A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Gestão de Transporte e Frotas MBA – CASTELO GESTÃO LOGÍSTICA Prof. Manuel O. Lemos Alexandre Mestre Engenharia de Transportes COPPE - UFRJ.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Gestão de Transporte e Frotas MBA – CASTELO GESTÃO LOGÍSTICA Prof. Manuel O. Lemos Alexandre Mestre Engenharia de Transportes COPPE - UFRJ."— Transcrição da apresentação:

1 Gestão de Transporte e Frotas MBA – CASTELO GESTÃO LOGÍSTICA Prof. Manuel O. Lemos Alexandre Mestre Engenharia de Transportes COPPE - UFRJ

2 Matriz do Transporte - Brasil

3 Gestão de Transporte e Frotas O termo gestão de frotas representa a atividade de reger, administrar ou gerenciar um conjunto de veículos que pertencem a uma mesma empresa;O termo gestão de frotas representa a atividade de reger, administrar ou gerenciar um conjunto de veículos que pertencem a uma mesma empresa; Ampla abrangência - envolve diferentes serviços, como as atividades de dimensionamento, especificação de equipamentos, roteirização, custos, manutenção e renovação de veículos, entre outras.Ampla abrangência - envolve diferentes serviços, como as atividades de dimensionamento, especificação de equipamentos, roteirização, custos, manutenção e renovação de veículos, entre outras.

4 Gestão de Transporte e Frotas - O transporte de cargas No Brasil, o transporte de cargas rodoviário – tem uma estrutura respeitável, responsável pelo escoamento, de safras inteiras à simples encomendas.No Brasil, o transporte de cargas rodoviário – tem uma estrutura respeitável, responsável pelo escoamento, de safras inteiras à simples encomendas. A estrutura, ;A estrutura, gira em torno de aproximadamente 7,5 % do PIB, cerca de 30 bilhões de dólares por ano; Desempenha papel vital para a economia e o bem- estar da nação.Desempenha papel vital para a economia e o bem- estar da nação.

5 Gestão de Transporte e Frotas o transporte de cargas O transporte rodoviário de carga no Brasil opera em regime de livre mercado, regulado segundo a Lei nº , de 5 de janeiro de 2007, que dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração. 1.Por se tratar de uma atividade econômica, em regime de livre concorrência, o transportador precisa de prévia inscrição no RNTRC da ANTT; 2.ANTT (atuação) – abrange mais de 85% do transporte de cargas no Brasil e, nesse total, estão os 60,48% operados pela modalidade rodoviário.

6 Gestão de Transporte e Frotas O transporte de cargas O RNTRC – de porte obrigatório – é a certificação para a prestação do serviço de transporte rodoviário de cargas por empresas transportadoras, cooperativas e transportadores autônomos do Brasil;O RNTRC – de porte obrigatório – é a certificação para a prestação do serviço de transporte rodoviário de cargas por empresas transportadoras, cooperativas e transportadores autônomos do Brasil; A ANTT administra o RNTRC com a finalidade de atender reivindicação dos transportadores;A ANTT administra o RNTRC com a finalidade de atender reivindicação dos transportadores; O principal objetivo da ANTT ao criar o RNTRC visa regularizar o exercício da atividade e disciplinar o mercado de transporte rodoviário de cargas;O principal objetivo da ANTT ao criar o RNTRC visa regularizar o exercício da atividade e disciplinar o mercado de transporte rodoviário de cargas; A ANTT ao adotar essas medidas, sugere as seguintes vantagens:A ANTT ao adotar essas medidas, sugere as seguintes vantagens: Manter atualizados os dados da oferta do transporte rodoviário de cargas; distribuição espacial, composição e idade da frota; áreas de atuação (urbana, estadual e regional) dos transportadores;Manter atualizados os dados da oferta do transporte rodoviário de cargas; distribuição espacial, composição e idade da frota; áreas de atuação (urbana, estadual e regional) dos transportadores;

