, a realização pretende: 1. A partir de manifestações variadas, divulgar o patrimônio artístico do país, dando visibilidade a uma produção de valor reconhecido; 2. Apresentar manifestações culturais que componham um panorama do presente das populações moçambicanas; 3. Revelar a grande diversidade cultural do país, e, desse modo, contribuir para romper com a idéia de homogeneidade das culturas africanas; 4. Contribuir para uma reflexão a respeito independência do país, com base na interlocução entre moçambicanos e brasileiros; 5. Dinamizar os debates em torno das relações entre o Brasil e Moçambique, de modo a identificar novas formas de aproximação.

5 Justificativa do projeto Os laços entre Moçambique e o Brasil, cuja origem localiza-se num passado muito distante, vêm se renovando no presente dos dois países. A mudança de eixo da nossa política externa tem permitido que se revitalize uma ligação que em vários momentos foi tão importante para os dois lados. A vinda de moçambicanos escravizados, sobretudo para o trabalho nas minas e na agricultura, o acolhimento de Tomás Antonio Gonzaga na Ilha de Moçambique, a importância de Jorge Amado, Graciliano Ramos e Rachel de Queirós, entre outros, na formação da literatura nacionalista moçambicana, o sucesso da revista O Cruzeiro e da nossa música nas festas dos anos 50 e 60 e a participação de nossos refugiados políticos no país recém-independente são fatos que marcam a história de uma relação que, sendo evidente, pode e precisa ser reforçada pela via do conhecimento e das trocas culturais.

6 A exposição de produtos culturais e a organização de debates que incorporem as vozes de artistas e intelectuais moçambicanos que vêm contribuindo para o desenvolvimento do jovem país certamente oferecem ao público brasileiro a oportunidade de estabelecer um diálogo com visões pouco contempladas entre nós. A qualidade do trabalho artístico e o refinamento das reflexões compõem um quadro importante para a relativização dos paradigmas eleitos pelo discurso ocidental, sempre empenhado em excluir a diferença. O contato com outras formas de arte pode ser um modo de alterar a leitura do mundo. A realização de um projeto multifacetado que possa indicar dimensões ainda desconhecidas desse país que tem vivido períodos conturbados, enfrentando e superando grandes dificuldades justifica-se ainda pela necessidade de se quebrar uma corrente de preconceitos que ainda envolve as sociedades africanas e marca negativamente a presença da África em nosso patrimônio cultural. A revelação de aspectos que demonstrem a vitalidade das sociedades moçambicanas, na sua grande capacidade de articular uma tradição poderosa com a apropriação de signos da modernidade, constitui uma estratégia eficaz para a construção de imagens positivas de um país relevante na formação da nossa cultura.

7 Proposta da Exposição Paralelamente às exposições em São Paulo serão abertas ao público cinco sessões de debates e discussões com escritores, educadores, sociólogos, cineastas e críticos de arte sobre a cultura moçambicana. A coordenação e mediação dos debates estará a cargo da professora Doutora Rita Chaves, do departamento de Literatura Africana de Língua Portuguesa e o debate contará com a presença de renomados escritores e críticos de arte brasileiros e moçambicanos: Rui Guerra, Tânia Macedo, Mia Couto, Francisco Noa, entre outros. Os temas previstos são: 1) Relações Brasil-Moçambique; 2) Cinema; 3) Arte; 4) Literatura.

8 Bloco I - Cabo Delgado * Exposição de Cerâmica Makonde – Serão expostas sobre mobiliário expositivo individual confeccionado em madeira pintada, 30 peças da ceramista Reinata Sadimba, maior e mais original ceramista moçambicana, com diversas exposições realizadas em diversos países da Europa. Natural de Cabo Delgado – norte de Moçambique – é um dos grandes nomes da Arte Makonde, característica do norte de Moçambique e sul da Tanzânia é considerada uma das mais importantes correntes de arte da África. Mantém um atelier permanente no Museu de Arte Nacional em Maputo. Divisão Temática da Mostra

9 *Exposição de Xilogravura Makonde – Serão expostas sobre painéis auto- portantes 30 gravuras do artista Mathias Ntundu, importante gravador moçambicano, tem seu trabalho exposto e reconhecido há mais de 30 anos tanto em Moçambique quanto no exterior.

