A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Demanda e Oferta Agregadas Capítulo 33. Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Flutuações Econômicas no Curto Prazo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Demanda e Oferta Agregadas Capítulo 33. Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Flutuações Econômicas no Curto Prazo."— Transcrição da apresentação:

1 Demanda e Oferta Agregadas Capítulo 33

2 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Flutuações Econômicas no Curto Prazo u A atividade econômica flutua de ano para ano. u Em muitos anos, a produção de bens e serviços aumenta. u Em alguns anos, o crescimento normal não ocorre, causando recessão.

3 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Flutuações Econômicas no Curto Prazo u Recessão é um período de queda real do PIB, com diminuição da renda e aumento do desemprego. u Dois trimestres seguidos u Depressão é uma recessão severa.

4 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Três Fatos sobre Flutuações Econômicas u Flutuações econômicas são irregulares e imprevisíveis. u Flutuações do nível de atividade econômica são denominadas ciclo de negócios. u A maior parte das variáveis macroeconômicas flutua em conjunto.

5 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. PIB do Brasil ( )

6 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Três Fatos sobre Flutuações Econômicas u A maior parte das variáveis macroeconômicas flutuam em conjunto. u A maior parte das variáveis macroeconômicas que medem algum tipo de renda ou produção flutuam proximamente. u Apesar de muitas variáveis macroeconômicas flutuarem juntas, elas variam por diferentes intensidades.

7 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Três Fatos sobre Flutuações Econômicas u Quando a produção cai, o desemprego aumenta. u Variações do PIB real são inversamente relacionadas à taxa de desemprego. u Durante os períodos de recessão, o desemprego aumenta substancialmente.

8 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Como o Curto Prazo difere do Longo Prazo u A maior parte dos economistas acredita que a teoria clássica descreve o mundo no longo prazo, mas não no curto prazo. u As variações da oferta de moeda afetam as variáveis nominais, mas não as variáveis reais no longo prazo. u O pressuposto da neutralidade da moeda não é apropriada quando se estuda as variações da economia de um ano para outro.

9 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Keynes e o Longo Prazo n O longo prazo é um guia enganoso para situações presentes. No longo prazo estaremos todos mortos. Os economistas se propõem a uma tarefa muito fácil e inútil se em épocas de tempestades eles apenas puderem dizer que, quanto o temporal tiver passado, o oceano estará calmo.

10 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Modelo Básico das Flutuações Econômicas u Duas variáveis são usadas para desenvolver um modelo para analisar as flutuações no curto prazo. u A produção de bens e serviços da economia medida pelo PIB real. u O nível geral de preços medido pelo índice de preços ao consumidor ou deflator do PIB.

11 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Modelo Básico das Flutuações Econômicas O economista usa o modelo de demanda agregada e oferta agregada para explicar flutuações na atividade econômica ao longo de sua tendência de longo prazo.

12 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Modelo Básico das Flutuações Econômicas u A curva de demanda agregada mostra a quantidade de bens e serviços que as famílias, firmas e governo desejam comprar a cada nível geral de preços.

13 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Modelo Básico das Flutuações Econômicas u A curva de oferta agregada mostra a quantidade de bens e serviços que as firmas produzem e vendem a cada nível geral de preços da economia.

14 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Demanda Agregada e Oferta Agregada... Produção de equilíbrio Quantidade produzida Nível de preço 0 Nível de preço de equilíbrio Oferta agregada Demanda agregada

15 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Demanda Agregada u Os quatro componentes do PIB (Y) contribuem para a demanda agregada de bens e serviços. Y = C + I + G + EL

16 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Demanda Agregada... Quantidade produzida Nível de preço 0 Demanda agregada P1P1 Y1Y1 Y2Y2 P2P2 2. …aumenta a quantidade demandada de bens e serviços. 1. Uma diminuição do nível de preços...

17 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Demanda Agregada é Negativamente Inclinada u O nível de preços e o consumo: o efeito riqueza u O nível de preços e o investimento: o efeito da taxa de juros u O nível de preços e as exportações líquidas: o efeito da taxa de câmbio

18 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Nível de Preços e o Consumo: O Efeito Renda u Uma diminuição no nível de preços faz com que os consumidores se sintam mais ricos, o que os encoraja a gastar mais. u Este aumento nos gastos dos consumidores significa maiores quantidades demandadas de bens e serviços.

