A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Autismo: Tratamento medicamentoso Dra. Carla Gikovate Neuropediatra e Mestre em Psicologia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Autismo: Tratamento medicamentoso Dra. Carla Gikovate Neuropediatra e Mestre em Psicologia."— Transcrição da apresentação:

1 Autismo: Tratamento medicamentoso Dra. Carla Gikovate Neuropediatra e Mestre em Psicologia

2 Qual o objetivo com a medicação? Curar CurarXAliviar

3 Diferentes causas Diferentes graus

4 Medicina Baseada em Evidência Procurar trabalhos duplo cego com grupo controle em revistas indexadas e com bom índice de impacto Procurar trabalhos duplo cego com grupo controle em revistas indexadas e com bom índice de impacto Responsabilidade diante das diferentes modas Responsabilidade diante das diferentes modas

5 Mercúrio / Vacinas x Autismo Não existem estudos experimentais comprovando a correlação Não existem estudos experimentais comprovando a correlação Teoria foi construída por pessoas ligadas a empresas privadas de marketing e que comercializam produtos de nutrição. Teoria foi construída por pessoas ligadas a empresas privadas de marketing e que comercializam produtos de nutrição. Nenhum dos autores dos artigos é médico ou ligado a instituições de pesquisa sérias. Nenhum dos autores dos artigos é médico ou ligado a instituições de pesquisa sérias. A grande maioria das publicações a favor se deram na mesma revista (Medical Hypotheses) A grande maioria das publicações a favor se deram na mesma revista (Medical Hypotheses)

6 Mercúrio / Vacinas x Autismo Artigo feito na Dinamarca (Pediatrics, 2003 Sep; 112 (3 Pt 1): 604-6) comparando a incidencia de autismo entre e (período após a retirada do timerosal das vacinas) não demonstrou diminuição dos casos novos de autismo. Artigo feito na Dinamarca (Pediatrics, 2003 Sep; 112 (3 Pt 1): 604-6) comparando a incidencia de autismo entre e (período após a retirada do timerosal das vacinas) não demonstrou diminuição dos casos novos de autismo. Artigo do New England Journal of Medicine (2002,Nov 7; 347 (19): ) – acompanhou crianças nascidas entre Não houve diferença na incidência de autismo entre quem recebeu ou não recebeu a MMR Artigo do New England Journal of Medicine (2002,Nov 7; 347 (19): ) – acompanhou crianças nascidas entre Não houve diferença na incidência de autismo entre quem recebeu ou não recebeu a MMR

7 B6 + Magnésio Uma meta-análise avaliando artigos desde 1966 randomizado e com grupo controle separou somente dois artigos ( Cochrane Database Syst Rev. 2002; (4): CD003497). Uma meta-análise avaliando artigos desde 1966 randomizado e com grupo controle separou somente dois artigos ( Cochrane Database Syst Rev. 2002; (4): CD003497). Um artigo apresentava dados insuficientes e o autor não conseguiu ser localizado. Um artigo apresentava dados insuficientes e o autor não conseguiu ser localizado. O outro estudo não demonstrou diferença significativa nos tratados com B6 + Mg e o grupo placebo ( J Autism Dev Disord Aug;27(4):467-78) O outro estudo não demonstrou diferença significativa nos tratados com B6 + Mg e o grupo placebo ( J Autism Dev Disord Aug;27(4):467-78)

8 Principais sintomas Hiperatividade Hiperatividade Desatenção Desatenção Impulsividade Impulsividade Insônia Insônia Alteração de humor Alteração de humor Irritabilidade Irritabilidade Agressividade Agressividade Auto-mutilação Auto-mutilação Tiques Tiques Sintomas obsessivos Sintomas obsessivos Crises Convulsivas Crises Convulsivas

9 É fundamental entender o contexto da queixa É fundamental entender o contexto da queixa Por exemplo, a criança fica acordada de noite pois não consegue parar de fazer a sua mania. Por exemplo, a criança fica acordada de noite pois não consegue parar de fazer a sua mania.

10 Os autistas com freqüência respondem de maneira diferentes a medicação para o comportamento se comparados com crianças sem autismo Os autistas com freqüência respondem de maneira diferentes a medicação para o comportamento se comparados com crianças sem autismo

11 Metilfenidato (Ritalina / Concerta) para hiperatividade Enquanto mais de 80% das crianças com TDAH respondem ao metilfenidato, nos autistas menos de 40% responde. Enquanto mais de 80% das crianças com TDAH respondem ao metilfenidato, nos autistas menos de 40% responde. Maior chance de resposta nos autistas de alto funcionamento (Asperger) Maior chance de resposta nos autistas de alto funcionamento (Asperger) Pode-se se fazer uma tentativa com uma dose do metilfenidato de curta ação. Pode-se se fazer uma tentativa com uma dose do metilfenidato de curta ação.

12 Principais opções Auto-mutilação Agressividade Impulsividade Hiperatividade Tiques Neurolépticos (haloperidol, tioridazina,periciazina, Risperidona, Pimozide)

13 Principais opções Alterações de humor Antidepressivos (imipramina, clomipra- mina, fluoxetina, paro- xetina,bupropiona) Estabilizadores de humor (anticonvulsivantes)

14 Principais opções Crises convulsivas (30% das pessoas do espectro autístico) Alteração EEG (???) Anticonvulsivante (ácido valpróico, carbamazepina, Lamotrigina ou Topiramato)

15 Principais opções Desatenção Medidas precoces de compartilhar atenção Imipramina, bupro- piona, metilfenidato Ponto central do problema

16 Principais opções Insônia Clonidina Neurolépticos Amitriptilina

17 Principais opções Sintomas obsessivos Antidepressivos (clomipramina, Fluoxetina e paroxetina)

18 Novos estudos (objetivo: melhorar a comunicação) L-carnosine ( dois aminoacidos -ß-alanil e L- histidine. L-carnosine ( dois aminoacidos -ß-alanil e L- histidine. Donepezil, Rivastigmine e Galantamine (inibição da acetilcolinesterase - aumenta função colinérgica lobo frontal e parietal) Donepezil, Rivastigmine e Galantamine (inibição da acetilcolinesterase - aumenta função colinérgica lobo frontal e parietal) Mematine (diminui glutamato) Mematine (diminui glutamato)


Carregar ppt "Autismo: Tratamento medicamentoso Dra. Carla Gikovate Neuropediatra e Mestre em Psicologia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google