A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Julho, 2013 Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Julho, 2013 Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco."— Transcrição da apresentação:

1 Julho, 2013 Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco

2 2 Roteiro Internacional Brasil Economia global em nova fase. Perspectivas melhores nos EUA, desaceleração das economias emergentes. Economia global em nova fase. Perspectivas melhores nos EUA, desaceleração das economias emergentes. Expectativa de normalização de política do Fed causou sell-off nos emergentes. Impacto depende dos fundamentos de cada país. Expectativa de normalização de política do Fed causou sell-off nos emergentes. Impacto depende dos fundamentos de cada país. Ajuste dos mercados ao Fed e protestos populares produzem relevante mudança no cenário macroeconômico. Depreciação do real acompanhou movimento internacional, mas moeda sofreu mais que seus pares. Câmbio mais fraco leva a piora na perspectiva de inflação para 2013 e maior necessidade de subida de juros. Fiscal deve se tornar menos expansionista, mas protestos reduzem chance de um ajuste mais profundo das contas públicas. Cenário mais incerto e juro mais alto impactam negativamente as perspectivas para o crescimento.

3 3 EUA: payroll volta a surpreender em junho Mercado de trabalho nos EUA segue firme. Mercado de trabalho nos EUA segue firme. Payroll aumentou 195 mil em junho (expectativa: 165 mil) e foi revisado em 70 mil nos dois meses anteriores. A taxa de desemprego ficou estável em 7.6%. Payroll aumentou 195 mil em junho (expectativa: 165 mil) e foi revisado em 70 mil nos dois meses anteriores. A taxa de desemprego ficou estável em 7.6%. Fonte: Itaú Unibanco, BLS Taxa de desemprego, % Payroll – crescimento (milhares)

4 4 Taxas de câmbio variação %, desde maio Taxas nominais de 5 anos variação em p.b. desde maio Fed sinaliza redução dos estímulos: sell-off nos emergentes Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg Acreditamos que o Fed deve reduzir o ritmo de compras de ativos na reunião de setembro. Acreditamos que o Fed deve reduzir o ritmo de compras de ativos na reunião de setembro.

5 5 China: foco em reformas, crescimento menor Fonte: Itaú Unibanco, CEIC Sinalizações de política refletem preocupação menor com crescimento de curto prazo e maior foco em reformas estruturais que levem a um crescimento sustentável no médio/ longo prazo. Sinalizações de política refletem preocupação menor com crescimento de curto prazo e maior foco em reformas estruturais que levem a um crescimento sustentável no médio/ longo prazo. PIB – crescimento ano contra ano, %

6 6 Países: Brasil, México, Chile, Colômbia, Coréia do Sul, Cingapura, Taiwan, Indonésia, Malásia, Tailândia, Rússia, Ucrânia, Polônia, Hungria, República Tcheca, Turquia, África do Sul Desaceleração nos emergentes Crescimento de países emergentes variação trimestral anualizada, com ajuste sazonal Fonte: Itaú Unibanco, Haver Analytics, FMI 3.3% 1.7%

7 7 Mundo: o que esperamos para os próximos anos? Fonte: Haver, CEIC, Bloomberg, Itaú Unibanco Mundo EUA Zona do Euro Japão China

8 8 Commodities: nossas expectativas para o curto prazo Fonte: Itaú Unibanco Índice Itaú de Commodities

9 9 Peru México PIB - % PIB - % PEN / USD (dez) 2.70 MXN / USD (dez) Taxa de Juros - (dez) - % 4.25 Taxa de Juros - (dez) - % 4.00 IPC - % IPC - % Colômbia Chile PIB - % PIB - % COP / USD (dez) CLP / USD (dez) Taxa de Juros - (dez) - % Taxa de Juros - (dez) - % IPC - % IPC - % Argentina PIB - % ARS / USD (dez) BADLAR - (dez) - % IPC - % (Estimativas Privadas) América Latina: crescimento divergente Fonte: Itaú Unibanco

10 10 Crescimento decepcionou no Brasil Expectativas de crescimento (%) em 2012 Fonte: Latin Focus Consensus Forecasts Expectativas de crescimento (%) em 2013

11 11 Brasil: o que esperamos para o curto prazo? Fonte: Itaú Unibanco, BCB Atividade econômica PIB (%) Inflação IPCA (%) Política monetária Taxa SELIC (%) Fiscal Superávit primário (% PIB) Balança de pagamentos Câmbio (dez) Conta corrente (% PIB)

12 12 O que explica o ritmo fraco do PIB nos últimos anos? PIB: contribuições para o crescimento (variação trimestral, com ajuste sazonal) Desalavancagem: Aumento do juro real (+150bps) Macroprudenciais (compulsório + requerimento de capital) Crescimento dos gastos correntes (governo) passa de 10/15% para 0% BNDES diminuiu desembolsos Aversão a risco global (VIX sobe p/40) Estoques altos; Crescimento desacelera e as importações também Problemas de oferta : Governo expande o fiscal e corta os juros; economia reage lentamente Excesso de intervenção eleva risco de política econômica Desaceleração da produtividade parece maior do que fatores cíclicos; capacidade de crescimento menor Com produtividade baixa, aumento dos salários reduz margem e limita investimento Inflação acelera e afeta renda real e consumo Sinais de aumento do vazamento externo Fonte: IItaú Unibanco, IBGE

