A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Participação dos trabalhadores Campanha «Locais de trabalho seguros.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Participação dos trabalhadores Campanha «Locais de trabalho seguros."— Transcrição da apresentação:

1 A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Participação dos trabalhadores Campanha «Locais de trabalho seguros e saudáveis» Participar na Segurança e Saúde no Trabalho Data | Título do evento

2 2 Objetivo global: gerir os riscos profissionais da empresa através de um desempenho de alto nível no plano da segurança e saúde Princípios essenciais para um desempenho de alto nível no plano da segurança e saúde: Sistema de gestão baseado na avaliação de riscos; implementação através de: planeamento, concretização, monitorização e análise; liderança forte e ativa desde o topo da organização; participação dos trabalhadores.

3 3 Uma cultura de segurança e saúde baseada na liderança e na participação é: Uma cultura em que todos aceitam os seus direitos, papéis e responsabilidades no que respeita à segurança e saúde e trabalham em conjunto para evitar doenças profissionais. A liderança vai de par com a participação. A gestão a partir do topo: Tem de demonstrar empenhamento na segurança e saúde; é responsável pela criação de condições favoráveis à parceria e à participação. Sem uma boa liderança, a participação não resulta.

4 4 O que significa participação dos trabalhadores? (1) A participação dos trabalhadores inclui fundamentalmente o seguinte: Prestação de informações; fornecimento de instruções e formação; consulta aos trabalhadores e seus representantes; Estes são requisitos legais em todos os Estados-Membros.

5 5 O que significa participação dos trabalhadores? (2) A participação plena e genuína dos trabalhadores e dos seus representantes na gestão da segurança e saúde não se restringe apenas à informação, formação e consulta. Os trabalhadores e os seus representantes são autorizados e incentivados a participar na tomada de decisões em matéria de segurança e saúde no trabalho; há uma comunicação eficaz no sentido ascendente: os trabalhadores são ouvidos e as suas opiniões são levadas em conta; as relações entre empregadores e trabalhadores assentam na colaboração, na confiança e no respeito, e na resolução conjunta de problemas. Estas condições potenciam a introdução de melhorias na área da segurança e saúde.

6 6 Um processo bilateral A participação dos trabalhadores na segurança e saúde é simplesmente um processo bilateral em que o empregador e os trabalhadores/representantes dos trabalhadores: Falam uns com os outros; ouvem as preocupações uns dos outros; suscitam preocupações e resolvem problemas em conjunto; procuram e partilham opiniões e informação; debatem questões atempadamente; levam em consideração o que cada um tem a dizer; tomam decisões em conjunto.

7 7 Benefícios para a gestão da segurança e saúde A colaboração com os trabalhadores resulta numa ajuda essencial aos empregadores na gestão da segurança e saúde em termos práticos, porque: Aumenta os recursos de que dispõem; contribui para identificar riscos existentes no local de trabalho; assegura o caráter prático do controlo da segurança e saúde; aumenta o nível de empenho nesse controlo no trabalhar em moldes seguros e saudáveis.

8 8 A legislação A consulta aos trabalhadores está consagrada na legislação, em matéria de segurança e saúde, devido à sua importância na prevenção dos riscos e na obtenção de soluções eficazes. Como parte da gestão da segurança e saúde, existem na Europa obrigações legais mínimas para os empregadores: Prestar informação aos trabalhadores; fornecer instrução e formação aos trabalhadores; consultar os trabalhadores e os seus representantes. As legislações e práticas nacionais estabelecem as obrigações específicas.

9 9 A Diretiva-Quadro de SST 89/391/CEE estabelece preceitos mínimos em matéria de consulta aos trabalhadores (1) Os empregadores devem consultar os trabalhadores e/ou os seus representantes e permitir a sua participação em discussões sobre todas as questões relacionadas com segurança e saúde no trabalho. Devem: respeitar o seu direito a apresentar propostas; organizar a sua participação equilibrada.

10 10 A Diretiva-Quadro de SST 89/391/CEE estabelece preceitos mínimos em matéria de consulta aos trabalhadores (2) Os trabalhadores devem ser consultados sobre: Qualquer ação que possa ter efeitos substanciais sobre a segurança e saúde; a designação dos trabalhadores responsáveis por atividades de SST e o recurso a serviços exteriores à empresa; informações relativas à avaliação de riscos e a grupos de trabalhadores sujeitos a riscos, incluindo consulta sobre: medidas de proteção, lista de acidentes graves e incidentes comunicáveis às autoridades; formação para trabalhadores em matéria de SST.

11 11 A Diretiva-Quadro de SST 89/391/CEE estabelece preceitos mínimos em matéria de consulta aos trabalhadores (3) Os representantes dos trabalhadores têm o direito de pedir ao empregador que tome medidas adequadas em matéria de segurança e saúde. Os empregadores devem conceder aos representantes dos trabalhadores: uma dispensa de trabalho sem perda de salário e pôr à sua disposição os meios necessários ao exercício dos seus direitos; a oportunidade de apresentar as suas observações no âmbito das fiscalizações efetuadas pelas autoridades As legislações e práticas nacionais estabelecem preceitos específicos sobre prestação de informações e consulta, representantes dos trabalhadores e comissões de segurança.

