A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MERCOSUL TECNOLOGIA Centro de Desenvolvimento de Dispositivos Eletrônicos ®

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MERCOSUL TECNOLOGIA Centro de Desenvolvimento de Dispositivos Eletrônicos ®"— Transcrição da apresentação:

1 MERCOSUL TECNOLOGIA Centro de Desenvolvimento de Dispositivos Eletrônicos ®

2 2 MANUAL UNIFICADO REVISÃO 05 : SET/2011

3 MÓDULO GPRS FLEX UNIVERSAL 3

4 INFORMAÇÕES LEGAIS 4 Documentação e diagramação: José Adalberto Botezelli Depto. Engenharia e Desenvolvimento Revisão: Arthur Santini Lissa Botezelli Termos e condições de uso. POR FAVOR, LEIA OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CUIDADOSAMENTE. AO USAR ESTE MANUAL, VOCÊ ESTARÁ CONCORDANDO COM ELES. Os termos e condições de uso podem ser alterados sem aviso prévio. Além disso, eles se referem exclusivamente ao uso deste manual e não alteram nenhum outro termo ou condição de qualquer outro acordo que você tenha com a Mercosul Tecnologia LTDA, seja para produtos, sistemas, serviços ou outros negócios. A Mercosul Tecnologia LTDA se esforça para fornecer informações precisas, porém, eventuais descuidos técnicos, factuais e erros de tipografia são possíveis, pelos quais nós nos desculpamos. A Mercosul Tecnologia LTDA reserva o direito de realizar alterações e correções a qualquer momento, sem aviso prévio. Direitos Autorais: Com exceção de links externos, todos os materiais deste manual, incluindo, sem limitações, desenhos, textos, gráficos ou outros arquivos e a seleção e junção destes elementos, têm direitos autorais e pertencem a Mercosul Tecnologia LTDA, TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Você pode copiar eletronicamente e imprimir este manual somente para uso de dados não comerciais, ou uso não comercial da organização onde você trabalha, desde que os materiais não sejam modificados e todos os direitos autorais ou propriedades sejam resguardadas. Qualquer outro uso de materiais disponíveis neste manual - incluindo qualquer uso comercial, reprodução para outros propósitos diferentes dos descritos acima, modificação, distribuição, republicação, exibição ou performance - sem a permissão prévia por escrito pela Mercosul Tecnologia LTDA é estritamente proibido. Hiperlinks. A Mercosul Tecnologia LTDA não se declara e não se responsabiliza pela qualidade, conteúdo, natureza ou segurança do acesso dos hiperlinks disponibilizados neste manual ou pelos hiperlinks para este Web site disponibilizados em outros Web sites. Renúncia. Este manual e os materiais aqui disponibilizados são fornecidos sem qualquer tipo de garantia, implícita ou explícita. A Mercosul Tecnologia LTDA não garante que os materiais disponíveis neste manual sejam exatos, completos, seguros, atuais ou livre de erros. Limitação de Responsabilidade. Em nenhum caso, a Mercosul Tecnologia LTDA será responsável por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, em razão do uso deste manual e dos materiais aqui disponibilizados neste manual, incluindo, sem limitação, prejuízos causados por danos emergentes, lucros cessantes, interrupção de negócios, perda de informações, ainda que a Mercosul Tecnologia LTDA tenha sido avisada da possibilidade de tais prejuízos. © Copyright All rights reserved.

5 ÍNDICE 5 Apresentação do produto Diagrama geral Modos de operação Funcionamento básico Jamming Alert & Bypass Resumo das características operacionais Resumo das características eletrônicas Principais características do modo TCP Principais características do modo TCP Standby Mode Principais características do modo UDP Ciclos Fast Attempts & Economic Attempts Esquema de ligações elétricas Programação local do módulo Programação remota do módulo Comandos SMS Programação via SMS LEDs de Status Receptor IP Perguntas frequentes – FAQ Especificações técnicas

6 APRESENTAÇÃO DO PRODUTO O Módulo GPRS FLEX oferece um meio rápido, seguro e econômico de conectar alarmes monitorados e dispositivos de segurança eletrônica com as centrais de monitoramento, sem depender de linha telefônica ou de infra-estrutura de Internet no local monitorado. 6 A conexão entre o Módulo GPRS FLEX e a central de monitoramento é sem fio, semelhante àquela utilizada em rastreadores de veículos, aparelhos de telemetria, etc.

7 DIAGRAMA GERAL LEDs de status Conector SIM Card Conector para antena externa Antena interna Conectores principais Conector de programação e diagnóstico Proteção contra transientes de energia 7 Sensor de corte de linha telefônica

8 MODOS DE OPERAÇÃO FLEX porque é flexível no modo de se conectar com a central de monitoramento. Como resultado temos economia no tráfego de dados, comunicação rápida e a possibilidade única de se instalar uma quantidade ilimitada de módulos GPRS, mesmo em locais onde a torre de telefonia celular (adjacentes aos módulos) esteja saturada, com excesso de conexões. O Módulo GPRS FLEX permite escolher três modos diferentes de operação: TCP TCP Standby Mode UDP 8 Por que FLEX? EMPRESAS QUE DESENVOLVEM PROGRAMAS DE MONITORAMENTO DE ALARMES: CASO HAJA INTERESSE EM INTEGRAR O PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO DO MÓDULO GPRS FLEX, ENTRE EM CONTATO CONOSCO E FORNECEREMOS TODAS AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS.

9 FUNCIONAMENTO BÁSICO Em operação normal, ou seja, quando o Módulo GPRS FLEX está devidamente programado e conectado com a central de monitoramento, a transmissão dos eventos do painel de alarmes segue pela via sem fio, que além de não ocupar a linha telefônica do cliente, não está sujeita ao corte pela ação de bandidos. Se ocorrer algum problema com a conexão sem fio, a linha telefônica, se disponível no local, poderá ser utilizada como via de comunicação secundária. O redirecionamento do painel de alarmes para a linha telefônica é realizado automaticamente pelo Módulo GPRS FLEX. A conexão sem fio entre o Módulo GPRS FLEX e a central de monitoramento obedece a protocolos que garantem o máximo de segurança. Diferente da linha telefônica, cujo teste periódico de supervisão ocorre, na maioria das vezes a cada 24 horas, o Módulo GPRS FLEX pode realizá-lo minuto a minuto, independente do local onde esteja instalado. A utilização desta tecnologia GPRS traz enormes vantagens para as centrais de monitoramento e seus clientes, permitindo monitorar com mais segurança qualquer lugar do planeta, sem o custo de ligações telefônicas e sem o limite de distância existente em outras tecnologias. Como a comunicação é bidirecional, toda transmissão de dados é supervisionada constantemente com a confirmação de entrega dos dados. 9

10 A tecnologia JAMMING ALERT & BYPASS permite JAMMING ALERT & BYPASS detectar a presença de distúrbios causados por dispositivos bloqueadores de celular, 10 alertar o usuário local e a central remota de monitoramento de alarmes sobre esta presença.