7 Gestão de Transporte e Frotas O transporte de cargas especialização da atividade econômica (empresas, cooperativas e autônomos) e fiscalização do exercício da atividade;especialização da atividade econômica (empresas, cooperativas e autônomos) e fiscalização do exercício da atividade; mais informação sobre a oferta de transporte, maior segurança ao se contratar um transportador, redução de perdas e roubos de cargas e redução de custos dos seguros;mais informação sobre a oferta de transporte, maior segurança ao se contratar um transportador, redução de perdas e roubos de cargas e redução de custos dos seguros; melhora na fiscalização – o porte do certificado é obrigatório e é fiscalizado pela Polícia Rodoviária Federal, em todas as rodovias federais do país e pelos fiscais da ANTTmelhora na fiscalização – o porte do certificado é obrigatório e é fiscalizado pela Polícia Rodoviária Federal, em todas as rodovias federais do país e pelos fiscais da ANTT

8 Alguns números sobre transporte de cargas transportadores inscritos sendo autônomos, empresas e 633 cooperativas, que totaliza uma frota de veículos habilitados ao transporte rodoviário de cargas; transportadores inscritos sendo autônomos, empresas e 633 cooperativas, que totaliza uma frota de veículos habilitados ao transporte rodoviário de cargas; 48% dos veículos estão localizados na Região Sudeste; 29% na região Sul; 11% na Nordeste; 8% na Centro-Oeste e 4% na região Norte;48% dos veículos estão localizados na Região Sudeste; 29% na região Sul; 11% na Nordeste; 8% na Centro-Oeste e 4% na região Norte; 16,2 anos: sendo que 56,9% do total dos veículos – que são dos transportadores autônomos - a idade sobe para 20,6 anos de idade.16,2 anos: sendo que 56,9% do total dos veículos – que são dos transportadores autônomos - a idade sobe para 20,6 anos de idade.

9 Sistema de Controle da Frota Rodoviária Internacional de Cargas Desenvolvido para agilizar o fluxo de informações;Desenvolvido para agilizar o fluxo de informações; Oferece segurança e confiabilidade ao controle da frota em consonância com o Acordo sobre o Transporte Internacional Terrestre (ATIT) principal instrumento de regulamentação de transporte no CONESUL;Oferece segurança e confiabilidade ao controle da frota em consonância com o Acordo sobre o Transporte Internacional Terrestre (ATIT) principal instrumento de regulamentação de transporte no CONESUL; Possibilita maior controle Internacional de cargas;Possibilita maior controle Internacional de cargas; Automatiza processos internos, além de garantir maior rigidez na manutenção das informações sobre o transporte de cargas, suas frotas e licença.Automatiza processos internos, além de garantir maior rigidez na manutenção das informações sobre o transporte de cargas, suas frotas e licença.

10 Algumas Dificuldades Encontradas na Evolução dos Processos de Gestão de Frotas Adoção de procedimentos empíricos e intuitivos que, muitas vezes, estão distantes do ótimo ou do bom; Adoção de procedimentos empíricos e intuitivos que, muitas vezes, estão distantes do ótimo ou do bom; Os avanços em áreas como a informática, telecomunicações, sensoriamento remoto etc. são relativamente recentes e estão sendo absorvidos lentamente pelos transportadores;Os avanços em áreas como a informática, telecomunicações, sensoriamento remoto etc. são relativamente recentes e estão sendo absorvidos lentamente pelos transportadores; Os transportadores, não conhecem ou não crêem em determinadas técnicas ou ferramentas novas e sofisticadas;Os transportadores, não conhecem ou não crêem em determinadas técnicas ou ferramentas novas e sofisticadas; Insegurança e resistência para incluir alterações em um sistema de trabalho que, de certa forma, vem funcionando há certo tempo; Insegurança e resistência para incluir alterações em um sistema de trabalho que, de certa forma, vem funcionando há certo tempo; Carência de ferramentas ou sistemas computacionais capazes de, a um custo acessível, ajudar as transportadoras a planejar e a executar suas operações. Carência de ferramentas ou sistemas computacionais capazes de, a um custo acessível, ajudar as transportadoras a planejar e a executar suas operações.

