A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MACONHA HISTÓRICO Os primeiros registros históricos do uso da Cannabis sativa para fabricação de papel, datam de 8000 anos a.C, na China. Depois os chineses.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MACONHA HISTÓRICO Os primeiros registros históricos do uso da Cannabis sativa para fabricação de papel, datam de 8000 anos a.C, na China. Depois os chineses."— Transcrição da apresentação:

1

2 MACONHA

3 HISTÓRICO Os primeiros registros históricos do uso da Cannabis sativa para fabricação de papel, datam de 8000 anos a.C, na China. Depois os chineses descobriram e desenvolveram outras formas de uso da planta, principalmente para produção de artigos têxteis e medicina. Mais tarde, outras sociedades, como os gregos, romanos, africanos, indianos e árabes também aproveitaram as qualidades da planta, fosse ela consumida como alimento, medicina, combustível, fibras ou fumo. Entre os anos de 1000 a.C. até meados do século XIX, a maconha e o cânhamo produziam a maior parte dos papéis, combustíveis, artigos têxteis e sendo, dependendo da cultura que a utilizava, a primeira, segunda ou terceira medicina mais usada. Sua grande importância histórica se deve ao fato da maconha ter a fibra natural mais resistente e forte do que todas as outras, podendo ser cultivada em praticamente qualquer tipo de solo. Da China, ela se espalhou para a Índia, o Oriente Médio, o Norte da África.

4 MACONHA De lá desceu rumo à África Subsaariana e subiu até a Europa, via Turquia. O frio europeu parece ser uma das razões pelas quais a erva não era fumada no continente. Os princípios ativos da planta, THC e canabidiol, se desenvolvem em quantidade maior em ambientes quentes e ensolarados durante a maior parte do ano. Fumar maconha não fazia sentido para os europeus de antanho, porque não fazia efeito algum. Na década de 90 iniciou-se o cultivo artificial da maconha, quando foi introduzida uma nova técnica, utilizando luzes artificiais como as de vapores de sódio e as multi-vapores (mercúrio e outros gases componentes). Durante este período (década de 90), os estudos e investimentos na cannabis cresceram tanto que hoje existem milhares de empresas no mundo que se dedicam dia a dia no melhoramento genético desta planta. Ação esta que proporcionou a existência de uma infinidade de tipos de cannabis, centenas de Híbridos, Sativas, Índicas.

5 12/09/13

6

7 PRINCÍPIO ATIVO Tetrahidrocanabinol, também conhecido como THC (do inglêsTetrahydrocannabinol), Δ9-THC, (delta-9-tetrahidrocanabinol), ou dronabinol (sintético), é a principal substância psicoactiva encontrada nas plantas do género Cannabis,3 e pode ser obtido por extracção a partir dessa planta ou por síntese em laboratório. Na utilização clínica de Cannabis, os extractos são compostos geralmente pelos topos a florescer e com abundantes tricomas glandulares (sem sementes), com um potência de até 20% de THC.6 Dados quanto à composição dos extractos usados para consumo recreacional são escassos devido ao facto do seu consumo ser ilegal em muitos países. Um estudo da quantidade de THC em amostras de maconha e haxixe apreendidas pela polícia italiana entre 1997 e 2004 revela valores que variam entre 0,5 e 20%, com a média a subir nos últimos anos para cerca de 13%.6 São mais de 60 substâncias que se encontram presentes na maconha, chamadas pelo nome genérico de canabióides. Sua concentração pode se de 1% a 5% na maconha comum e de até 33% no skunk.

8 MOTIVOS DO USO 1. Curiosidade 2. Aceitação em grupos 3. Acompanhar os amigos 4. Familia 5. Rebeldia 6. outros

9 AS CAUSAS DO VÍCIO Pesquisas tem demonstrado que a maconha, em tese, não causa dependência física, e seus efeitos são menores do que os efeitos de outras drogas, o que dá uma falsa impressão de que não vicia, fazendo com que o usuário continue utilizando, sem perceber que para atingir o mesmo prazer da primeira vez, tem que aumentar a dose e diminuir o tempo de intervá-lo do uso. Este fato comprova o vício, já que a maconha causa dependência psíquica, sendo isso cientificamente comprovado.

10 FACILIDADE DE AQUISIÇÃO Apesar de ser uma droga ilícita, é adquirida facilmente, principalmente em grandes cidades e regiões fronteiriça. Conforme pesquisas, o maior produtor de maconha é o Paraguai, de onde vem a maior quantidade de maconha traficada para o Brasil. A grande extensão de fronteira dificulta a fiscalização. É uma droga relativamente barata e das drogas ilícitas, é a mais utilizada no Brasil, e no geral, perde apenas para o álcool.

