A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Mini curso conduzido junto à UFRJ e UFRGS Professor David F. Bomfin PhD Conteúdos elaborados pelo Prof. Dr.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Mini curso conduzido junto à UFRJ e UFRGS Professor David F. Bomfin PhD Conteúdos elaborados pelo Prof. Dr."— Transcrição da apresentação:

1 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Mini curso conduzido junto à UFRJ e UFRGS Professor David F. Bomfin PhD Conteúdos elaborados pelo Prof. Dr. David F. Bomfin – Organização: Flávio Hastenreiter. davidbomfin.com

2 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Alguma experiência com aprendizado em grupo? – Sim ou não? Bem sucedida? Mal sucedida? Quais as razões? Quais expectativas para este mini-curso? davidbomfin.com

3 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia O aprendizado em grupo no ensino de engenharia pode contribuir para: A construção de redes colaborativas de aprendizado A preparação do aluno para atuar em situações sociais de trabalho nas suas diversas modalidades e tipos de organizações Descentralizar o processo de aprendizado do professor para e com o grupo Exercício do risco (grupo, aula participativa) x o exercício da certeza (aula expositiva unidirecional) davidbomfin.com

4 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia A construção de redes colaborativas de aprendizado – Ambiente e modo de estudar que oportunize aos alunos: Formular um objetivo comum para o seu processo de aprendizagem; Formular problemas, interesses e experiências pessoais; Assumir o diálogo como o meio fundamental de investigação; davidbomfin.com

5 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia A construção de redes colaborativas de aprendizado – Requer proximidade (não é intimidade) entre participante-facilitador e participante-participante – Assegurar o envolvimento de todos – Promover a aprendizagem transformadora ou aprender a aprender – Discutir medos e inseguranças; – Estar atento às surpresas e aspectos positivos; davidbomfin.com

6 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Aprendizado em grupo voltado para: Conhecimento Habilidade Relação Crítica davidbomfin.com

7 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia e a Pedagogia Situacional 3 PEDAGOGIA DA RELAÇÃO Vai dos processos BÁSICOS de interação aos processos COMPLEXOS da relação. 3 PEDAGOGIA DA RELAÇÃO Vai dos processos BÁSICOS de interação aos processos COMPLEXOS da relação. 2 PEDAGOGIA DA HABILIDADE Vai da REPETIÇÃO de uma habilidade aprendida à autonomia para CRIAÇÃO de um novo método. 2 PEDAGOGIA DA HABILIDADE Vai da REPETIÇÃO de uma habilidade aprendida à autonomia para CRIAÇÃO de um novo método. 4 PEDAGOGIA CRÍTICA INOVADORA Vai das críticas básicas do que se ACHA para a fundamentação de uma proposta com base no eu PENSO. 4 PEDAGOGIA CRÍTICA INOVADORA Vai das críticas básicas do que se ACHA para a fundamentação de uma proposta com base no eu PENSO. 1 PEDAGOGIA DO CONHECIMENTO Vai da TRANSMISSÃO da informação à RECONSTRUÇÃO / RESSIGNIFICAÇÃO do conhecimento. 1 PEDAGOGIA DO CONHECIMENTO Vai da TRANSMISSÃO da informação à RECONSTRUÇÃO / RESSIGNIFICAÇÃO do conhecimento. davidbomfin.com

8 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia PEDAGOGIA DO CONHECIMENTO TRANSMISSÃO DA INFORMAÇÃO Leitura individual, depois em pequeno grupo crescente de 2 a mais pessoas, dependendo da complexidade do tema; Audição de uma exposição verbal diretiva ou participativa, via anotações individuais, depois em pequeno grupo crescente de 2 a mais pessoas, dependendo da complexidade do tema, produzir uma síntese coletiva como memória do aprendizado; Assistir a um vídeo educativo, específico ou geral sobre o tema, para mapeamento das informações de forma individual e depois em pequeno grupo crescente de 2 a mais pessoas, dependendo da complexidade do tema, construir o repertório de informação recebida; davidbomfin.com

9 Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia PEDAGOGIA DO CONHECIMENTO RECONSTRUÇÃO/ RESSIGNIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO – Apresentar situações-problema como estratégia para mobilizar o interesse das pessoas; – Em seguida, estabelecer correlações com o tema estudado: reconstruindo (juntar partes que cada membro do grupo tem sobre o tema) ou ressignificando, a informação, de maneira a compor o repertório cognitivo da pessoa, dando sentido, portanto, a algo que possa ter um grau de abstração, ou que tenha pouca relevância no repertório cognitivo conceitual. davidbomfin.com

