A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Macroeconomia baseada na estrutura do capital Crescimento sustentável e insustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão 2006 Adaptado do livro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Macroeconomia baseada na estrutura do capital Crescimento sustentável e insustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão 2006 Adaptado do livro."— Transcrição da apresentação:

1

2 Macroeconomia baseada na estrutura do capital Crescimento sustentável e insustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão 2006 Adaptado do livro Time and Money: The Macroeconomics of Capital Structure por Roger W. Garrison London: Routledge, 2001 Macroeconomia austríaca

3 Seus elementos A Fronteira de Possibilidades de Produção O mercado de crédito A estrutura da produção O mercado de trabalho especificado por estágios da produção Suas aplicações Crescimento sustentável (apoiado pela poupança) Crescimento insustentável (ativado pela criação de crédito) Uma perspectiva da macroeconomia baseada na estrutura do capital

4 A macroeconomia baseada na estrutura do capital é um desdobramento da teoria austríaca dos ciclos econômicos uma teoria apresentada em 1913 por Ludwig von Mises e desenvolvida nos anos 1930 por Friedrich A. Hayek e outros. LUDWIG VON MISES FRIEDRICH A. HAYEK

5 Uma perspectiva da macroeconomia baseada na estrutura do capital: Três visões da economia de mercado Teorizando sempre em termos de grandes agregados, John Maynard Keynes argumentava que as economias de mercado atuam perversamenteespecialmente os mecanismos de mercado que supostamente devem fazer com que a poupança fique em equilíbrio com o investimento. Considerando que o desemprego e a ociosidade dos recursos eram a norma, Keynes clamava por políticas contracíclicas fiscais e monetárias, e, em última instância, por uma socialização abrangente do investimento. O monetarismo de Milton Friedman se baseava em níveis ainda maiores de agregados. A equação de troca MV=PQ faz uso de uma variável global (Q), eclipsando completamente a questão da alocação de recursos: se estes devem ser voltados para consumo presente ou para investimentos futuros. Considerando que os problemas não emergiam naturalmente do mercado, Friedman se concentrava na relação entre a oferta monetária controlada pelo governo e o nível geral de preços. A macroeconomia baseada na estrutura do capital se distingue das duas anteriores por causa de sua desagregação – o que torna claro tanto o problema da alocação intertemporal de recursos quanto o potencial para uma solução de mercado. F. A. Hayek mostrou que uma coordenação das decisões entre poupança e investimento pode ser feita por uma taxa de juros gerida puramente pelo mercado. E também reconheceu que esse aspecto da economia de mercado é particularmente sensível à manipulação dos juros feita pelos bancos centrais.

6 Um adendo metodológico: Antes de perguntarmos como as coisas podem dar errado, devemos primeiro explicar como elas alguma vez puderam dar certo. F. A. Hayek Crescimento sustentável e não sustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão

7 CONSUMO INVESTIMENTO A Fronteira de Possibilidades de Produção A Fronteira de Possibilidades de Produção (FPP) é normalmente utilizada para enfatizar o conceito de escassez, ilustrar o trade-off implícito e expor teorias sobre capital e juros, crescimento econômico e comércio internacional. Mas a FPP raramente aparece nas construções macroeconômicas. Na macroeconomia baseada na estrutura do capital, consumo e investimento representam usos alternativos dos recursos econômicos. Sob condições favoráveis, uma economia de mercado com pleno emprego aloca recursos para ambos os usos, tirando o máximo proveito dessa alternância (trade-off). Ilustrar o trade-off entre consumo e investimento fornece um contraste às construções keynesianas, onde essas duas magnitudes macroeconômicas são tratadas como componentes suplementares dos gastos do setor privado.

