A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

JOGOS MATEMÁTICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Alunos: Alex Cardeal, Jéssika Rodrigues, Larissa Morais, Letícia Martins.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "JOGOS MATEMÁTICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Alunos: Alex Cardeal, Jéssika Rodrigues, Larissa Morais, Letícia Martins."— Transcrição da apresentação:

1 JOGOS MATEMÁTICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Alunos: Alex Cardeal, Jéssika Rodrigues, Larissa Morais, Letícia Martins

2 Porque trabalhar com jogos é importante? A atividade de jogar desempenha papel importante no desenvolvimento: de habilidades de raciocínio lógico, dedutivo e indutivo; da linguagem; da criatividade; da atenção e da concentração. Habilidades estas, essenciais para o aprendizado em Matemática ( Borin, 2004, p. 8).

3 Particularmente, a participação em jogos de grupo permite conquista cognitiva, emocional, moral e social para o estudante, uma vez que poderão agir como produtores de seu conhecimento, tomando decisões e resolvendo problemas, o que consiste um estímulo para o desenvolvimento da competência matemática e a formação de verdadeiros cidadãos.

4 Para Vygotsky os jogos e brincadeiras têm funções efetivas no desenvolvimento da criança. BLOCOS LÓGICOS

5 Por trás de cada material, se esconde uma visão de educação, de matemática, do homem e de mundo; Trabalho realizado no Colégio Estadual de Tempo Integral do Criméia Oeste, pela monitora Jéssika Rodrigues, utilizando o dominó das quatro operações.

6 Maria Montessori A médica e educadora italiana Maria Montessori, inspirada em Pestalozzi desenvolveu uma didática especial para a matemática. Após experiências com crianças excepcionais, desenvolveu, no início do século XX, vários materiais manipulativos destinados à aprendizagem da matemática. Estes materiais, com forte apelo à percepção visual e tátil, foram posteriormente estendidos para o ensino de classes normais. Maria Montessori acreditava não haver aprendizagem sem ação.

7 Nada deve ser dado à criança, no campo da matemática, sem primeiro apresentar-se a ela uma situação concreta que a leve a agir, a pensar, a experimentar, a descobrir, e daí, a mergulhar na abstração (Azevedo, p. 27).

8 Estruturados e os não-estruturados;

9 Essa importância atribuída aos materiais concretos tem raiz nas pesquisas do psicólogo suíço Jean Piaget ( ). Segundo Piaget, a aprendizagem da Matemática envolve o conhecimento físico e o lógico- matemático. Uma criança entenderá melhor os números e as operações matemáticas se puder torná-los palpáveis. De fato, materiais concretos como pedrinhas, barras e blocos lógicos, fazem as crianças arrancar no raciocínio abstrato.

10 A escolha de uma metodologia de trabalho que permita a exploração do potencial dos jogos no desenvolvimento de todas as habilidades (raciocínio lógico e intuitivo).

11 Durante o jogo......Uma má jogada constitui uma excelente oportunidade de intervenção do professor,voltando-se para analisar os erros, ou seja, as ações do jogador que prejudicam o resultado almejado e as estratégias, isto é, no modo como são armadas as jogadas visando ao objetivo final, sendo que muitas vezes o critério de certo ou errado é decidido pelo grupo, numa prática de debate que permite o exercício da argumentação e a organização do pensamento.

12 O papel do professor como mediador; JOGOSPROFESSORALUNO

13 O uso de jogos para o ensino, representa, em sua essência, uma mudança de postura do professor em relação ao o que é ensinar matemática, ou seja, o papel do professor muda de comunicador de conhecimento para o de observador, organizador, consultor, mediador, interventor, controlador e incentivador da aprendizagem, do processo de construção do saber pelo aluno, e só irá interferir, quando isso se faz necessário, através de questionamentos.

14 ...a noção de jogo aplicado à educação desenvolveu-se com lentidão e penetrou, tardiamente, no universo escolar, sendo sistematizada com atraso. No entanto, introduziu transformações decisivas... materializando a ideia de aprender divertindo se...(Schwartz,1966)

15 Os PCNs Os PCN´s orientarem para a utilização de jogos no ensino de Matemática, não orientam em relação a como deve ser encaminhado o trabalho pedagógico após o jogo pelo jogo. Fica a sensação de que o jogo por si mesmo estará trabalhando análises, desencadeamentos ou formalizações de conceitos matemáticos. Os jogos têm suas vantagens no ensino da Matemática desde que o professor tenha objetivos claros do que pretende atingir com a atividade proposta. Não concordamos com o fato de que o jogo, propiciando simulação de problemas, exija soluções imediatas, como defendem os PCN´s.

16 Em relação à intervenção pedagógica com jogos nas aulas de Matemática, Grando (2000) propõe sete momentos distintos: familiarização com o material do jogo, reconhecimento das regras, jogar para garantir regras, intervenção pedagógica verbal, registro do jogo, intervenção escrita e jogar com competência.

17 FELICIDADE Como Corbalán (1994) citando Alsina, menciona: Ensinar e aprender Matemática pode e deve ser uma experiência feliz. Curiosamente quase nunca se cita a felicidade dentro dos objetivos educativos, mas é bastante evidente que só poderemos falar de um trabalho docente bem feito quando todos alcançarmos um grau de felicidade satisfatório (p.14)

18 Concluímos que... Os jogos, assim como outros recursos, são importantes no trabalho com a Matemática. No entanto, é importante destacar alguns pontos, relacionados à perspectiva metodológica, sobre os quais é preciso refletir ao optar pelo uso desses materiais em sala de aula: qualquer recurso deve servir para que os alunos aprofundem e ampliem os significados e noções matemáticas; os jogos só são úteis se provocarem, em quem os utiliza, processos de reflexão sobre as noções matemáticas que se quer desenvolver a partir de seu uso; é importante que o jogo selecionado seja adequado aos objetivos que você traçou para seu trabalho com a Matemática; é fundamental que os alunos possam discutir as ideias que vão tendo e as descobertas que vão fazendo, enquanto jogam; ao planejar ações envolvendo jogos para a sua turma, pense com antecedência em questões a serem propostas enquanto os alunos jogam; é preciso prever um tempo para que, ao final do trabalho proposto, os alunos discutam e registrem suas conclusões, suas descobertas; um mesmo jogo deverá ser usado em momentos diferentes para desenvolver novas ideias

19 Referências FIORENTINI, Dario; MIORIM, Maria Ângela. Uma reflexão sobre o uso dos materiaisconcretos e jogos no ensino da matemática. In: Boletim SBEM-SP, 4(7): 5-10, FALZETTA, Ricardo. Construa a lógica, bloco a bloco. In: Nova Escola, 111 ed., abr 1998, p


Carregar ppt "JOGOS MATEMÁTICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Alunos: Alex Cardeal, Jéssika Rodrigues, Larissa Morais, Letícia Martins."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google