A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

QUÍMICA Profº JURANDIR REVISÃO QUÍMICA. 01. Os hidrocarbonetos são extra í dos da mat é ria, principalmente na forma de petr ó leo e g á s natural. A.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "QUÍMICA Profº JURANDIR REVISÃO QUÍMICA. 01. Os hidrocarbonetos são extra í dos da mat é ria, principalmente na forma de petr ó leo e g á s natural. A."— Transcrição da apresentação:

1 QUÍMICA Profº JURANDIR REVISÃO QUÍMICA

2 01. Os hidrocarbonetos são extra í dos da mat é ria, principalmente na forma de petr ó leo e g á s natural. A sociedade moderna tornou-se totalmente dependente do consumo desses compostos. Al é m de ser a principal fonte de energia que move o mundo. As reservas de petr ó leo e g á s natural não são renov á veis e que seus pre ç os internacionais causam impacto nas economias de todos os pa í ses, no Brasil a PETROBRAS vem investindo na prospec ç ão de petr ó leo e atingiu, recentemente, a auto-suficiência brasileira, conseguindo atingir a meta de 2 milhões de barris por dia. Sobre o petr ó leo e seus derivados, coloque verdadeiro ou falso: ( ) O ó leo diesel apresenta um ponto de ebuli ç ão menor que o ó leo lubrificante ( ) Pode-se obter naftaleno, benzeno e antraceno a partir do alcatrão da hulha. ( ) Pode-se obter gasolina a partir de GLP utilizando o craqueamento ( ) O petr ó leo de base naftênica é de superior qualidade ao de base paraf í nica. ( ) M é todo para converter hidrocarbonetos de cadeia aberta em hidrocarbonetos arom á ticos é denominado de reforma catal í tica

3 FRAÇÃONº DE CARBONOS GÁS NATURAL1 a 2 G.L.P.3 a 4 ÉTER DE PETRÓLEO5 a 6 BENZINA7 a 8 NAFTA8 a 9 GASOLINA6 a 12 QUEROSENE10 a 15 ÓLEO DIESEL15 a 18 ÓLEO LUBRIFICANTE18 a 20 PARAFINAAcima de 20 ASFALTOAcima de 20 PICHEAcima de 20

4 DIVISÃO: - Base Parafínica (90% de alcanos). - Base Naftênica (alcanos + 15 a 20% de ciclanos). - Base Aromática (alcanos + 25 a 30% de aromáticos). - Base Asfáltica (Hc de massa molar elevada).

5 Carvão Mineral A destilação seca da hulha à 1 000º C fornece: gás da hulha: mistura de H 2, CH 4, CO; águas amoniacais: solução de NH 4 OH e seus sais; alcatrão da hulha: líquido oleoso, escuro, formado principalmente por aromáticos; carvão coque: principal produto, usado com redutor em metalurgia. A destilação seca da hulha à 1 000º C fornece: gás da hulha: mistura de H 2, CH 4, CO; águas amoniacais: Solução de NH 4 OH e seus sais; alcatrão da hulha: líquido oleoso, escuro, formado principalmente por aromáticos; carvão coque: principal produto, usado para aquecer fornos siderúrgico.

6 CRACKING DO PETRÓLEO Significa a quebra, por aquecimento (pirólise), na presença de catalisadores, de moléculas de hidrocarbonetos de maior massa molar, com a finalidade de aumentar o rendimento da fração gasolina.

7 REFORMA CATALÍTICA ( REFORMING ) Método para converter hidrocarbonetos de cadeia aberta em hidrocarbonetos aromáticos. CH 3 -(CH 2 ) 5 -CH 3 C 6 H 5 -CH 3 + 4H 2 Heptano Metilbenzeno Hidrogênio A reformação catalítica é um processo de refinação com duas principais finalidades: a) conversão de combustível de baixo IO (índice de octano) em outra de maior IO; b) produção de hidrocarbonetos aromáticos.

8 ISOMERIZAÇÃO Transformação de compostos de cadeia linear em compostos ramificados. CH 3 -CH 2 -CH 2 -CH 3 CH 3 -CH-CH 3 Butano l CH 3 Metilpropano

9 ALQUILAÇÃO É a reação de um alcano ramificado (isoalcano), que possui radical metil no segundo carbono, com um alceno para obter gasolina de maior octanagem. CH 3 CHCH 3 +CH 2 =CCH 3 CH 3 C(CH 3 ) 2 CH 2 CH(CH 3 ) 2 CH 3 CH 3 Metilpropano Metilpropreno Isoctano