10 PEDAGOGIA DA HABILIDADE REPETIÇÃO DE UMA HABILIDADE APRENDIDA -Aula demonstrativa sobre habilidades a serem adquiridas e repetidas até o grau de perfeição esperado e/ou aceito, em função da complexidade funcional requerida. -Métodos de demonstração e simulação. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

11 PEDAGOGIA DA HABILIDADE AUTONOMIA PARA A CRIAÇÃO/ TESTE DE UM NOVO MÉTODO -Aula experimental: -mediante supervisão e código de responsabilidade no grupo (a supervisão poderá ser do professor ou membro do grupo, ou revezamento de papéis, que se candidata como aquele que detem certo grau de identidade - motivação com a atividade), -os participantes do grupo deverão testar novas possibilidades criativas em relação ao método aprendido. -Neste caso poderá servir: - para a criação e/ou entrar em contato com as limitações de prontidão (teórica e metodológica) para a referida criação; Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

12 PEDAGOGIA DA RELAÇÃO PROCESSOS BÁSICOS DE INTERAÇÃO Oportunizar ao grupo entrar em contato com os fatores primários e desafiantes para o processo de produção em grupo: – comunicação, motivação, conflito, compromisso, ética, papéis... Técnicas de leitura, debates e exercícios em pequenos grupos, serem irão realçar estes comportamentos. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

13 PEDAGOGIA DA RELAÇÃO PROCESSOS COMPLEXOS DA RELAÇÃO Dar conta de que o processo produtivo em equipe requer um aprendizado contínuo, cujo primeiro laboratório é a sala de aula interativa. – conflito, ciúme, inveja, e outros sentimentos ligados ao processo controle (Shutz), luta e fuga (Bion) – este processo ocorre na sala de aula, quer o professor e o grupo queiram ou não. Atividades que envolvem mais tempo na sua realização, mobilizam estes comportamentos: preparação de um congresso, seminário, e outros. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

14 PEDAGOGIA CRÍTICA-INOVADOR O QUE SE ACHA Trata-se de entrar em contato com as primeiras impressões que o grupo tem sobre um dado fato. É o estágio inicial de uma crítica. São as primeiras impressões que se tem, com base no primeiro nível de repertório trazido pelo grupo para o processo para o qual se busca uma inovação. – Técnicas de brainstorming são eficazes para esta etapa. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

15 PEDAGOGIA CRÍTICA-INOVADORA FUNDAMENTAÇÃO DE UMA PROPOSTA COM BASE NO EU PENSO -O grupo é levado a buscar fundamentações que possam contribuir para a elaboração de uma crítica inovadora que agregue uma nova possibilidade de lidar com o objeto em estudo. -Análise crítica sobre a fase 1 do brainstorming; -Teste de hipóteses e outras estratégias. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

16 Quando o melhor é promover aprendizado individual ao invés do aprendizado em grupo? -Verificar competências individuais e não coletivas -Quando o clima do grupo não é favorável -Quando a intuição diz não faça Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

17 Fundamentos da dinâmica de grupo – fases pelas quais um grupo passa – papéis assumidos por seus membros – estratégias diagnósticas para identificar quando promover ou não um trabalho em grupo. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

18 Estratégias de aprendizado para - grupos grandes - grupos pequenos Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

19 A ética do educador como formador de pessoas que irão atuar em ambientes profissionais diversos: - Cada vez mais, as habilidades sociais de inter-relacionamento profissional e aprendizado em grupo são requeridas. - Aprendizagem Organizacional Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia davidbomfin.com

20 Conjunto de pessoas com: Objetivo comum: ajuste de expectativas, contrato de trabalho Organização – Divisão de trabalho – Definição de papéis Interação – compartilhar Identidade social – Percepção de ser parte do todo Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia DINÂMICA DE GRUPO davidbomfin.com

21 OBJETIVOS – Facilitar o aprendizado da autonomia e da liberdade em relação aos outros com profundo respeito aos valores e peculiaridades de cada um – Desenvolver competências interpessoais – Aprender a aprender a trabalhar em grupo – Não perder a dimensão individual (eu e o outro) Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia DINÂMICA DE GRUPO davidbomfin.com

22 APRENDIZAGEM PARA O FACILITADOR Abrangência do conceito de técnica – Técnicas são meios e não fins Escolha da técnica – Necessidades do grupo – Competência do educador – Objetivo do aprendizado (C – H – R – Cr) Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia DINÂMICA DE GRUPO davidbomfin.com

23 Dependência: busca de apoio do líder, de outro membro, ou de alguém de fora; Luta: ataque ao que percebe como fator estressante; Fuga: evasão da situação problema para não lidar com o obstáculo real; Acasalamento: apoio, expressão e troca de sentimentos. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia PADRÕES DE INTERAÇÃO GRUPAL davidbomfin.com

