A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sara Cravo Programa AGIS Actividades Desportivas para a Prevenção da Violência e Delinquência Setúbal – Portugal 16 de Março 2007 Setúbal – Portugal 16.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sara Cravo Programa AGIS Actividades Desportivas para a Prevenção da Violência e Delinquência Setúbal – Portugal 16 de Março 2007 Setúbal – Portugal 16."— Transcrição da apresentação:

1 Sara Cravo Programa AGIS Actividades Desportivas para a Prevenção da Violência e Delinquência Setúbal – Portugal 16 de Março 2007 Setúbal – Portugal 16 de Março 2007

2 Objectivos Projecto AGIS - Portugal Fazer um levantamento dos projectos existentes e demonstrar uma avaliação de grau e realização de projectos que aplicam a prevenção de violência relacionada ao desporto em Portugal; Fazer um levantamento dos projectos existentes e demonstrar uma avaliação de grau e realização de projectos que aplicam a prevenção de violência relacionada ao desporto em Portugal; Evidenciar boas práticas existentes; Evidenciar boas práticas existentes; Discutir os padrões e eficiência aplicados nos projectos, e encontrar standards referências para a realização eficiente de projectos que utilizam a prática desportiva como prevenção da delinquência e violência. Discutir os padrões e eficiência aplicados nos projectos, e encontrar standards referências para a realização eficiente de projectos que utilizam a prática desportiva como prevenção da delinquência e violência.

3 Metodologia de Investigação Recolha de informação e pesquisa bibliográfica; Recolha de informação e pesquisa bibliográfica; Tradução e adaptação de material de registo; Tradução e adaptação de material de registo; Contacto com entidades, instituições e organizações; Contacto com entidades, instituições e organizações; Aplicação de ferramentas de investigação; Aplicação de ferramentas de investigação; Tratamento e análise dos resultados. Tratamento e análise dos resultados.

4 Metodologia de Investigação Entidades envolvidas Análise Nacional - Iniciativa comunitária Equal; - Programa escolhas 2ª geração; - Estabelecimentos Prisionais - Centro de Estudos para a Intervenção Social

5 Metodologia de Investigação Entidades envolvidas – cont. Análise Distrital - Autarquias locais - Divisão do desporto; - Departamento de Acção Social; - Divisão sócio cultural; - Programa de Enriquecimento curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico;

6 Metodologia de Investigação Entidades envolvidas – cont. Análise Institucional - Instituições Particulares de Solidariedade Social; - Cooperativas; - Associações

7 Perspectivas/Abordagens Projectos/Acções/Entidades A prevenção da violência como um factor inerente a qualquer prática desportiva. aquando da prática desportiva os grupos estão ocupados, logo, não estão a praticar actos violentos ou de delinquência A actividade física não consiste na prática por si só mas sim como um recurso pedagógico que permite a abordagem de objectivos específicos, permitindo um feedback pedagógico, posteriormente trabalhados por uma equipa técnica multidisciplinar.

8 Objectivos Projectos/Acções/Entidades - Desenvolver o nível funcional das capacidades motoras; - Promover o desenvolvimento integral, favorecendo o reforço numa perspectiva interdisciplinar e integrada com as restantes aprendizagens; - Estimular a tomada de consciência; - Fomentar o espírito desportivo, no respeito pelas regras e normas das actividades e por todos os intervenientes

9 Objectivos Projectos/Acções/Entidades – cont. - Fomentar a aquisição de hábitos e comportamentos de estilos de vida saudáveis que se mantenham na idade adulta, contribuindo para o aumento dos índices de prática desportiva na população portuguesa; - Desenvolver uma ocupação fértil em matéria pedagógica, em que os objectivos são transferidos de uma forma indirecta e posteriormente trabalhados em contexto técnico

10 Objectivos Projectos/Acções/Entidades – cont. - A promoção da auto-estima e auto-valorização, o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, a promoção de estilos de vida saudáveis, a facilitação de interacções desejáveis do ponto de vista relacional, a reestruturação e definição de projectos de vida e a promoção da inclusão no meio social. - A promoção da auto-estima e auto-valorização, o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, a promoção de estilos de vida saudáveis, a facilitação de interacções desejáveis do ponto de vista relacional, a reestruturação e definição de projectos de vida e a promoção da inclusão no meio social.

11 Destinatários Projectos com acção nos três níveis de prevenção da violência (prevenção primária, secundária e terciária). Projectos com acção nos três níveis de prevenção da violência (prevenção primária, secundária e terciária). – Prevenção primária, em que os destinatários são jovens sem qualquer percurso de delinquência, mas encontram-se em ambientes sociais de risco, o objectivo do trabalho será o de evitar que num futuro os jovens venham a delinquir (ex. Programa de Enriquecimento Curricular).

12 Destinatários cont. - Prevenção secundária, considerando-se que o trabalho é destinado a jovens que já delinquíram, são reconhecidos como grupo de risco com recurso provável à violência e à adopção de comportamentos socialmente reprováveis, como forma de resposta a situações do quotidiano (ex. Projectos Escolhas). - Prevenção terciária, destina-se a grupos onde se verificam problemas decorrentes de actos delinquentes, com recidiva, envolvidos em questões judiciais (ex. Estabelecimentos Prisionais).

