A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Cérebro Antes de Mim. Introdução De todos os orgãos do corpo humano destaca-se o cérbero. Não é o maior órgão do corpo, pesando cerca de 1 quilo e 300.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Cérebro Antes de Mim. Introdução De todos os orgãos do corpo humano destaca-se o cérbero. Não é o maior órgão do corpo, pesando cerca de 1 quilo e 300."— Transcrição da apresentação:

1 O Cérebro Antes de Mim

2 Introdução De todos os orgãos do corpo humano destaca-se o cérbero. Não é o maior órgão do corpo, pesando cerca de 1 quilo e 300 gramas porém, é a fonte de todo o comportamento humano. Recebe informação, transmite-a para os locais adequados, é a fonte de cognição, da memória e da inteligência. Inconscientemente, controla o ritmo cardíaco entre outras funções corporais. Neste trabalho abordaremos o cérebro não apenas como órgão físico mas também como elemento específico e diferenciador da condição humana.

3 Sistema Nervoso Conjunto de estruturas responsáveis pelos nossos comportamentos Controla dos mais simples (reflexos) aos mais complexos (pensamentos)

4 Elementos do Sistema Nervoso Mecanismos de Reação - Orgãos recebem estímulos do meio (orgãos dos sentidos) Mecanismos de Coordenação – Informação recebida é tratada pelo sistema nervoso que determina respostas aos estímulos Mecanismos de Reação – Efetuam as respostas (músculos e glândulas)

5 Processo de Informação Orgãos dos Sentidos Captam a informação do meio Sistema Nervoso Interpreta os estímulos Determina as respostas Músculos/ Glândulas Efetuam as respostas

6 Processo de Informação EstímulosReações

7 O Neurónio Sistema nervoso tem dois tipos de células: Neurónios- responsável pela maioria das ações do sistema nervoso; não tem contacto entre si; Células Gliais- alimentam, controlam o seu desenvolvimento isolam e protegem os neurónios;

8 O Neurónio Os neurónios tem 3 componentes: Corpo celular; Dendrites; Axónio;

9 O Corpo Celular Contém o núcleo- armazém de energia da célula; Fabrica proteínas sob o controlo do ADN presente no núcleo; Centro metabólico do neurónio;

10 Dendrites Recebem e transmitem a informação do neurónio de e para outras células; Extensões do corpo celular que aumentam a superfície para a emissão e receção de mensagens;

11 Axónio Transmitem a mensagens entre neurónios ou para células efetoras; Terminam em ramificações- as telodendrites; Axónios envolvidos por mielina (branca) e outros por uma substância cinzenta explicam a cor do cérebro;

12 Axónio Axónios + Dendrites = Fibras Nervosas; Fibras Nervosas + Membrana = Nervos ; Velocidade variável na transmissão de informação (maior= mais velocidade); Tamanho variável;

13 Tipos de Neurónios Aferentes ou Sensoriais Recolhem e conduzem as mensagens da periferia para os centros nervosos: espinal medula e encéfalo. Eferentes ou Motores Transmitem as mensagens dos centros nervosos para os órgãos efectores : músculos e glândulas. De Conexão ou InterneuróniosInterpretam as informações e elaboram respostas.

14 Comunicação Nervosa Em todos os comportamentos estão envolvidos os 3 tipos de neurónios; O papel do sistema nervoso é transmitir sinais entre os neurónios e indicações de como agir ao corpo; A informação que circula é chamada influxo nervoso;

15 O Influxo Nervoso Dendrites captam o estímulo que pode ter origem em neurónios vizinhos Os sinais são integrados e gera-se o impulso nervoso O impulso nervoso é transmitido ao axónio e conduzido ás ramificações axónicas As ramificações dos axónios transmitem o impulso para as dendrites do neurónio vizinho (sinapse)

16 O Influxo Nervoso

17 Sinapse Processo em que se transmite mensagens entre os neurónios; Comunicação entre o prolongamento do axónio (pré- sináptico/neurónio emissor) e a dendrite de outro neurónio (pós-sináptico/ recetor); Não estão em contato direto, estão separados pela fenda sináptica;