11 O que são JAMMERS? JAMMER Jammers são interferidores ativos que emitem grande quantidade de ondas eletromagnéticas cuja função é desorientar e confundir equipamentos eletrônicos. Possuem diferentes modos de operação, incluindo sons (irradiam a emissão numa vasta área, enchendo o céu de falsos sinais), pulsos de rádio frequência, ondas-contínuas (interrompem o sinal), transponders (alteram a reflexão de radar enviando de volta pulsos em tempos menores e com amplitudes maiores que a original) e repetidores (fornecem direção e altitudes irreais enviando de volta reflexões inversas). 11

12 Um bloqueador de celular paralisa totalmente um dispositivo GSM/GPRS deixando inoperante qualquer aparelho nas bandas: SEGURANÇA ELETRÔNICA 900 Mhz 1800 Mhz 850 Mhz 1900 Mhz Cell Phone Jammer 12

13 Apesar de proibido em vários países, a oferta de bloqueadores celular é muito grande e é cada vez mais comum o seu uso para a prática do crime. SEGURANÇA ELETRÔNICA Modelos portáteis ou mais potentes podem ser facilmente comprados pela internet. 13

14 SEGURANÇA ELETRÔNICA O Módulo GPRS FLEX possui tecnologia inovadora capaz de alertar sobre a presença de aparelhos bloqueadores de celular e manobrar o sistema de segurança eletrônica para a via de comunicação secundária. 14 COMUNICAÇÃO SEGURA

15 JAMMING ALERT & BYPASS (PAT.REQ.) FUNCIONAMENTO PASSO A PASSO 1- Bloqueador celular é ligado. 2- A comunicação sem fio do módulo e celulares próximos é desativada. 3- O Módulo GPRS FLEX identifica a presença do bloqueador celular. O LED BLOCK acende. 4- O painel de alarmes é transferido para a linha telefônica, para que seja utilizada como segunda via de comunicação. Caso o invasor pense em cortar a linha telefônica antes de ligar o bloqueador, o Módulo GPRS FLEX possui sensor que irá reportar imediatamente o corte da linha para a central de monitoramento. 5- O setor do painel de alarmes é aberto pela saída BLOCK, gerando o disparo da sirene no local. A central de monitoramento recebe a informação pela linha telefônica. 6- O evento é memorizado e transmitido também via GPRS para a central de monitoramento, tão logo o bloqueador se afaste. PAINEL DE ALARMES 15

16 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS Opera em três modos diferentes: TCP, TCP Standby Mode e UDP; Tecnologia JAMMING ALERT & BYPASS (PAT.REQ.) que alerta quando um bloqueador celular está próximo do módulo e manobra o painel de alarmes para a segunda via de comunicação; Aceita comandos por SMS (torpedo); SMS não depende da conexão GPRS com a central de monitoramento; Permite programação inicial sem cabo, através de uma mensagem SMS; Geração de evento por ligação telefônica gratuita para o número do módulo GPRS FLEX; Algoritmo de abertura de conexão inteligente que agiliza a conexão e economiza o consumo de dados; Estímulo de comunicação de alarme por PGM; Reporta valores estatísticos do nível de sinal do módulo, não apenas do momento da conexão, mas de todo tempo que o módulo esteve ligado; Callback IP estendido que permite reprogramar o módulo de qualquer lugar que tenha internet; Software programador do módulo GPRS FLEX com função completa de diagnóstico. 16

17 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS ELETRÔNICAS Uma entrada que funciona como setor interno programável (S1- Buffer de 64 eventos); Uma saída que pode ser acionada pela central de monitoramento ou pelo próprio cliente, através de mensagem SMS (PGM1 - Open-Colector); Saída BLOCK - Alerta sobre bloqueador celular nas proximidades do módulo; Sensor de corte de linha telefônica; Watchdog (cão de guarda) - Gera automaticamente um reset no módulo caso a CPU pare de responder; Cold start boot (boot à frio) - Se necessário, a energia do módulo GSM é desligada e o módulo é completamente reiniciado; Módulo GSM quadband - Opera automaticamente em qualquer país; Antena interna incorporada à placa e opção para antena externa com ganho; Equipado com centelhador a gás e proteção eficiente contra variações de energia elétrica. 17

18 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO MODO TCP O endereço IP fornecido pela operadora permanece em uso pelo módulo GPRS durante todo o tempo que estiver conectado; A conexão com a central de monitoramento fica aberta durante todo o tempo. Quando ocorre queda de conexão, a reabertura de conexão é responsável por uma parcela alta no consumo de dados; Desde que o módulo esteja operando normalmente (conectado), a central de monitoramento poderá acessá-lo a qualquer momento para solicitar um comando, por exemplo PGM; O módulo GPRS obrigatoriamente necessita enviar o caractere keepalive em período de tempo não muito longo, para garantir que a conexão se mantenha aberta. Frequentemente as operadoras desconectam os módulos GPRS que não estão usando o canal de comunicação; Para a aplicação, o caractere Keepalive possui também a função de supervisionar o meio de comunicação; Caso a torre de telefonia celular esteja saturada, com excesso de conexões próximas ao módulo GPRS, ocorrem quedas e reconexões frequentes de comunicação; Uma eventual interrupção da internet na central de monitoramento, mesmo que seja rápida, gera a queda de comunicação de todos os módulos GPRS e a necessidade de reconexão. 18

19 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO MODO TCP Standby Mode Somente utiliza o endereço IP da operadora e abre a conexão com a central de monitoramento quando precisa enviar alguma informação (semelhante às máquinas de cartão de crédito sem fio); Para que a central de monitoramento possa acessar algum comando no módulo GPRS, por exemplo PGM, a central precisa chamar a conexão do módulo. Isso pode ser feito através de uma ligação telefônica gratuita ou por uma mensagem SMS para o número do chip instalado no módulo GPRS; O keepalive não é usado para manter a conexão ativa ou testar o meio de comunicação.; O teste de comunicação é realizado pelo evento de teste periódico do próprio painel de alarmes; Assim que é gerado qualquer evento, o módulo GPRS deixa o modo standby e conecta-se com a central de monitoramento para transmitir o evento rapidamente; O consumo de energia do módulo, assim como os recursos da operadora e da central de monitoramento são bem menores; Eventual interrupção da internet na central de monitoramento, não causa a queda de comunicação dos módulos GPRS em standby mode; Quando o módulo GPRS entra em standby, o painel de alarmes é transferido para a linha telefônica, para que o painel de alarmes possa receber chamada telefônica de download. Se o painel de alarmes atender a ligação, o módulo GPRS abre a conexão com a central de monitoramento, que deverá confirmar o comando de download para o módulo GPRS. Ao receber o comando, o módulo GPRS então manterá o painel de alarmes conectado a linha telefônica por um período de 8 minutos, permitindo sua programação pela linha telefônica. 19

20 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO MODO UDP O endereço IP fornecido pela operadora permanece em uso pelo módulo GPRS durante todo o tempo; Desde que o módulo esteja operando normalmente, a central de monitoramento poderá acessá-lo a qualquer momento para solicitar um comando, por exemplo: PGM; O módulo GPRS envia ou recebe as informações para a central de monitoramento sem a necessidade de criar uma conexão (connectionless). O consumo de recursos da operadora é bastante reduzido, assim como o consumo de dados referente às reconexões; Todas as informações enviadas também aguardam a confirmação de entrega, com a vantagem de que a troca dessas informações ocorre apenas em duas etapas (apenas pela aplicação). Em TCP a troca de informações ocorre em quatro etapas devido à confirmação de entrega do próprio protocolo TCP, o qual é muito mais complexo; Consumo do tráfego de dados mais baixo em relação ao TCP; Velocidade na transmissão dos dados sensivelmente mais rápida; O caractere keepalive é usado apenas para supervisionar periodicamente o meio de comunicação; Eventual interrupção e restabelecimento da internet na central de monitoramento não causa a queda de comunicação do módulo GPRS e a necessidade de reconexão (desde que o keepalive tenha sido entregue). 20

21 CICLOS FAST ATTEMPTS & ECONOMIC ATTEMPTS Todo meio de comunicação está sujeito a interferências que prejudicam a comunicação. Com a comunicação dos módulos GPRS não é diferente e, em algum momento, a perda da conexão pode acontecer por diversos motivos. Por exemplo: queda de internet, problemas técnicos na infra-estrutura de telefonia móvel ou na central de monitoramento, etc. Cada tipo de problema resulta em um período de tempo diferente para o restabelecimento da comunicação. Diante deste fato, tratar todos os problemas de comunicação da mesma forma pode resultar em desperdício no volume do tráfego de dados e no tempo de retomada da conexão. O MÓDULO GPRS FLEX considera esse fato e trabalha com um algoritmo de abertura de conexão inteligente, que agiliza a conexão e economiza o consumo de dados. 21

22 CICLOS FAST ATTEMPTS & ECONOMIC ATTEMPTS 22 ATENÇÃO: Consulte a seção ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS ESTIMULAR ALARME POR PGM1 para conhecer este recurso relacionado.

