A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIA DE VAN HIELE Desenvolvimento do Raciocínio em Geometria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIA DE VAN HIELE Desenvolvimento do Raciocínio em Geometria."— Transcrição da apresentação:

1 TEORIA DE VAN HIELE Desenvolvimento do Raciocínio em Geometria

2 IDÉIAS DO MODELO Os alunos progridem segundo uma seqüência de níveis de compreensão dos conceitos. Os alunos progridem segundo uma seqüência de níveis de compreensão dos conceitos. Progresso de um nível para o seguinte ocorre através de Progresso de um nível para o seguinte ocorre através de VIVÊNCIA DE ATIVIDADES ADEQUADAS E ORDENADAS.

3 IDÉIAS DO MODELO (CONTINUAÇÃO) Elevação dos níveis depende mais de APRENDIZAGEM ADEQUADA Elevação dos níveis depende mais de APRENDIZAGEM ADEQUADA do que de idade e maturação. do que de idade e maturação. Cada nível é caracterizado por: Cada nível é caracterizado por: –Relações entre os objetos de estudo. –Linguagem própria.

4 CARACTERÍSTICAS DOS NÍVEIS NÍVEL 0 OU 1º NÍVEL RECONHECIMENTOVISUALIZAÇÃO Comparação e Nomenclatura das Figuras Geométricas Comparação e Nomenclatura das Figuras Geométricas –por sua aparência global –não por suas partes ou propriedades. EXEMPLO –Classificação de recortes de quadriláteros em grupos de: Quadrados Retângulos Paralelogramos Losangos Trapézios.

5 NÍVEL 1 OU 2º NÍVEL ANÁLISE Análise das figuras em termos de seus componentes. Análise das figuras em termos de seus componentes. Reconhecimento de suas propriedades. Reconhecimento de suas propriedades. Uso dessas propriedades para resolver problemas. Uso dessas propriedades para resolver problemas.EXEMPLO Descrição de um quadrado através de propriedades: Descrição de um quadrado através de propriedades: 4 lados iguais. 4 lados iguais. 4 ângulos retos. 4 ângulos retos. Lados opostos iguais e paralelos. Lados opostos iguais e paralelos.

6 NÍVEL 2 OU 3º NÍVEL DEDUÇÃO INFORMAL ABSTRAÇÃO Alunos conseguem estabelecer inter-relações de propriedades de figuras e entre figuras. Alunos conseguem estabelecer inter-relações de propriedades de figuras e entre figuras. Alunos são capazes de deduzir propriedades de uma figura e reconhecer classes de figuras. Alunos são capazes de deduzir propriedades de uma figura e reconhecer classes de figuras. A inclusão de classes é compreendida. A inclusão de classes é compreendida.EXEMPLO Num quadrilátero, se os lados opostos são paralelos, então necessariamente os ângulos opostos são iguais. Num quadrilátero, se os lados opostos são paralelos, então necessariamente os ângulos opostos são iguais. Um quadrado é um retângulo porque possui todas as propriedades de um retângulo. Um quadrado é um retângulo porque possui todas as propriedades de um retângulo.

7 NÍVEL 2 OU 3º NÍVEL (CONTINUAÇÃO) Percepção da necessidade de uma definição precisa e de que uma propriedades pode decorrer de outra. Percepção da necessidade de uma definição precisa e de que uma propriedades pode decorrer de outra. Os alunos acompanham e formulam argumentos informais. Os alunos acompanham e formulam argumentos informais. Não compreendem o significado da dedução como um todo ou o papel dos axiomas. Não compreendem o significado da dedução como um todo ou o papel dos axiomas. Resultados obtidos empiricamente são usados em conjunto com técnicas de dedução. Resultados obtidos empiricamente são usados em conjunto com técnicas de dedução. São capazes de acompanhar provas formais, mas não de alterar a ordem lógica da demonstração. São capazes de acompanhar provas formais, mas não de alterar a ordem lógica da demonstração.EXEMPLO Descrição de um quadrado através de suas propriedades mínimas: Descrição de um quadrado através de suas propriedades mínimas: – 4 lados iguais. – 4 ângulos retos.

8 NÍVEL 3 OU 4º NÍVEL DEDUÇÃO Domínio do processo dedutivo e das demonstrações. Domínio do processo dedutivo e das demonstrações. Reconhecimento de condições necessárias e suficientes. Reconhecimento de condições necessárias e suficientes. Dedução como uma maneira de estabelecer a teoria geométrica no contexto de um sistema axiomático. Dedução como uma maneira de estabelecer a teoria geométrica no contexto de um sistema axiomático.EXEMPLO Demonstração de propriedades de triângulos e quadriláteros usando a congruência de triângulos. Demonstração de propriedades de triângulos e quadriláteros usando a congruência de triângulos.