10 * Exposição de Fotografia sobre Cabo Delgado - será uma coletiva composta por 30 fotografias sobre esta região localizada no norte de Moçambique – incluindo imagem do planalto da Mueda e Pemba. As fotografias serão selecionadas do acervo de renomados fotógrafos moçambicanos com o apoio da Associação Moçambicana de Fotografia, que possui uma galeria permanente em Maputo e reúne os maiores fotógrafos do País, e é responsável pela mostra Photo Festa que de dois em dois anos apresenta o melhor da fotografia moçambicana.

11 * Exposição de Bonecas Indumentárias - No total serão selecionadas 45 bonecas artesanais que serão expostas sobre mobiliário expositivo individual confeccionado em madeira pintada. Neste bloco 15 estarão representando a região de Cabo Delgado vestidas com indumentárias tradicionais. A mostra é de autoria da artista Suzete Honwana, que fez uma larga pesquisa sobre o uso da capulana, percorrendo vários estilos de indumentárias na história das populações moçambicanas. A mostra será acompanhada de textos informativos de Benigna Zimba sobre a história da capulana em Moçambique.

12 * Apresentação de filmes Moçambicanos - No total serão exibidas 12 obras de ficção e documentários representativos do melhor do cinema moçambicano, realizados por moçambicanos, que abordam temáticas atuais, desde a problemática do HIV-Sida, até questões culturais e literárias, portanto, longas e curta metragens. A seleção dos filmes da mostra esta a cargo de Licinio Azevedo, Camilo de Souza e Jose Luis Cabaço. Todos com larga vivencia na produção de cinema e documentários.

13 Brasil-África Similaridades. Brasil e África, uma mesma terra e um mesmo continente no passado remoto, hoje são unidos pelo Atlântico. As águas que trouxeram escravos e aproximaram culturas diferentes, criaram também uma sólida ponte entre os brasileiros e os povos africanos. Agora é chegado o momento de estabelecer um maior conhecimento recíproco. A mostra Brasil e África Similaridades colocar lado a lado imagens daqui e de lá, evidenciando nossas raízes comuns.

14 BLOCO II - Ilha de Moçambique * Exposição de Fotografias sobre a Ilha de Moçambique – localizada no oceano Índico, na província de Nampula, a Ilha de Moçambique foi a primeira capital do país. Foi para lá que também foi enviado para exílio o poeta Tomás Antonio Gonzaga. Possui uma cultura própria e tradicional com destaque para as mulheres Macuas. A exposição será uma coletiva composta por 30 fotografias. As fotografias serão selecionadas dos acervos de renomados fotógrafos moçambicanos com o apoio da Associação Moçambicana de Fotografia, que possui uma galeria permanente em Maputo e reúne os maiores fotógrafos do país, e é responsável pela mostra Fato Festa que de dois em dois anos apresenta o melhor da fotografia moçambicana.

15 * Exposição de Bonecas Indumentária - No total serão selecionadas 45 bonecas artesanais que serão expostas sobre mobiliário expositivo individual confeccionado em madeira pintada. Neste bloco, estarão representando a região da Ilha de Moçambique, vestidas com indumentárias tradicionais. A mostra é de autoria da artista Suzette Honwana que fez uma larga pesquisa sobre o uso da capulana, percorrendo vários estilos de indumentárias na história das populações moçambicanas. A mostra será acompanhada de textos informativos de Benigna Zimba sobre a história da capulana em Moçambique. * Apresentação de filmes Moçambicanos - A mostra e composta por 12 obras de ficção e documentários representativos do melhor do cinema moçambicano, realizados por moçambicanos que abordam temáticas atuais, desde a problemática do HIV-Sida, até questões culturais e literárias, portanto, longas e curtas metragens. A seleção dos filmes da mostra esta a cargo de Licinio Azevedo, Camilo de Souza e Jose Luis Cabaço. Todos com larga vivencia na produção de cinema e documentários.