23 CICLOS FAST ATTEMPTS & ECONOMIC ATTEMPTS 23

24 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS ALIMENTAÇÃO E PROTEÇÃO ELÉTRICA. Conectar o aterramento elétrico em EARTH. Conectar o negativo da bateria de 12V em –BAT e o positivo em +BAT. Finalidades básicas do aterramento: Proteger os usuários contra descargas elétricas; Proteger o equipamento em si; Proteger a rede de alimentação contra qualquer tipo de vazamento de corrente. 24

25 Conectar o telefone do usuário em EXT e EXT. PAINEL DE ALARMES, LINHA TELEFÔNICA E EXTENSÃO DO CLIENTE. Conectar a linha telefônica da concessionária em LINE e LINE. Conectar a entrada de linha telefônica do painel de alarmes em ALARM e ALARM. Caso não exista linha telefônica de back-up, conectar somente o painel de alarmes em ALARM. ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS 25

26 ENTRADA PROGRAMÁVEL S1 COM BOTOEIRAS NA OU NF Conectar os contatos da botoeira entre S1 e –BAT (GND) Se a botoeira for do tipo NF, ao pressionar o botão o contato entre S1 e -BAT é aberto. Será gerado um evento (E) ou restauração (R), conforme a programação do módulo GPRS Flex. O número do evento, setor e o tempo de atraso para gerar o evento também são programáveis. Caso a botoeira seja do tipo NA, basta alterar a programação do módulo GPRS Flex para que o qualificador do evento (E) ou (R) esteja de acordo com o desejado. 26 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS

27 ENTRADA PROGRAMÁVEL S1 COM SENSORES Conectar os contatos do sensor entre S1 e –BAT (GND) Ao afastar o ímã do sensor magnético, o contato entre S1 e -BAT é aberto. Será gerado um evento (E) ou restauração (R), conforme a programação do módulo GPRS Flex. O número do evento, setor e o tempo de atraso para gerar o evento também são programáveis. Demais sensores como : infra-vermelhos passivos ou ativos, sem fio, fumaça, temperatura, nível de líquidos, controles remotos, etc., também podem ser empregados seguindo o mesmo conceito. ímã 27 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS

28 ENTRADA PROGRAMÁVEL S1 COM SIRENES Conectar o pólo positivo da sirene de 12V em S1. Colocar um resistor de 1K entre S1 e –BAT. Com a sirene desligada, S1 estará em nível baixo devido ao resistor de 1K. Ao disparar a sirene, S1 irá para nível alto. Será gerado um evento (E) ou restauração (R), conforme a programação do módulo. O número do evento, setor e o tempo de atraso para gerar o evento também são programáveis. 28 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS S1 aberto (ou acima de 3V) -> Nível lógico alto. S1 aterrado -> Nível lógico baixo. RESISTOR 1K (MARROM, PRETO, VERMELHO)

29 ENTRADA PROGRAMÁVEL S1 COM MÚLTIPLOS ACIONAMENTOS DIODO 1N4007 OU EQUIVALENTE Com a sirene desligada e os interruptores abertos, S1 estará em nível baixo devido ao resistor de 1K. Ao disparar a sirene ou pressionar algum botão, S1 irá para nível alto. Será gerado um evento (E) ou restauração (R), conforme a programação do módulo. O número do evento, setor e o tempo de atraso para gerar o evento também são programáveis. A função do diodo é bloquear a corrente elétrica no terminal da sirene quando algum botão é pressionado. 29 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS RESISTOR 1K (MARROM, PRETO, VERMELHO) BOTÃO N.A. POSITIVO DA SIRENE DE 12V BOTÃO N.A.

30 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS SAÍDA PGM1 COM RELÊ Conectar um lado da bobina do relê em 12V e o outro lado no PGM1. O relê poderá ser acionado remotamente pela central de monitoramento ou pelo próprio usuário, através de uma mensagem SMS; É possível controlar contatores, motores elétricos, refletores, portões, lâmpadas, etc. ATENÇÃO: NÃO ADICIONAR DIODO DE PROTEÇÃO, POIS JÁ EXISTE ESTE DIODO NO MÓDULO GPRS FLEX. 30

31 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS ESTIMULAR ALARME POR PGM1 SAÍDA PGM1 COM RELÊ PARA ESTIMULAR A COMUNICAÇÃO DO ALARME Em todo painel de alarmes há um limite de tentativas para descarregar os eventos durante sua comunicação. Atingido este limite, o alarme mantém os eventos em sua memória e interrompe as tentativas até que seja gerado qualquer outro evento (Estrutura FIFO - Primeiro a entrar, primeiro a sair). Estimular a comunicação do alarme por PGM1: Quando programado, este recurso evita que qualquer evento permaneça por muito tempo na memória do alarme em caso de restauração da comunicação GPRS, após um longo período desconectado. Atua somente quando não há linha telefônica como segunda via de comunicação. Funcionamento: O módulo GPRS Flex identifica se há algum evento pendente na memória do alarme e estimula a descarga do evento imediatamente após a restauração da comunicação (Modo TCP ou UDP). Quando o módulo opera em TCP Standby mode, ao ser identificado um evento pendente, o estímulo ocorre a cada 15 minutos, forçando a reabertura da conexão, mesmo que o módulo GPRS Flex tenha entrado no ciclo econômico (Consulte a seção: Ciclos Fast Attempts & Economic Attempts). 31 Conecte um setor do painel de alarmes nos contatos NF do relê. Se necessário, utilize resistores de terminação normalmente. Programe o setor como silencioso e não habilitado para anulação automática. Se possível, altere seu código Contact-ID para 608 e cadastre-o na central de monitoramento como EVENTO DE AUTO TESTE POR GPRS. ATENÇÃO: ESTE RECURSO É RECOMENDADO AOS LOCAIS ONDE NÃO HÁ LINHA TELEFÔNICA COMO SEGUNDA VIA DE COMUNICAÇÃO.

32 ESQUEMA DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS SAÍDA BLOCK - ALERTA DE BLOQUEADOR CELULAR Conectar um setor do painel de alarmes, configurado como setor 24 horas, em BLOCK. A saída BLOCK se comporta como um terra (comum do painel de alarmes). Se o módulo GPRS FLEX detectar a presença de um bloqueador celular, a saída BLOCK desliga o aterramento e abre o setor do painel de alarmes para gerar disparo da sirene no local. 32

33 PROGRAMAÇÃO LOCAL DO MÓDULO 33 A programação local é realizada através do cabo de programação, que pode ser adquirido em dois modelos: Cabo serial ou cabo USB. O cabo deve ser conectado entre o conector CN1 do módulo GPRS FLEX e o computador. Se o cabo disponível para programação for do tipo serial e o computador possuir apenas conexão USB, utilizar um Conversor Serial-USB similar ao da figura abaixo, para que o cabo serial possa ser conectado ao computador. Conector USB, utilizar cabo USB ou cabo serial com conversor Serial-USB. Conector serial, utilizar cabo serial. Conversor Serial-USB.