24 INCLUSÃO Situar-se no grupo dentro ou fora AFEIÇÃO Trocas afetivas próximo ou distante CONTROLE Divisão de poder topo ou base Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia FASES DE DESENVOLVIMENTO DO GRUPO davidbomfin.com

25 Cada grupo constrói um clima emocional/ clima de trabalho próprio através das relações entre seus membros: – Afetuosas – Cooperativas – Superficiais – Conflitivas – Agressivas Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia DIMENSÃO INTERPESSOAL NOS PROCESSOS DE GRUPO davidbomfin.com

26 O grupo é uma gestalt dinâmica. Assume uma configuração própria que influi nos sentimentos e ações de cada um. Níveis de interação – Nível das tarefas: atividades dirigidas ao objetivo. – Nível sócio-emocional: processos interpessoais associados à manutenção do grupo. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia A INTERAÇÃO GRUPAL davidbomfin.com

27 Os papéis estão ligados a: tarefa, objetivos e situações. Em certos momentos há papéis que ninguém percebe claramente ou deseja. Os papéis exprimem-se por atitudes e seu aparecimento ou modificação fazem a dinâmica do grupo. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia PAPÉIS DOS MEMBROS DO GRUPO davidbomfin.com

28 Função do grupo: facilitar o esforço do grupo no alcance de objetivos comuns. Fortalecimento do grupo: alterar ou manter a forma de trabalho: preservar coesão. Individuais: satisfazer necessidades pessoais, em geral irrelevantes para o grupo como um todo. Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia TIPOS DE PAPÉIS davidbomfin.com

29 REFERÊNCIAS ALCANTARA, Alcides de. A dinâmica de grupo e sua importância no ensino. RJ: SENAI,1997. AMADO, Gilles et al. A dinâmica da comunicação nos grupos: Rio de Janeiro: ZAHAR, BARTH, Peter; Martins, Roberto C. Aprendizagem vivencial em treinamento e educação. Rio de Janeiro: Intercultural Ed BARRETO, Yara. Como treinar sua equipe. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed BEAL, George M.; BOHLEN, Joe M.; RAUDABAUGH, J. Neil. Liderança e dinâmica de grupo. Rio de Janeiro: Zahar Editores, BOMFIN, David F. Pedagogia no treinamento: correntes pedagógicas no ambiente de aprendizagem nas organizações. 2. ed. Rio de Janeiro:Qualitymark Editora, v p. BOMFIN, David F. Pedagogia no Treinamento: Correntes Pedagógicas no Ambiente de Aprendizagem nas Organizações. 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, v p. davidbomfin.com

30 BOMFIN, David F. Pedagogia no Treinamento: Correntes Pedagógicas no Treinamento Empresarial. 1. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, v p. CASTILHO, A. Construindo equipes para alto desempenho. Rio de Janeiro: Qualitymark, COREY, Gerald et al. Técnicas de grupo. RJ: ZAHAR,1983. FERRY, Giles. A prática do trabalho em grupo: uma experiência de formação de professores. Porto Alegre: Globo, FRITZEM, Silvino J. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. Petrópolis: Vozes, KLEIN, Josephine. O estudo de grupos. RIO: ZAHAR, MAILHOT, Gerard. Dinâmica e gênese dos grupos. Duas Cidades, MINICUCCI, Agostinho. Técnicas de trabalho de grupo. SP: Atlas, ________. Dinâmica de grupo: teoria e sistemas. SP: Atlas, MOSCOVICI, Fela. Desenvolvimento Interpessoal. RJ: LTC, REFERÊNCIAS davidbomfin.com

31 MUCCHIELLI, Roger. A formação de adultos. SP: Martins Fontes, NEVES, C. F.; H, Silveira M.; BOMFIN, David F. Aprendizado em grupo: uma estratégia didático-pedagógica permanente no estágio de docência no programa de engenharia oceânica da COPPE/UFRJ. XXXII COBENGE, XXXII, v. 1, p , PARKER, G. M. O poder das equipes: um guia prático para implementar equipes interfuncionais de alto desempenho. Rio de Janeiro: Campus, ROBBINS, H. FINLEY, M. Por que as equipes não funcionam: o que não deu certo e como torná-las criativas e eficientes. Rio de Janeiro: Campus, ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. S. Paulo: Pearson Prentice Hall, SCHERMERHORN Jr.; JOHN R.; HUNT, James G.; OSBORN, Richard N. Fundamentos de comportamento organizacional. Porto Alegre: Bookman, REFERÊNCIAS davidbomfin.com


Carregar ppt "Aprendizado em Grupo no Ensino de Engenharia Mini curso conduzido junto à UFRJ e UFRGS Professor David F. Bomfin PhD Conteúdos elaborados pelo Prof. Dr."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google