8 CONSUMO INVESTIMENTO Investimento líquido positivo significa que a economia está crescendo. A FPP se expande ano após ano, permitindo níveis crescentes tanto de consumo quanto de investimento. Investimento, nessa construção, representa o investimento bruto, que inclui o capital de reposição. Tipicamente, o investimento necessário apenas para repor o capital exaurido ou obsoleto é menor do que o investimento total, ou bruto. Essa expansão da FPP representa um crescimento econômico sustentável. A diferença entre as magnitudes reposição e bruto constituem o investimento líquido, que é o que permite o crescimento da economia. Investimento Bruto Capital de Reposição Investimento Líquido

9 Quatro períodos de crescimento são mostrados – com o consumo, bem como a poupança e o investimento, aumentando em cada período. A taxa real de expansão da FPP depende de muitos fatores. CONSUMO INVESTIMENTO Por exemplo, com o crescimento econômico aumenta também a depreciação do capital. Mas aumentos da renda geralmente são acompanhados por aumentos adicionais na poupança e no investimento. Veja a economia crescer. Investimento Bruto Capital de Reposição Investimento Líquido

10 CONSUMO INVESTIMENTO Suponha que as pessoas se tornem mais econômicas, mais orientadas para o futuro. Elas vão reduzir o consumo atual e começar a poupar. Importante: uma alteração na poupança – o que provoca um movimento ao longo da FPP inicial – afeta a taxa na qual a FPP se expande. Quatro períodos de crescimento são mostrados – com o consumo, bem como a poupança e o investimento, aumentando em cada período. A taxa real de expansão da FPP depende de muitos fatores. Por exemplo, com o crescimento econômico aumenta também a depreciação do capital. Mas aumentos da renda geralmente são acompanhados por aumentos adicionais na poupança e no investimento. Veja a economia crescer. Com o aumento da poupança (e do investimento), a economia passa a crescer a uma taxa maior. Veja o movimento ao longo da FPP.

11 CONSUMO INVESTIMENTO Veja a economia crescendo a uma taxa maior. O aumento da poupança faz a diferença. Vamos comparar essa economia de alto crescimento com a economia original, de baixo crescimento.

12 INVESTIMENTO Observe a diferença que um aumento inicial na poupança traz ao padrão de consumo e investimento. Sem um aumento inicial na poupança, o consumo e o investimento aumentam modestamente de um período a outro. Com um aumento inicial na poupança, o investimento aumenta em detrimento do consumo, após o qual tanto o consumo quanto o investimento aumentam dramaticamente de um período a outro. CONSUMO INVESTIMENTO Já no quarto período, a poupança inicial se transformou em um nível de consumo maior do que de outra forma teria sido possível. CONSUMO

13 A Fronteira de Possibilidades de Produção até agora nos mostrou o que é possível de acontecer – dadas as condições tecnológicas, as restrições de recursos e as preferências (intertemporais). Mas ainda resta ser mostrado como pode esse possível vir de fato a ocorrer em uma economia de mercado. Como podem as preferências intertemporais – e especialmente as mudanças nas preferências intertemporais – se converterem em decisões tomadas pela comunidade de investidores? O principal sinal de preços é a taxa de juros, que está plenamente associada com o mercado de crédito (fundos para empréstimos). Nas aplicações reais, é claro, deve-se levar em consideração uma miríade de taxas de juros, cujas variações derivam de considerações de risco, das incertezas e da estrutura da maturação do título.

14 S TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D O Mercado de Crédito A teoria sobre mercados de crédito era um pilar da macroeconomia pré- keynesiana. Com a taxa de juros exercendo a função de preço, a teoria dos mercados de crédito é uma aplicação direta da análise de oferta e demanda feita por Alfred Marshall. A poupança constitui a oferta (S) de fundos a serem emprestados. Ambos Eugen von Böhm-Bawerk e John Maynard Keynes reconheciam que a taxa de juros relevante deveria ser uma que fosse amplamente concebida; e que o amplo mercado equilibrado por ela é o mercado dos recursos a serem investidos. A demanda reflete a disposição da comunidade empreendedora para pegar emprestado esses fundos e investi-los em projetos. Recursos a serem investidos

15 S TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D O Mercado de Crédito A teoria sobre mercados de crédito era mais identificada com Dennis Robertson, um contemporâneo de Keynes e um crítico da teoria alternativa de Keynes – a teoria de que os juros são determinados de acordo com a preferência pela liquidez dos agentes. Sir Dennis H. Robertson ( )

16 S TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D O Mercado de Crédito A teoria sobre mercados de crédito era mais identificada com Dennis Robertson, um contemporâneo de Keynes e um crítico da teoria alternativa de Keynes – a teoria de que os juros são determinados de acordo com a preferência pela liquidez dos agentes. Sob a sugestão de Roy Harrod, um solidário expositor do sistema keynesiano, Keynes incluiu em sua Teoria Geral (p. 180) uma interpretação gráfica do mercado de crédito. Esse é o único diagrama que aparece em seu livro. O propósito de Keynes era mostrar explicitamente a parte do pensamento pré-keynesiano que estava sendo descartada – a saber, a teoria dos mercados de crédito.