34 PROGRAMAÇÃO LOCAL DO MÓDULO 34 COMPORTAMENTO DO MÓDULO GPRS FLEX AO SER LIGADO Se o módulo não está programado, o LED2 (CX) se mantém piscando até a conexão do cabo de programação. Após conectado o cabo, o LED2(CX) apaga e o módulo aguarda a ação do programador (leitura, gravação, diagnóstico). Se o módulo está programado e o cabo de programação está conectado, o módulo espera até quatro minutos a ação do programador (leitura, gravação, diagnóstico). Após quatro minutos o módulo prossegue com a sequência de conexão com a central de monitoramento. É possível interromper o tempo de espera da programação se o módulo GPRS for colocado no modo diagnóstico. Se o módulo está programado e o cabo de programação NÂO está conectado, o módulo inicializa e prossegue com a sequência de conexão com a central de monitoramento. Para reprogramar o módulo é necessário ligá-lo novamente com o cabo já conectado.

35 PROGRAMAÇÃO LOCAL DO MÓDULO 35 SEQUÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO LOCAL DO MÓDULO GPRS FLEX 1.Execute o software Programador GPRS (link para download: ); 2.Digite os parâmetros necessários para que o módulo GPRS possa se conectar com a central de monitoramento. Os parâmetros básicos são: número da conta do cliente, endereço IP e porta com o qual o módulo deverá se conectar e os dados do chip em uso (APN, login, senha); 3.Vá até a aba Programação e selecione a porta serial correta, ou seja, a porta que corresponde ao cabo de programação do módulo GPRS. Mesmo que o cabo seja do tipo USB ou se utilize conversor Serial-USB, uma porta serial correta deve ser selecionada. Em caso de dúvidas, clique no botão Diagnóstico e mantenha a janela de diagnóstico aberta. Desta forma, ao ligar o módulo GPRS, se a porta serial estiver correta será possível visualizar a inicialização do módulo; 4.Conecte o cabo de programação no módulo GPRS e no computador; 5.Ligue o módulo GPRS. Se a janela de diagnóstico estiver aberta, observe as informações de inicialização do módulo; 6.Na área Programação Local, clique no botão Gravar para enviar os dados do programador ao módulo GPRS. Uma mensagem de gravação bem sucedida deve aparecer após o procedimento. Clique em OK; Se deseja continuar com o cabo conectado e acompanhar a sequência de conexão do módulo GPRS com a central de monitoramento, vá até a janela de diagnóstico e clique no botão de comando //GO. Este comando inicializa imediatamente o processo de conexão com a central de monitoramento, mesmo que o cabo de programação esteja conectado ou esteja em modo diagnóstico. O SOFTWARE PROGRAMADOR GPRS POSSUI INFORMAÇÕES DE AJUDA DETALHADAS SOBRE TODAS AS OPÇÕES DE PROGRAMAÇÃO.

36 PROGRAMAÇÃO REMOTA DO MÓDULO 36 SEQUÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO REMOTA DO MÓDULO GPRS FLEX A programação remota do módulo GPRS FLEX é feita pelo envido do comando Callback IP para o módulo. Este comando pode ser enviado tanto pelo programa Recepto IP da central de monitoramento, como através de uma mensagem SMS - Veja Comandos SMS. Existem dois tipos de comandos: Callback IP e Callback IP Estendido. O comando Callback IP não informa o endereço IP e a porta que o módulo GPRS deve usar para se conectar ao software programador. O módulo GPRS assume que deve usar o mesmo endereço IP da central de monitoramento (principal ou backup) e a porta que foi configurada como porta de programação remota, durante sua programação. No comando Callback IP Estendido é informado também o endereço IP e a porta que o módulo GPRS deve usar para se conectar ao programador, possibilitando que o módulo seja reprogramado de qualquer outro local. Por segurança, para executar este comando é necessário informar também a senha de programação remota de oito dígitos alfanuméricos, que deve conferir com a senha armazenada no próprio módulo GPRS. Ao receber o comando com a senha correta, o módulo GPRS abre a conexão com o software programador, usando os parâmetros informados. Quando o software programador recebe a conexão do módulo GPRS, para que o usuário possa fazer a leitura ou gravação dos parâmetros, será necessário informar novamente a senha de programação remota. Todos os parâmetros do módulo GPRS podem ser alterados remotamente da mesma forma que na programação local; Todas as informações sobre os parâmetros do módulo GPRS estão detalhadas no próprio software programador; Para maior segurança, a senha de programação remota sempre circula pela rede de internet de forma criptografada.

37 COMANDOS SMS Para agilizar a escrita de mensagens de texto SMS, os comandos são reduzidos e muito simples de usar. 37 Todo comando SMS enviado ao módulo GPRS deve começar com o caractere PONTO, seguido da SENHA SMS de 4 dígitos alfanuméricos, UM ESPAÇO e o COMANDO desejado.. SENHA COMANDO Com exceção do comando de Callback IP, não é necessário se preocupar com maiúsculos e minúsculos. A senha é definida na programação do Módulo GPRS FLEX

38 COMANDOS SMS COMANDOS SUPORTADOS Solicitar o status do Módulo GPRS FLEX: ? Ligar PGM1: P1 Desligar PGM1: P0 Ligar e desligar o PGM1 (Pulso de três segundos): PP Enviar um evento Pânico (E120, Setor 98) para a central de monitoramento: SOS Limpar os dados estatísticos do módulo (sinal mínimo, máximo, etc.): CE Solicitar conexão na central de monitoramento, caso esteja em Standby: ! Comando Callback IP:.SENHA CB IP Porta Senha de programação remota 38

39 COMANDOS SMS EXEMPLOS Supondo que a senha seja: A1B2 Para solicitar o status do módulo:.A1B2 ? Para ligar o PGM1:.A1B2 P1 Para desligar o PGM1:.A1B2 P0 Exemplo do mesmo comando anterior em conjunto com a solicitação de status:.A1B2 P0? Para ligar e desligar o PGM1 (Pulso de três segundos):.A1B2 PP Exemplo do mesmo comando anterior em conjunto com a solicitação de status:.A1B2 PP? 39 DICA: O comando ? pode ser usado em conjunto com os demais comandos para que o módulo também retorne seu status ao telefone que originou a mensagem. Deve ser inserido no final da linha, mais à direta. O status traz várias informações úteis como: nível de sinal atual, menor e maior nível de sinal obtido, estado da linha telefônica, estado da entrada S1, saída PGM1, versão do produto, versão do módulo GSM, conexão On-line ou Off- line, etc. Lembre-se: quando é solicitado status, o módulo GPRS também precisa enviar uma mensagem de texto SMS que estará sujeita à cobranças.

40 COMANDOS SMS EXEMPLOS (continuação...) Para enviar o evento Pânico (E120, Setor 98) para a central de monitoramento:.A1B2 SOS Para limpar os dados estatísticos do módulo (sinal mínimo, máximo, etc.):.A1B2 CE Para solicitar a reconexão do módulo na central de monitoramento (caso esteja em Standby): ! 40 DICA: O comando ! pode ser enviado sem a necessidade da senha, porém desta forma não é permitido o comando em conjunto ?, que poderia gerar custos sem autorização. Para enviar o comando ! em conjunto com ? é necessário usar a senha. Exemplo:.A1B2 !?

41 COMANDOS SMS EXEMPLOS (continuação...) Considerando que a senha de programação remota do módulo seja abcdefgh Para solicitar o comando Callback IP, ou seja, solicitar que o módulo se conecte ao programador remoto que está no IP: , porta 9877:.A1B2 CB abcdefgh ATENÇÃO: O IP deve ser fornecido no formato numérico, com 15 dígitos e pontuação correta. Exemplo: nnn.nnn.nnn.nnn A Porta deve sempre conter 4 dígitos numéricos. A Senha de programação remota deve ser de 8 dígitos alfanuméricos e diferencia maiúscula e minúscula. Deve ser idêntica ao que foi programado no módulo. 41 Ao receber o comando, o módulo abrirá a conexão com o programador remoto, que deve estar aguardando a conexão no IP e porta informada.