16 BLOCO III – Maputo * Exposição Brasil-Moçambique Similaridades – Essa mostra é composta por 10 pares de fotografias que apresentam similaridades visuais entre si, entretanto, uma delas é no Brasil e a outra em Moçambique. A idéia é apresentar as semelhanças identificadas em nossas raízes em comum. A seleção de imagens está a cargo da curadora Dirce Carrion, que há mais de 15 anos realiza exposições sobre o Brasil no continente africano.

17 * Exposição de Bonecas Indumentárias - No total serão selecionadas 45 bonecas artesanais que serão expostas sobre mobiliário expositivo individual confeccionado em madeira pintada. Neste bloco 15 estarão representando a região de Maputo, vestidas com indumentárias tradicionais. A mostra é de autoria da artista Suzete Honwana, que fez uma larga pesquisa sobre o uso da capulana, percorrendo vários estilos de indumentárias na história das populações moçambicanas. A mostra será acompanhada de textos informativos de Benigna Zimba sobre a história da capulana em Moçambique. * Apresentação de filmes Moçambicanos - A mostra é composta por 12 obras de ficção e documentários representativos do melhor do cinema moçambicano, realizados por moçambicanos, que abordam temáticas atuais, desde a problemática do HIV-Sida, até questões culturais e literárias, portanto, longas e curtas metragens. A seleção dos filmes da mostra está a cargo de Licinio Azevedo, Camilo de Souza e Jose Luis Cabaçoo. Todos com larga vivencia na produção de cinema e documentários.

18 DEBATE Paralelamente às exposições em São Paulo serão abertas ao público cinco sessões de debates e discussões com escritores, educadores, sociólogos, cineastas e críticos de arte sobre a cultura moçambicana. A coordenação e mediação dos debates estará a cargo da professora Doutora Rita Chaves, do departamento de Literatura Africana de Língua Portuguesa e o debate contará com a presença de renomados escritores brasileiros e moçambicanos: Rui Guerra, Francisco Noa, entre outros. Os temas previstos são: 1) Relações Brasil-Moçambique; 2) Cinema; 3) Arte; 4) Ilha de Moçambique; 5) Literatura.

19 A Imagem da Vida é OSCIP, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, criada em 2005 e tem entre os seus membros fundadores profissionais graduados, mestres e doutores de diferentes áreas de formação: arquitetura, antropologia, jornalismo, fotografia, filosofia, engenharia florestal, assistência social. Os objetivos da Imagem da Vida é promover e divulgar ações que contribuam para o desenvolvimento educacional, cultural, econômico e social a nível nacional e internacional, em especial com países africanos e países de língua portuguesa. Pesquisar, registrar e popularizar práticas culturais que contribuam para o desenvolvimento da sociedade, de forma ética e solidária, nas áreas de educação, cultura, e proteção ao meio ambiente. Desenvolver e realizar projetos e promover atividades educacionais, culturais e ambientais, com ênfase nos objetivos anteriormente delimitados. Entre os principais projetos realizados pela Oscip Imagem da Vida está a série Olhares Cruzados que, desde o ano 2004 desenvolve ações de intercâmbio cultural entre o Brasil, a África, a América Latina e o Caribe, com o objetivo de ampliar o conhecimento recíproco e de divulgar uma imagem positiva dos povos africanos e indígenas, valorizando as suas contribuições na formação da identidade cultural das sociedades americanas.