17 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D O Mercado de Crédito Os economistas austríacos basearam muito de suas teorizações sobre a poupança, o investimento e a taxa de juros na estrutura do mercado de crédito, ainda que eles raramente tenham incluído alguma interpretação gráfica deste. Se as pessoas se tornam mais orientadas para o futuro, elas aumentam sua poupança, fazendo com que as taxas de juros caiam e, com isso, encorajando a comunidade empresarial a empreender mais projetos de investimento. S Com uma dada tecnologia, a poupança e o investimento são os pré-requisitos para um crescimento econômico genuíno (sustentável). Veja a curva da poupança se deslocar para a direita.

18 S CONSUMO INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D O mercado de crédito mostra como a taxa de juros faz com que a poupança e o investimento estejam em sincronia um com o outro. A fronteira de possibilidades de produção mostra como a alternância (trade-off) fica restrita entre o consumo e o investimento. Os ajustes de mercado entre os preços dos produtos finais, os salários e os preços dos insumos mantêm a economia funcionando sobre sua FPP. O mercado de crédito e a fronteira de possibilidades de produção contam histórias que se reforçam mutuamente.

19 INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S CONSUMO Esses dois elementos da macroeconomia baseada na estrutura do capital mostram que o padrão dos movimentos no consumo, na poupança, no investimento e na taxa de juros são consistentes com a mudança das preferências intertemporais. A taxa de juros mais baixa estabelece um novo equilíbrio no mercado de crédito, e a economia se move ao longo da FPP na direção de mais investimento e menos consumo (no presente). Assim como antes, daremos um exemplo no qual as pessoas se tornam mais orientadas para o futuro. Elas poupam mais, o que envia um sinal para a comunidade empresarial. Veja a queda, induzida pelo aumento da poupança, na taxa de juros e o respectivo movimento ao longo da FPP.

20 INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D CONSUMO Até mesmo a possibilidade de uma economia de mercado poder funcionar assim está em desacordo com a teoria keynesiana. Observe que mais investimento é feito simultaneamente a uma queda no consumo. Isso é apenas para reconhecer o óbvio: movimentos ao longo da FPP resultam necessariamente em movimentos opostos do consumo e do investimento. Entretanto, de acordo com Keynes, qualquer redução nos gastos do consumidor iria resultar em um excesso de estoques, que por sua vez causariam cortes na produção, demissões e espirais baixistas na renda e nos gastos. A economia entraria em recessão, e a comunidade empresarial iria incorrer em menos investimentos, e não em mais. Esse é o Paradoxo da Poupança de Keynes S

21 INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D CONSUMO Se os estoques varejistas fossem um investimento representativo, então Keynes estaria certo. Nesse caso, o efeito derivado da demanda dominaria. Uma redução nos gastos do consumidor significaria menos reposição de estoques. E no geral, os investimentos dos estágios finais da produção ocorrem de acordo com os gastos do consumidor. Entretanto, o efeito da taxa de juros domina os investimentos de longo prazo – ou os estágios iniciais dos investimentos. Uma taxa de juros mais baixa pode estimular uma construção industrial, por exemplo, ou o desenvolvimento de novos produtos. Para acompanhar as mudanças no padrão geral dos investimentos, é necessário considerar a estrutura da produção e o mercado de trabalho especificado por etapas (i.e., por estágios da produção) S

22 As etapas definidas em termos temporais estão ordenadas graficamente da esquerda para a direita, sendo que o produto do estágio final consiste no produto de consumo final. O estágio inicial do investimento é exemplificado pelo desenvolvimento do produto. A Estrutura da Produção A macroeconomia baseada no capital desagrega intertemporalmente a estrutura do capital. O produto de consumo final é produzido através de uma seqüência de etapas de produção, sendo que o produto de uma entra como o insumo da próxima. ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO GERENCIAMENTO DE ESTOQUES O estágio final do investimento é exemplificado pelo gerenciamento de estoques.