42 COMANDOS SMS Com exceção do comando de status, todo comando SMS aceito, gera o evento interno E468, setor 98, que é enviado para a central de monitoramento. Este evento pode ser cadastrado na central de monitoramento como: Acesso via SMS com sucesso; A programação do módulo GPRS FLEX com a senha SMS: 0000 desabilita o uso do SMS. 42

43 PROGRAMAÇÃO VIA SMS 43 PROGRAMAÇÃO INICIAL VIA SMS (SEM CABO) A programação dos principais parâmetros poderá ser feita via SMS, de forma que o módulo entre em operação com a central de monitoramento, mesmo que você não tenha em mãos o cabo de programação ou um computador disponível. A programação deve ser feita da seguinte forma: 1. Desligue a alimentação do módulo GPRS; 2. Insira um SIM Card no módulo GPRS capaz de receber mensagens SMS; 3. Coloque um fio (jumper) entre a entrada S1 e a saída PGM1. Atenção: não interligue com nenhum outro ponto, somente S1 e PGM1; 4. Alimente o módulo GPRS, espere aproximadamente 3 segundos e retire o jumper em menos de 10 segundos. Este procedimento indicará ao módulo GPRS que se deseja realizar a programação via SMS e irá colocá-lo em operação mesmo que não esteja programado; 5. Aguarde a inicialização do módulo GSM (LED verde piscando rapidamente); 6. Aguarde até que o LED verde pisque lentamente. Isto indica que o módulo GSM se registrou na rede de telefonia móvel e está pronto para receber a mensagem de programação;

44 PROGRAMAÇÃO VIA SMS Envie uma mensagem de texto para o módulo GPRS FLEX, exatamente na ordem abaixo. Cada um dos oito parâmetros deve ser separado por uma vírgula e não deve conter espaço; CONTA,IP PRINCIPAL,PORTA,APN,LOGIN,SENHA,PIN,MODO DE OPERAR Exemplo: 0123, ,9876,zap.vivo.com.br,vivo,vivo,8486,0 ATENÇÃO: O endereço IP na forma de URL (exemplo: empresa.com.br) deve ser digitado em minúsculo, bem como a APN e senha do SIM Card. Cuidado ao digitar o caractere ponto. referente aos campos IP e APN e o caractere vírgula, que separa os campos. 8. Se a mensagem de programação for enviada corretamente, assim que o módulo recebê-la, o LED vermelho e o LED Verde se apagarão e o módulo GPRS será reiniciado. 9. Após alguns segundos o LED Verde voltará a piscar. Se os parâmetros estiverem corretos, o módulo deverá se conectar com a central de monitoramento. CAMPOTAMANHOOBSERVAÇÃO CONTA4Exemplo: 0123 IP PRINCIPALMÁXIMO 40Exemplo: ou empresa.com.br PORTA4Exemplo: 9876 APNMÁXIMO 30Exemplo: zap.vivo.com.br LOGINMÁXIMO 16Exemplo: vivo SENHA DO SIM CARDMÁXIMO 16Exemplo: vivo PIN4Exemplo: 8486 MODO DE OPERAR10 = TCP, 1=TCP Standby mode ou 2=UDP

45 PROGRAMAÇÃO VIA SMS 45 Os demais parâmetros como IP Backup, tempo de keepalive, eventos internos, etc., poderão ser alterados remotamente pela central de monitoramento. Padrão dos principais parâmetros após a programação via SMS sem cabo: Tempo de Keepalive: 3 minutos Senha de programação remota: abcdefgh Senha SMS: A1B2 Evento da entrada S1: E140, setor 99, atraso igual a zero. IP Backup: Vazio. Na programação com ou sem cabo, se os campos IP Principal e Porta Principal forem deixados vazios, o módulo funcionará apenas como um controle remoto SMS. A conexão GPRS com a central de monitoramento não será aberta. Exemplo: 0000,,,zap.vivo.com.br,vivo,vivo,8486,0

46 LEDs DE STATUS 46 O Módulo GPRS possui três LEDs de status que fornecem de forma objetiva e fácil de memorizar, todas as informações sobre o seu funcionamento. COMPORTAMENTO DURANTE UMA SITUAÇÃO NORMAL Ao ligar o Módulo GPRS devidamente programado, sem o cabo de programação e com o chip, o LED2 vermelho (CX) pisca uma vez, imediatamente ao ser energizado; Após 6 segundos, o LED1 verde (GSM) deve acender e começar a piscar rapidamente (a cada meio segundo), indicando que o módulo GSM foi ligado e está na fase de registro e enlace com a operadora de telefonia móvel; Concluída esta fase com sucesso, o LED passa a piscar mais lentamente (a cada 2,7 segundos); Aproximadamente 30 segundos depois, o LED2 vermelho (CX) deverá permanecer aceso, sinalizando que a conexão com a central de monitoramento foi estabelecida. Após a conexão, pulsos rápidos deste LED sinaliza a troca de dados entre o módulo GPRS e a central de monitoramento ou entre o módulo GPRS e o painel de alarmes. A tabela detalhada de status encontra-se na página seguinte. Recomenda-se que os técnicos em campo a tenham em mãos.

47 47 LED1 (GSM)SIGNIFICADOAÇÃOOBSERVAÇÃO ApagadoMódulo GSM desligado. Piscando rapidamente ( 0,5s ON - 0,5s OFF) Procurando rede GSM. Módulo não registrado. Caso o módulo tenha nível de sinal suficiente, mas não consiga se registrar na rede, entre em contato com a operadora do SIM Card e verifique o cadastro do chip, sua ativação ou algum outro problema relacionado ao fornecimento do Serviço GSM. Erro no SIM Card também impede o registro do módulo na rede GSM. Piscando lentamente ( 0,3s ON - 2,7s OFF) OK, registrado na rede GSM. Permanentemente Aceso Recebendo uma ligação telefônica. Quando o módulo recebe uma ligação telefônica, mesmo sem atendê-la, o módulo gera e envia um evento para a central de monitoramento, que corresponde ao evento RING, configurado pelo programador do módulo GPRS. Desta forma, com uma ligação telefônica o usuário poderá enviar um evento de onde estiver. Por exemplo, "Emergência médica. Se o módulo estiver operando em Standby mode e a conexão estiver fechada, o evento RING fará com que o módulo reabra a conexão com a central de monitoramento. TABELA DE STATUS – LED1 VERDE (GSM)

48 TABELA DE STATUS – LED2 VERMELHO (CX) 48 LED2 (CX)SIGNIFICADOAÇÃOOBSERVAÇÃO Piscando rapidamente (sem o cabo de programação) Módulo não programado. Conecte o módulo ao software programador e execute o procedimento de programação local. Piscando lentamente Módulo GPRS entrou em Standby mode. 1 Pulso a cada 5sErro na leitura do SIM Card. Verifique se o SIM Card está inserido corretamente ou se o número PIN configurado está correto. Em caso de dúvida, insira o SIM Card em um celular comum e verifique se está bloqueado ou solicitando a senha PUK. 2 Pulsos a cada 5s Nível de sinal muito baixo. (abaixo de 38% na escala do Receptor IP ou abaixo de 12, na escala de 0 a 31 do comando AT+CSQ). Recomenda-se um local melhor para instalação ou o uso de antena externa com ganho. Se estiver conectado, o nível exato e atualizado pode ser obtido remotamente pelo Receptor IP. Para ler o nível de sinal exato usando o diagnóstico local: 1) Abra o programador e clique em Diagnóstico. 2) Conecte o cabo de programação e alimente o aparelho. 3) Clique em Modo Diag. 4) Clique em Liga GSM e aguarde. 5) Clique em Comando GSM: AT+CSQ, Resposta: +CSQ: 19,0 OK. Neste exemplo, o nível do sinal é de 19 (escala de 0 à 31). 3 Pulsos a cada 5s Aguardando "enlace" com a rede GPRS da operadora. ATTACH=0 Caso seja permanente, entre em contato com o fornecedor do SIM Card e verifique o cadastro do chip, sua ativação ou algum outro problema relacionado com o fornecimento do Serviço GPRS. 4 Pulsos a cada 5s Aguardando endereço IP da rede GPRS. GPRS=0 Caso seja permanente, verifique se a APN, login e senha estão corretamente cadastrados no equipamento ou se há disponibilidade do serviço GPRS na região.