9 NÍVEL 3 OU 4º NÍVEL (CONTINUAÇÃO) O aluno é capaz de construir demonstrações e não apenas memorizá-las. O aluno é capaz de construir demonstrações e não apenas memorizá-las. Ele enxerga a possibilidade de desenvolver uma demonstração de mais de uma maneira. Ele enxerga a possibilidade de desenvolver uma demonstração de mais de uma maneira. Faz distinção entre uma afirmação e sua recíproca. Faz distinção entre uma afirmação e sua recíproca. Compreende a interação das condições necessárias e suficientes. Compreende a interação das condições necessárias e suficientes. Compreende a inter-relação e o papel de termos não definidos, axiomas, postulados, definições, teoremas e demonstrações. Compreende a inter-relação e o papel de termos não definidos, axiomas, postulados, definições, teoremas e demonstrações.EXEMPLO A geometria euclidiana como apresentada nos cursos de graduação em Matemática. A geometria euclidiana como apresentada nos cursos de graduação em Matemática. Fundamentos de Geometria Plana. Fundamentos de Geometria Plana. Fundamentos de Geometria Espacial. Fundamentos de Geometria Espacial.

10 NÍVEL 4 OU 5º NÍVEL RIGOR Capacidade de compreender demonstrações formais. Capacidade de compreender demonstrações formais. Estabelecimento de teoremas em diversos sistemas e comparação dos mesmos. Estabelecimento de teoremas em diversos sistemas e comparação dos mesmos.EXEMPLO Geometrias não- euclidianas. Geometrias não- euclidianas. Estabelecimento e Demonstração de teoremas em uma geometria finita. Estabelecimento e Demonstração de teoremas em uma geometria finita.

11 PROPRIEDADES DO MODELO 1. SEQÜENCIAL O aluno deve necessariamente passar pelos vários níveis, sucessivamente. O aluno deve necessariamente passar pelos vários níveis, sucessivamente. O sucesso em um nível pressupõe a assimilação das estratégias dos níveis anteriores. O sucesso em um nível pressupõe a assimilação das estratégias dos níveis anteriores.

12 PROPRIEDADES DO MODELO (CONTINUAÇÃO) 2. AVANÇO Progressão (ou não) de um nível para outro depende mais do conteúdo e dos métodos de instrução recebidos dos métodos de instrução recebidos do que da idade.

13 PROPRIEDADES DO MODELO (Continuação) 3. INTRÍNSECO E EXTRÍNSECO Os objetos inerentes a um nível tornam-se os objetos do ensino no nível seguinte Nível 0 – Percebe-se apenas a forma da figura. Entretanto, a figura é determinada por suas propriedades Nível 1 – Figura é analisa e seus componentes e propriedades são descobertos.

14 PROPRIEDADES DO MODELO (CONTINUAÇÃO) 4. LINGÜÍSTICA Cada nível tem seus próprios símbolos e seus próprios sistemas de relações que ligam esses símbolos. Correto – muda de significado conforme o nível. Correto – muda de significado conforme o nível. Níveis 0 e 1: quadrado pode ser diferente de retângulo. Níveis 0 e 1: quadrado pode ser diferente de retângulo. Nível 2 : O quadrado é retângulo. Nível 2 : O quadrado é retângulo.

15 PROPRIEDADES DO MODELO (CONTINUAÇÃO) 5. COMBINAÇÃO INADEQUADA Aluno em um nível e o curso em outro nível: Aluno em um nível e o curso em outro nível: Aprendizado e Progresso podem não ocorrer. Professor, material didático, conteúdo, vocabulário em um nível mais alto do que o aluno: Professor, material didático, conteúdo, vocabulário em um nível mais alto do que o aluno: Aluno não será capaz de acompanhar os processos de pensamento que estão sendo empregados. que estão sendo empregados.

16 FASES DO APRENDIZADO Progresso ao longo dos níveis depende mais da instrução recebida do que da idade ou da maturidade. MÉTODO, ORGANIZAÇÃO DO CURSO, CONTEÚDO E MATERIAL USADO SÃO FUNDAMENTAIS. Os Van Hiele propõem 5 fases seqüenciais de aprendizado.