18 Elementos da Sinapse Botão Pré- Sináptico- Terminação axónica do neurónio emissor; Membrana Pós-Sináptica- Dendrite do neurónio recetor; Fenda Sináptica- Espaço cheio de líquido entre neurónios;

19 Elementos da Sinapse A terminação do neurónio emissor tem vesículas sinápticas; Contém neurotransmissores que, quando atingidos pelo impulso elétrico (influxo nervoso), se libertam na fenda sináptica;

20 Elementos da Sinapse

21 Funcionamento Global do Cérebro Cérebro Sistema Nervoso Autónomo Sistema Nervoso Periférico Sistema Nervoso Central Espinal MedulaEncéfalo Sistema Nervoso Somático Nervos Sensitivos Nervos Motores Simpático Parassi mpático

22 Sistema Nervoso Central Constituída pela espinal medula e pelo encéfalo; Espinal Medula- Interior da coluna vertebral; Encéfalo- Caixa Craniana; Todos os nossos comportamentos são controlados por ele;

23 Espinal Medula Constituída por uma substância branca no exterior e cinzenta no interior; Funções: Coordenação- coordenar os reflexos; Condução: transmitir mensagens do cérebro para o corpo e vice-versa;

24 Encéfalo Protegido por um conjunto de três membranas (meninges); Assegura a unidade do comportamento humano;

25 Funcionamento Sistémico do Cérebro Aristóteles acreditava que o cérebro tinha por funções controlar o sono e baixar a temperatura, sendo constituído por água e terra;

26 Funcionamento Sistémico do Cérebro Descartes defendia a separação entre o pensamento consciente e o cérebro; Frenologistas do séc. XX defendem a relação entre o cérebro e as características pessoais; Primeiros a afirmar que o estudo da mente se deve iniciar com o estudo biológico do cérebro;

27 Funcionamento Sistémico do Cérebro

28 O cérebro humano tem características próprias que o distinguem do dos animais; É maior e com mais circunvoluções; Organiza-se segundo determinadas funções;

29 Córtex cerebral Camada cinzenta; Cerca de 3 a 4 milímetros de espessura; Cobre os hemisférios cerebrais; Residem as capacidades superiores dos seres humanos;

30 Hemisférios Cerebrais Cérebro dividido em dois hemisférios: esquerdo e direito; Separados por uma fissura longitudinal; Ligados por um sistema de fibras nervosas – corpo caloso.

31 Hemisférios cerebrais Desempenham funções diferentes; Controlam a parte oposta do corpo; Os feixes nervosos que conduzem as instruções ate aos músculos cruzam-se no percurso;

32 Hemisférios cerebrais Funções semelhantes nos animais; Cada hemisfério especializou-se em funções diversas; Lateralização hemisférica;

33 Hemisférios cerebrais Investigações levadas a cabo; Melhoraram a qualidade de vida dos doentes; Funções distintas;

34 Hemisfério direito Controla a formação de imagens; As relações espaciais; A perceção das formas; Cores; Tonalidades afetivas; Pensamento concreto;

35 Hemisfério esquerdo Pensamento lógico; Linguagem verbal; Discurso; Cálculo; Memória;

36 Funcionamento integrado dos dois hemisférios Significado de uma expressão, conversa; Diálogo: hemisfério esquerdo - produção do discurso; hemisfério direito – entoação, permite os ouvintes compreender e atribuir um significado às nossas palavras; Exclamação extraordinário depende da entoação;

37 Lobos cerebrais Cada hemisfério cerebral é composto por quatro lobos: Frontal; Parietal; Occipital; Temporal;

38 Lobos Cerebrais o São responsáveis por funções distintas; o Integram áreas corticais com funções determinadas; o Apesar da sua especialização estas áreas atuam de forma coordenada e complementar para efetuar determinados processos;

39 Lobos Cerebrais

40 Lobos Occipitais Localizados na parte inferior do cérebro; Coberta pelo córtex cerebral; Também designada por córtex visual;

41 Lobos Occipitais Processa estímulos visuais; Constituída por várias subáreas que processam dados visuais recebidos do exterior depois de terem passado pelo tálamo Há zonas especializadas em processar visão a cor, do movimento, etc.

