A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

23 de Outubro 2008 O GOLF COMO ÂNCORA PARA A REQUALIFICAÇÃO DA REGIÃO CENTRO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "23 de Outubro 2008 O GOLF COMO ÂNCORA PARA A REQUALIFICAÇÃO DA REGIÃO CENTRO."— Transcrição da apresentação:

1 23 de Outubro 2008 O GOLF COMO ÂNCORA PARA A REQUALIFICAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

2 2 Índice O Golf na Europa O Projecto Historial e localizações consideradas Situação Actual Valorização Proposta de implementação Estratégia a seguir

3 3 Criação de uma zona do tipo Evian

4 4 Criação de uma zona do tipo Evian (2)

5 5 O Golf na Europa

6 6 Crescimento do mercado do Golfe üNos passados 10 anos o número de jogadores na Europa cresceu uma média de 7% enquanto o número de campos de golfe aumentou uma média de 5% por ano. As estatísticas comparáveis para a Alemanha mostra um aumento anual médio de 11% para golfistas e 8% para campos de golfe. Esta comparação mostra que a procura cresce mais rápido que a oferta.

7 7 O Projecto Promoção da região da Bairrada de um empreendimento âncora de qualidade, incluindo um campo de golfe de 27 buracos e a construção de um Hotel, que permita revitalizar o parque turístico existente, lutar contra a sazonalidade e criar uma marca forte regional.

8 8 Historial üEm 1981 o Senhor Joaquim Paredes Alves, hoteleiro e proprietário do Hotel Eduardo VII em Lisboa entre outros, propôs-me, enquanto Chefe de Gabinete do Ministro das Obras Publicas que se estudasse a possibilidade da construção de um campo de golfe na zona da Mealhada. üContactei com a Sociedade das Águas do Luso e com a Câmara Municipal da Mealhada e iniciámos diligências no sentido de se encontrar uma localização adequada. üLevei ao local o Arqtº Duarte Sottomayor, conhecido projectista de campos de golfe e iniciaram-se os estudos necessários. üEm 1984 efectuou-se uma reunião com as Câmaras da Mealhada e de Anadia, na Comissão da Coordenação da Região do Centro, com a presença do respectivo Presidente, Prof. Manuel Porto, e do Director-Geral do Desenvolvimento Regional, Dr. Madureira Pires. üApenas em 1990, já com a Presidência do Dr. Rui Marqueiro se iniciaram os estudos para o actual local, que se prosseguiram com o actual Presidente, Eng.º Carlos Cabral.

9 9 Historial (2) üApós a discussão publica do primeiro projecto se constatou uma certa resistência ao desenvolvimento do projecto por parte de alguns proprietários dos terrenos, com o receio de que a eventual valorização dos terrenos em causa escapasse totalmente do seu controlo. üNessa altura foi iniciado um processo de construção de uma arquitectura para a realização do empreendimento com os seguintes pressupostos: 1.Os proprietários teriam acesso à valorização expectável dos terrenos pela execução do Plano de Pormenor previsto, quer através de uma participação Societária proporcional ao valor que detinham inicialmente, quer através da alienação da sua parcela em favor de uma Sociedade Promotora, que assegurasse o desenvolvimento do conjunto com a suficiente qualidade, bem como de todas as infrastruturas da parte imobiliária. 2.A Câmara receberia a área necessária para a construção de um campo de golfe de 27 buracos, de que ficaria proprietária, submetendo a financiamento comunitário a sua execução. 3.A exploração do Campo seria feita depois por concessão a Sociedade a constituir preferencialmente através da associação dos hoteleiros interessados.

10 10 Localizações consideradas

11 11 Situação Actual Os terrenos em que se pretende desenvolver o Projecto (Terrenos): Têm uma área correspondente a 125 hectares São prédios rústicos, alguns localizados na reserva agrícola e na reserva ecológica Actualmente têm um valor reduzido São propriedade de aproximadamente 400 pessoas singulares (Proprietários) O Projecto está aprovado na Câmara Municipal, mas aguarda aposição da CCRC

12 12 Plano Geral da Urbanização

13 13 Valorização Sociedade Promotora – Fica proprietária de 60% da área urbanizável Sociedade Fundiária – Fica proprietária de 40 % da área urbanizável