11 CRIMES RELACIONADOS Tráfico de drogas; Furtos e roubos; Homicídios; Lesões Corporais; Contrabando e comércio ilegal de armas; Corrupção de menores; Peculato; Formação de quadrilha; Etc.

12 EFEITOS NO CÉREBRO Onde a droga aje 1-Cortéx Frontal. Controla o comportamento. A euforia tem origem aqui. 2-Núcleo Acumbens pode sediar o mecanismo que causa dependência. 3-Hipocampo É o setor que guarda informações. Se atingido perde-se a memória. 4-Cerebelo Responde às alterações da coordenação motora.

13 12/09/13 Quando um psicotrópico chega ao cérebro, estimula a liberação de uma dose extra de um neurotransmissor, provocando as sensações de prazer. À medida que o uso vai se prolongando, o organismo do usuário tenta se ajustar a esse hábito. O cérebro adapta seu próprio metabolismo para absorver os efeitos da droga. Cria-se, assim, uma tolerância ao tóxico. Desse modo, uma dose que normalmente faria um estrago enorme torna-se em pouco tempo inócua. O usuário procura a mesma sensação das doses anteriores e não acha. Por isso, acaba aumentando a dose, para uma dose maior para obter o mesmo efeito. A dependência vai assim se agravando continuamente. Como o psicotrópico imita a ação dos neurotransmissores, o cérebro deixa de produzi-los. A droga se integra ao funcionamento normal do órgão. E quando falta o impostor químico, o sistema nervoso fica abalado. É o que popularmente se conhece como a síndrome da abstinência da droga. EFEITOS NO CÉREBRO

14 Os neurotransmissores são substâncias químicas capazes de transmitir um sinal elétrico de um neurônio a outro. Assemelham-se a um eletrólito de bateria, o qual permite que a corrente elétrica circule pelas placas. Depois de retransmitir o sinal elétrico o neurotransmissor normalmente é reabsorvido, para não ficar estimulando indefinidamente os outros neurônios, permitindo que eles possam reagir rapidamente a novas exigências. As drogas que provocam euforia, como a cocaína, impedem essa reabsorção, de modo que o cérebro fica super-ativado. Não é difícil perceber o estrago que essa intervenção antinatural pode provocar, quando se sabe que num minuto ocorrem trilhões de trocas neuroquímicas no cérebro. Não é sem razão que muitos especialistas em drogas chamam esse estado de "prazer espúrio". Drogas leves são as que causam "dependência psíquica", que significa o desejo irrefreável de consumir a droga. Drogas pesadas são aquelas que além da dependência psíquica causam também a física, ou seja, a sua falta acarreta uma síndrome de abstinência tão violenta, com sintomas físicos tão dolorosos, que o viciado procura desesperadamente pela droga a fim de aliviar a ânsia de consumo. Por essa razão, fumo e álcool podem ser considerados como drogas pesadas, apesar de serem socialmente aceitas.

15 EFEITOS NO CÉREBRO Efeitos no controle psicomotor: Desajustes no controle e coordenação motora, Redução da atividade psicomotora, Alterações da percepção sensorial e temporal, perturbações da comunicação oral, Inibição do movimento. Efeito cognitivos: Dificuldades de concentração, distúrbios na memória a longo prazo, danos em todos os estágios da memória incluindo codificação, consolidação e recuperação, dificuldades de atenção, diminuição do desempenho aritmético, efeitos amnésicos (relacionados com a inibição da liberação de neurotransmissores). Efeitos Psíquicos: Euforia, sensação de bem-estar, sonolência, sedação, síndrome de ansiedade, despersonalização/desrealização, aumento do apetite

16 EFEITOS NO CORPO Ao chegar na corrente sangüínea, a maconha passa por todos os tecidos do organismo. As sensações experimentadas variam com o teor de Delta 9THC das preparações (que varia de acordo com a parte da planta utilizada e o modo como são preparadas), via de introdução e absorção do Delta 9THC. Os efeitos variam muito de indivíduo para indivíduo e dependem da personalidade e mesmo do grau de experiência do indivíduo no uso da droga. Os efeitos são os mais diversos possíveis, a seguir listados, estão alguns efeitos e males causados pelo uso da maconha: A curto prazo, os efeitos comportamentais típicos são: período inicial de euforia (sensação de bem-estar e felicidade, seguido de relaxamento e sonolência). quando em grupo, ocorrem risos espontâneos (risos e gritos imoderados como reação a um estímulo verbal qualquer).