49 TABELA DE STATUS – LED2 VERMELHO (CX) - CONTINUAÇÃO 49 LED2 (CX)SIGNIFICADOAÇÃOOBSERVAÇÃO 5 Pulsos a cada 5s Aguardando abertura da conexão com a central de monitoramento. Caso seja permanente, verifique se a central de monitoramento está operando normalmente com a Internet e se o Receptor IP está aguardando conexão na porta correta. Instabilidades no serviço GPRS da operadora também poderão impedir a conexão entre o módulo e a central de monitoramento. Alguns programas anti-vírus ou firewall podem bloquear o acesso ao Receptor IP. 6 Pulsos a cada 5s Comunicação com a central de monitoramento não autorizada. Solicite, na central de monitoramento, a liberação ou o desbloqueio da conta do módulo. ATENÇÃO: se o módulo estiver operando em UDP, certifique se a APN usada consegue transmitir e "RECEBER" dados pelo protocolo UDP. Em caso de dúvidas, consulte a operadora do SIM Card. Se ocorrer algum problema de comunicação justamente nesta fase de autorização, o módulo apresentará o status não autorizado, por não conseguir receber a autorização da central de monitoramento. Permanentemente Aceso OK, conectado com a central de monitoramento ou ao programador remoto. Apaga rapidamente e volta a acender Atividade na recepção dos dígitos DTMF gerados pelo painel de alarme. No final da transmissão de um evento, o LED apaga e acende por um tempo maior, indicando que o evento foi entregue corretamente na central de monitoramento. Também ocorre quando: é gerado um evento interno, na transmissão do keepalive e na recepção de qualquer dado via GPRS. Pela tela de diagnóstico do software programador é possível visualizar todas as informações detalhadamente. (IP do módulo, tempo de resposta dos dados, eventos, etc.) Mesmo desconectado da central de monitoramento, pelo diagnóstico (Teste C-ID, Teste Contact-ID) é possível exercitar a comunicação local entre o painel de alarmes e o módulo GPRS.

50 TABELA DE STATUS – LED3 VERMELHO (BLOCK) 50 LED3 (BLOCK)SIGNIFICADOAÇÃOOBSERVAÇÃO Aceso Indica a presença de bloqueador celular nas proximidades do módulo GPRS. A saída "BLOCK deve ser ligada a um setor 24 horas do painel de alarmes, para que possa alertar a presença deste tipo de dispositivo. Inspecione o local próximo ao módulo a fim de encontrar e desativar o bloqueador de celular. Caso haja linha telefônica disponível como segunda via de comunicação, o painel de alarme será transferido para ela, para que a central de monitoramento seja notificada e continue recebendo os eventos normalmente pela segunda via. Imediatamente após cessar o bloqueio da via principal GPRS, o módulo também irá avisar a central de monitoramento, por meio de um evento interno.

51 RECEPTOR IP No link /, encontra-se disponível um Receptor IP capaz de explorar todos os recursos do MÓDULO GPRS FLEX. Trata-se de um software gratuito, estável e de qualidade inquestionável. / PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Desenvolvido em C# e com tecnologia 100% multithread; Banco de dados SQL Server, compatível com SQL Server Express Edition; Fácil de operar; Vários tipos de filtragens de informações; Adaptado para a maioria dos produtos do mercado (opção de comando manual); Trabalha em qualquer modo: TCP, TCP Standby Mode ou UDP; Log de nível de sinal. Permite filtragem por clientes, nível abaixo de um valor especificado, por período, etc.; Recurso de WHO IS, que identifica se quem está conectado é de fato um módulo GPRS. É possível obter informações detalhadas sobre o IP e a origem das conexões; Testa a conexão com a internet usando vários servidores para evitar alarme falso; Ajuste do Keepalive geral ou individual; Se ocorrer algum problema com a porta serial ou com o banco de dados durante a inicialização do computador, o programa trata o problema e aguarda a regularização automaticamente; Backup automático dos dados; Arquivo de ajuda integrado; Informa ICC-ID do módulo GPRS (número estampado no SIM card), para facilitar a organização dos chips. 51

52 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1- Qual é a função do MÓDULO GPRS FLEX? A função do MÓDULO GPRS FLEX é fornecer às empresas de monitoramento de segurança e aos seus clientes, uma via de comunicação para o sistema de segurança eletrônica que seja rápida, eficiente, de baixo custo e com abrangência mundial. 2- Quais os painéis de alarmes compatíveis com o MÓDULO GPRS FLEX? Qualquer painel de alarmes que utilize o protocolo Contact-ID. 3- Quando uma informação é enviada do MÓDULO GPRS FLEX para a central de monitoramento, existe algum mecanismo que confirme a entrega correta dos dados? Sim, todos os dados enviados recebem uma confirmação de entrega, pois, diferente de outras tecnologias, a comunicação é bi-direcional e permite tanto ao MÓDULO GPRS FLEX quanto à central de monitoramento enviar e receber dados. 4- O que acontece se a central de monitoramento não confirmar o recebimento dos dados enviados pelo MÓDULO GPRS FLEX? O MÓDULO GPRS FLEX aguarda a confirmação de todos os dados que envia para a central de monitoramento. Se a confirmação não acontecer, o módulo considerará um problema no link de comunicação e abrirá novamente a conexão, para que a última informação enviada seja retransmitida. Mesmo que os eventos estejam partindo do painel de alarmes, os eventos somente serão retirados da memória do painel de alarmes após a sua confirmação de entrega na central de monitoramento. Se as informações estão partindo do painel de alarmes e a conexão do módulo com a central de monitoramento não puder ser realizada, o MÓDULO GPRS FLEX transfere o painel de alarmes para a linha telefônica, até que a conexão via GPRS com a central de monitoramento seja restabelecida. 5- O MÓDULO GPRS FLEX é capaz de operar em qualquer país? Sim, o MÓDULO GPRS FLEX possui tecnologia quadband e pode operar automaticamente em qualquer país. 6- É necessário algum SIM Card especial para o funcionamento do MÓDULO GPRS FLEX? Não, o SIM Card é o mesmo utilizado em qualquer aparelho celular. É necessário apenas que o serviço GPRS esteja habilitado no chip. Para maior economia, recomenda-se planos corporativos e que o serviço de voz seja desabilitado para evitar o mau uso do chip. 7- Por que é necessário especificar uma APN e em que essa escolha pode influenciar? Em toda comunicação GPRS é necessário especificar uma APN (Access Point Name). De forma resumida, a APN define qual a rota dos pacotes de dados (gateways, firewalls, GGSN, etc.), dentro de toda a infra-estrutura de comunicação dos dispositivos móveis. O uso de uma APN inadequada ou sobrecarregada poderá causar instabilidades, atrasos na entrega dos pacotes de dados, demora na conexão dos módulos e, consequentemente, falhas de comunicação com a central de monitoramento. 52

