A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Central de Atendimento à Mulher. - O que é? relatos A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 é uma central de atendimento telefônico da Secretaria.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Central de Atendimento à Mulher. - O que é? relatos A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 é uma central de atendimento telefônico da Secretaria."— Transcrição da apresentação:

1 Central de Atendimento à Mulher

2 - O que é? relatos A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 é uma central de atendimento telefônico da Secretaria de Políticas para as Mulheres – SPM da Presidência da República, que tem por objetivo receber relatos de violência contra mulheres, prestando acolhimento, orientação e encaminhamentos. Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

3 Como atua? Porta de entrada Construção de Indicadores Presta informações Monitoramento dos serviços da rede (PAG, registro de reclamações e atualização de cadastro) Possui fluxos estabelecidos com o MP, Polícia Federal, SSP e consulados.

4 O número de telefone 180 pode ser discado de todo o Brasil. É caracterizado como de utilidade pública de emergência, podendo ser acessado gratuitamente de qualquer terminal telefônico, móvel ou fixo, particular ou público, 24 horas por dia, inclusive finais de semana e feriados. As atendentes da Central são capacitadas em questões de gênero, políticas do Governo Federal para as mulheres, orientações sobre o enfrentamento à violência contra a mulher, trafico de mulheres e, principalmente, na forma de receber a denúncia e acolher as cidadãs. Operacionalização

5 Breve histórico 2005: Criação da Central de Atendimento à Mulher – Ligue : Início do atendimento 24 horas 2008: Parceria com a Polícia Federal para o envio das denúncias de tráfico de mulheres 2009: Parceria com os Ministérios Públicos para o envio das denúncias de cárcere privado 2009: Lançamento da primeira campanha nacional de divulgação do Ligue : 1 milhão de atendimentos realizados desde sua criação

6 Breve histórico 2010: Prêmio Nacional de Telesserviços, na categoria de melhor serviço comunitário e de cidadania 2011: Atendimento a brasileiras que vivem na Espanha, na Itália e em Portugal 2012: 3 milhões de atendimentos realizados 2013: Ouro no Prêmio Latino-americano de Melhores Organizações para Interação com Clientes (Latam), na categoria Responsabilidade Social 2014: Início da operação como disque-denúncia

7 Tipos de Atendimento Informação Relatos de Violência Reclamação Elogio Sugestão Serviços Telefonia: (190,180, 193, etc.)

8 Procura-se saber três grupos de informação: o perfil da(o) denunciante, o perfil do(a) agressor(a) e indicadores da violência Denunciante: Indica se a(o) autora(o) da denúncia é a própria vítima, um parente, uma vizinha, entre outros. Perfil do(a) denunciante: Presta informações sobre faixa etária, escolaridade, raça/etnia, etc. da pessoa que busca a Central Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher: Indica se o relato de violência está caracterizado como um caso de violência doméstica e familiar contra a mulher; Local da ocorrência: Se em zona urbana ou rual; estado e município. Dependência Financeira do Agressor: indica se a vítima do(s) ato(s) de agressão(ões) relatado(s), de acordo com a sua percepção, possui dependência financeira do agressor. Relatos de violência: Informações coletadas

9 Relação da Vítima com o Agressor: indica se existe algum vínculo, familiar ou afetivo, com o(a) autor(a) das agressões relatadas, assim como registra se a violência foi cometida por cônjuge, desconhecido(a), algum parente, amigo(a), etc.; Tempo de relação: indica o tempo de relação que a vítima mantém/manteve com o(a) agressor(a); Frequência: indica com que frequência ocorre a violência relatada; Tempo da violência: Procura-se saber por quanto tempo a violência ocorre; Coabitação: Indica se a vítima e o(a) agressor(a) coabita no mesmo espaço físico; Risco: indica a percepção da denunciante quanto ao risco que corre em relação ao relato de violência registrado; Filhos(as): indica se a vítima de violência possui filhos(as) e, caso tenha, quantos; Relação dos(as) filhos(as) com a violência: busca saber se os(as) filhos(as) também são vítimas da violência, se presenciam, etc. Perfil do(a) agressor(a): Indica faixa etária, escolaridade, raça/etnia, etc. Entorpecentes: indica se o agressor utiliza álcool e/ou outras drogas; e, ainda, se cometeu a agressão sob efeito de alguma droga. Relatos de violência: informações coletadas

10 Sistema de Atendimento à Mulher - SIAM S istema informatizado composto por um banco de informações sobre: Tipos de violência contra as mulheres LMP Informações sobre a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Endereços e telefones de serviços que compõem a Rede Especializada às Mulheres, e demais organismos governamentais e não-governamentais para que as mulheres sejam encaminhadas caso necessitem Módulo de registros que permite a classificação dos relatos de violência e das reclamações sobre os serviços da rede.

11 Análise dos dados Coleta de dados – categorização – registro do relato – categorização – perfil Análise trimestral dos dados – divulgação nacional em balanços semestrais Relatórios temáticos, por Unidade Federativa; por tipo de perfil, como faixa etária ou cor/raça; relatórios por período; ranking das unidade federativas; comparações e projeções dos atendimentos, entre outros.

12 Intersetorialidade A Central de Atendimento à Mulher articula-se com diversos parceiros, com cada um dos parceiros é firmada uma cooperação, seja no encaminhamento para serviços de atendimento especializado, no encaminhamento de demandas a serem tratadas ou na parceria de desenvolvimento de políticas públicas de enfrentamento à violência contra a mulher. Entre eles estão: MS – Mudança do fluxo de encaminhamentos de vítimas de violência sexual, inclusão dos serviços de saúde especializados em violência sexual no banco de informações, inclusão no banco de informa ç ões sobre o abortamento legal, preven ç ão das DST e preven ç ão da gravidez indesejada, encaminhamentos para rede SAMU.

13 MJ - R elatos de tráfico e cárcere privado de mulheres, que contenham os dados necess á rios para sua apura ç ão, são encaminhados para a Policia Federal para que possa subsidiar sua investiga ç ão, sempre com a anuência da v í tima MRE – Demandas exterior – consulados e a área responsável pela assistência consular no Itamaraty – busca ativa e encaminhamentos rede local, retorno assistido voluntário. Intersetorialidade

14 BALANÇO SEMESTRAL 2013

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28 Obrigada! Luana Grillo da Silva Diretora da Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres


Carregar ppt "Central de Atendimento à Mulher. - O que é? relatos A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 é uma central de atendimento telefônico da Secretaria."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google