11 A Estrutura Organizacional das Empresas de Transporte Segmentos do mercado brasileiro de transporte rodoviário de carga: carga geral;carga geral; cargas sólidas;cargas sólidas; cargas unitizadas;cargas unitizadas; encomendas;encomendas; carga viva;carga viva; cargas perigosas;cargas perigosas; madeira;madeira; cargas indivisíveis;cargas indivisíveis; móveis;móveis; produtos sob temperatura controlada;produtos sob temperatura controlada; produtos siderúrgicos;produtos siderúrgicos; valores;valores; veículos automotores;veículos automotores; Cargas líquidasCargas líquidas

12 A Estrutura Organizacional das Empresas de Transporte Estrutura em dois níveis: macro e micro.Estrutura em dois níveis: macro e micro. Macro – existência de uma matriz que coordena as filiais e as agências;Macro – existência de uma matriz que coordena as filiais e as agências; A coordenação é baseada a partir de uma estratégia operacional, administrativa e mercadológica, com a finalidade de aproveitar todo o potencial do segmento.A coordenação é baseada a partir de uma estratégia operacional, administrativa e mercadológica, com a finalidade de aproveitar todo o potencial do segmento.

13 Representação da Macroestrutura de uma Transportadora

14 Macroestrutura de uma empresa de Transporte O plano é feito com o objetivo de garantir o retorno dos investimentos e de avaliar sua capacidade de expansão.O plano é feito com o objetivo de garantir o retorno dos investimentos e de avaliar sua capacidade de expansão. Desta forma, fica definido a instalação e a localização geográfica de filiais e agências.Desta forma, fica definido a instalação e a localização geográfica de filiais e agências. O transporte de cargas entre elas é realizado por veículos apropriados para deslocamentos de longo curso, os quais têm maior capacidade estática do que os empregados para as operações de coleta e distribuição.O transporte de cargas entre elas é realizado por veículos apropriados para deslocamentos de longo curso, os quais têm maior capacidade estática do que os empregados para as operações de coleta e distribuição.

15 Representação da Microestrutura de uma Empresa de Transportes: Estrutura da Matriz e Filiais

16 Microestrutura Microestrutura – caracterizada pela estrutura, pela hierarquização das funções dentro da matriz e das suas demais unidades; Geralmente são divididas em Diretoria, Gerência e Chefia; A matriz tem em sua microestrutura uma área de atuação que atinge toda a macroestrutura da empresa. Nela estão os principais diretores e gerentes;

17 Organograma da Matriz

18 Microestrutura da matriz com a Coordenação das filiais pelos diretores regionais

19 Microestruturas As microestruturas das filiais são distintas à da matriz e são esquematizadas conforme o plano estratégico de cada unidade;As microestruturas das filiais são distintas à da matriz e são esquematizadas conforme o plano estratégico de cada unidade; O conceito de interdependência entre as unidades da macroestrutura resulta de uma metodologia denominada gestão sistêmica;O conceito de interdependência entre as unidades da macroestrutura resulta de uma metodologia denominada gestão sistêmica; A atuação sistêmica da matriz faz com que os dirigentes tenham mais poder para a alocação de recursos a cada unidade, em função da sua importância dentro do plano estratégico.A atuação sistêmica da matriz faz com que os dirigentes tenham mais poder para a alocação de recursos a cada unidade, em função da sua importância dentro do plano estratégico.