53 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 8- Quais são as principais vantagens do monitoramento via GPRS? Baixíssimo custo por evento, quando comparado ao uso de linha telefônica; Alta segurança: tecnologia sem fio, não vulnerável ao corte de linha; Alta velocidade: cerca de 2 segundos para enviar ou receber dados; Alta densidade: milhares de eventos simultâneos; Não ocupa a linha telefônica do cliente e a linha da central de monitoramento; A central de monitoramento não necessita adquirir novas linhas telefônicas com o aumento dos clientes; Ampla disponibilidade de infra-estrutura. É possível monitorar clientes a qualquer distância da central de monitoramento; Reporta todos os eventos do painel de alarme; Indicado como 1ª via de comunicação; Monitoramento com conexão supervisionada on-line; Configuração remota do módulo GPRS sem custo de ligação telefônica. 9- Como a central de monitoramento se comunica com os MÓDULOS GPRS FLEX? A comunicação ocorre por meio da Internet. Assim que é ligado, cada MÓDULO GPRS FLEX obtém um endereço IP e em seguida estabelece a conexão com o computador da central de monitoramento, que também deverá estar conectado à Internet. 53

54 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 10- Quais são os equipamentos necessários na central de monitoramento para que se estabeleça a comunicação com os MÓDULOS GPRS FLEX e o monitoramento de seus clientes? Apenas um computador conectado à Internet. 11- Quais são os programas necessários na central de monitoramento? É necessária a instalação do programa Receptor IP e como em qualquer central de monitoramento, é necessário um programa específico para monitorar os painéis de alarmes. 12- Qual é a função do programa Receptor IP? Quando o monitoramento é realizado pela linha telefônica, a central de monitoramento utiliza um aparelho receptor eletrônico que recebe os dados da linha telefônica e os envia ao programa de monitoramento. No caso da comunicação via GPRS, o aparelho receptor eletrônico é substituído pelo programa Receptor IP. Os dados recebidos via Internet são encaminhados ao programa de monitoramento da mesma forma anterior. 13- Qual o custo do programa Receptor IP? O programa Receptor IP é gratuito. 14- Existem programas de monitoramento capazes de receber os dados diretamente dos MÓDULOS GPRS FLEX sem a necessidade do programa Receptor IP? Sim, os programas de monitoramento estão se adaptando para receber os dados diretamente dos MÓDULOS GPRS FLEX. Consulte o fornecedor do programa de monitoramento para mais informações. 15- Se o programa de monitoramento é capaz de receber os dados via GPRS sem a necessidade do Receptor IP, qual é a melhor opção, utilizar ou não o programa Receptor IP? Se a comunicação utilizando apenas o programa de monitoramento estiver estável e os principais recursos dos módulos estiverem acessíveis (exemplo: acionamento de PGM, Call-Back IP, etc.), não há motivos para instalar o Receptor IP. Caso contrário, o uso do Receptor IP poderá trazer algumas vantagens, pois são desenvolvidos especialmente para essa finalidade. Para evitar problemas de instabilidades e travamentos, recomenda-se que o programa Receptor IP seja desenvolvido com tecnologia multithread, capaz de repartir a utilização do processador em várias tarefas. Além disso, é recomendado que o Receptor IP utilize um banco de dados seguro e com alto desempenho, como por exemplo, o SQL Server. 54

55 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 16- O que é keepalive? Keepalive é uma mensagem enviada de um dispositivo a outro para checar se o link de comunicação entre eles está operando corretamente. 17- O keepalive possui mais alguma finalidade? Sim, o sinal de keepalive possui duas finalidades: a primeira, como já vimos, é checar o link de comunicação. A segunda finalidade é manter ativa a conexão dos módulos GPRS. Algumas operadoras normalmente fecham a conexão dos módulos que estão há muito tempo sem comunicação, portanto o módulo deve enviar periodicamente o caractere keepalive para garantir que a conexão se mantenha ativa; Para a central de monitoramento, o sinal de keepalive permite também identificar os módulos que estão sem tráfego de dados num tempo acima do normal. Este tempo pode ser ajustado individualmente - um valor para cada módulo/cliente - possibilitando assim, maior ou menor tolerância antes de alertar o operador sobre a "falha de keepalive". 18- Se em conjunto com o MÓDULO GPRS FLEX também existir uma linha telefônica disponível e interligada a ele, em quais situações esta linha telefônica poderá ser utilizada? São três as situações: Primeira situação: a linha telefônica será automaticamente direcionada para o painel de alarmes (como segunda via de comunicação), caso o painel de alarmes necessite enviar algum evento e o módulo não esteja efetivamente conectado ao monitoramento. Exemplo: durante sua inicialização, processo de reconexão com IP principal ou IP Back-up, detecção de bloqueador celular. Segunda situação: a central de monitoramento poderá solicitar um comando ao MÓDULO GPRS FLEX que o força a transferir o painel de alarmes para a linha telefônica, a fim de permitir a reprogramação do painel de alarmes via linha telefônica. Terceira situação: o MÓDULO GPRS FLEX possui a opção de enviar o evento: E602 Teste Periódico pela linha telefônica, e assim testar também a via Back-up. Se este recurso estiver habilitado, a linha telefônica será utilizada toda vez que o painel de alarmes enviar o evento de teste periódico. 55

56 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 19- Quais os principais motivos da falha de keepalive na central de monitoramento? Os principais motivos são: Nível de sinal baixo no módulo GPRS; Instabilidade da Internet na central de monitoramento ou na rota de dados utilizada pelos módulos (de acordo com a APN configurada nos módulos); Problemas técnicos ou sobrecarga na torre de telefonia próxima ao módulo GPRS; Tempo de tolerância da falha de keepalive muito baixo no Receptor IP em relação ao tempo de envio do keepalive do módulo GPRS; Manutenção do sistema pela operadora de telefonia (conforme o SIM Card em uso); Falta de recursos do equipamento onde o programa Receptor IP está sendo executado. 20- Qual é o tempo ideal de keepalive a ser usado num módulo GPRS e no Receptor IP? O tempo ideal pode variar conforme a necessidade. Para uma supervisão mais rígida de um determinado módulo, deve-se utilizar tempos menores como, por exemplo, dois minutos. Para uma supervisão menos frequente, em que o consumo mensal dos bytes precisa ser mais baixo, deve-se utilizar tempos maiores como, por exemplo, cinco minutos. Geralmente, os tempos de keepalive mais utilizados em módulos GPRS ficam entre: três minutos e quatro minutos e meio. No Receptor IP é importante que o tempo de keepalive seja pelo menos três vezes maior que o tempo de keepalive configurado no módulo GPRS, para que haja uma tolerância na espera da reconexão do módulo. Essa tolerância deverá ser observada principalmente se o módulo estiver configurado para se conectar a um endereço IP Back-up e tal endereço não esteja aguardando conexão na central de monitoramento. Esta situação faz com que o módulo gaste mais tempo até voltar a se conectar no endereço IP Principal. 21- Podem ocorrer desconexões e reconexões de módulos GPRS sem que haja falha de keepalive? Sim. Normalmente os módulos GPRS são programados para se manterem conectados todo tempo com a central de monitoramento. O módulo abrirá imediatamente uma nova conexão com a central de monitoramento caso detecte alguma anormalidade como, por exemplo, demora na confirmação de entrega dos dados, queda no link de comunicação com a central, inicialização após programação remota, etc. Como na maioria dos casos esta reconexão ocorre rapidamente e antes do tempo de tolerância da falha de keepalive, o programa Receptor IP não trata tais reconexões rápidas como falhas de keepalive. 56