19 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Nível de Preço e o Investimento: O Efeito da Taxa de Juros u Um menor nível de preço reduz a taxa de juros, o que encoraja um aumento dos gastos em investimentos. u Com a queda em P a demanda por moeda para transações diminui. Excedente de moeda se move para o mercado de fundos de empréstimo implicando um aumento da oferta de fundos o que diminui a taxa de juros. u Este aumento no investimento significa uma maior quantidade demandada de bens e serviços.

20 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Nível de Preços e as Exportações Líquidas: O Efeito da Taxa de Câmbio u Quando uma queda do nível de preço causa uma queda da taxa de juros, a taxa de câmbio real se deprecia. u Isso ocorre porque o IEL fica negativo aumentando a procura por dólares e em contrapartida aumentando a oferta de reais.

21 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Nível de Preços e as Exportações Líquidas: O Efeito da Taxa de Câmbio u Resultado: Real se deprecia. u Bens importados se tornam mais caros e os bens produzidos internamente mais baratos relativamente. u Estímulo às exportações líquidas. u O aumento da exportação líquida significa uma maior quantidade demandada de bens e serviços.

22 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Demanda Agregada se desloca u A declividade da curva de demanda agregada mostra que uma queda do nível de preço aumenta a quantidade total demandada de bens e serviços. u Muitos outros fatores, entretanto, afetam a quantidade demandada de bens e serviços a qualquer nível de preço. u Quando um daqueles fatores varia, a curva de demanda agregada se desloca.

23 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Demanda Agregada se desloca u Desloca-se pela variação do consumo u Desloca-se pela variação do investimento u Desloca-se pela variação das compras do governo u Desloca-se pela variação das exportações líquidas

24 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Deslocamentos da Curva de Demanda Agregada... Quantidade produzida Nível Geral de Preços 0 Demanda agregada, D 1 P1P1 Y1Y1 D2D2 Y2Y2

25 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Oferta Agregada u No longo prazo, a curva de oferta agregada é vertical. u No curto prazo, a curva de oferta agregada é positivamente inclinada.

26 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Oferta Agregada de Longo Prazo u No longo prazo, a produção de bens e serviços da economia depende da oferta de fatores de produção e da tecnologia disponível utilizada. u O nível de preço não afeta aquelas variáveis no longo prazo.

27 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Oferta Agregada de Longo Prazo... Quantidade produzida Taxa natural de produção Nível Geral de Preços 0 Curva de oferta agregada de longo prazo P1P1 P2P2 2. …não afeta a quantidade total de bens e serviços ofertada no longo prazo. 1. Uma variação do nível de preço…

28 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Oferta Agregada no Longo Prazo u A curva de oferta agregada de longo prazo é vertical à taxa natural de produção da economia. u Este nível de produção é também denominado como produção (PIB) potencial ou produção (PIB) de pleno emprego.

29 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada de Longo Prazo se Desloca? u Qualquer mudança na economia que altere a taxa natural de produção desloca a curva de oferta agregada de longo prazo. u O deslocamento ocorre de acordo com os vários fatores determinados pelo modelo clássico que afetam a produção.

30 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada de Longo Prazo se Desloca? u Deslocamentos promovidos pela variação da quantidade de capital humano u Deslocamentos que surgem das variações do capital físico u Deslocamentos que surgem da disponibilidade de recursos naturais u Deslocamentos que surgem de inovações tecnológicas

31 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. 1. No longo prazo, o progresso tecnológico desloca a curva de oferta de longo prazo... OALP 2000 OALP 1990 Crescimento de Longo Prazo e Inflação… Quantidade produzida Nível Geral de Preços 0 P 1980 Y 1980 DA 1980 P 2000 P 1990 OALP …e a expansão da oferta de moeda desloca a demanda agregada... DA 2000 DA …e inflação continuada Y 1990 Y …levando ao crescimento do produto...

