A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ricardo Carvalho, Diretor sênior de finanças corporativas Fitch Ratings 23 de Agosto de 2010 Agência de Rating: Relacionamento Com Emissores e Fundamentos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ricardo Carvalho, Diretor sênior de finanças corporativas Fitch Ratings 23 de Agosto de 2010 Agência de Rating: Relacionamento Com Emissores e Fundamentos."— Transcrição da apresentação:

1 Ricardo Carvalho, Diretor sênior de finanças corporativas Fitch Ratings 23 de Agosto de 2010 Agência de Rating: Relacionamento Com Emissores e Fundamentos da Análise

2 O Papel da Agência de Rating >Prover uma opinião independente sobre a qualidade de crédito de um emissor ou de uma emissão. >O rating indica uma medida de probabilidade de default. >A agência de rating não realiza serviço de consultoria e não estrutura operações.

3 Relacionamento: O Que Esperar das Partes Envolvidas Pelo Lado da Empresa –Informações adequadas –Total transparência (confidencialidade) –Acesso aos executivos que definem as estratégias da companhia –Interesse pelo rating –Entendimento de que o rating é uma opinião independente Pelo Lado da Agência –Conhecimento analítico e do ambiente de negócios –Metodologia clara e robusta –Opiniões de crédito consistentes –Contínua avaliação do emissor –Confidencialidade

4 >Emissores que contratam o rating apenas para cumprir tabela (atender à regulação). >Se pudessem, realizariam a emissão sem rating. >Transparência junto ao investidor não é o principal foco. >Visão de curto prazo (oportunidade de mercado x relacionamento com investidor/emissões futuras). >Uma vez que a emissão já esteja no mercado, o emissor não entende a necessidade do monitoramento do rating. Rating: Obrigação ou Adição de Valor? Emissores Com Visões Diferentes

5 >Fornecer aos investidores uma opinião independente sobre a companhia/setor definitivamente é uma adição de valor (instrumento adicional para tomada de decisão). >Acesso a novos investidores nacionais e internacionais/visão de longo prazo (oportunidade de mercado x relacionamento com investidor/emissões futuras). >Transparência do risco de crédito da companhia favorece o relacionamento e a aprovação de linhas de crédito junto a instituições financeiras, agências multilaterais e investidores de longo prazo. >Comparabilidade frente a seus pares. Rating: Obrigação ou Adição de Valor? A Visão Deve Ser de Adição de Valor

6 Adição de Valor: Maiores Empresas Brasileiras A Maioria é Analisada Por Duas ou Mais Agências de Rating > Clara compreensão de adição de valor a seus investidores. >Prover ao mercado elevado grau de transparência. >Não ficarem expostas a somente uma opinião de risco de crédito. >Investidor internacional demanda por, pelo menos, dois ratings.

7 Abordagem Técnica: O Que a Fitch Vai Analisar Análise Qualitativa Riscos de Mercado Análise Qualitativa Ambiente Operacional Análise Qualitativa Posição de Mercado Análise Qualitativa Qualidade da Administração/ Governança Corporativa Análise Qualitativa Qualidade das Demonstrações Financeiras

8 Abordagem Técnica: O Que a Fitch Vai Analisar (cont.) Análise Quantitativa Receita e Fluxo de Caixa Análise Quantitativa Estrutura de Capital Análise Quantitativa Flexibilidade Financeira Análise Quantitativa Métricas de Crédito Análise Quantitativa Projeções/Análise de Sensibilidade

9 Risco de Mercado: Considerações Importantes >Riscos da indústria –Afetam significativamente a capacidade de uma empresa de gerar fluxo de caixa >Arriscados – altamente competitivo, intensivo em capital, cíclico, sujeito à regulamentação pelo governo >Menos Arriscado – altas barreiras à entrada, demanda estável, oligopólio >Principais Considerações em Mercados Não Regulados (As Cinco Forças de Porter) –Poder de negociação dos fornecedores –Poder de negociação dos clientes –Ameaça de produtos substitutos –Ameaça de potenciais entrantes –Nível de competição entre empresas existentes

10 Risco Operacional >O Risco do Negócio é medido pela volatilidade e previsibilidade do fluxo de caixa –Risco do país –Característica cíclica do negócio

11 Risco Operacional >Riscos do país –Políticos e econômicos –Regime legal e respeito pelas leis –Risco cambial – transferência e conversibilidade –Risco de liquidez – desenvolvimento de mercados de capitais –Tendências sociais e demográficas >Mesmos riscos para todos os países >Diferem em importância de um país para o outro e entre mercados

