A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

S USTENTABILIDADE EM RH Professora: Nathália Alonso Raemy Rangel

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "S USTENTABILIDADE EM RH Professora: Nathália Alonso Raemy Rangel"— Transcrição da apresentação:

1 S USTENTABILIDADE EM RH Professora: Nathália Alonso Raemy Rangel

2 C APITALISMO Estatuto jurídico e regime econômico de uma sociedade humana caracterizada pelo grande desenvolvimento dos meios de produção e sua operação por trabalhadores que não são proprietários dos mesmos (...) Fonte: Dicionário Aurélio

3 H ISTÓRIA Feudalismo Capitalismo Senhor feudal Servos Burgue ses Proletá rio

4 3 FASES DO CAPITALISMO 1- Pré Capitalismo ( mercantilismo)- séculos XVI a XVII Exploração marítima ( grandes navegações)

5 2- Capitalismo Industrial - século XVIII Revolução industrial Mão de obra explorada Lucro do empresário Maquinário- produção em massa

6 3- Capitalismo Monopolista- Financeiro Globalização Informatização Controle por bancos e instituições financeiras

7 Seria possível que os capitalistas utilizassem garfo e faca para comer? * Canibais com garfo e faca, Elkington, 2001

8 E MPRESA A palavra empresa foi introduzida no ordenamento jurídico( direito brasileiro) nacional pelo art. 19, § 3º do Regulamento 737 de Com a evolução do conceito de empresa no Brasil, hoje o mais comum é que: Empresa é uma atividade econômica exercida profissionalmente pelo empresário por meio da articulação dos fatores produtivos para a produção ou circulação de bens ou de serviços.

9 D ESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA SUSTENTABILIDADE Livro Primavera Silenciosa, Rachel Carson- Questiona os problemas ambientais surgidos na era pós- industrial; Relatório Brundtland ( Nosso Futuro Comum)- Primeiro conceito de sustentabilidade. aquele que atende as necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades;

10 1992- Eco – 92- Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento 2002 –Rio +20- Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável

11 S USTENTABILIDADE É preciso que os negócios sejam feitos levando-se em conta o equilíbrio entre os fatores ambientais, sociais e econômicos e os resultados das empresas precisam refletir esse equilíbrio Atividades que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos, sem comprometer o futuro das próximas gerações. Diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico e material sem agredir o meio ambiente e respeitando o social.

12 S USTENTABILIDADE EMPRESARIAL É uma prática gerencial que tem como alvo não- temporal a vitalidade organizacional através da realização de ações que favoreçam o desempenho econômico, ambiental e social com equidade. Além disso, estas ações têm de ser transparentes e eticamente plausíveis. A sustentabilidade corporativa está baseada em três aspectos básicos: o ambiental, o econômico e o social. (triple bottom line ) 1- Aspecto ambiental : Uso racional dos recursos naturais e da maximização dos impactos ambientais positivos no ciclo de vida dos produtos. 2- Aspecto econômico: Os negócios da empresa devem buscar constantemente a lucratividade e a remuneração do capital

13 3- Aspecto social: São levadas em consideração as políticas de responsabilidade social e sua utilização formal no ambiente corporativo Será importante pensar sobre a diferença entre o conceito de responsabilidade social e sustentabilidade, vejamos: Sustentabilidade Responsa- bilidade social Econô mico Ambiental

14 R ESPONSABILIDADE SOCIAL X F ILANTROPIA Filantropia é que um simples "auxílio" da empresa em prol da comunidade. Representa uma ação externa e altruísta da empresa em virtude de algum valor humanitário, sendo utilizada, muitas vezes, de forma esporádica. A responsabilidade social, por sua vez, está direcionada para os negócios da empresa, que, culturalmente, desenvolve seus planejamentos e traça seus objetivos buscando atender aos interesses dos acionistas, clientes, fornecedores, funcionários, ou seja, todos aqueles que se relacionam, direta ou indiretamente, com os negócios da organização.

15 P OR QUE ADOTAR CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE ? Valores pessoais e sociais X Lucro

16 B ENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS SUSTENTÁVEIS ( MEIO EXTERNO ) Valorização da imagem institucional e da marca Valorização da imagem institucional e da marca Maior lealdade do consumidor, fidelização Maior lealdade do consumidor, fidelização Maior capacidade de recrutar e manter talentos Maior capacidade de recrutar e manter talentos Flexibilidade e capacidade de adaptação Flexibilidade e capacidade de adaptação Longevidade Longevidade Possibilidade de redução de custos Possibilidade de redução de custos Acesso a mercados Acesso a mercados Gerenciamento de Riscos (diálogo com públicos de interesse) Gerenciamento de Riscos (diálogo com públicos de interesse)

17 C ONCLUSÃO : LUCRO Uma empresa sem lucro não é uma empresa sustentável.

18 10 PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL MAIS VALORIZADAS 1- Não ao trabalho infantil e escravo; 2 - Igualdade de oportunidade entre mulheres, negros e deficientes; 3 - Remuneração justa; 4 - Cuidados com o bem-estar; 5 - Respeito ao trabalho terceirizado; 6 - Economia de água; 7 - Investir em especialização; 8 - Preocupação com reciclagem; 9 - Formar consumidores conscientes; 10 - Orientar sobre uso e descarte * Fonte: Revista exame

19 QUAIS DESTAS PRÁTICAS DIZEM RESPEITO AO RH?

20 T RAJETÓRIA DE UMA EMPRESA SUSTENTÁVEL Alinhamento de valores Proativo oportunidade de negócios/ gestão de riscos Ameaça regulatória/ Crise de Relações Públicas Reativo Exigências regulatórias/ Pressão Pública Além da observância Estratégia integrada Propósito/ Missão Observância Inobservância

21 C OMO A MAIORIA DAS EMPRESAS INVESTEM EM SUSTENTABILIDADE ? Nenhum investimento Investimento Paradoxo Empresa Meio interno Meio externo Perda de capital intelectual Desempre go Lucro Benefício social

22 V OCÊ SABE O QUE É UM PARADOXO ? Contradição, pelo menos aparente: falo melhor quando emudeço. Ausência de nexo ou lógica. Opinião contrária à opinião comum. Idéia bem fundamentada ou apresentada de forma coerente, mas que possui subentendidos contraditórios à sua própria estrutura. Filosofia. Contradição a que chega, em certos casos, o arrazoamento abstrato. (Etm. do latim: paradoxon) * Dicionário Aurélio

23 P ARADOXO ENTRE O INVESTIMENTO EXTERNO E INTERNO Visando a vantagem econômica as empresas instituem programas de sustentabilidade com caráter externo, esquecendo-se de que é imprescindível zelar pelo bom funcionamento do ambiente interno. Perde-se assim capital intelectual e gera desemprego, afetando diretamente o meio externo, pelo qual preocupou-se em investir anteriormente. Há ou não há uma contradição, um paradoxo?

24 C APITAL INTELECTUAL Se no capitalismo o empregado não é dono de seu instrumento de trabalho, o que pensar acerca do capital intelectual cada dia mais considerado entre as empresas? Investir no capital intelectual é uma maneira de exercer a sustentabilidade empresarial?

25 Trabalho 1: Qual a importância do RH para a aplicação dos conceitos e parâmetros de sustentabilidade? * Comparativo com trabalho da última aula do curso


Carregar ppt "S USTENTABILIDADE EM RH Professora: Nathália Alonso Raemy Rangel"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google