A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal de Juiz de Fora – Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Gabrielle de Oliveira Araújo Res. Gestão Hospitalar – HU/UFJF E-mail:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal de Juiz de Fora – Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Gabrielle de Oliveira Araújo Res. Gestão Hospitalar – HU/UFJF E-mail:"— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal de Juiz de Fora – Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Gabrielle de Oliveira Araújo Res. Gestão Hospitalar – HU/UFJF Tel:

2 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE

3 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA

4 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA CUSTOS DIRETOS doença médicos e não médicos $ pacientes, familiares, amigos, sistema público, seguradoras.

5 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA CUSTOS DIRETOS MÉDICOS – diagnóstico, tratamento, reabilitação.

6 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA CUSTOS DIRETOS NÃO MÉDICOS – despesas diversas

7 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA CUSTOS INDIRETOS capital humano Capacidade produtiva Crescimento econômico

8 Universidade Federal de Juiz de Fora – TAXONOMIA DOS CUSTOS DA DOENÇA INTANGÍVEIS preconceito

9 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO

10 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO O governo utiliza instrumentos fiscais para: - ajustamento na alocação dos recursos; - ajustamento na distribuição de renda/riqueza; - políticas sociais; - estabilização econômica. $ SAÚDE IMPOSTOS e CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

11 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO Classificação das bases fiscais: Bases DIRETAS de Tributação São os impostos que o gov. arrecada sobre o patrimônio e renda. São arrecadados diretamente dos cidadãos. - IR Imposto de Renda federal - IPVA Imposto Sobre a Propriedade de Veículos estadual - IPTU Imposto Predial Territorial Urbano municipal

12 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO Classificação das bases fiscais: Bases INDIRETAS de Tributação São impostos que incidem sobre os bens e serviços que os indivíduos consomem. Embutidos no valor do produto/serviço - IPI Imposto sobre Produtos Industrializados federal - ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços estadual - ISS Imposto sobre Serviços municipal

13 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS Pessoas físicas e jurídicas constituir um fundo para ser utilizado em benefício da sociedade. Benefícios previdenciários (aposentadoria, pensão, auxílio-doença, auxílio-acidente, seguro desemprego, etc). Seu fundamento é amparar o ser humano quanto às conseqüências de certos acontecimentos naturais da vida humana (morte, acidentes, envelhecimento, etc). Ex.: desconto em folha – contribuição INSS

14 Universidade Federal de Juiz de Fora – INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO CARGA TRIBUTÁRIA – CENÁRIO BRASILEIRO - Mais de 30% renda GOV - Alta carga tributária Alta sonegação - Sem contrapartida – carga educação/saúde - Bases diretas de tributação (IR) seriam ótima alternativa p/ financiar Saúde, mas. Gov liberdade e flexibilidade alocativa.

15 Universidade Federal de Juiz de Fora – carga tributária brasileira em 10 anos subtraiu R$1,85 trilhão da sociedade

16 Universidade Federal de Juiz de Fora –

17 MODELOS DE FINANCIAMENTO

18 Universidade Federal de Juiz de Fora – MODELOS DE FINANCIAMENTO ASSISTENCIAL – filantropia Santas Casas de Misericórdia Igreja - doações, voluntários, mix de impostos, auxílio internacional. Sem capacidade p/ atender todos os necessitados. Caridade

19 Universidade Federal de Juiz de Fora – Esta é uma história excepcional. É a história da Santa Casa de Misericórdia. Homens e mulheres comuns humildes. Médicos, freiras benfeitores. Poucos nomes e, no entanto, é tão grande o saldo dos seus efeitos. É o milagre realizado pouco a pouco, dia após dia.

20 Universidade Federal de Juiz de Fora – MODELOS DE FINANCIAMENTO PREVIDENCIÁRIO – contribuintes Getúlio Vargas Trabalhadores formais

21 Universidade Federal de Juiz de Fora – MODELOS DE FINANCIAMENTO UNIVERSAL – direito Nova Constituição Federal 1988 – Saúde é direito de todos, dever do Estado Lei – Lei Orgânica da Saúde - SUS MODELO ATUAL

22 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL

23 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL EMENDA CONSTITUCIONAL – EC 29 percentuais anuais mínimos a serem investidos em saúde, por esfera de poder. UNIÃO – 10% despesas correntes união, corrigidas pelo PIB nominal ESTADOS – 12% da arrecadação MUNICÍPIOS – 15% da arrecadação

24 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL PROBLEMAS EC 29 - UNIÃO UNIÃO – participação da esfera federal é baixa, não acompanha a arrecadação. O Brasil está entre os 30 países onde a população paga de seu próprio bolso mais de 50% dos gastos de saúde. Apenas 30 de 193 países vivem essa situação

25 Universidade Federal de Juiz de Fora –

26

27 FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL PROBLEMAS EC 29 - ESTADOS ESTADOS – não cumprem os 12% estipulados. De 27 estados, 16 não cumprem com os 12%. Ex: MG, Paraná, Rio Grande do Sul (3,75%). Norte e Nordeste cumprem. Recursos saúde saneamento, construção de restaurante popular, asfaltamento, etc. Faltou na EC29 clareza sobre o que são ações e serviços de saúde.