32 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada é Positivamente Inclinada no Curto Prazo u No curto prazo, um aumento do nível geral de preços na economia tende a aumentar a quantidade ofertada de bens e serviços. u Uma diminuição do nível de preços tende a reduzir a quantidade ofertada de bens e serviços.

33 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Curva de Oferta Agregada de Curto Prazo... Quantidade produzida Nível Geral de Preços 0 Curva de oferta agregada de curto prazo Y1Y1 P1P1 Y2Y2 2. Reduz a quantidade de bens e serviços ofertados no curto prazo. P2P2 1. Uma diminuição do nível de preço

34 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada de Curto Prazo é Positivamente Inclinada? u A teoria da rigidez dos salários u A teoria da rigidez dos preços u A teoria das percepções equivocadas. u Todas procuram explicar o fato de que a quantidade ofertada se desvia de seu nível de longo prazo quando o nível de preços se desvia do nível de preços que os agentes esperam que prevalecesse.

35 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Teoria da Rigidez dos Salários u Salários nominais são lentamente ajustados, ou seja, são rígidos no curto prazo: u Os salários não se ajustam imediatamente à queda do nível de preços. u Um menor nível geral de preços torna o emprego de trabalhadores e a produção menos rentáveis para as empresas. u Isto induz as firmas a diminuirem a quantidade ofertada de bens e serviços na economia.

36 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Teoria da Rigidez dos Preços u Os preços de alguns bens e serviços se ajustam lentamente em resposta a mudanças das condições econômicas: u Uma queda inesperada no nível de preços leva algumas firmas a permanecer com os preços dos seus produtos mais altos do que desejariam. u Isto deprime as vendas, o que induz as firmas a reduzirem a quantidade ofertada de bens e serviços.

37 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. A Teoria das Percepções Equivocadas u Variações no nível geral de preços temporariamente iludem ofertantes de bens e serviços sobre o que realmente está acontecendo nos mercados nos quais atuam vendendo seus produtos e serviços: u Um nível de preço baixo causa a ilusão sobre os preços relativos. u Aquelas ilusões induzem os ofertantes a diminuir a quantidade de bens e serviços ofertados.

38 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada se desloca? u Deslocamentos provocados pela variação da quantidade de capital humano u Deslocamentos que surgem da variação do capital u Deslocamentos que surgem da variação da disponibilidade de recursos naturais u Deslocamentos que surgem das inovações tecnológicas. u Deslocamentos que surgem da expectativa de preço.

39 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. u Uma expectativa de aumento de preço reduz a quantidade ofertada de bens e serviços e desloca a curva de oferta agregada de curto prazo para a esquerda. u Expectativa de preços mais altos levam sindicatos a negociarem salários nominais mais altos pressionando os custos reduzindo a oferta de bens e serviços. Por que a Curva de Oferta Agregada se desloca

40 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Por que a Curva de Oferta Agregada se desloca n Uma expectativa de diminuição de preço aumenta a quantidade ofertada de bens e serviços e desloca a curva de oferta agregada de curto prazo para a direita.

41 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. O Equilíbrio de Longo Prazo Quantidade produzida Nível Geral de Preços 0 Oferta agregada de curto prazo Oferta agregada de longo prazo Demanda agregada A Preço de equilíbrio Taxa natural de produção

42 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. 1. Uma diminuição da demanda agregada… DA 2 Uma Contração da Demanda Agregada... Quantidade produzida Nível Geral de Preços 0 Curva de oferta agregada de curto prazo, OA 1 Oferta agregada de longo prazo Demanda agregada, DA 1 A P1P1 Y1Y1 B P2P2 Y2Y2 2. …causa uma queda da produção no curto prazo… OA 2 C P3P3 3. …mas ao longo do tempo, a curva de oferta de curto prazo se desloca… 4. …e a produção retorna ao nível inicial. Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc.

43 Deslocamentos da Demanda Agregada u No curto prazo, deslocamentos da demanda agregada causam flutuações na produção de bens e serviços. u No longo prazo, deslocamentos da demanda agregada afetam o nível geral de preços, mas não influenciam a produção.