57 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 22- Se as centrais de alarmes não necessitam transmitir dados durante todo o tempo, por que manter os módulos GPRS sempre conectados com a central de monitoramento? A maioria dos módulos GPRS existentes no mercado possui apenas um modo de operar sob o protocolo TCP e mantêm a conexão com a central de monitoramento aberta durante todo o tempo. Essa forma de operar traz consigo alguns efeitos indesejáveis, como, por exemplo, o fechamento abrupto da conexão devido à saturação de conexões simultâneas; Como solução, o modo TCP Standby mode opera sem saturar as operadoras de telefonia móveis. Este modo de operar é capaz de se manter em espera e abrir rapidamente a conexão com a central de monitoramento somente quando necessário. 23- Quais as diferenças dos modos: TCP, TCP Standby mode e UDP? No modo TCP, a conexão com a central de monitoramento se mantém aberta o tempo todo. O caractere keepalive é enviado periodicamente para manter a conexão ativa e também supervisionar o meio de comunicação. Em TCP Standby mode, a conexão se mantém fechada e o endereço IP da operadora fica desocupado. O MÓDULO GPRS FLEX se mantém em standby, economizando energia, recursos da operadora e da central de monitoramento. Se ocorrer qualquer evento, o módulo reabre imediatamente a conexão e o transmite para a central de monitoramento. Em seguida, o módulo aguarda o tempo configurado e fecha a conexão. O teste de comunicação é realizado pela central de alarmes, por meio do teste periódico. O keepalive não é usado nesse modo. No modo UDP, os dados são transferidos sem estabelecer, previamente, uma conexão (connectionless). Em UDP a comunicação entre o módulo GPRS e a central de monitoramento é realizada de forma sensivelmente mais rápida e econômica, devido à simplicidade do protocolo UDP. Do ponto de vista técnico, é uma excelente opção para sistemas de alarmes e rastreamento de veículos, pois cada evento cabe em um só datagrama e a confirmação de entrega dos dados já é realizada pela própria aplicação. 24- Caso exista linha telefônica no cliente, o MÓDULO GPRS FLEX é capaz de monitorá-la? Sim, se a linha telefônica estiver conectada ao MÓDULO GPRS FLEX, o módulo irá monitorar suas condições e informar a central de monitoramento qualquer falha ou restauração da linha telefônica, por meio dos eventos: E351 ou R O que acontece se ocorrer algum problema na comunicação entre o painel de alarmes e o MÓDULO GPRS FLEX no cliente? A comunicação entre o painel de alarmes e o MÓDULO GPRS FLEX é supervisionada. Se o painel de alarmes prender a linha de comunicação por mais de 45 segundos sem um evento válido ou ocorrer mais de três tentativas consecutivas sem sucesso na obtenção do evento, o módulo informará imediatamente a falha para a central de monitoramento, por meio do evento: E360, Falha de Supervisão do Alarme. 57

58 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 26- É necessário endereço IP fixo na central de monitoramento para monitorar os MÓDULOS GPRS FLEX? Não, o MÓDULO GPRS FLEX funciona perfeitamente com servidores DNS ou DDNS. Portanto, é perfeitamente possível configurar os módulos com endereços no formato URL. Exemplo: empresa.com.br, empresa.no-ip.org, etc. É importante observar que geralmente os planos de internet com IP fixo são mais estáveis. 27- Qual a vantagem de utilizar URL ao invés de um endereço IP fixo? Convém frisar que o uso do formato URL (exemplo: empresa.com.br) deve preferencialmente ser utilizado, mesmo que o endereço IP seja fixo. Com o aumento das ofertas dos planos de banda larga, a utilização de URL proporciona a vantagem da mudança de planos e, eventualmente de endereço IP, com maior facilidade, sem a preocupação de perda da comunicação com os módulos. Utilizando o formato URL nos MÓDULOS GPRS FLEX, basta alterar o endereço IP em um único local, aguardar a sua propagação e a reconexão de todos os módulos neste novo endereço IP. 28- Qual a forma mais fácil de verificar se uma porta de rede do Receptor IP está aberta e acessível aos módulos GPRS? Uma excelente ferramenta pode ser encontrada no site: Na opção: Check port em Ferramentas de Networks, coloque o número da porta que o Receptor IP está usando para estabelecer a comunicação com os módulos. Se o Receptor IP estiver disponível, a seguinte mensagem deverá ser apresentada: Port XXXX is open and accepting connections. Nota: não é necessário estar no mesmo local do Receptor IP para realizar o teste, basta informar o IP onde o programa está sendo usado. ATENÇÃO: o teste só é válido para porta TCP. 29- O que são bloqueadores celulares? Bloqueadores celulares, também conhecidos como Cell Phone Jammers, são dispositivos que emitem grande quantidade de ondas eletromagnéticas cuja função é desorientar e confundir os aparelhos celulares, deixando-os sem comunicação. 30- O MÓDULO GPRS FLEX é capaz de detectar os bloqueadores de celulares? Sim, o MÓDULO GPRS FLEX possui o recurso de identificar rapidamente quando um bloqueador celular está interferindo na sua comunicação. 58

59 Frequently Asked Questions – FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 31- Qual o procedimento que o MÓDULO GPRS FLEX executa quando detecta um bloqueador celular? Assim que o MÓDULO GPRS FLEX detecta a presença de um bloqueador celular, o LED BLOCK acende e a saída BLOCK abre o setor do painel de alarmes conectado, causando o disparo da sirene no local. Simultaneamente, o painel de alarmes é redirecionada para a linha telefônica para que possa enviar os eventos por meio desta segunda via de comunicação. Internamente, o MÓDULO GPRS gera o evento: E361, Bloqueador Celular Detectado, que também é enviado para a central de monitoramento na primeira oportunidade de comunicação pela via principal GPRS. 32- Qual o comprimento máximo recomendado para o cabo que interliga o painel de alarmes e o MÓDULO GPRS FLEX? Recomenda-se que esta ligação não ultrapasse cinco metros e que os cabos fiquem distantes de fontes de interferências elétricas como: reatores de lâmpadas fluorescentes, motores elétricos, etc. 33- É necessário um painel de alarmes em conjunto com o MÓDULO GPRS FLEX? Na maioria dos casos sim. Considerando que o MÓDULO GPRS FLEX não depende do painel de alarmes para estabelecer a conexão com a central de monitoramento e que ele possui um setor interno, em algumas situações o monitoramento poderá ser feito sem a necessidade de um painel de alarmes. Exemplo: monitoramento de botões de pânico, botoeiras de sistemas de incêndio, sensores de fumaça, nível de líquidos, temperatura, disparo de cerca elétrica, etc. 59

60 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Alimentação: 11,5 - 14,5 Vdc; Consumo médio em operação normal, conectado com a central de monitoramento: 70mA, picos de 120mA durante transmissão; Proteção contra descarga elétrica: Centelhador a gás e varistores; Dimensões da placa eletrônica: 7,5cm x 11,5 cm; Módulo GSM: Telit GE864 Quadband; Antena: Interna com opção para antena externa ; Uma entrada programável que opera como setor independe (Buffer de 64 eventos); Uma saída PGM do tipo open-colector, corrente máxima de 100mA; Saída BLOCK do tipo open-colector, corrente máxima: 100mA. -Alerta bloqueador celular e manobra do painel de alarmes para segunda via de comunicação - JAMMING ALERT & BYPASS (PAT.REQ.); Protocolo de comunicação com painel de alarmes: Contact ID. 60

61 SEGURANÇA ELETRÔNICA 61 A Mercosul Tecnologia reserva-se no direito de alterar qualquer característica técnica de seus produtos sem prévio aviso.


Carregar ppt "MERCOSUL TECNOLOGIA Centro de Desenvolvimento de Dispositivos Eletrônicos ®"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google