A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Controle do ciclo estral. Objetiva através de técnicas de manejo e terapêuticas manipular o ciclo da égua.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Controle do ciclo estral. Objetiva através de técnicas de manejo e terapêuticas manipular o ciclo da égua."— Transcrição da apresentação:

1 Controle do ciclo estral

2 Objetiva através de técnicas de manejo e terapêuticas manipular o ciclo da égua

3 Sazonalidade Poliéstrica estacional –Alimentação –Fotoperíodo

4 Fotoperíodo Variações Sazonais Latitude

5 Fotoperíodo

6 Não Cíclica Anestro Fase Transicional

7 Anestro GnRH Gonadotrofinas Indiferença ao macho Ovários pequenos e duros

8 Fase Transicional GnRH e FSH aumentando LH Ovários com múltiplos folículos <25mm

9 Cíclica Estro Diestro

10 Estro <2ng de progesterona circulante Presença de folículo dominante

11 Diestro >2ng de progesterona circulante Presença de corpo lúteo

12 Temporada de Monta Hemisfério Sul 15 de Agosto a 15 de Janeiro

13 Temporada de Monta Potros nascidos do início da temporada: Valor comercial Custo de criação Criação Doenças

14 Temporada de Monta Não há correspondência entre a temporada de monta oficial e a ciclicidade das éguas Muitas éguas em anestro ou na Fase Transicional em 15/8

15 Crescimento folicular Anestro –Fotoperíodo Artificial –GnRH

16 Fotoperíodo Artificial Primeiros trabalhos em poneis – estímulo luminoso adiantava a ciclicidade 1968 – Trabalhos em larga escala, utilizava-se fotoperíodo crescente 1982 – Fase foto-sensitiva

17 Fotoperíodo Artificial

18 Importante é a noite. Fase foto- sensitiva 1h de luz após 8,5h e 9,5h de noite.

19 Fotoperíodo Artificial Início 60 dias antes da temporada Luz Mista 10 W/m 2

20 Fotoperíodo Artificial Vantagens –Todas as éguas respondem –Custo baixo –Após a primeira ovulação as éguas continuam ciclando Desvantagens –Tratamento muito longo –Há necessidade de planejamento

21

22 GnRH 50 a 70% das égua ovula entre 12 e 28 dias

23 GnRH Buserelin 2 a 3 aplicações/dia Dose total 20 a 40mcg/dia (5 a 10ml)

24 GnRH Vantagens –Tratamento relativamente rápido Desvantagens –Após ovulação caso não ocorra prenhez égua retorna ao anestro –Custo elevado

25 Crescimento folicular Fase Transicional –Progestágenos –GnRH

26 Progestágenos Bloqueio hipotalâmico- hipofisário Tem que haver presença de algum folículo Tempo de duração do bloqueio 10 a 15 dias, depende da atividade folicular

27 Progestágenos Altrenogest Uso Oral Dosagem 2,2mg/45Kg 10 a 15 dias A égua inicia o cio 4 dias após a suspensão do tratamento

28 Progestágenos Vantagem –Tratamento rápido –Custo relativamente barato Desvantagem –Há discrepâncias em relação a sua eficiência

29 GnRH Buserelin 2 a 3 aplicações/dia Dose total 20 a 40mcg/dia (5 a 10ml)

30 GnRH Desvantagem –Custo elevado –Nem todas as éguas respondem

31 Indução da Ovulação

32 HCG GnRH Prostaglandina ?

33 HCG Gonadotrofina Coriônica Humana com ação semelhante ao LH na maturação folicular

34 HCG Folículo superior a 35 mm Dosagem única 2500 UI

35 HCG dias N o de dias até a ovulação após aplicação de 2500UI de HCG em éguas com folículo >35mm

36 HCG Vantagens: –Mais de 90% ovula em 48h –Custo relativamente baixo Desvantagens : –Após aplicações seqüenciais as éguas se tornam refratárias –Possibilidade de choque anafilático

37 GnRH implantes Implantes de liberação lenta Deslorelin Éguas com folículo superior a 30mm

38 GnRH implantes Colocação subcutânea ou na submucosa vulvar

39 GnRH implantes dias N o de dias até a ovulação após aplicação de Ovuplant em éguas com folículo >35mm

40 GnRH implantes Vantagens –Mais de 90% ovula em 48h –Não há relatos de refratariedade –Não há relatos de choque anafilático Desvantagens –Custo elevado –Prolongamento do intervalo interovulações Implante deve ser retirado após a ovulação

41 GnRH injetável Buserelin 2 aplicações/dia Total 20 a 40 mcg/dia Ovula 1 a 2 dias depois

42 Prostaglandina Algumas prostaglandinas teriam efeito gonadotrópico baixo Poderiam induzir a ovulação de folículos praticamente prontos a ovular Não é tratamento de eleição

43 Lise do corpo lúteo Estímulo à produção de Prostaglandina endógena –Lavagens uterinas –Estímulos cervicais Prostaglandinas

44 Prostaglandina endógena

45 Tratamento utilizado até o advento da prostaglandina comercial (anos 70) Desvantagens –Há manipulação uterina –Nem todas as éguas respondem

46 Prostaglandina comercial Usos –Retorno ao estro de égua no diestro –Sincronização de cios –Dessincronização de cios –Aborto –Indução de parto

47 Prostaglandina comercial –Retorno ao estro de égua no diestro

48 Prostaglandina comercial PGF2 - Dinoprost –5 mg (1ml) dose única Análogos da Prostaglandina –Cloprostenol 250 mcg (1ml) dose única

49 Prostaglandina comercial Há necessidade de corpo lúteo funcional 5 o ao 7 o dia 7 o ao 15 o dia diestro sempre

50 Prostaglandina comercial

51 Cio inicía 48 a 72h após a aplicação da prostaglandina Inicio do cio depende do tamanho folicular no momento da aplicação

52 Prostaglandina comercial Funciona em 100% dos casos, desde que haja CL funcional Há éguas que não tem demonstração de sinais externos de cio Sudorese, desconforto abdominal Há relatos de óbitos (raríssimo)

53 Prostaglandina comercial Sincronização/Dessincronização –Somente o início do cio –Não sincroniza ou dessincroniza a ovulação

54 Prostaglandina comercial Sincronização Ov.

55 Prostaglandina comercial Aborto –Até o 70 o -100 o dia após a ovulação Progesterona da placenta sustenta a gestação após o 70 o dia

56 Prostaglandina comercial Aborto –Retorno ao cio imediato até o 36 o dia pós ovulação Após o dia 36 formação dos cálices endometriais

57 Prostaglandina comercial Indução do Parto Prostaglandinas induzem o parto, entretanto não são o produto de indicação


Carregar ppt "Controle do ciclo estral. Objetiva através de técnicas de manejo e terapêuticas manipular o ciclo da égua."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google