42 Lobos Occipitais Depois de percebida por a área visual primária passa para a área visual secundária; A informação recebida é comparada com os dados anteriores; Permite identificar um determinado objeto, pessoa, etc.

43 Lobos Occipitais A área visual comunica com outras áreas do cérebro que dão significado ao que vemos, tendo em conta a experiência passada e as nossas expectativas; Uma lesão nesta área provoca agnosia; Impossibilidade de reconhecer objetos, palavras, caras de pessoas e familiares;

44 Lobos Occipitais

45 Lobos Temporais Localizados na zona por cima das orelhas; Processa os estímulos auditivos; Produzem-se quando a área auditiva primária é estimulada;

46 Lobos Temporais Associa-se com a área auditiva secundária; Recebe dados e em interação com outras zonas do cérebro atribui-lhe um significado permitindo reconhecer o que ouvimos

47 Lobos Parietais Localizam-se na parte superior do cérebro; Constituídos por duas divisões: Anterior – córtex somatossensorial – responsável por receber estímulos do ambiente. Estão responsáveis todas as partes do corpo, mas as áreas que mais espaço ocupam são as mais sensíveis.

48 Lobos Parietais Área secundária – analisa as informações recebidas pela área primária permitindo a localização do nosso corpo, no espaço e no tempo.

49 Lobos Frontais Situados na parte da frente do cérebro; Planeamento de ações e movimento, bem como o pensamento abstrato. Nele estão incluídos o córtex motor e o córtex pré- frontal.

50 Lobos Frontais Córtex motor – movimentos da responsabilidade dos músculos; O Córtex motor do hemisfério direito controla o lado esquerdo do corpo do indivíduo; O córtex do hemisfério esquerdo controla o lado direito;

51 Lobos Frontais

52 Papel da Áreas Pré-Frontais Responsável pelas principais funções intelectuais superiores; Distingue a espécie humana de todas as outras; Estão intimamente ligadas com a memória;

53 Papel da Áreas Pré-Frontais São o grande organizador do pensamento reflexivo e da imaginação; Envolvem complexas relações com emoções.

54 Caso de Gage e de Elliot Atingido por uma barra de ferro utilizada para empurrar os explosivos atravessou-lhe a cabeça penetrando no queixo arrancando-lhe um olho e saindo na parte superior do cérebro;

55 Caso de Gage e de Elliot Personalidade sofreu alterações profundas; Elliot devido a um tumor teve de retirar uma parte do córtex - indiferença afetiva; António Damásio coloca a hipótese de as emoções e a capacidade de reflexão estratégica estão ligados; Vai ser corroborada posteriormente;

56 Especialização/Integração Sistémica O desenvolvimento da neurofisiologia, das neurociências e das técnicas de imagem cerebral foram importantes na identificação de funções desconhecidas do nosso cérebro, bem como na redistribuição das que já estavam identificadas. Foi também possível descobrir que, na verdade, o cérebro funciona como um todo, apesar de existirem áreas especializadas, pois estas não comprometem o funcionamento integral do cérebro e as suas conexões com outras estruturas.

57 Especialização/Integração Sistémica Função vicariante – recupera a função perdida pela área afetada; A plasticidade explica o facto de outras regiões do cérebro poderem substituir as funções afectadas por lesões.

58 Auto-Organização Permanente No decorrer da gestação os neurónios dividem-se estabelecendo entre si um número incalculável de ligações – coticalização; O desenvolvimento do cérebro não está concluído. Nos primeiros seis meses de vida produzem-se imensas modificações na estrutura do córtex;

59 Auto-Organização Permanente As várias capacidades humanas dependem da seleção de boas conexões; Os genes e os estímulos do meio ambiente atuam no desenvolvimento cerebral.

60 Estabilidade/Mudança nos circuitos sinápticos A morte de neurónios e a eliminação de muitas sinapses é uma das formas de seleção das redes neuronais. É um processo de seleção em que se anulam as conexões que não são necessárias e se retêm as eficazes.

61 Estabilidade/Mudança nos circuitos sinápticos A epigénese é um processo de moldagem ao longo do tempo, que tem inicio depois do nascimento, no qual todas as experiências do sujeito cristalizam-se sob a forma de ligações sinápticas entre neurónios, ou seja, os neurónios modificam-se quanto à forma e dimensão em resposta à estimulação ambiental.