10 02. Julgue os itens abaixo em verdadeiro ou falso: a) ( ) Viscosidade: Facilidade com que o material escoa. Os líquidos mais viscosos fluem mais lentamente b) ( ) As propriedades físicas podem ser intensivas e extensivas. As intensivas não dependem da quantidade da amostra, já as extensivas dependem da quantidade de material. c) ( ) A Pressão máxima de vapor depende da temperatura e da natureza do líquido. Observa-se experimentalmente que, numa mesma temperatura, cada líquido apresenta sua pressão de vapor, pois esta está relacionada com a volatilidade do líquido. d) ( ) Álcoois apresentam ponto de ebulição menor que um éter de mesma massa molecular. e) ( ) O biodiesel é um combustível obtido a partir da reação do metanol ou etanol, com óleo vegetal. Correspondendo a um éster metílico ou etílico. f) ( ) O poliisopreno é um polímero de condensação, que é uma poliamida, e usado na fabricação de coletes a prova de bala.

11 As propriedades físicas podem ser classificadas de acordo com a quantidade de amostra em duas categorias: 1. Propriedades intensivas: São aquelas que não dependem da massa da amostra; Por exemplo, a temperatura é uma propriedade intensiva, pois imagine que coloquemos água para ferver. Se formos medir a temperatura da água, o valor será o mesmo independentemente se colocarmos o termômetro direto na panela com a água ou se o colocarmos em um copo com um pouco dessa água. A densidade é outra propriedade intensiva. Por exemplo, a densidade de um cubo de gelo e de um iceberg é a mesma (0,92 g/cm 3, em temperaturas abaixo de 0ºC ao nível do mar), que é menor que a da água (1,0 g/cm 3, sob a temperatura de aproximadamente 4ºC e sob pressão ao nível do mar, que é igual a 1,0 atm). Por isso, tanto um cubo de gelo como um iceberg flutuam sobre a água.

12 2. Propriedades extensivas: São aquelas que dependem da massa (extensão) da amostra. O volume é um exemplo de propriedade extensiva, pois a massa de 1 kg de algodão ocupará um volume muito maior do que a massa de 1 g desse mesmo material. A energia liberada em combustões também é extensiva, pois a energia liberada na queima de um palito de fósforo é bem menor do que a energia liberada na queima de vários galhos numa fogueira.

13 Propriedades intensivas: temperatura (T em K), pressão (p em Pa), ponto de fusão (T em K), ponto de ebulição (T em K). Propriedades extensivas: massa (m em kg), volume (V em m 3 ), quantidade de substância (n em mol), energia interna (U em J), entalpia (H em J), entropia (S em J/K), energia de Gibbs (G em J).

14 Propriedades coligativas das soluções são propriedades físicas que se somam pela presença de um ou mais solutos e dependem única e exclusivamente do número de partículas (moléculas ou íons) que estão dispersas na solução, não dependendo da natureza do soluto. Isso significa dizer que a quantidade, e não a natureza (como tamanho, estrutura molecular ou massa), das partículas que estão juntas na solução é que irá influenciar na formação das propriedades (ou efeitos) coligativas.soluçõespropriedades físicassolutosnúmeromoléculasíonsestrutura molecularmassa Tonoscopia: diminuição da pressão máxima de vapor.Tonoscopiapressão máxima de vapor Ebulioscopia: aumento da temperatura de ebulição.Ebulioscopiatemperatura de ebulição Crioscopia: abaixamento da temperatura de solidificação.Crioscopiatemperatura de solidificação Osmose: pressão osmótica.Osmosepressão osmótica

15 03. A teoria de Bohr introduziu uma série de inovações no modelo atômico. Dentre elas destacam-se: ( I )A energia não é emitida de forma contínua, mas em blocos, denominados quantum. ( II )Os elétrons se movem ao redor do núcleo em número limitado de órbitas bem definidas, que são chamadas órbitas estacionárias. ( III )No núcleo dos átomos, além de prótons, que são positivos, existem partículas sem cargas elétricas, denominadas nêutrons. ( IV ) Ao saltar de uma órbita estacionária, o elétron emite ou absorve um quantum de energia. ( V ) Os elétrons têm, simultaneamente, caráter corpuscular e de onda. Das alternativas, estão corretas apenas: a) I, II, III b) II, III, IV c) I, III, V d) III, IV e) II, IV

16 04. Em relação a geometria molecular, julgue as afirmações abaixo, colocando verdadeiro ou falso: ( ) A molécula SF 4 apresenta geometria em forma de gangorra ( ) A molécula BrF 3 apresenta geometria tetraédrica. ( ) A molécula BrF 5 apresenta geometria pirâmide quadrada ( ) A molécula I 3 - apresenta geometria angular.