20 Indicação dos Setores com Interação Direta ou Indireta na Gestão de Frotas Diretorias De modo geral considera-se a existência de cinco diretorias na administração de uma empresa de transporte: 1. 1.Administração 2. 2.Operações 3. 3.Finanças 4. 4.Marketing; e 5. 5.Recursos Humanos

21 Diretoria Administração, Operação, Finanças, Marketing e Recursos Humanos – constituem as cinco diretorias que administram as atividades de uma empresa de transporte, porém, é a diretoria de operações que está diretamente ligada à gestão da frota.Administração, Operação, Finanças, Marketing e Recursos Humanos – constituem as cinco diretorias que administram as atividades de uma empresa de transporte, porém, é a diretoria de operações que está diretamente ligada à gestão da frota. O setor de operações controla todos os meios utilizados para garantir as atividades de movimentação das cargas e a administração (incluídas os serviços da equipe de operações, os veículos de coleta e entrega e os de longo curso, a manutenção e os postos da empresa, os armazéns e o pessoal do setor, a área física de movimentação, além de instalações e equipamentos de movimentação interna de cargas.O setor de operações controla todos os meios utilizados para garantir as atividades de movimentação das cargas e a administração (incluídas os serviços da equipe de operações, os veículos de coleta e entrega e os de longo curso, a manutenção e os postos da empresa, os armazéns e o pessoal do setor, a área física de movimentação, além de instalações e equipamentos de movimentação interna de cargas.

22 Diretoria Administração, Operação, Finanças, Marketing e Recursos Humanos – constituem as cinco diretorias que administram as atividades de uma empresa de transporte, porém, é a diretoria de operações que está diretamente ligada à gestão da frota.Administração, Operação, Finanças, Marketing e Recursos Humanos – constituem as cinco diretorias que administram as atividades de uma empresa de transporte, porém, é a diretoria de operações que está diretamente ligada à gestão da frota. A diretoria de operações é responsável por toda a execução do serviço (gestão de frotas);A diretoria de operações é responsável por toda a execução do serviço (gestão de frotas); Enquanto a diretoria de mkt é a responsável pela ocorrência de solicitação do transporte, a de operações é responsável pela sua execução, bem como seu respectivo padrão de qualidade.Enquanto a diretoria de mkt é a responsável pela ocorrência de solicitação do transporte, a de operações é responsável pela sua execução, bem como seu respectivo padrão de qualidade.

23 Diretoria Principais atividades vinculadas a Função Operações:Principais atividades vinculadas a Função Operações: avaliação do desempenho da frotaavaliação do desempenho da frota avaliação do índice de produtividade dos armazéns da empresaavaliação do índice de produtividade dos armazéns da empresa avaliação e investigação da ocorrência de faltas, e sobre avarias,avaliação e investigação da ocorrência de faltas, e sobre avarias, contratação de veículos autônomoscontratação de veículos autônomos despacho de veículos- determinação dos padrões de operação da empresa.despacho de veículos- determinação dos padrões de operação da empresa.

24 Diretoria Principais atividades vinculadas a Função Operações:Principais atividades vinculadas a Função Operações: dimensionamento da frota de longo cursodimensionamento da frota de longo curso manipulação interna de cargamanipulação interna de carga realização de coletas e realização de carregamentosrealização de coletas e realização de carregamentos reformulação do layout do armazém.reformulação do layout do armazém. É possível encontramos na diretoria de operações as gerencias de FROTAS e de OPERAÇÕES.É possível encontramos na diretoria de operações as gerencias de FROTAS e de OPERAÇÕES.