62 Estabilidade/Mudança nos circuitos sinápticos Como exemplo de epigénese temos os violinistas, que têm a zona do hemisfério esquerdo (mão direita) que comanda os dedos, mais desenvolvida que as outras pessoas. Isto não altera a configuração global do cérebro, pois se um indivíduo exerce mais frequentemente certas atividades com determinados membros do corpo é normal que algumas zonas do cérebro responsáveis pela realização dessas atividades tenham uma importância maior.

63 Lentificação do Desenvolvimento Cerebral Ao comparar o desenvolvimento do cérebro humano com o desenvolvimento do sistema nervoso de outros mamíferos, constata-se que no ser humano o processo se desenrola de forma muito mais lenta. No entanto, o cérebro humano apresenta uma grande capacidade de aprendizagem, devido ao seu processo de desenvolvimento cerebral levar mais tempo a ser completo.

64 Individuação Cerebral O cérebro é um órgão que apresenta múltiplas configurações, sendo que não há nenhum cérebro igual a outro. Uma parte dessas diferenças está pré programada. Outra parte dos processos são também influenciados pelas experiencias dos indivíduos;

65 Plasticidade e Aprendizagem Inicialmente a organização cerebral e o funcionamento do sistema nervoso eram considerados definidos geneticamente, isto é, o homem teria um programa predeterminado que definia a sua estrutura e as funções das várias áreas. Considerava-se também que o cérebro era um órgão que atingia o auge da sua capacidade e força ao fim da puberdade e que estaria condenado a degradar-se progressivamente à medida que a idade avançava.

66 Plasticidade e Aprendizagem Com o avanço da ciência demonstrou-se que o cérebro é um órgão maleável, modificando-se com as experiências, perceções, ações e comportamentos do Homem, ou seja, a relação que o Homem estabelece com o meio produz modificações no sentido de uma adaptação mais eficaz.

67 Plasticidade e Aprendizagem Foi através da maleabilidade do cérebro que foi possível chegar ao conceito de plasticidade cerebral que é a capacidade do cérebro em se remodelar em função das experiências do sujeito, reformular as suas conexões em função das necessidades e dos fatores do meio ambiente. É este carácter plástico do cérebro humano que o disponibiliza para a aprendizagem ao longo de toda a vida.

68 Inteligência nos Animais Durante muitos anos considerou-se que os animais não eram seres inteligentes. Pensava- se existir uma separação total entre os seres humanos e os animais. Enquanto que o comportamento do Homem era orientado pela inteligência, pensamento e consciência, o comportamento animal regia-se por instintos e reflexos apreendidos.

69 Inteligência nos Animais Investigações sobre a inteligência animal vieram mostrar que grande parte dos vertebrados têm capacidade para aprender e resolver problemas. Concluiu-se que a inteligência animal está relacionada com o sistema nervoso central, principalmente com o tamanho e complexidade do cérebro.

70 Inteligência nos Animais Há animais que demonstram processos semelhantes aos dos seres humanos, resolvendo problemas ao recorrer a estratégias semelhantes ás nossas. Entre os animais considerados mais inteligentes estão algumas aves, os cetáceos e os mamíferos. A capacidade de adaptação e a forma de resolver problemas manifestam capacidades manifestam as capacidades dos animais.

71 Conclusão O cérebro humano é deveras algo fascinante! Além de coordenar as nossas ações reflexas e voluntárias, permite-nos adquirir novas capacidades ao longo da nossa vida. A complexidade deste órgão e a sua influência nos nossos comportamentos está ainda por determinar no entanto, podemos concluir com o até agora descoberto que apenas somos quem somos devido ao cérebro. Este, junto com o meio, determina todas as nossas reações e comportamentos. É caso para dizer: nós somos o que o nosso cérebro dita.

72 Fim


Carregar ppt "O Cérebro Antes de Mim. Introdução De todos os orgãos do corpo humano destaca-se o cérbero. Não é o maior órgão do corpo, pesando cerca de 1 quilo e 300."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google