23 A Estrutura da Produção ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Por mera conveniência pedagógica, a estrutura inicial do capital será mostrada como tendo apenas cinco estágios. Com o crescimento, o número de estágios irá aumentar. Embora todos os cinco estágios estejam em operação durante cada período de tempo, os recursos podem ser rastreados através da estrutura de produção ao longo do tempo. Veja os recursos – ou mercadorias em fabricação – se moverem através das etapas (ou estágios) de produção.

24 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Juntadas, a seqüência de estágios forma um triângulo hayekiano – uma representação concisa da estrutura intertemporal de produção de uma economia. Em uma economia em crescimento, o triângulo aumenta de tamanho conjuntamente com a expansão da fronteira de possibilidades de produção.

25 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO INVESTIMENTO Juntadas, a seqüência de estágios forma um triângulo hayekiano, uma representação concisa da estrutura intertemporal de produção de uma economia. Em uma economia em crescimento, o triângulo aumenta de tamanho conjuntamente com a expansão da fronteira de possibilidades de produção. Veja a FPP e a estrutura de produção se expandirem conjuntamente. CONSUMO

26 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Quando as pessoas optam por poupar mais, elas mandam dois sinais aparentemente conflitantes para o mercado: 1.Um consumo menor enfraquece a demanda por bens de capital que estão próximos – em termos temporais – do produto final de consumo. Esse é o efeito derivado da demanda. 2. Uma menor taxa de juros, que significa empréstimos a custos menores, estimula a demanda por bens de capital que estão distantes, em termos temporais, do produto final de consumo. Esse é o efeito do desconto temporal – ou simplesmente o efeito da taxa de juros.

27 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Os efeitos derivados da demanda e do desconto temporal estarão em conflito apenas se o investimento for concebido como sendo um simples agregado – como é na fórmula keynesiana C + I + G. Na macroeconomia baseada no capital, o capital – logo, o investimento – é concebido como uma estrutura. Mudanças na demanda por investimentos, portanto, podem ter efeitos distintos sobre os vários estágios da produção (que podem sofrer adições ou subtrações) que compõem a estrutura. A teoria de Keynes, que foi feita em termos de um agregado ao invés de em termos de uma estrutura, é o que fundamenta a afirmação de Hayek de que os agregados do Sr. Keynes escondem os mecanismos mais fundamentais da mudança.

28 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Um aumento na poupança resulta em uma realocação de recursos entre os estágios da produção. Os dois efeitos (o derivado da demanda e o desconto temporal) atuam separada e complementarmente na estrutura do capital: Veja a estrutura da produção reagir a um aumento da poupança. 1.Efeito derivado da demanda: Uma diminuição da demanda por bens de consumo desestimula os investimentos nos estágios finais da produção, reduzindo a altura do triângulo hayekiano. 2.Efeito do desconto temporal: Uma taxa de juros reduzida estimula os investimentos nos estágios iniciais da produção, aumentando a base do triângulo hayekiano. Observe o surgimento de um sexto estágio de produção.

29 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO

30 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO A FPP mostra que mais poupança permite mais investimento. CONSUMO INVESTIMENTO Veja a economia responder a um aumento na poupança. A estrutura da produção passa a ter uma orientação mais voltada para o futuro, o que é consistente com a poupança que tornou possível tal reestruturação. Ou seja, as pessoas estão poupando agora para aumentar seu poder de compra futuro. Um aumento da poupança, portanto, tem efeito tanto na magnitude do investimento quanto no padrão temporal da criação de capital. O triângulo hayekiano mostra que a criação de capital nos últimos estágios da produção (tais como estoques varejistas) diminui, ao passo que a criação de capital nos estágios iniciais (tais como desenvolvimento de produtos) aumenta.

31 Como mostrado pela FPP e pelo triângulo hayekiano, o consumo cai enquanto a economia se adapta a uma taxa de crescimento maior, após o qual o consumo aumenta ainda mais rapidamente do que antes… Poupar significa abrir mão de algum consumo no curto prazo… CONSUMO INVESTIMENTOESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Veja a economia crescer mais rapidamente. CONSUMO TEMPO e eventualmente supera o curso de crescimento anteriormente projetado. no intuito de desfrutar de um maior consumo no médio prazo (e possivelmente no longo prazo, também).