25 Gerências GERENTE DE FROTAS:GERENTE DE FROTAS: acompanhamento de conservação e manutenção de frota de coleta e entregaacompanhamento de conservação e manutenção de frota de coleta e entrega controle sobre aplicação das normas e políticas relativas à contratação de veículos de terceiros, tanto para as operações de longo curso como de coletas e entregacontrole sobre aplicação das normas e políticas relativas à contratação de veículos de terceiros, tanto para as operações de longo curso como de coletas e entrega estabelecimento dos padrões de serviços prestados pela frotaestabelecimento dos padrões de serviços prestados pela frota

26 Gerências GERENTE DE FROTAS:GERENTE DE FROTAS: programação e controle da frota de longo cursoprogramação e controle da frota de longo curso solução de sinistro, no que se refere à frotasolução de sinistro, no que se refere à frota supervisão dos serviços de manutenção.supervisão dos serviços de manutenção. As atividades de translação da carga entre filias e todos os aspectos pertinentes à frota de coleta e entrega são responsabilidades desse gerente.As atividades de translação da carga entre filias e todos os aspectos pertinentes à frota de coleta e entrega são responsabilidades desse gerente.

27 Gerências GERENTE DE OPERAÇÕES:GERENTE DE OPERAÇÕES: avaliação da produtividade da equipe de movimentação interna da carga de cada filial;avaliação da produtividade da equipe de movimentação interna da carga de cada filial; estabelecimento dos padrões de produtividade na movimentação física da carga;estabelecimento dos padrões de produtividade na movimentação física da carga; estabelecimento dos padrões de serviço prestado pelas filias ;estabelecimento dos padrões de serviço prestado pelas filias ; estudo da racionalização da movimentação física da carga ;estudo da racionalização da movimentação física da carga ;

28 Gerências GERENTE DE OPERAÇÕES:GERENTE DE OPERAÇÕES: estudo da reformulação do layout dos armazéns das filias;estudo da reformulação do layout dos armazéns das filias; exame dos casos de avarias motivado pela movimentação física ou faltas decorrentes do processo de controle da movimentação física;exame dos casos de avarias motivado pela movimentação física ou faltas decorrentes do processo de controle da movimentação física; supervisão da aplicação da política tarifária da empresa, referente à densidade dos bens transportados.supervisão da aplicação da política tarifária da empresa, referente à densidade dos bens transportados. Algumas empresas, incluem também nessa gerência, a supervisão e o controle dos armazéns, entre outras.Algumas empresas, incluem também nessa gerência, a supervisão e o controle dos armazéns, entre outras.

29 Importância da Frota no Patrimônio e nos Custos das Empresas de Transporte O percentual de participação da frota no patrimônio e nos custos da empresa varia de caso a caso;O percentual de participação da frota no patrimônio e nos custos da empresa varia de caso a caso; A variação depende: (1) da natureza e dos objetivos da organização (carga própria, de terceiros, passageiros, fretamento, entre outros) e (2) a forma como os veículos são incorporados e contabilizados na frota (leasing, financiamento, aluguel etc.)A variação depende: (1) da natureza e dos objetivos da organização (carga própria, de terceiros, passageiros, fretamento, entre outros) e (2) a forma como os veículos são incorporados e contabilizados na frota (leasing, financiamento, aluguel etc.) A frota representa a grandeza da empresa pois, são a fonte de receitas e a empresa desenvolve serviços e amplia seus negócios;A frota representa a grandeza da empresa pois, são a fonte de receitas e a empresa desenvolve serviços e amplia seus negócios; Daí a necessidade de uma boa gestão.Daí a necessidade de uma boa gestão.

30 Importância da Gestão de frotas 1.Para a Economia nacional: Países mais ricos são os que possuem os melhores sistemas de transporte, provando que o tamanho do PIB está intimamente relacionado com a qualidade dos transportes;Países mais ricos são os que possuem os melhores sistemas de transporte, provando que o tamanho do PIB está intimamente relacionado com a qualidade dos transportes; A estrutura do sistema de transporte de cargas, no Brasil, movimenta anualmente montantes em torno de US$ 40 bilhões, ou seja, 8,5% do PIB; sistema rodoviário é responsável por 60% do escoamento das cargas;A estrutura do sistema de transporte de cargas, no Brasil, movimenta anualmente montantes em torno de US$ 40 bilhões, ou seja, 8,5% do PIB; sistema rodoviário é responsável por 60% do escoamento das cargas; Uma boa gestão de frotas pode beneficiar a economia em função dos números citados.Uma boa gestão de frotas pode beneficiar a economia em função dos números citados.