17 SF 4 PE=4 PL=1 Gangorra BrF 3 PE=3 PL=2 Forma de T I3-I3- PE=2 PL=3 Linear BrF 5 PE=5 PL=1 Pirâmide quadrada XeF 4 PE=4 PL=2 Plano quadrada Geometria Molecular

18 05.A respeito de alguns á cidos comercialmente utilizados na ind ú stria, são feitas as afirmativas a seguir. I - O á cido brom í drico é mais forte que o á cido fluor í drico em solu ç ão aquosa. II - O á cido sulf ú rico pode ser obtido pela rea ç ão do anidrido sulf ú rico com á gua. III - O á cido clor í drico reage com ó xido de s ó dio formando cloreto de s ó dio e á gua. IV - O á cido n í trico reage com cobre e merc ú rio e não reage com ouro. São corretas as afirmativas: a) I e II apenas. b) II e III apenas. c) I, II e III apenas. d) I, II e IV apenas. e) I, II, III e IV. FILA DE REATIVIDADE DOS METAIS (ORDEM DECRESCENTE) Cs Rb K Na Ba Li Sr Ca Mg Al Mn Zn Cr Fe Co Ni Sn Pb H Sb Bi Cu Hg Ag Pd Pt Au

19 06. Julgue os itens abaixo, colocando verdadeiro ou falso e fazendo ressalvas e anota ç ões quando poss í vel. a) ( ) O Hidr ó xido de Amônio (NH 4 OH) é uma base fraca e sol ú vel. b) ( ) Calor espec í fico e densidade são consideradas propriedades aperi ó dicas. c) ( ) Á cido de BRONSTED - LOWRY é qualquer esp é cie qu í mica capaz de ceder pares de el é trons. d) ( ) Base de LEWIS é qualquer esp é cie qu í mica capaz de ceder pr ó tons H+. e) ( ) Todo á cido de BRONSTED - LOWRY é á cido de LEWIS BRONSTED – LOWRY ÁCIDO – CEDE PRÓTONSH + BASE – RECEBE PRÓTONS H + LEWIS ÁCIDO – RECEBE PARES DE ELÉTRONS BASE – CEDE PARESD DE ELÉTRONS

20 07.A que temperatura deve ser aquecido um frasco aberto a fim de que ¼ do g á s nele contido, a 27°C seja expulso? a) 400 °C b) 300 ° C c) 127 ° C d) 100 ° C e) 120 ° C

21 SITUAÇÃO 1SITUAÇÃO 2 T 1 = 300kT 2 = ? n 1 = nn 2 = ¾n P 1 = PP 2 = P V 1 = VV 2 = V P 1 V 1 = n 1 RT 1 P 2 V 2 = n 2 RT 2 1 = n.T 1 ¾n.T 2 T 2 = 300 ÷ ¾ T 2 = 400K = 127°C LETRA: C

22

23 08. Considere a equa ç ão: N 2 (g) + 3 H 2 2 NH 3 (g) Assinale a alternativa que estabelece a rela ç ão entre K P e K C : a) K P = K C RT b) K P = K C c) K P = K C /(RT) 2 d) K P = K C. (RT) -8 e) K P = K C /(RT) 4

24 RESPOSTA – QUESTÃO 08 N 2(g) + 3 H 2 ( [ NH 3 ] 2 2 NH 3(g) K C = [ N 2 ]. [H 2 ] 3 P(NH 3 ) 2 K P = N2N2 P. H2H2 P ) 3 n = (c + d) – (a + b) Soma dos coeficientes do produto Soma dos coeficientes dos reagentes n = 2 – (1 + 3) = – 2 K P = K C. (RT) n K P = K C. (RT) – 2 OU KCKC K P = (RT) 2

25 09. Doen ç a card í aca e hipertensão arterial podem resultar de dep ó sitos de colesterol no interior das paredes das art é rias. Esta condi ç ão, aterosclerose, é uma forma de arteriosclerose, ou endurecimento das art é rias. Evidências mostram que o n í vel de colesterol no sangue, e, portanto a quantidade depositada, est á relacionada com a quantidade de gorduras saturadas que você ingere. O colesterol est á tamb é m presente nos c á lculos biliares, dep ó sitos anormais oriundos da bile na ves í cula. em 20 de setembro de 2012c á lculos biliares Quando a bile é hidrolisada, o ester ó ide obtido mais abundante é o á cido c ó lico:

26 Considerando o exposto e a estrutura do á cido c ó lico, é correto afirmar que a) o á cido c ó lico, não pode sofrer esterifica ç ão. b) o á cido c ó lico possui onze carbonos assim é tricos. c) A bile é um l í quido produzido pelo f í gado e não se armazena na ves í cula biliar.bile d) as fun ç ões orgânicas são respectivamente, á lcool; fenol e á cido carbox í lico e) apresenta 10 el é trons não-ligantes