12 Mensuração do Risco do Negócio Companhia B Desv.Pad. =1 Companhia A Desv. Pad. = 2 O Risco do Negócio é Medido pela Volatilidade do Fluxo de Caixa Através da Análise do Ciclo do Negócio

13 Risco Operacional: Risco Financeiro Maior Pode Ser Neutralizado Pelo Menor Risco do Negócio Dívida Total / EBITDACompanhia ACompanhia B Alto4.0 Médio Baixo1.02.7

14 Risco Operacional: Empresas Cíclicas >Características das empresas cíclicas –Pouco controle sobre preços voláteis –Intensidade de capital fixo –Grandes ciclos de desembolsos de capital –Rentabilidade está ligada à estrutura de custos

15 Risco Operacional: Principais Características das Empresas Cíclicas Mais Fortes >Baixo custo caixa de produção >Flexibilidade da estrutura de custos >Alta liquidez

16 Risco Operacional: Avaliação da Curva de Custo de Uma Empresa Cíclica Fonte: Suzano

17 Perfil da Companhia >Capacidade de suportar pressões competitivas –Posição no mercado –Nível de dominância do produto –Diversidade de produtos e geográfica –Estrutura de custo –Capacidade de influenciar preço devido ao tamanho

18 Estratégia da Administração e Governança Corporativa >Estratégia operacional –Mede como as prioridades são equilibradas entre dívida e capital >Tolerância a risco –Impacto no crescimento >Políticas financeiras –Estrutura de capital ótima –Dívida vs. capital –Interesse por aquisições –Histórico

19 Estratégia da Administração e Governança Corporativa >Governança corporativa –Independência do Conselho –Transações com partes relacionadas –Controles de políticas financeiras –Remuneração da administração –Integridade da contabilidade e da auditoria

20 Perfil Financeiro: Balanço Patrimonial >Dívida e alavancagem -Montante de dívida absoluto e relativo -Dívida de curto prazo vs. dívida de longo prazo -Dívida bancária vs. dívida junto a mercados de capital -Cronograma de amortização vs. vencimentos únicos -Riscos de taxas de juros: fixas vs. flutuantes -Riscos cambiais: descasamento de moedas

21 Perfil Financeiro: Análise da Liquidez >Caixa e aplicações financeiras – moeda de denominação, tipo de depósito ou investimento e local onde mantido >Linhas de crédito disponíveis e compromissadas >Ativos que podem ser monetizados >Relacionamento com bancos >Estabilidade e previsibilidade do fluxo de caixa

22 Perfil Financeiro: Análise do Demonstrativo de Resultados >EBITDA é útil mas... –Ignora alterações no capital de giro –Não considera os reinvestimentos necessários –Pode ser manipulado através de práticas contábeis –É uma medida de liquidez ilusória –Não é facilmente comparável

23 Análise do Fluxo de Caixa é Crucial >Indica capacidade para pagar os credores >Proporciona input valioso para análise da tendência dos índices >Pontos chaves a analisar –Robustez, volatilidade, previsibilidade, restrições >Fluxo de caixa provê importante sinal de alerta –Informações sobre diferenças de timing entre o reconhecimento das receitas e despesas –Impacto da contabilização pelo regime de competência –Fluxo de caixa operacional negativo é um útil indicador de potenciais encargos futuros

24 >Itens extraordinários –Fora do Comum –Não frequentes – Um tipo cuja recorrência não seria razoavelmente esperada em um futuro previsível –Itens atendendo a uma condição, mas não a outras, reportados separadamente como fora do comum e que deveriam ser apresentados como parte da receita de operações contínuas Perfil Financeiro: Não Ignore os Detalhes

25 >Parecer do auditor –Leia atentamente!!!!!!! –Preocupar-se pelas seguintes razões >Pontos fracos dos controles internos >Reformulações >Discordâncias sobre a contabilização Perfil Financeiro: Não Ignore os Detalhes (cont.)

26 > Viabilizar um mercado secundário forte. > Aumentar a base de emissores: o mercado atualmente é restrito a emissores com ratings acima da categoria A(bra). > Maior grau de transparência ao investidor de debêntures. Desafios Frente a Uma Demanda Crescente Por Crédito Privado no Brasil

27 Fitch Ratings New York One State Street Plaza New York, NY FITCH London Eldon House 2 Eldon Street London EC2M 7UA UK Singapore 7 Temasek Blvd. Singapore The Fitch Group Fitch Ratings Algorithmics Fitch Training


Carregar ppt "Ricardo Carvalho, Diretor sênior de finanças corporativas Fitch Ratings 23 de Agosto de 2010 Agência de Rating: Relacionamento Com Emissores e Fundamentos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google