31 Importância da Gestão de frotas 2.Para as Empresas: o transporte de cargas por operar em um mercado de muita concorrência, a eficiência na gestão de frotas torna-se um fator decisivo para o crescimento e para a sobrevivência das empresas; A má gestão, no caso das empresas de carga própria, pode implicar custos elevados de transporte e conseqüentemente comprometer o relacionamento comercial com boa parte dos clientes;A má gestão, no caso das empresas de carga própria, pode implicar custos elevados de transporte e conseqüentemente comprometer o relacionamento comercial com boa parte dos clientes;

32 Importância da Gestão de frotas 3.Para os Embarcadores, Usuários e Consumidores: O transporte se faz necessário com a finalidade de conectar a produção e o consumo, e o custo desse serviço (custo operacional dos veículos) será um componente do preço final dos produtos;O transporte se faz necessário com a finalidade de conectar a produção e o consumo, e o custo desse serviço (custo operacional dos veículos) será um componente do preço final dos produtos; Quem paga o referido custo é o comprador da mercadoria;Quem paga o referido custo é o comprador da mercadoria; Uma melhoria na gestão de frotas, tendo em conta que o mercado de fretes é concorrente, refletirá na redução dos custos de transporte e conseqüentemente, no preço final.Uma melhoria na gestão de frotas, tendo em conta que o mercado de fretes é concorrente, refletirá na redução dos custos de transporte e conseqüentemente, no preço final.

33 Gestão de Transporte e Frotas 1.Exercício de fixação: Defina gestão de frotas e qual a importância para a logística;Defina gestão de frotas e qual a importância para a logística; Explique qual a razão de grande parte do transporte de carga ser realizado pelo modo rodoviário, quais as vantagens e desvantagens.Explique qual a razão de grande parte do transporte de carga ser realizado pelo modo rodoviário, quais as vantagens e desvantagens. A.Exercício para próxima aula: Atualizar a distribuição espacial da frota rodoviária de cargas dentro do território nacional.Atualizar a distribuição espacial da frota rodoviária de cargas dentro do território nacional.

34 Exercícios de fixação 2. Apresente a estrutura organizacional considerada ideal de uma empresa de transporte (veículos automotores; encomendas) que apresente a seguinte configuração: Oito filiais, quatrocentos funcionários, cinco agências e setenta e cinco veículos que compõem a frota entre longo curso, coleta e entrega.Oito filiais, quatrocentos funcionários, cinco agências e setenta e cinco veículos que compõem a frota entre longo curso, coleta e entrega. Atividades executadas em cinco funções: Operações, marketing, recursos humanos, administração e finanças;Atividades executadas em cinco funções: Operações, marketing, recursos humanos, administração e finanças;

35 Gestão de Transporte e Frotas Bibliográfica, Fonte:Bibliográfica, Fonte: VALENTE, Amir Mattar; NOVAES, Antonio Galvão; PASSAGLIA, Eunice; VIEIRA, Heitor. Gerenciamento de Transporte e Frotas. 2. Ed. rev. – São Paulo: Cengage Learning, 2008.VALENTE, Amir Mattar; NOVAES, Antonio Galvão; PASSAGLIA, Eunice; VIEIRA, Heitor. Gerenciamento de Transporte e Frotas. 2. Ed. rev. – São Paulo: Cengage Learning, Sites e revistas especializadas;Sites e revistas especializadas;


Carregar ppt "Gestão de Transporte e Frotas MBA – CASTELO GESTÃO LOGÍSTICA Prof. Manuel O. Lemos Alexandre Mestre Engenharia de Transportes COPPE - UFRJ."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google