27 10. O citral é uma mistura de isômeros (geranial e neral), obtida a partir do ó leo essencial do limão. Devido ao seu odor agrad á vel, é bastante utilizado na prepara ç ão de perfumes c í tricos. A partir das estruturas apresentadas, podemos dizer:

28 ( ) o geranial é o isômero trans (ou E), e o neral é o isômero cis (ou Z). ( ) o geranial e neral apresentam a mesma f ó rmula molecular C 9 H 14 O. ( ) geranial e neral apresentam uma carbonila como grupo funcional e, por isso, são chamados de cetonas. ( ) geranial e neral são terpenos que apresentam isomeria espacial ( ó ptica). ( ) geranial e neral apresentam uma dupla liga ç ão conjugada a uma carbonila.

29 DADOS 11. Rea ç ões de desidrata ç ão de á lcoois, oxida ç ão de alde í dos e poliadi ç ão do cloroeteno dão origem, respectivamente, a: a) alcenos, á cidos carbox í licos e PVC, b) alcanos, fen ó is e poliamidas, c) alcinos, aminas e di ó is, d) é teres, cetonas e baquelite, e) á cidos carbox í licos, á lcoois e prote í nas.

30 DESIDRATAÇÃO DE ÁLCOOIS INTRAMOLECULAR INTERMOLECULAR ALCENO ÉTER OXIDAÇÃO ALDEÍDO ÁC. CARBOXÍLICO

31 DADOS 12. Um alceno sofreu ozon ó lise seguida de hidr ó lise e produziu 2,3-dimetil – butanal e butanona. Assinale a alternativa que contenha o nome oficial deste alceno. a) 2,3,5 – trimetil – hept-4-eno b) 3,5,6 – trimetil – hept-3-eno c) 3,5 – dimetil – hept-3-eno d) 2,3, – dimetil – hex-3-eno e) 3,5,6 – trimetil – hept-1-eno

32 OZONÓLISE H 2 C = METANAL HC = ALDEÍDO C = CETONA H3CH3CCH CCH 2 CH 3 CH C O H + OCCH 2 CH 3 3,5,6 - TRIMETIL HEPT – 3 – ENO 2,3 - DIMETIL BUTANAL BUTANONA CH 3 +

33 DADOS 13. O propanal reage com o cloreto de metilmagn é sio dando um produto de adi ç ão, o qual, por hidr ó lise, produz o composto orgânico A. O nome do composto A, e sua classifica ç ão quanto à posi ç ão do grupo funcional na cadeia carbônica é : a) Butan-1-ol ( á lcool prim á rio) b) 2-metil -butan-2-ol ( á lcool terci á rio) c) Butanona ( cetona alif á tica) d) Butan-2-ol ( á lcool secund á rio) e) Propan-2-ol ( á lcool secund á rio)

34 METANAL+R - MgX H2OH2O ÁLCOOL PRIMÁRIO OUTRO ADEÍDO +R - MgX H2OH2O ÁLCOOL SECUNDÁRIO CETONA+R - MgX H2OH2O ÁLCOOL TERCIÁRIO CH 3 CH 2 C O H + CH 3 MgCl CH 3 CH 2 CH CH 3 HOH CH 3 CH 2 CH CH 3 OH + BUTAN – 2 – OL Mg(OH)Cl OMgCl +

35 DADOS 14. Considere as afirmativas a seguir: I - a reação de oxidação de um álcool secundário produz uma cetona. II - A desidratação intermolecular que ocorre entre 2 moléculas de etanol a 140°C em presença de H 2 SO 4 gera but-2-eno III - Não ocorre oxidação do CH 3 -C(CH 3 )OH-CH 3 em presença de ácido sulfúrico. Assinale a(s) afirmativa(s) INCORRETA(S) a) apenas I. b) apenas I e II. c) apenas II. d) apenas I e III. e) apenas III.

36 ÁLCOL 1º [ O ] ALDEÍDO I. [ O ] ÁC. CARBOXÍLICO ÁLCOL 2º [ O ] CETONA ÁLCOL 3º [ O ] NÃO OCORRE II. CH 3 CH 2 OH CH 3 CH 2 OH CH 3 CH 2 O CH 3 H2OH2O+ III. CH 3 C OH CH 3 [ O ] NÃO OCORRE

37 REVISÕES PARA VESTIBULARES EU VOU PASSAR!!! Não esqueçam: Tudo posso Naquele que me fortalece Que Deus ilumine VOCÊS rumo a sua aprovação. Prof. Jurandir


Carregar ppt "QUÍMICA Profº JURANDIR REVISÃO QUÍMICA. 01. Os hidrocarbonetos são extra í dos da mat é ria, principalmente na forma de petr ó leo e g á s natural. A."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google