32 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Mercado de trabalho especificado por estágios Enquanto que a maioria das teorias macroeconômicas lidam com o mercado de trabalho e com salários, a macroeconomia da estrutura do capital leva em conta o mercado de trabalho especificado por estágios da produção. Com uma mudança na taxa de juros, os salários específicos por estágio se alteram seguindo um padrão, e não uniformemente. MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO FINAL MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO INICIAL NN WW Embora pudéssemos descrever um mercado de trabalho para cada estágio, o padrão de mudanças (o gradiente salarial, nas palavras de Hayek) só é revelado se distinguirmos entre os mercados de trabalho do estágio inicial e final.

33 ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO Mercado de trabalho especificado por estágios ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO FINAL MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO INICIAL NN WW Um aumento na poupança tem efeitos diferenciados na demanda por mão de obra nos estágios iniciais e finais. Nos estágios iniciais, o efeito da taxa de juros (condições creditícias favoráveis) supera o efeito derivado da demanda. Nos estágios finais, o efeito derivado da demanda (o investimento se dá em detrimento do consumo) supera o efeito da taxa de juros. Veja a economia respondendo a um aumento da poupança.

34 MERCADO DE TRABALHO ESPECIFICADO POR ESTÁGIOS S D INVESTIMENTO CONSUMO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) MERCADO DE CRÉDITO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO FRONTEIRA DE POSSIBILIDADES DE PRODUÇÃO ESTRUTURA DE PRODUÇÃO MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO FINAL MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO INICIAL NN WW

35 INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO FINAL MERCADO DE TRABALHO DO ESTÁGIO INICIAL NN WW Veja a economia responder a um aumento da poupança

36 Com taxas de juros artificialmente baixas, os consumidores reduzem a poupança e passam a consumir mais, e os empresários aumentam seus gastos com investimento. E então você cria um desequilíbrio entre poupança e investimento. Tem-se uma economia em crescimento insustentável. Essa é, em suma, a lição da crítica austríaca aos bancos centrais, desenvolvida nos anos 1920 e do artigo Panic Time at the Fed, escrito por Steve H. Hanke para a revista Forbes, em maio de 2008.Panic Time at the Fed Crescimento Sustentável e Insustentável A Macroeconomia do Crescimento e da Recessão

37 Crescimentos econômicos acelerados (boom) sempre se deram com um grande aumento no investimento, grande parte do qual se comprovou errôneo, equivocado. Isso, é claro, sugere que uma oferta de capital que nunca existiu passou a ser tratada como existente. Todo esse arranjo – estímulo para se investir em larga escala, seguido de um período de escassez aguda de capital – é consistente com a idéia de que houve uma má orientação dos investimentos devido a influências monetárias. E esse esquema geral, creio eu, está correto. --de uma entrevista conduzida por Jack High como parte do UCLA Oral History Program (1978). Crescimento Sustentável e Insustentável A Macroeconomia do Crescimento e da Recessão

38 O resultado não será um novo e sustentável equilíbrio, mas sim um desequilíbrio que, por um tempo, fica coberto pela infusão de fundos para mais crédito. TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S Expansão do Crédito Um aumento da oferta monetária adentra a economia através dos mercados de crédito. O banco central literalmente cria dinheiro do nada e o coloca em circulação. Esse novo dinheiro passa a ser visto como poupança. Ou seja, a oferta de fundos para empréstimos (crédito) se desloca para a direita – mas sem que tenha havido qualquer aumento da poupança. Reagindo a uma taxa de juros menor, as pessoas passam a poupar menos e a consumir mais. Veja os movimentos opostos da poupança e do investimento quando o banco central adiciona dinheiro (ΔM) no mercado de crédito (pelo lado da oferta).

39 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S A discrepância entre poupança e investimento é ocultada por novas criações de dinheiro, que por si só não representam recursos a serem investidos. Os investidores se movem ao longo da sua curva de demanda, se aproveitando dos menores custos dos empréstimos. A injeção de dinheiro através dos mercados de crédito cria um descompasso entre a poupança e o investimento. Os poupadores se movem ao longo da sua inalterada curva de poupança, em resposta ao menor incentivo para se poupar. A maioria dos escritos de Hayek é direcionado a um enfoque menor na relação básica entre dinheiro e o nível geral de preços e a um enfoque maior na descoordenação intertemporal causada pela expansão do crédito.