13 Boas Práticas A Prática Desportiva como meio de prevenção da violência e standards de qualidade para projectos com recurso à Actividade Desportiva A Prática Desportiva como meio de prevenção da violência e standards de qualidade para projectos com recurso à Actividade Desportiva Projecto Desporto é Reinserção Estabelecimento Prisional de Coimbra

14 Boas Práticas cont. – Destinatários Destina – se a jovens/adultos, reclusos do sexo masculino (prevenção terciária); Destina – se a jovens/adultos, reclusos do sexo masculino (prevenção terciária); idades compreendidas entre os 20 e os 65 anos; idades compreendidas entre os 20 e os 65 anos; Participação voluntária com carácter regular Participação voluntária com carácter regular – Colaboradores A equipa técnica é composta por 2 colaboradores, um Técnico Superior de Reeducação e um Professor de Educação Física; A equipa técnica é composta por 2 colaboradores, um Técnico Superior de Reeducação e um Professor de Educação Física; Com um rácio de 200 participantes por colaborador; Com um rácio de 200 participantes por colaborador;

15 Boas Práticas cont. – Financiamento e Parcerias O projecto tem um carácter permanente e é financiado por fundos próprios O projecto tem um carácter permanente e é financiado por fundos próprios Tem como parcerias Clubes/Organizações desportivas, Organismos Municipais e Associações/Cooperativas Tem como parcerias Clubes/Organizações desportivas, Organismos Municipais e Associações/Cooperativas (…)baseamo-nos em princípios pedagógicos de carácter geral para os quais o desporto se torna um campo privilegiado…)

16 Boas Práticas cont. – Objectivos Adaptação à prisão e Reinserção Social; Adaptação à prisão e Reinserção Social; Melhoria da Saúde física e psíquica, do bem estar social e afectivo e da qualidade de vida; Melhoria da Saúde física e psíquica, do bem estar social e afectivo e da qualidade de vida; Desenvolver interacções desejáveis do ponto de vista relacional; Desenvolver interacções desejáveis do ponto de vista relacional; Melhorar o estilo de comunicação e desenvolver comportamentos assertivos Melhorar o estilo de comunicação e desenvolver comportamentos assertivos

17 Boas Práticas cont. De uma forma geral os objectivos mais pertinentes do projecto foram alcançados (nível 2 da escala – completamente alcançado/falhado completamente) De uma forma geral os objectivos mais pertinentes do projecto foram alcançados (nível 2 da escala – completamente alcançado/falhado completamente) – Valores Transferidos Justiça Respeito Espírito de equipa Justiça Respeito Espírito de equipa Solidariedade Cooperação Competição Realização Disciplina Resistência Solidariedade Cooperação Competição Realização Disciplina Resistência

18 Boas Práticas cont. - A percepção do efeito preventivo da violência nos jovens/adultos é de nível 5 (1 muito baixo a 5 muito alto). (…) a estratégia deve ser devidamente orientada e monitorizada (…) - A importância dos efeitos pedagógicos alcançados pelo projecto é de nível 5. (…)como estratégia ocupacional e como factor de excelência na estimulação de boas condutas sócio – relacionais (…)

19 Boas Práticas cont. – Mudanças evidenciadas Maior capacidade de trabalho em equipa; Maior capacidade de trabalho em equipa; Maior percepção dos limites próprios e dos outros; Maior percepção dos limites próprios e dos outros; Melhor percepção da própria capacidade física e consciência do corpo; Melhor percepção da própria capacidade física e consciência do corpo; Comportamentos construtivos nas discussões, menos brigas, menos insultos, mais tolerância, menos revolta e irritação; Comportamentos construtivos nas discussões, menos brigas, menos insultos, mais tolerância, menos revolta e irritação; Maior capacidade de manejo da agressividade; Maior capacidade de manejo da agressividade; Maior capacidade de auto-controlo emocional Maior capacidade de auto-controlo emocional

20 Boas Práticas cont. – Actividades desenvolvidas Desportos Individuais Desportos Individuais Atletismo, natação, Remo Indoor, actividades de cultura física desportiva (…) permite o desenvolvimento de alguns contructos psíquicos como a auto-estima e auto-conceito, menos estimuladores das questões de relacionamento e interacção (…)

21 Boas Práticas cont. Desportos Colectivos Desportos Colectivos Futebol, Basket (…)mais férteis em matéria pedagógica, estimulam o cumprimento de regras, boas condutas, tomadas de decisão, respeito pelo colega e pelo adversário, questões relacionadas com a higiene e segurança (…)

22 Boas Práticas cont. Condições estruturantes Condições estruturantes – Competência técnica dos profissionais; – Duração; – Gestão da qualidade; – Parcerias de desenvolvimento/cooperação; – Directrizes pedagógicas; – Capacidade pedagógica da actividade desportiva; – Equipamentos e recursos

23 Boas Práticas cont. (…) o sucesso do projecto assenta no pré – estabelecimento de objectivos concretos, claramente identificados e delimitado s no tempo e no espaço. Também deverá ter-se em consideração os factores condicionantes do processo como são as infra-estruturas, o material e, essencialmente, a motivação da população alvo para as práticas. A avaliação de competências constantes nos objectivos deve ser realizada antes e depois da aplicação da estratégia por um período de tempo mensurável (…)

24


Carregar ppt "Sara Cravo Programa AGIS Actividades Desportivas para a Prevenção da Violência e Delinquência Setúbal – Portugal 16 de Março 2007 Setúbal – Portugal 16."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google