28 Universidade Federal de Juiz de Fora –

29 FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL PROBLEMAS EC 29 - MUNICÍPIOS MUNICÍPIOS – chegam a empregar 22%. Sobrecarga. Não suportam mais. Famílias $, além das contribuições.

30 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL PROPOSTAS: REGULAMENTAÇÃO DA EC 29 - Aumentar investimentos da União 10% receitas? 10% PIB? - Esclarecer o que são ações e serviços de saúde. - Fiscalização e obrigatoriedade – estados. - Criação de novo imposto. (inviável diante da alta carga tributária). Medidas corretivas EC29 desenvolvimento SUS.

31 Universidade Federal de Juiz de Fora – FINANCIAMENTO DA SAÚDE NO BRASIL Sob o Domínio da Urgência – RJ/2007 financiamento e desorganização da rede - GESTORES

32 Universidade Federal de Juiz de Fora – GESTORES - depoimentos No meu trabalho do dia a dia, eu pouco planejo, eu mais apago incêndio. Isso está errado O tempo de reflexão é inexistente, agir é uma necessidade imperativa para atender a violência da angústia sentida pelo sujeito

33 Universidade Federal de Juiz de Fora – GESTORES - depoimentos Eu pensava que o fundo do poço existia, mas ele é virtual. Eu nunca imaginei que a gente chegasse à situação que chegamos no ano passado, esse ano está pior. Estamos sem contrato de manutenção predial, ficamos sem contrato da parte de refrigeração e câmara mortuária. O dinheiro não dá. Não temos remédio nenhum, não temos morfina. Somos pólo de oncologia... só existem três pólos. Não temos um quimioterápico. Os pacientes choram todo dia na nossa porta. Estão interrompendo o tratamento! (...) o sujeito está isolado, exilado no tempo e no espaço, pregado, destinado a um aqui impossível de ser transposto, preso no presente indefinido do sofrimento Incapacidade de planejar, organizar, melhorar, não há condições de gerir.

34 Universidade Federal de Juiz de Fora – São Paulo – 2010 Enfermaria do Hospital São Luís Gonzaga 12 anos técnica em enfermagem

35 Universidade Federal de Juiz de Fora – Armário c/ 3 divisões: -Direita: roupas de cama; -Esquerda: seringas e máscaras; -Meio: soro. Pegou 2 garrafas, leu em uma delas: solução de reparação – soro.

36 Universidade Federal de Juiz de Fora – São Paulo – 2010

37 Universidade Federal de Juiz de Fora – Vaselina líquida óbito A ocorrência foi registrada como homicídio culposo – sem intenção Negligência, imperícia ou imprudência A culpa foi exclusiva da técnica de enfermagem?

38 Universidade Federal de Juiz de Fora – -Produtos com aparência idêntica, acondicionados em embalagens e rótulos idênticos; -Local errado. Farmácia? Enfermaria? Gestão de suprimentos? Técnica de enfermagem?

39 Universidade Federal de Juiz de Fora – - Niguém soube como o produto foi parar em local impróprio. - Ninguém explicou o motivo de estarem em recipientes idênticos. Técnica de enfermagem mídia mundial

40 Universidade Federal de Juiz de Fora – Técnica de Enfermagem suicídio Erros EVITÁVEIS, em série ÓBITO – 2 PESSOAS

41 Universidade Federal de Juiz de Fora – Depois da morte da criança a Santa Casa de São Paulo mudou a identificação dos frascos de soros e medicamentos nos 39 hospitais que gerencia. Atualmente são utilizados novas etiquetas e rótulos nos frascos - que passaram a ser identificados por cores - de acordo com a via de administração. MEDIDA CORRETIVA – após 2 MORTES PODERIA SER UMA MEDIDA PREVENTIVA – GESTÃO PROATIVA

42 Universidade Federal de Juiz de Fora – Problemática da saúde no Brasil: FINANCIAMENTO E GESTÃO $ FINANCIAMENTO - proporciona gestão (planejamento, qualidade) GESTÃO - medida simples GRANDE IMPACTO

43 Universidade Federal de Juiz de Fora – $ FINANCIAMENTO GESTÃO ASSISTÊNCIA À SAÚDE

44 Universidade Federal de Juiz de Fora –

45 Referências AZEVEDO, Creuza da Silva. Sob o domínio da urgência: a prática de diretores de hospitais públicos do Rio de Janeiro – Brasil. Cad. de Saúde Pública PIOLA, Sérgio Francisco, VIANNA, Solon Magalhães (orgs.) Economia da Saúde: conceitos e contribuição para a gestão da saúde. Brasília: IPEA, Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF


Carregar ppt "Universidade Federal de Juiz de Fora – Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Gabrielle de Oliveira Araújo Res. Gestão Hospitalar – HU/UFJF E-mail:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google