17 FASE 1: INTERROGAÇÃO/INFORMAÇÃO Professor e Alunos conversam e desenvolvem atividades envolvendo os objetos de estudo do respectivo nível. Professor e Alunos conversam e desenvolvem atividades envolvendo os objetos de estudo do respectivo nível. EXEMPLO: ATIVIDADES COM LOSANGO, NÍVEL 2. EXEMPLO: ATIVIDADES COM LOSANGO, NÍVEL 2. O que é um losango? O que é um losango? O que é um quadrado? O que é um quadrado? O que é um paralelogramo? O que é um paralelogramo? O que eles têm de semelhante? E de diferente? O que eles têm de semelhante? E de diferente? Um quadrado é um losango? Um quadrado é um losango? Um losango é um quadrado? Um losango é um quadrado? Objetivos: Objetivos: Conhecimento prévio dos alunos. Mostrar aos alunos a direção dos estudos.

18 FASE 2: ORIENTAÇÃO DIRIGIDA Exploração do conteúdo através do material organizado pelo professor. Exploração do conteúdo através do material organizado pelo professor. Pequenas tarefas com o objetivo de suscitar respostas específicas. Pequenas tarefas com o objetivo de suscitar respostas específicas. EXEMPLO: ATIVIDADES COM O GEOPLANO. EXEMPLO: ATIVIDADES COM O GEOPLANO. Construir um losango de diagonais iguais. Construir um maior e outro menor. Construir um losango de diagonais iguais. Construir um maior e outro menor. Construir um losango com 4 ângulos retos. Construir um losango com 4 ângulos retos. Construir um losango com 3 ângulos retos. Construir um losango com 3 ângulos retos. Construir um losango com 2 ângulos retos. Construir um losango com 2 ângulos retos. Construir um losango com 1 ângulo reto. Construir um losango com 1 ângulo reto.

19 FASE 3: EXPLICAÇÃO Baseando-se nas experiências anteriores, os alunos expressam e trocam suas visões sobre o que observaram. Baseando-se nas experiências anteriores, os alunos expressam e trocam suas visões sobre o que observaram. Papel do Professor: Orientar os alunos no uso de uma linguagem precisa e adequada. Papel do Professor: Orientar os alunos no uso de uma linguagem precisa e adequada. É nessa fase que o sistema de relações de níveis fica evidente. É nessa fase que o sistema de relações de níveis fica evidente. EXEMPLO: ATIVIDADE COM LOSANGOS (CONTINUAÇÃO) EXEMPLO: ATIVIDADE COM LOSANGOS (CONTINUAÇÃO) –Quais as figuras e as propriedades que emergiram das atividades precedentes?

20 FASE 4: ORIENTAÇÃO LIVRE Tarefas mais complexas: Tarefas mais complexas: Tarefas com muitos passos. Tarefas com muitos passos. Tarefas que podem ser concluídas de diversas maneiras. Tarefas que podem ser concluídas de diversas maneiras. Tarefas de final aberto. Tarefas de final aberto. EXEMPLO: EXEMPLO: Dobre uma folha de papel ao meio, e depois outra vez ao meio. Dobre uma folha de papel ao meio, e depois outra vez ao meio. Tente imaginar que tipo de figura você obteria se cortasse o canto formado pelas dobras. Tente imaginar que tipo de figura você obteria se cortasse o canto formado pelas dobras. Justifique a sua reposta antes de efetuar o corte. Justifique a sua reposta antes de efetuar o corte. Que tipo(s) de figuras você obterá se cortar o canto segundo um ângulo de 30º ?E de 45º? Que tipo(s) de figuras você obterá se cortar o canto segundo um ângulo de 30º ?E de 45º? Descreva os ângulos no ponto de interseção das diagonais. Descreva os ângulos no ponto de interseção das diagonais. O ponto de interseção está em que ponto das diagonais? O ponto de interseção está em que ponto das diagonais? Porque a área do losango é dada com a metade do produto das 2 diagonais? Porque a área do losango é dada com a metade do produto das 2 diagonais?

21 FASE 5: INTEGRAÇÃO Os alunos revêem e sumarizam o que aprenderam com o objetivo de formar uma visão geral da nova rede de objetos e relações. Os alunos revêem e sumarizam o que aprenderam com o objetivo de formar uma visão geral da nova rede de objetos e relações. O professor pode auxiliar nessa síntese fornecendo apanhados globais do que os alunos aprenderam. O professor pode auxiliar nessa síntese fornecendo apanhados globais do que os alunos aprenderam. É importante que esses sumários não apresentem nada de novo. É importante que esses sumários não apresentem nada de novo. EXEMPLO: EXEMPLO: As propriedades do losango que emergiram seriam sumarizadas e suas origens revistas.


Carregar ppt "TEORIA DE VAN HIELE Desenvolvimento do Raciocínio em Geometria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google