20 Projeto Olhares Cruzados Teve início em 2004, e desde então envolveu crianças e adolescentes brasileiros, latino-americanas e africanos. Foi realizado em dez estados brasileiros (Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Maranhão, Pernambuco, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pará, Goiás, Amazonas, e Piauí), e em nove outros países: Angola, Moçambique, Haiti, Senegal, Congo RDC, Bolívia, Guiné Bissau, Cabo Verde e Mali. Este trabalho foi apresentado em dezenas de exposições no Brasil e no exterior, três documentários em vídeo, e em oito livros publicados e dois livros em fase de edição. A coordenadora e idealizadora do projeto Olhares Cruzados, Dirce Carrion, recebeu em 2010 a Comenda da Ordem do Rio Branco, reconhecendo o mérito desta iniciativa em promover e dialogar com países africanos e da diáspora africana. Dirce Carrion com o presidente Lula e o vice-presidente José de Alencar

21 África-Brasil-África Teve início no ano 2000, desenvolvendo ações de intercâmbio cultural entre o Brasil e a África, tendo como objetivos principais ampliar o conhecimento recíproco entre o nosso País e aquele continente. Foram realizadas diversas exposições apresentando as culturas brasileira e africanas. - Exposição fotográfica Agudás - Os brasileiros do Benim – fevereiro de Visita do Presidente Lula ao Benin – Musse Historique de Ouida Benim - Agudás ações para a visita do Presidente Lula a África em Conjunto de exposições da visita oficial do Presidente Lula à África – novembro de 2003

22 -Exposição fotográfica Terras de Preto de Ricardo Teles - Windoek - Namíbia -Exposição fotográfica Brasil Terra e Gente - Centro Cultural Brasileiro - Pretória - África do Sul - Exposição fotográfica Imagens Fiéis de José Bassit - Centro de Estudos Brasileiros - Maputo - Moçambique - Exposição fotográfica Artesanato no Brasil - Centro Cultural Brasileiro - Luanda - Angola -Biblioteca Nacional do Cabo Verde – Praia – Cabo Verde – setembro de Centro de Estudos Brasileiros – Bissau – Guiné Bissau – setembro de Exposição fotográfica África-Brasil-África Palácio dos Congressos – São Tomé e Príncipe – São Tomé e Príncipe na Cimeira dos PALOPS– junho de Concepção, coordenação e montagem da exposição Brasil e África – Similaridades - Centro Cultural São Paulo – maio de 2003 – Fórum África - Centro de Estudos Brasileiros de Maputo – Moçambique – abril de Ministério de Relações Exteriores e Embaixada do Brasil - Câmara dos Deputados – Brasília – DF – novembro de 2002 – I Jornada África Brasil - Centro de Cultura Negra do Macapá – AP Semana da Consciência Negra – novembro de Mês Internacional da Fotografia - Estação Sé do Metrô – S. Paulo - maio de 2001

23 Ações desenvolvidas em Moçambique *Exposição e lançamento do livro Moçambique-Brasil: Olhares Cruzados– Centro de Estudos Brasileiros – Maputo, Moçambique, comunidades de Matole Boque e Miteme na província de Manica – Moçambique - maio de 2008 *Livro Moçambique- Brasil: Olhares Cruzados – maio de 2008 *Exposição e lançamento do livro Brasil - África: Olhares Cruzados– Centro de Estudos Brasileiros – Maputo, Moçambique, sobre o bairro de Miteme em Maputo e Port o Alegre no Rio Grande do Sul - maio de 2006.

24 *Exposição fotográfica Olhos do Bairro projeto realizado com crianças na periferia de Maputo-Moçambique. Espaço Cultural da Câmara dos Deputados – Brasília – DF – novembro de 2004 *Exposição fotográfica Moçambique - África-Brasil-África - Memorial do Rio Grande do Sul para a visita do Presidente de Moçambique ao Brasil – Porto Alegre – Rio Grande do Sul -setembro de 2004 FOTOFESTA – Centro de Estudos Brasileiros – Maputo – Moçambique – outubro de 2004 *Concepção, coordenação e montagem da exposição Brasil e África – Similaridades, Centro de Estudos Brasileiros de Maputo – Moçambique – abril de Ministério de Relações Exteriores e Embaixada do Brasil *Exposição fotográfica África-Brasil-África - Moçambique e Angola, Palácio do Planalto – Brasília – DF – 19 a 30 de novembro de 2003

25


Carregar ppt "MOÇAMBIQUE Arte e História Iniciativa OSCIP Imagem da Vida Curadoria Dirce Carrion e Nilson Moulin."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google