40 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S Mas os assalariados na realidade estão poupando menos (logo, consumindo mais), o que sugere um movimento anti- horário ao longo da FPP, na direção do consumo. Condições favoráveis de crédito estimulam mais investimentos, o que sugere um movimento no sentido horário ao longo da FPP, na direção do investimento. INVESTIMENTO CONSUMO Observando a dimensão do investimento (movimento horário) e a dimensão do consumo (movimento anti-horário), vemos que uma expansão do crédito empurra a economia para um ponto localizado além da FPP. A discrepância entre poupança e investimento se converte em um cabo-de- guerra entre consumidores e investidores.

41 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S INVESTIMENTO CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO A baixa taxa de juros, consistente com uma orientação mais voltada para o futuro, estimula o investimento nos estágios iniciais. Mas sem recursos suficientes sendo liberados em outros lugares, a maioria desses investimentos jamais será completada. E na verdade, o aumento da demanda do consumidor atrai alguns recursos para os estágios finais, diminuindo ainda mais as possibilidades de se completar a nova estrutura do capital. CONSUMO

42 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S INVESTIMENTO CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO Maus investimentos Sobreconsumo A dinâmica desse ciclo gera tanto investimentos excessivos (sobreinvestimento) – mostrados no diagrama da FPP – como também investimentos errôneos ou maus investimentos (alongamento do triângulo hayekiano). Essas distorções são agravadas pelo sobreconsumo (como ilustrado na FPP e no triângulo de Hayek). Sobreinvestimento Sobreconsumo Mises repetidamente utilizava a frase maus investimentos e sobreconsumo. CONSUMO

43 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S INVESTIMENTO CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO Maus investimentos Sobreconsumo O cabo de guerra que opõe consumidores a investidores leva a economia para além da FPP. A baixa taxa de juros favorece o investimento, e as restrições cada vez maiores de recursos impedem que a economia atinja o ponto além da FPP. Sobreinvestimento Sobreconsumo Essa estrutura de produção temporariamente em conflito (triângulos desconexos) eventualmente transforma um crescimento em recessão – e possivelmente em uma depressão. CONSUMO

44 CABO-DE-GUERRA ENTRE CONSUMIDORES E INVESTIDORES INVESTIMENTO CONSUMO DISCREPÂNCIA ENTRE POUPANÇA E INVESTIMENTO TRIÂNGULOS DESCONEXOS TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S S +ΔM+ΔM CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO

45 POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S CONSUMO INVESTIMENTO Inflar a oferta de fundos de crédito com dinheiro criado do nada gera uma discrepância entre poupança e investimento. Ocultar a diferença entre poupança e investimento dá início ao cabo-de-guerra entre consumidores e investidores. Opor os estágios iniciais aos finais na busca por recursos distorce o triângulo hayekiano em ambas as direções, sendo que essa descoordenação temporal eventualmente irá transformar o crescimento em recessão. Veja a economia reagindo a uma expansão do crédito. ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO TAXA DE JUROS CONSUMO

46 INVESTIMENTO TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO Aumento da poupança vs. expansão artificial do crédito: uma comparação resumida A poupança dá suporte ao crescimento genuíno. Veja.

47 TAXA DE JUROS POUPANÇA (S) INVESTIMENTO (D) D S +ΔM+ΔM S CONSUMO INVESTIMENTO Aumento da poupança vs. expansão artificial do crédito: uma comparação resumida A expansão artificial do crédito gera crescimento seguido de recessão. Veja. ESTÁGIOS DA PRODUÇÃO CONSUMO

48 Roger W. Garrison, Time and Money: The Macroeconomics of Capital Structure London: Routledge, Trechos do livro e mais alguns materiais suplementares podem ser encontrados em auburn.edu/~garriro Time and Money desenvolve e defende essa abordagem macroeconômica baseada na estrutura do capital e a compara às abordagens alternativas associadas ao keynesianismo e ao monetarismo. Indo além das questões sobre crescimento e variações cíclicas, o livro também lida com déficits governamentais, controles de crédito, reforma tributária e muito mais. Crescimento Sustentável e Insustentável A Macroeconomia do Crescimento e da Recessão

49 Capital-Based Macroeconomics Crescimento sustentável e insustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão Tradução de Leandro Augusto Gomes Roque 2006 Adaptado do livro Time and Money: The Macroeconomics of Capital Structure por Roger W. Garrison London: Routledge, 2001


Carregar ppt "Macroeconomia baseada na estrutura do capital Crescimento sustentável e insustentável A macroeconomia do crescimento e da recessão 2006 Adaptado do livro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google