44 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Um Deslocamento Adverso da Oferta Agregada u Uma diminuição de um dos determinantes da oferta agregada desloca a curva para a esquerda: u A produção cai abaixo da taxa natural de emprego. u O desemprego aumenta. u O nível geral de preços sobe.

45 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. 1. Um deslocamento adverso na curva agregada de curto prazo… OA 2 Oferta agregada de longo prazo Oferta agregada de curto prazo, OA 1 Quantidade produzida Nível de preço 0 Demanda agregada A Y1Y1 P1P1 Um Deslocamento Adverso da Oferta Agregada… 3. …e o nível de preço sobe. P2P2 2. …causa uma queda da produção… B Y2Y2

46 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Estagflação u Deslocamentos adversos da oferta agregada causam estagflação - uma combinação de recessão (estagnação) e inflação. u A produção cai e os preços sobem. u Os formuladores de políticas públicas que podem influenciar a demanda agregada não podem evitar que ambos efeitos adversos ocorram simultaneamente.

47 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Políticas de Resposta à Recessão u Os formuladores de políticas públicas devem responder à recessão de um dos seguintes modos: u Não fazendo nada e esperando que os preços e salários se ajustem. u Tomar ação para aumentar a demanda agregada, utilizando políticas fiscais e monetárias.

48 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. OA 2 1. Quando a oferta agregada de curto prazo diminui… Acomodação de um Deslocamento Adversos da Oferta Agregada... Quantidade produzida Taxa natural de produção Nível de preço 0 Oferta agregada de curto prazo, OA 1 Demanda Agregada DA 1 Oferta agregada de longo prazo A P1P1 P2P2 P3P3 3.…o que causa o aumento do nível de preços 4. …mas mantém a produção em sua taxa natural. C 2. …os formuladores de políticas podem acomodar o deslocamento expandindo a demanda agregada… DA 2

49 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Os Efeitos de um Deslocamento da Oferta Agregada u Deslocamentos da oferta agregada podem causar estagflação - uma combinação de recessão e inflação. u Os formuladores de políticas públicas podem influenciar a demanda agregada, mas não podem evitar que ambos efeitos adversos influenciem a economia simultaneamente.

50 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u Todas as sociedades experimentam flutuações econômicas de curto prazo ao longo de tendências de longo prazo. u Aquelas flutuações são irregulares e altamente imprevisíveis. u Quando as recessões ocorrem, o PIB real e outras medidas da renda, dispêndio e produção caem e o desemprego aumenta.

51 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u Os economistas analisam as flutuações de curto prazo usando o modelo de oferta e demanda agregadas. u De acordo com o modelo da oferta e demanda agregadas, a produção de bens e serviços e o nível geral de preços da economia se ajustam para equilibrar a demanda e oferta agregadas.

52 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u A curva de demanda agregada é negativamente inclinada por três razões: o efeito renda, um efeito da taxa de juros e um efeito da taxa de câmbio. u Qualquer evento ou política que faça variar o consumo, investimento, aquisições do governo ou exportações líquidas a qualquer nível de preço irá deslocar a curva de demanda agregada.

53 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u No longo prazo, a oferta agregada é vertical. u No curto prazo, a curva de oferta agregada é positivamente inclinada. u As três teorias que explicam a inclinação positiva da curva de oferta agregada de curto prazo são: teoria das percepções equivocadas, teoria da rigidez dos salários e teoria da rigidez dos preços.

54 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u Eventos que alterem a habilidade da economia em produzir bens e serviços irá deslocar a curva de oferta agregada de curto prazo. u Além disso, a posição da curva de oferta agregada de curto prazo depende das expectativas de preço. u Uma possível causa das flutuações econômicas é um deslocamento da demanda agregada.

55 Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Resumo u Um segunda causa possível para as flutuações econômicas é um deslocamento da curva de oferta agregada. u Estagflação é um período de queda da produção e aumento de preços.


Carregar ppt "Demanda e Oferta Agregadas Capítulo 33. Harcourt, Inc. items and derived items copyright © 2001 by Harcourt, Inc. Flutuações Econômicas no Curto Prazo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google