13 13 Recuperação gradual reflete PIB potencial menor Variação do PIB ante o trimestre anterior (com ajuste sazonal) Fonte: Itaú Unibanco, BCB PIB – crescimento anual

14 14 Produção industrial volátil, investimento volta a mostrar fraqueza A produção industrial em maio devolveu a forte alta de abril. A queda foi disseminada e alcançou a maioria dos subsetores. A produção industrial em maio devolveu a forte alta de abril. A queda foi disseminada e alcançou a maioria dos subsetores. A produção de bens de capital teve importante recuo. Juros em alta, real mais fraco e incerteza maior devem levar a um arrefecimento mais duradouro dos investimentos. A produção de bens de capital teve importante recuo. Juros em alta, real mais fraco e incerteza maior devem levar a um arrefecimento mais duradouro dos investimentos. Fonte: Itaú Unibanco e IBGE Investimento – com ajuste sazonal Produção industrial – com ajuste sazonal

15 15 Confiança segue fraca Confiança da indústria (FGV) Fonte: Itaú Unibanco, FGV Confiança do consumidor (FGV)

16 16 Difusão sugere crescimento baixo à frente Índice de difusão vs. PIB PIB acumulado em 12 meses Conjunto amplo de dados - difusão Fonte: Itaú Unibanco

17 17 Fonte: IBGE e Itaú Unibanco Mercado de trabalho segue apertado Taxa de desemprego %, com ajuste sazonal Salário médio real índice com ajuste sazonal(2003=100) Média no ano Variação anual % % %

18 18 Fonte: Itaú Unibanco, Ministério do Trabalho e Emprego Risco: criação de emprego desacelera Criação de empregos formais (Caged) ficou bem abaixo das expectativas em maio. Criação de empregos formais (Caged) ficou bem abaixo das expectativas em maio. Recuperação gradual da atividade deve contribuir para aumento do ritmo de contratações, mas persistência de dados fracos nos próximos meses pode levar a perspectiva menos favorável para o mercado de trabalho. Recuperação gradual da atividade deve contribuir para aumento do ritmo de contratações, mas persistência de dados fracos nos próximos meses pode levar a perspectiva menos favorável para o mercado de trabalho. Empregos criados (CAGED) com ajuste sazonal, milhares População ocupada – variação anual

19 19 Câmbio mais depreciado, mas há overshooting Taxa de câmbio Fonte: Itaú Unibanco, BCB, Bloomberg

20 20 Câmbio leva a inflação mais alta IPCA – trajetória mensal Fonte: Itaú Unibanco, IBGE

21 21 Impacto de depreciações adicionais sobre a inflação Pass-through da taxa de câmbio desvalorização de 10% do real Trimestres após desvalorização Fonte: Itaú Unibanco Câmbio IPCA %6.5%7.0% IPCA %6.1%6.3%

22 22 Fonte: Itaú Unibanco, Bloomberg Taxa de juros real- títulos longos (NTN-B 50) Maior necessidade de aperto de juros… Precificação da SELIC implícita na curva de juros

23 23 Fonte: Itaú Unibanco, BCB …e postura fiscal menos expansionista Superávit primário - % PIB Dívida líquida - % PIB

24 24 Desafios: custos com mão de obra são relativamente elevados Fonte: U.S. Bureau of Labor Statistics, OECD, Haver Analytics, Itaú Unibanco Custo total por hora trabalhada em 2011 ($) – setor manufatureiro Elevação do custo unitário do trabalho em dólares (2005 – 2010)

25 25 Fonte: Heritage Foundation, Agência Internacional de Energia (2011); Elaboração: Itaú Unibanco Desafios: carga tributária é alta Carga tributária - % do PIB

26 26 Fonte: World Economic Forum e Banco Mundial Desafios: infraestrutura e produtividade Ranking de infraestrutura (World Economic Forum, ) Ranking de facilidade para se fazer negócios (Banco Mundial, 2012)

27 27 Desafios: menor contribuição do trabalho, é necessário investir mais Fonte: IBGE, Itaú Unibanco Contribuição decrescente do trabalho Crescimento do PIB Contribuição da força de trabalho diminui. Crescimento depende de aumentos nos investimentos e na produtividade. Contribuição da força de trabalho diminui. Crescimento depende de aumentos nos investimentos e na produtividade.

28 28 Desafios: escassez de poupança doméstica Fonte: IBGE e Itaú Unibanco 0% 2% 4% 6% 8% 10% 12% 14% 16% 18% 20% 5%10% 15% 20%25%30% Pessoas acima de 65 anos (% total) México Brasil Polônia Itália EUA Japão Colômbia Gastos com seguridade social (% PIB) Gastos públicos com seguridade social

29 29 Desafios: poupança brasileira precisa crescer para permitir aumento do investimento Poupança Doméstica (% em 2011) Fonte: FMI e Itaú Unibanco Taxa de investimento

30 30 Conclusão Mundo: notícias dos EUA aumentaram a volatilidade nos mercados, mas recuperação dos EUA é positiva no médio prazo. Juros mais altos nos EUA e dólar forte vieram para ficar, mas após sell-off em emergentes alguma correção nos preços de ativos deve acontecer. Brasil: câmbio mais depreciado leva a inflação mais alta, juros mais elevados e fiscal menos expansionista. Cenário mais incerto (interno e externo) impacta negativamente as perspectivas para o crescimento. Risco é mercado de trabalho.

31 31 Cenário de longo prazo Fonte: Itaú Unibanco


Carregar ppt "Julho, 2013 Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google