12 12 Regime de participação (1) A participação deve ser sistemática, coerente e planeada. É essencial garantir uma participação genuína e eficaz durante a avaliação de riscos. A participação não tem de ser complicada. Pode realizar-se: Por intermédio dos representantes dos trabalhadores e de comissões de segurança; utilizando grupos de trabalho para fazer face a problemas específicos; durante a formação – levando os trabalhadores a manifestar as suas opiniões sobre as questões em discussão.

13 13 Regime de participação (2) A comunicação direta e o feedback podem realizar-se: Instaurando procedimentos para a elaboração de relatórios em caso de lesões, quase-acidentes, etc. e dando feedback sobre ideias para melhorias na segurança e saúde; incluindo a SST em discussões informais sobre questões de segurança (tool box talks), sessões de esclarecimento, reuniões de departamentos ou de grupo, através da intranet de uma organização, esquemas para estimular ideias, etc.; efetuando inquéritos e outros estudos.

14 14 Regime de participação (3) Representantes dos trabalhadores versus participação direta dos trabalhadores: A participação direta dos trabalhadores e dos representantes dos trabalhadores não são alternativas, mas vias diferentes que devem ser conjugadas com a maior eficácia possível; um representante dos trabalhadores capaz de dar voz às opiniões dos seus colegas é uma via eficaz de participação da totalidade dos trabalhadores nas questões de segurança e saúde; As legislações e práticas nacionais estabelecem requisitos no que respeita aos representantes dos trabalhadores e a estruturas formais como as comissões de segurança.

15 15 Fatores de êxito (1) Uma liderança que demonstre empenhamento no diálogo e na participação dos trabalhadores: Uma abordagem aberta; dar sempre feedback; conceder tempo suficiente; incentivar os trabalhadores a participar, inclusivamente como representantes dos trabalhadores; Utilizar uma conjugação de métodos formais e informais. Permitir a participação de todos... trabalhadores por turnos, trabalhadores a tempo parcial, trabalhadores no domicílio, etc.

16 16 Fatores de êxito (2) Participação sistemática em todos os processos de gestão da SST; disponibilização de formação a gestores, supervisores e representantes dos trabalhadores; uma cultura que integre a segurança e saúde nas funções que todos desempenham;

17 17 Conclusão (1) A plena participação dos trabalhadores: Exige comunicação e consulta eficazes, confiança e respeito, colaboração e parceria; exige que se fale, se oiça e se colabore.

18 18 Conclusão (2) Benefícios de uma boa participação dos trabalhadores: Utiliza da melhor forma os conhecimentos de todos; traz benefícios à empresa em termos de redução das taxas de acidentes; resulta frequentemente num aumento da produtividade, da qualidade e da eficiência; maior empenhamento dos trabalhadores; maior cooperação; resolução conjunta de problemas.

19 Principais pontos fortes: pontos focais nacionais e redes tripartidas Mas também … envolvimento de outras partes interessadas/parceiros Parceiros oficiais da campanha (organizações pan-europeias e internacionais) incluindo parceiros sociais, ONG, federações e redes setoriais, empresas privadas, etc.; instituições da UE incluindo Comissão Europeia, Parlamento Europeu, representações da UE, agências da EU e Rede Europeia de Informação às Empresas. 19 Campanha baseada em redes

20 A campanha é aberta a todos os indivíduos e organizações. Pode participar: Divulgando informação e materiais da campanha; aderindo a um dos muitos eventos - conferências, concursos, campanhas publicitárias - que se realizam durante a campanha; organizando as suas próprias atividades. 20 Como participar?

21 As organizações pan-europeias também podem candidatar-se a parceiros da campanha. A Agência oferece: Certificado de parceiro; pacote de boas-vindas; promoção a nível da UE e nos meios de comunicação social; plataforma de Comunicação em linha; secção web para parceiros. 21 Proposta de parceria para a campanha

22 Reconhecem contributos notáveis e inovadores; incentivam a colaboração entre gestores e trabalhadores; Aumentam a segurança e saúde no local de trabalho. Estados-Membros da UE, EEE, Balcãs Ocidentais e Turquia. Duas categorias: locais de trabalho com menos de 100 trabalhadores; locais de trabalho com 100 ou mais trabalhadores; Vencedores selecionados de entre as candidaturas submetidas pelos pontos focais nacionais 22 Prémios Europeus de Boas Práticas

23 Guia da campanha; guias práticos para trabalhadores e gestores; exemplos de boas práticas; notícias sobre eventos da campanha; apresentações e videoclips animados. Todos disponíveis em 24 línguas 23 Recursos

24 Lançamento da campanha 18 de abril de 2012 Semanas Europeias para a Segurança e Saúde no Trabalho outubro de 2012 e 2013 Cerimónia de Atribuição dos Prémios abril de 2013 de Boas Práticas Cimeira Locais de Trabalho Seguros e Saudáveisnovembro de Datas importantes

25 Visite o sítio web da campanha Para saber mais acerca de eventos e atividades no seu país, contacte o seu ponto focal nacional 25 Informações complementares


Carregar ppt "A segurança e saúde no trabalho diz respeito a todos. Bom para si. Bom para as empresas. Participação dos trabalhadores Campanha «Locais de trabalho seguros."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google