14 14 Proposta de Implementação Esquema Área a lotear (60% dos Terrenos) A Sociedade Promotora pode vir a ser chamada a promover igualmente a construção do Campo de Golfe, no caso de não disponibilidade de financiamento comunitário Municipal (Cenário B) Sociedade PromotoraSociedade Fundiária Proprietários Obrigação de realizar as infra-estruturas Sociedade Imobiliária Câmara Municipal Cede 90 ha dos terrenos Promove a construção do campo de golfe

15 15 Proposta de Implementação (2) A Sociedade Fundiária: Agrupa a totalidade das parcelas na área de intervenção (125 ha) Cede à Câmara Municipal a área correspondente à implantação do Campo de Golfe, terreno de prática de equitação e de cultura biológica experimental e área de expansão (90 ha) contra a aprovação do Plano de Urbanização Cede à Sociedade Promotora a área correspondente à execução das infra- estruturas contra a obrigação da sua execução A Sociedade Promotora: Assume a obrigação de construir as infra-estruturas Recebe a área correspondente (60 % dos lotes de construção) Presta garantias a favor da CMM A Sociedade Imobiliária Promove a comercialização da totalidade do empreendimento através da celebração de um contrato de comercialização entre as sociedades Promotora e Fundiária.

16 16 Cenário A construção do campo de Golfe e outros equipamentos é suportada por financiamento comunitário ao abrigo do QREN A Câmara submete a candidatura do equipamento a financiamento comunitário da totalidade do equipamento, incluindo o custo dos terrenos O projecto é comparticipado em 70%, o que equivale ao valor necessário para a construção, sendo o remanescente correspondente ao valor dos terrenos. É criada uma Sociedade entre os hoteleiros da zona que queiram participar na exploração do campo de golfe com o objectivo de a fazer por concessão da Câmara contra o pagamento de uma renda e a obrigação de manter o campo como estrutura aberta ao fomento da sua prática à população da zona.

17 17 Características do Local O Projecto do Golf do Cruzeiro tem como filosofia o desenvolvimento de uma infra- estrutura de qualidade numa área de inúmeras riquezas, onde existe uma clara oportunidade de investimento pelo facto de ser o primeiro empreendimento de dimensão, garantindo-se uma elevada procura pelas características socioeconómicas e culturais locais. Encontramo-nos num dos mais prestigiadas locais do pais, quer em termos vinícolas, quer em termos gastronómicos, quer pela beleza característica da mata do Buçaco, mata essa que serve de pano de fundo a este empreendimento. Não será demais referir a existência de uma enorme oferta de termas como as do Luso ou Curia serviços cada vez mais procurados em todo o mundo pela crescente necessidade e culto de todos aspectos relacionados com a saúde. Existe também uma infra-estrutura hoteleira que embora consolidada padece da sazonalidade característica, razão pela qual alguns hoteleiros já estão a desenvolver projectos ligados á pratica do Golf mas de pequena dimensão. Existe a excepcional vantagem de estar relativamente perto de campos de elevada qualidade (Ex: Viseu, Leiria, Porto) o que levará a um fluxo constante de visitantes, não existindo a ameaça resultante da concorrência directa desses projectos imobiliários similares, visto existir uma enorme procura na zona por parte de pessoas de elevado poder de compra.

18 18 Proposta de estudo turistíco-hoteleiro

19 19 Estudo de mercado imobiliário

20 20 Caracterização da oferta hoteleira na Região

21 21 Conclusões sobre a viabilidade hoteleira üA região Centro é responsável por cerca de 9,3% do total de dormidas realizadas em Portugal em 2006, registando uma taxa de crescimento médio anual de 6,9% entre 1993 e 2006, bastante acima da média nacional (3,6%); üO Distrito de Coimbra regista uma taxa de crescimento médio anual da procura de alojamento turístico, entre 1996 e 2006, de 3,5%; üCerca de ¾ da procura registada no distrito está concentrada em hotéis, face a 12% de pensões e 9% dos hotéis apartamento; e üA procura de alojamento turístico regista crescimentos superiores à oferta, o que permite indiciar a existência de espaço no mercado para a abertura de novas unidades.

22 22 Golfe do Cruzeiro Acesso à IP3

23 23 Campos de golfe previstos na Zona Centro Há cerca de 8 campos de golfe de 18 buracos ou mais pevistos na área, o que permite criar um destino de golfe. O campo da Mealhada e o de Coimbra serão geridos de forma integrada de forma a cobrir toda a gama de jogadores


Carregar ppt "23 de Outubro 2008 O GOLF COMO ÂNCORA PARA A REQUALIFICAÇÃO DA REGIÃO CENTRO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google