17 EFEITOS NO CORPO perda da definição de tempo e espaço: o tempo passa mais lentamente (um minuto pode parecer uma hora ou mais), e as distâncias são calculadas muito maiores do que realmente são (um túnel de 10 metros de comprimento, por exemplo pode parecer ter 50 ou 100 metros). coordenação motora diminuída: perda do equilíbrio e estabilidade postular. alteração da memória recente. falha nas funções intelectuais e cognitivas. maior fluxo de idéias pensamento mais rápido que a capacidade de falar, dificultando a comunicação oral, a concentração, o aprendizado e o desenvolvimento intelectual. idéias confusas. aumento da freqüência cardíaca (taquicardia). hiperemia das conjuntivas (olhos vermelhos). aumento do apetite (especialmente por doces) com secura na boca e garganta.

18 12/09/13 Doses mais altas de podem levar a: Alucinações, ilusões e paranóias. sensação de extremidades pesadas. Pensamentos confusos e desorganizados, despersonalização. Ansiedade e angústia que podem levar ao pânico, medo da morte. incapacidade para o ato sexual (até impotência). A longo prazo, a extensão dos danos, bem caracterizados, se restringem ao sistema pulmonar e cardiovascular. maior risco de desenvolver câncer de pulmão. diminuição das defesas, facilitando infecções. dor de garganta e tosse crônica. aumenta os riscos de isquemia cardíaca, percepção do batimento cardíaco. EFEITOS NO CORPO

19 12/09/13 EFEITOS EM OUTROS ÓRGÃOS O consumo de Cannabis a longo prazo tem um impacto negativo em sistemas de órgãos incluindo o sistema imunitário e a circulação; entre outros efeitos destacam-se: Influência em processos hormonais por interagir com o eixo hipotálamo-hipófise; Inibição da motilidade gástrica e do esvaziamento gástrico; Aumento do risco da progressão da fibrose na hepatite C crônica; Influência na resposta humoral e na resposta imunitária dos linfócitos T (estudos experimentais) Decréscimo na contagem de espermatozóides; inibição da reação do acrossoma e diminuição da motilidade dos espermatozóides (estudos in vitro)

20 12/09/13 Mais efeitos tóxicos na saúde mental dos adolescentes do que em adultos; Maior risco de depressões; Efeitos mais pronunciados na performance cognitiva, nomeadamente no QI verbal; Síndrome de desmotivação, caracterizado por apatia, retraimento social e dificuldades de concentração, o que implica consequências na performance acadêmica RISCOS DO USO NA ADOLESCÊNCIA

21 RISCOS DO USO NA GESTAÇÃO O uso de maconha durante a gravidez pode causar efeitos extremamente variáveis sobre o feto, dependendo da quantidade e freqüência do uso da droga. Menor duração da gestação e crianças com baixo peso ao nascer podem ser algumas das complicações. Pesquisas feitas monstram que há um sutil risco de malformações fetais e de danos cognitivos (de 0% a 9%) devido ao consumo de Cannabis. Mulheres que consomem maconha durante a gravidez podem ter filhos com cérebros mal desenvolvidos, alerta um estudo feito na Suécia e divulgado nesta semana. O trabalho mostra que a droga atrapalha as conexões entre os neurônios em uma fase crítica da formação cerebral.

22 12/09/13

23 DOENÇAS RELACIONADAS AO USO DA MACONHA Praticamente as mesmas relacionadas ao uso do cigarro, potencializando o grau de risco para quem faz uso do tabaco, em contra- partida, com menor grau de risco pra quem usa apenas a maconha. Câncer de pulmão Câncer de boca Câncer de laringe Enfisema nos pulmões Impotência sexual- Bronquite Redução da capacidade de aprendizado e memorização (principalmente em crianças e adolescentes) Doenças cardíacas

24

25 TRATAMENTO O tratamento consiste basicamente na desintoxicação; É importante o comprometimento do usuário para que o tratamento tenha resultados positivos; Como qualquer droga, a maconha ainda estará disponível ao usuário após a desintoxicação, sendo importante o apoio da familia, a mudança de ambiente e garantir uma ocupação, evitando tempo ocioso; Prática de esportes ajuda no tratamento;

26 CONCLUSÃO

27 OBRIGADO PELA ATENÇÃO


Carregar ppt "MACONHA HISTÓRICO Os primeiros registros históricos do uso da Cannabis sativa para fabricação de papel, datam de 8000 anos a.C, na China. Depois os chineses."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google